31.8.10

A IGREJA NA GLÓRIA






Vi uma grande multidão... de pé diante do trono... vestidos de roupas brancas...
Apocalipse 7:9


Eis aqui o cenário final da Igreja: a consumação — a Igreja além da história. Ela foi escolhida antes da história, nasceu na história, viveu e lutou através da história, sobreviveu à história, e saiu da história. E aqui a vemos salva, além da história, a Igreja em repouso, gloriosa e triunfante.

Que essa multidão de vestes brancas seja a Igreja está claro pela resposta à pergunta: “Quem são estes que estão vestidos de branco? De onde vieram?” A resposta: “São os que... lavaram as suas roupas no sangue do Cordeiro, e elas ficaram brancas.”

Eis o que a Igreja é: um povo purificado do pecado por meio do sangue de Cristo. Se você tem fé em Cristo, sua purificação pelo sangue de Jesus torna-o parte da Igreja. Sem essa purificação você não pertence à Igreja, mas, se você foi purificado, seu destino é glorioso.

O contraste entre o que foi ou tem sido e o que será é assinalado por duas expressões: “passaram pela grande perseguição” (ou tribulação, em algumas versões) e “estavam de pé diante do trono”. Que transição! Assim, podem os cristãos perder tudo — até a própria vida — mas seu destino, já definido, é depois da história. O melhor está por vir: a vida eterna e gloriosa!



Ore


Grande Deus Triúno, recebe em nome de Jesus nossa adoração: “Amém! O louvor, a glória, a sabedoria, a gratidão, a honra, o poder e a força pertencem ao nosso Deus para sempre. Amém.”

Pense


Eis o que a Igreja é: um povo purificado 
do pecado por meio do sangue de Cristo.

30.8.10

Ex-cardeal católico pediu silêncio sobre abuso sexual

Reuters/Brasil Online

Fitas publicadas em dois jornais belgas mostram um ex-cardeal católico pedindo que uma vítima não revele que sofreu abuso sexual por um bispo, aumentando a polêmica em torno dos escândalos sexuais dentro da Igreja.

As gravações feitas de forma secreta pela vítima trazem o ex-cardeal Godfried Danneels, antigo líder da Igreja na Bélgica, pedindo para uma vítima que aceite um pedido de desculpas em particular ou espere um ano para que o bispo se aposente antes de tornar o caso público.

O encontro aconteceu no dia 8 de abril, num momento em que o Vaticano estava sob ataque por ter tentado encobrir casos de abuso sexual por padres em outros países.

Um porta-voz de Danneels negou que arcebispo de Bruxelas tivesse tentado encobrir o caso, que causou a renúncia repentina do bispo de Bruges, Roger Vangheluwe, 73, naquele mês. Contudo, as fitas mostram o arcebispo pedindo silêncio.

O porta-voz da Igreja na Bélgica, Jurgen Mettepenningen, confirmou à Reuters que as transcrições que apareceram nos jornais "De Standard" e "Het Nieuwsblad" eram genuínas.

Leia mais em Fitas revelam ex-cardeal católico pedindo silêncio sobre abuso sexual na Bélgica


Informações Blog do Noblat

28.8.10

COMUNICAÇÃO SAUDÁVEL





“[...] feriu o Senhor a Nabal, e este morreu”.
1Sm 25.38

A língua pode dar vida ou matar o casamento. Pode ser remédio ou veneno, fonte de vida ou de morte. O casal precisa ter sensibilidade para se ouvir e pressa para atender as suas necessidades. Deve ser companheiro, confidente, consolador. Deve ser pródigo nos elogios e cuidadoso nas críticas; pontual nos compromissos, verdadeiro nas palavras e leal nas atitudes. Deve tratar o cônjuge com carinho na intimidade e com respeito em público. Valorizar seus dons e encobrir suas deficiências. Ministrar a abundância do seu amor e não lhe sonegar o seu perdão. Nada mata mais o romantismo no casamento do que uma comunicação rude.

A Bíblia fala acerca de Nabal, marido de Abigail. Ele era um homem rude e duro no trato. Suas palavras eram ferinas. Ele era um homem intratável. Tinha mania de grandeza. Queria ser o que não era. Era beberrão, briguento. Seu fim foi trágico, sua história um rastro de vergonha. Não há relacionamentos saudáveis sem uma comunicação generosa.

Ore


Como diz a tua palavra, Senhor, que eu seja pronto para ouvir, tardio para falar e tardio para me irar. Que meus lábios sejam usados como um manancial que traz vida ao meu lar. Por Jesus.

Pense


Não há casamento feliz sem uma comunicação saudável.

Jovens são alertados sobre o secularismo na igreja

Secularismo, identificando a igreja falsa e a igreja verdadeira foi o tema do pastor Gilson Schinemann (Curitiba-PR) para os jovens nesta manhã na Igreja Assembleia de Deus de Alagoas. O pastor, com base em 2ª Co 4.1-5, começou falando que os crentes são uma minoria cognitiva, cujos padrões de conhecimento se desvia do que é publicamente aceito e que se precisa ter firmeza de caráter para continuar seguindo os padrões de Deus.

De forma providencial, o tema chamou a atenção dos jovens, que ouviu do preletor os vários movimentos que massificam o secularismo: a explosão do fenômeno religioso (aumento das denominações evangélicas, das seitas, das religiões orientais); desconfiança na instituição religiosa, misturando cultos alternativos como uso de amuletos em algumas igrejas, e o uso da indústria de marketing, sem Jesus Cristo, sem renúncia e sem comprometimento.


Ainda sobre os movimentos, o pastor Gilson citou o materialismo (Teologia da Prosperidade); o surgimento do humanismo, filosofia que tem o homem como centro de tudo; racionalismo, a prática do humanismo, do religionismo, do existencialismo e a contextualização (a igreja se conformando com o mundo).

O preletor também trouxe advertências da Palavra de Deus sobre o secularismo, como O mundo jaz no maligno (I Jo 5.19). Ele alertou sobre as mutações sociais, que afetam os valores morais, familiares e estéticos (I Jo 2.15-17). O estudo irá continuar amanhã.

Pastor Sergio Bastian

Antes, o pastor Sergio Bastian, de Boston, na cidade de New York-EUA, ministrou com base nos textos em I Tm 1 e Hb 11.1. O tema Fé norteou toda a preleção. "Pode começar pequena, mas deve desenvolver para o nosso crescimento espiritual", disse o pastor sobre a fé.

Fonte: AD Alagoas

Via: Guia-me

Igreja oferece 3.000 votos a políticos do Maranhão

Do Folha Gospel

Uma igreja do Maranhão encaminhou ofício a deputados estaduais oferecendo apoio político para as eleições.

Na correspondência, a igreja diz que consegue "arrumar mais de 3.000 votos", entre fiéis e seus familiares.

O documento, assinado pelo missionário Antônio Ferreira Francelino, superintendente estadual da igreja Casa da Bênção, no Maranhão, informa que a igreja dispõe de uma hora na programação de uma rádio local e ministra cultos semanais na casa de fiéis. "Sem mais, espero a sua atenção para um possível apoio nesta eleição", diz, no ofício.

O próprio missionário disse à Folha que o ofício foi enviado para diversos políticos e que pelo menos um já deu resposta. Outros políticos que não receberam a correspondência também procuraram a igreja em busca de apoio, segundo ele.

Francelino disse que os candidatos costumam procurar a igreja em busca de apoio na época das eleições. Neste ano, afirmou ele, decidiu convidar alguns políticos para conversar antes de decidir qual nome os pastores irão recomendar aos fiéis.

A Casa da Bênção tem cerca de mil membros e 18 unidades em todo o Estado.

"Temos que apoiar alguém, não é? É claro que nem todo mundo vai votar nesse deputado, porque a igreja não obriga a votar", disse. "A igreja é livre. Posso apresentar um deputado, mas um irmão dizer que a família já tem outro nome."

Na eleição passada, segundo o missionário, a Casa da Bênção apoiou o deputado estadual Pavão Filho (PDT). "Ele foi à igreja e o apresentamos dizendo 'este é o nosso candidato'. Todas as igrejas fazem isso", disse.

Para Francelino, a igreja não pede nada em troca. Mas espera que o deputado, caso eleito, beneficie projetos e programas criados pela instituição. "Se tivermos algum projeto, vamos chegar e dizer: 'deputado, o que o senhor pode fazer?'", disse.

Até agora, disse o missionário, a Casa da Bênção não tem nenhum projetos social.

A deputada estadual Helena Heluy (PT) relatou o recebimento do ofício em discurso na Assembleia nesta semana. Heluy, que não é candidata nestas eleições, disse que fez isso para mostrar que, apesar de toda a mobilização para desenvolver uma consciência ética, o voto ainda é tratado como negócio por algumas pessoas.

"Oferecem os votos, tirando toda a consciência e ética. Tratam como um curral eleitoral", disse a deputada à reportagem.

Para o missionário, não se trata de negociação dos votos. "Só falei que a igreja está à disposição para conversar. Não é negociar", disse.

Fonte: Folha Online

Guia Brasileiro Preso no Egito é Deportado e Retorna ao Brasil

O brasileiro preso no Egito encontrado com Bíblia e material religioso, retornou ao Brasil nesta manhã de sexta-feira. Ele desembarcou no Aeroporto Internacional de Cumbica, em Guarulhos, no Brasil e elogiou o trabalho da Embaixada brasileira.

Dagnaldo Pinheiro que morava no Egito há sete anos, atuava como guia turístico representante de uma agência de turismo em Guarulhos, a Orientur. Ele visitava as Pirâmides, quando policiais encontraram Bíblias e folhetos evangélicos. Acusado de promover atividades religiosas foi preso durante nove dias, onde diz que teve medo de ser torturado.

"Tive medo de sair dali e ir para um lugar de tortura. Estava com prisioneiros que já tinham sido torturados. Eles sempre falavam: você pode ser torturado se a sua embaixada não lhe encontrar rápido," afirmou Dagnaldo.

Após sua chegada no Brasil, o guia declarou à BandNews FM de São Paulo, que durante o tempo em que esteve detido recebia apenas água e uma refeição ao dia.

"Tinha direito a um pouco de comida uma vez por dia. Às vezes pedia água e eles não me davam, mas isso eu até entendo porque esse é o mês de jejum deles," declarou ele referindo-se ao Ramadã.

Apesar da má alimentação, Dagnaldo negou ter sido vítima de maus tratos.

O motivo de sua prisão foi confirmado pela Embaixada do Egito no Brasil, que disse que Dagnaldo foi preso por fazer proselitismo religioso. Apesar da acusação, o guia brasileiro se defende negando não ter feito a prática do proselitismo. "No meu carro tinha um material cristão. Essa foi a acusação [para me prender]. É um material que qualquer cristão pode ter," disse o guia.

O governo egípcio abriu um processo contra o brasileiro e ainda vai avaliar se um dia ele poderá voltar ao Egito para responder ao processo.

Segundo um levantamento da organização Portas Abertas, o Egito aparece em 21º lugar entre os países onde é mais difícil "pregar o evangelho."

27.8.10

Ana Paula Valadão: "O poder para perdoar acontece na oração"

Decepções, feridas nos relacionamentos e raiva foram algumas das características apontadas por Ana Paula Valadão relacionadas ao sofrimento humano. O perdão é, segundo a cantora, a maneira de arrancar a raiz de amargura.

Ao lado do marido Gustavo Bessa, a líder do Diante do Trono destacou em seu blog a passagem de Mateus 11:25 - "E, quando estiverdes orando, SE TENDES ALGUMA COISA CONTRA ALGUÉM, PERDOAI, para que vosso Pai celestial vos perdoe as vossas ofensas. Mas, se não perdoardes, também vosso Pai celestial não vos perdoará as vossas ofensas".

"Como isso é interessante. É como se o Espírito Santo, que sonda e conhece nosso interior, não nos deixasse sossegados enquanto não perdoarmos quem nos ofendeu. Se não Lhe damos ouvido, mas continuamos indo diante de Deus em oração, corremos o risco de estar agindo religiosamente, e não em uma atitude de devoção sincera", escreveu Ana Paula que aproveitou para enfatizar que nunca ouviu uma pregação que tenha alertado a falta de perdão da parte de Deus para quem não liberar perdão ao próximo.

"Enchendo-nos da Palavra e perserverando nela, olhando para Cristo e Seu modelo, recebemos o poder para perdoar. Toda perturbação que a falta de perdão nos traz vai embora e a paz de Deus enche nosso coração e a nossa mente. Ao invés de um coração endurecido e amargurado, que contamina a tudo o que vemos e está ao nosso redor, retornamos à doçura da vida. Livres, perdoados, orando e perdoando", finalizou.

Por Felipe Pinheiro

Fonte: Guia-me / Blog Ana Paula Valadão



Via: www.guiame.com.br

26.8.10

PENTECOSTES E A MULHER





“Todos 
ficaram 
cheios do Espírito Santo e passaram 
a falar 
em outras 
línguas [...]”.
At 2.4

No pentecostes o Santo dos santos foi francamente aberto às mulheres e a religião libertou-se da idéia da superioridade de sexo (At 1.14; 2.1, 4, 17). A promessa do Pai, o derramamento do Espírito veio sobre os filhos e as filhas, sobre os servos e as servas (Jl 2.28-30). Aqui, acabam-se os preconceitos. Aqui os grilhões da tirania são quebrados, pois onde está o Espírito do Senhor, aí há liberdade.

Quando o Espírito foi derramado, havia entre o grupo várias mulheres. Elas não foram discriminadas; não foram excluídas. Elas foram também revestidas de poder. O pentecostes ressalta a dignidade que Deus sempre deu à mulher. Ao longo dos séculos a mulher foi espoliada de seus direitos, foi aviltada e roubada de sua dignidade.

Um sistema opressor foi achatando a mulher, que perdeu a identidade, o valor, a voz. Passou a ser apenas uma propriedade do pai, quando solteira, e do marido, quando casada. Não tinha direito à herança da família. Não tinha direito à plena cidadania.

Ore


Senhor, apesar da visão distorcida a respeito da mulher, eu sei que tu sempre as honras. Tu colocaste a mão no barro para formá-la como a uma obra-prima. Louvo-te por isso. 
Em Jesus.

Pense


O pentecostes veio para dizer em alto e bom som que as mulheres podem e devem ser cheias do Espírito.

25.8.10

Caio Fábio faz leitura crítica da reportagem da revista Época sobre "novos" evangélicos

Para o dirigente do grupo Logos, a música cristã não pode abrir mão do conteúdo bíblico

  • O título desta entrevista é o mesmo de uma das canções mais conhecidas do grupo Logos. Mas também sintetiza parte importante da vida do pastor, cantor e compositor Paulo Cesar da Silva. Aos 60 anos de idade e com mais de trinta de carreira – ou, conforme ele mesmo define, ministério –, Paulo é dos nomes mais conhecidos da música evangélica brasileira, de cuja evolução participa desde os anos 70. Foi naquela época que, ainda aluno do seminário Palavra da Vida, em São Paulo, formou um conjunto musical, já com a presença de Nilma, com quem acabou se casando. A iniciativa entre amigos deu origem, em 1979, ao grupo Elo, que marcou uma geração de crentes. Alguns de seus álbuns, como Calmo, sereno e tranquilo e Ouvi dizer, viraram clássicos, e Paulo Cezar, com sua poesia, uma referência.
  • A trágica morte do talentoso instrumentista Jayro Gonçalves, o Jayrinho, acarretou o fim do Elo. Mas Paulo quis seguir adiante. “Fui buscar consolo e inspiração na Bíblia”, conta. E foi das Escrituras que surgiu a ideia para batizar o novo grupo. “O nome foi escolhido por significar a palavra viva e por ter tudo a ver com nosso ministério, onde a Bíblia tem centralidade absoluta”, diz o artista. Com o Logos, Paulo Cezar legou ao público cristão 17 álbuns e pérolas como as canções Mão no arado, Portas abertas e Autor da minha fé. Compositor da maioria das músicas do grupo, o artista defende um louvor com conteúdo – coisa que, segundo ele, já não é prioridade. “A falta de conhecimento bíblico e os interesses comerciais estão na base da superficialidade”, resume.

    Apesar da já longa jornada, o Logos não está parado no tempo. Com uma formação que vem se renovando ao longo dos anos, o grupo é a base de um ministério evangelístico cuja sede fica em São José dos Campos (SP). O Logos faz pelo menos três grandes viagens por ano, levando não apenas louvor musical, mas evangelismo, edificação espiritual e encorajamento às igrejas. Em janeiro, o Logos esteve na África, em ação missionária. Nesta entrevista a CRISTIANISMO HOJE, Paulo Cezar permitiu-se falar de coração aberto sobre o que pensa acerca da indústria musical, do próprio ministério e da Igreja. E não escondeu: “Sonho com bons músicos, crentes de verdade, que rendam seus talentos ao Senhor e testemunhem com suas vidas o caráter de verdadeiros adoradores.”

  • Entrevista na íntegra em

A nova reforma Protestante

Inspirado no cristianismo primitivo e conectado à internet, um grupo crescente de religiosos critica a corrupção neopentecostal e tenta recriar o protestantismo à brasileira
Felipe Redondo
“É lisonjeador saber que nos consideram ‘pensadores’. Mas o grande problema dos evangélicos brasileiros não é de inteligência. É de ética e honestidade”
RICARDO AGRESTE, pastor da Comunidade Presbiteriana Chácara Primavera, em Campinas, São Paulo

Em Campinas, no interior de São Paulo, ocorre uma das experiências mais interessantes de recriação de estruturas entre as denominações históricas. A Comunidade Presbiteriana Chácara Primavera não tem um templo. Seus frequentadores se reúnem em dois salões anexos a grandes condomínios da cidade e em casas ao longo da semana. Aboliram a entrega de dízimos e as ofertas da liturgia. Os interessados em contribuir devem procurar a secretaria e fazê-lo por depósito bancário – e esperar em casa um relatório de gastos. Os sermões são chamados, apropriadamente, de “palestras” e são ministrados com recursos multimídias por um palestrante sentado em um banquinho atrás de um MacBook. A meditação bíblica dominical é comumente ilustrada por uma crônica de Luis Fernando Verissimo ou uma música de Chico Buarque de Hollanda.
Leia matéria completa na ÉPOCA

24.8.10

Fernanda Brum e Clamor pelas Nações - DVD Renovo - Que o cordeiro receba

Garça ou Águia?


Quem nunca enfrentou uma situação difícil? Quem nunca se deparou com uma "tempestade" em sua vida? Com certeza todos nós já passamos por momentos muito difícil em nossas vidas, situações que não gostaríamos de ter que enfrentar, mas que enfrentamos. E pensando nisso estes dias, me veio a mente a seguinte pergunta: - Como nos portamos diante das adversidades e tempestades da vida?

Lembrei-me de duas aves que dentre muitas, enfrentam tempestades e que encaram a tempestade de forma diferente. A Garça quando está diante de uma tempestade ela fica parada a beira de um lago ou rio, pois ela não tem estrutura para voar em meio a tempestade, então fica parada, pois sabe que a tempestade não dura para sempre, e assim que cessar ela pode voltar a voar. Já a Águia quando está diante de uma tempestade ela voa, pois tem estrutura para isso e ela usa o vento contrário para se lançar mais alto e alçar voos mais altos.

Têm pessoas que são como a garça, que em meio a tempestade preferem ficar quietas no seu cantinho esperando aquela tempestade passar para voltar a voar. E têm pessoas que como a águia são fortes e superam os momentos difíceis com mais agilidade e destreza. Mas tanto um como o outro são honrados diante de Deus, pois enfrentam as adversidades e as tempestades da vida e não fogem acovardados.

Precisamos crer que em toda e qualquer situação o Senhor sempre estará cuidando de nós e não existe tempestade que dure para sempre.

Is 43.2 Quando passares pelas águas, eu serei contigo; quando pelos rios, eles não te submergirão; quando passares pelo fogo, não te queimarás, nem a chama arderá em ti. 3 Porque eu sou o Senhor teu Deus, o Santo de Israel, o teu Salvador; por teu resgate dei o Egito, e em teu lugar a Etiópia e Seba.


Pr. Alexandre Grego, 35 anos, é escritor e conferencista nas áreas de liderança e casais. Exerce sua atividade pastoral na Igreja Presbiteriana da Graça, na Cidade de Mogi das Cruzes/São Paulo, e é casado com a Pra. Marines V. Grego.

Blog: http://pralexandregrego.blogspot.com/



Via: www.guiame.com.br

A Fome de Deus

“Os discípulos de João e os fariseus estavam jejuando. Algumas pessoas vieram a Jesus e lhe perguntaram: Por que os discípulos de João e os dos fariseus jejuam, mas os teus não? Jesus respondeu: Como podem os convidados do noivo jejuar enquanto este está com eles? Não podem, enquanto o têm consigo. Mas virão dias quando o noivo lhes será tirado; e nesse tempo jejuarão.” Marcos 2,18-20

  • Jejum

Uma festa de casamento é sempre um tempo de celebração, comemoramos com a família e nos alegramos com os noivos. Diferente dos dias de hoje onde o casamento pode ser somente uma rápida cerimônia, uma recepção simples, dependendo das condições e vontade dos noivos. As festas de casamento no antigo oriente poderiam durar dias de muita alegria e confraternização. Jejuar durante uma festa de casamento seria completamente inapropriado, uma atitude destoante para uma ocasião tão festiva.

O jejum é uma expressão de busca e inquietação. Não é um momento de orgulho para seus participantes como o casamento, mas ao contrário, é um sinal da mais sincera humilhação.

Na história de Israel o jejum podia expressar períodos de tristeza ou arrependimento. Havia até um jejum anual recordando a destruição do templo de Jerusalém. Também aconteciam outros jejuns coletivos em tempos de grande calamidade como falta de chuvas, epidemias e guerras.

Os jejuns poderiam expressar também a busca de sabedoria e orientação divina, como em muitos exemplos do Novo testamento.

Creio que o jejum seja uma importante lição sobre dedicação e prioridade. Sendo o alimento a nossa necessidade mais básica, praticamente uma necessidade instintiva, a abstinência devocional e voluntária nos ajuda a entender que temos uma necessidade maior. O jejum é a minha confissão de que preciso mais de Deus do que de alimento. Reafirmo que meu relacionamento com Deus é minha prioridade absoluta e a minha necessidade mais profunda.

A metáfora usada por Jesus fala do momento singular em que viviam seus discípulos. Não se pode jejuar durante uma festa de casamento, e não havia razão para os discípulos jejuarem, se Deus, em toda a sua glória, estava tão próximo deles. A única coisa a fazer naquele momento era desfrutar e celebrar aquela presença.

O jejum para o judeu também fazia parte de sua expectativa de redenção e espera pelo messias. E para os discípulos de Jesus jejuar naquela situação seria como manter uma lâmpada acesa depois que o sol já havia nascido. Mas Jesus os alertava que quando não estivesse mais no meio deles, eles viveriam tempos em que precisariam jejuar.

“Mas virão dias quando o noivo lhes será tirado; e nesse tempo jejuarão.”

Para Jesus a espiritualidade do jejum expressava a fome e a sede de Deus. É o desejo profundo de uma comunhão maior com aquele que nos amou e nos chamou. É ressentir-se desta ausência tão presente.

Espiritualidade é também sentir continuamente que precisamos de mais sabedoria, é desejar ardentemente o discernimento, é ansiar por ouvir mais uma vez, a voz do mestre.

Quando leio as histórias de Cristãos que tinham vida de oração e se dedicavam profundamente a meditação, percebo que todos tinham algo em comum; a fome de Deus. Alguns deles se mostravam extremamente incomodados com seu próprio pecado, como Agostinho e Lutero. Eles demonstravam em sua espiritualidade, a percepção da ausência de Cristo em suas vidas, e ansiavam por esta presença.

“Nem só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra que procede da boca de Deus.”

Espiritualidade é desejar o pão do céu tão concretamente e profundamente quando desejamos o pão da terra. Deixemos que a fome do corpo nos relembre de nossa fome da alma; até o dia da grande festa de casamento, quando seremos supridos pela eterna presença.



Pastor da Igreja Presbiteriana de Arujá, professor da FLAM – Faculdade Latino–Americana de Teologia Integral e diretor do Acampamento Jovens da Verdade. Casado com a Raquel e pai da Rebeca e do Gabriel.
Fonte:

23.8.10

LIVRES PARA ADORAR - VAI VALER A PENA

ELEIÇÕES: LULA "Tenho a convicção de que se Deus está conosco, quem está contra nós?".

O reencontro do presidente Luiz Inácio Lula da Silva com a panfletagem na porta da fábrica começou em ritmo de comício, na madrugada desta segunda-feira (23). No entanto, um pouco contrariado, o próprio presidente tomou o microfone e anunciou frente a militantes e trabalhadores da Mercedes Benz aglomerados na entrada principal da montadora que o evento político em favor da candidata à presidência da República, Dilma Rousseff (PT), não era para ser dessa forma.
"Olha, foi armada uma estrutura de comício, mas a ideia era mais simples, era apertar a mão de cada um na chegada. Não é sempre que a gente tem uma candidata pra ir à porta de fábrica pra abraçar os companheiros. Não é fazer comício. Não é sempre que uma presidente da República pode vir aqui!", ralhou, levantando o braço de Dilma. "Vocês se organizem e depois vamos descer", ordenou o presidente.
"Prometo não falar de futebol!", provocou Lula, visivelmente feliz com a vitória corintiana no clássico deste domingo frente ao São Paulo, pelo Campeonato Brasileiro. "Como eu vou perder o emprego no dia 1º de janeiro, tenho que praticar e nada como voltar a entregar panfleto outra vez", relevou logo depois.
Inicia-se uma sequência de discursos rápidos. Mercadante, Dilma e Lula. A candidata promete "seguir o caminho" do líder. Olhares silenciosos dos trabalhadores. Por duas vezes, um grito: "Quebra tudo, Dilma!".
Na multidão, o presidente identifica o sindicalista Zé do Mato, amigo dos tempos das greves no ABC, que "começou a trabalhar na Mercedes antes de ter Mercedes no Brasil". "Tá vendo aquele companheiro careca?", perguntou à ex-ministra. "De vez em quando, ele queria me mandar uma galinha de angola, que nem podia andar de tanta fome!".
Inquieto para descer ao chão, Lula encurta a fala. "Tenho a convicção de que se Deus está conosco, quem está contra nós?".
Hora da velha planfletagem. Fotógrafos e jornalistas se atropelam e terminam represados, em barras de alumínio, pela assessoria. Os operários formam uma fila, com o cartão de ponto entre os dedos.
"Dá um panfleto só, presidente!", clama um fotógrafo.
"Vou dar um panfleto", aceita Lula.
Ele pega adesivos da campanha de Dilma e começa a colar nas camisas dos operários. Dilma, sem traquejo, reage aos empurrões com sorrisos. A primeira-dama Marisa Letícia, sempre em blazer vermelho, se diverte com o assédio. Palocci e João Santana, que levou sua equipe de filmagem, ficam à margem do tumulto, numa conversa amena. Na confluência de abraços, Lula e Dilma são conduzidos para o café da manhã.

Fonte: Terra

CAUSAS DA POBREZA






“Não ames 
o sono, 
para que não 
empobreças [...]”. 
Pv 20.13

A riqueza vem das mãos de Deus (1 Cr 29.12). A bênção do Senhor enriquece (Pv 10.22). A busca da riqueza a qualquer preço, todavia, é um laço perigoso (1 Tm 6.9). O amor ao dinheiro é a raiz de todos os males (1 Tm 6.10). Jesus disse que ninguém pode servir a Deus e às riquezas ao mesmo tempo (Mt 6.24). Mas é preciso estar atento a algumas causas que drenam as riquezas e impedem as pessoas de ter uma vida próspera

Há pessoas indolentes, preguiçosas, que não são afeitas ao trabalho. Buscam uma prosperidade fácil, sem suor, sem luta, sem sacrifício. A preguiça é mãe da miséria e a progenitora da pobreza. O trabalho é o caminho da prosperidade e do progresso. Todo o trabalho honesto é digno. Devemos ganhar o máximo que pudermos. Devemos economizar o máximo que pudermos. Devemos dar o máximo que pudermos. A Bíblia diz que quem não trabalha não deve comer. O trabalho não é maldição, é bênção. O trabalho não é castigo, mas privilégio.

Ore


Eterno Deus, renova as minhas forças. Tenho encarado o trabalho como um fardo pesado. Estou triste e desanimado. Preciso que me ajudes a recobrar o ânimo de minha atividade. 
Em Jesus.

Pense


O trabalho é deleite e não enfado.

21.8.10

Ossos de São João Batista, agora na Bulgária

A descoberta da suposta ossada do santo expõe a pressa de quem quer explorar a fé para ganhar dinheiro com o turismo religioso

João Loes

img2.jpg
SACRIFÍCIO
A cabeça de São João foi entregue à filha do rei Herodes

O anúncio da descoberta de supostas relíquias de São João Batista por um time de arqueólogos búlgaros tinha tudo para rodar o mundo reacendendo a fé de fiéis desgarrados e converter incrédulos. Afinal, desde o século IV, é essa a função desses objetos de veneração, segundo a Igreja Católica. Mas pouco depois do anúncio, no dia 28 de julho, uma barbeiragem política quase colocou tudo a perder. Antes de se informar sobre os detalhes do achado, o ministro búlgaro Bozhidar Dimitrov, historiador e diretor do Museu Nacional de História da Bulgária, declarou que a cidade de Sozopol, onde o tesouro foi descoberto, tinha potencial para se tornar um ponto de turismo religioso. Então, o manto de fé e misticismo que encobria o achado foi subitamente substituído pela desconfiança e a suspeição. As relíquias de São João Batista na Bulgária seriam um golpe para transformar Sozopol em atração turística?

Há 50 mil destinos de turismo religioso no mundo. Cerca de 300 milhões de pessoas os visitam anualmente, movimentando algo em torno de US$ 18 bilhões. Em um universo tão grande, ter uma relíquia é diferencial de mercado. O exemplo búlgaro é cristalino. Desde que parte do achado foi colocada em exposição na Igreja de São Jorge, na cidade de Sozopol, a média de visitas diárias saltou de 100 para três mil, segundo o Balkan Trabellers, site especializado em turismo na região.

img.jpg
RELICÁRIO
Um dente e lascas de um crânio colocaram
a Bulgária no mapa do turismo religioso

Mas não é a primeira vez que isso acontece. São João Batista, um dos protagonistas do Novo Testamento, responsável pelo batismo de Jesus Cristo, morto por ordem do rei Herodes, tem supostas relíquias espalhadas por toda a Europa e parte do Oriente Médio. Pelo menos sete destinos religiosos as anunciam como principal atração (leia quadro). Se todos que dizem exibir a suposta cabeça do santo estivessem certos, João Batista, que morreu decapitado, teria quatro. “Boa parte dos objetos que já chegam identificados como relíquia, quando examinados, não são ”, explica o arqueólogo Rodrigo da Silva, doutor em teologia bíblica. “A fé ou o interesse é que alçam os objetos a essa condição sem o cuidado necessário.”

Por cuidado ele se refere ao estudo científico do objeto, procedimento ao qual a Igreja tem se mostrado cada vez mais disposta a permitir, mas que os oportunistas insistem em atropelar. “O Vaticano sempre teve dificuldade para identificar as verdadeiras relíquias”, reconhece o padre Valeriano Costa, diretor da Faculdade de Teologia da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Nos dois mil anos de história da Igreja, poucos períodos foram tão complicados quanto as Cruzadas. Entre os séculos XI e XIII, quase todo soldado que voltava das guerras no Oriente Médio trazia uma lembrança, fosse uma lasca da cruz de Cristo, uma pena da pomba do Espírito Santo, ou uma gota de leite do seio da Virgem Maria. “Mas não havia malícia”, diz o padre Benedito Ferraro, professor de teologia e doutor na disciplina pela Universidade de Friburgo, na Suíça. “Era um tempo em que a fé se sobrepujava à razão.”

img1.jpg

Hoje não mais. Por isso a reação colérica das comunidades arqueológica e católica diante da declaração de Dimitrov. “Ninguém, em sã consciência, seja religioso ou ateu, pode cravar que os oito pedaços de osso guardados no relicário pertencem a São João Batista”, disse à ISTOÉ Kazimir Popkonstantinov, professor da Universidade de Veliko Tarnovo que fez a descoberta e sugeriu que os ossos poderiam pertencer ao santo. “Precisamos investigar antes de tirar conclusões.” Entre os estudos, estão a verificação do sexo e da idade da ossada e a análise da origem das pedras de alabastro que montam o relicário. Se nem o Santo Sudário, a relíquia mais importante da Igreja, chegou ao fim do processo de verificação, o reconhecimento ou não dos supostos ossos de São João certamente vai demorar. Mas, para uma instituição milenar como a romana, tempo não é problema.

Fonte: ISTOÉ

Pregando o Evangelho sem vender a sua essência




Márcio de Souza

Estava em casa outro dia ouvindo minha banda preferida "CROMBIE" e percebi o quanto fica fácil entender o cristianismo ouvindo as músicas dos meninos. É tudo muito claro, apesar do palavreado escolhido e delicadamente posicionado, você ouve a canção e entende tudo que eles querem dizer. São facilitadores do evangelho.

Outra vez ouvi o Pr. Ariovaldo Ramos pregando e sabendo de sua formação em filosofia e teologia pensei comigo: "apesar de sua formação, ele fala como um leigo" O Ari, É mestre em fazer a gente entender as coisas de Deus sem perder a profundidade. Ele consegue falar inteligivelmente para o mais culto e para o menos letrado.

Não adianta rebuscar muito, falar difícil, incrementar o sermão ou a música com floreios intermináveis e complicados de entender, ao passo que, a multidão que se chega para ouvir o Evangelho é em sua maioria simples e sem muita cultura. Nossa missão enquanto ministros do evangelho é facilitar a comunicação do mesmo sem vender a sua essência. É falar e ser compreendido, é chegar ao coração do intelectual e do analfabeto da mesma maneira. Falar complicado e estabelecer músicas impossíveis de se compreender, são falácias e não resultam em nada. É perda de tempo, não melhora sua imagem, nem te dá status, apenas atrasa a vida de quem quer ouvir o verdadeiro e simples evangelho da graça. Seja um facilitador, pare de inventar moda, o evangelho é simples e precisa ser pregado de forma simples para alcançar o coração.

E no mais, tudo na mais santa paz!

Por Márcio de Souza

Fonte: Blog pr. Márcio de Souza



Via: www.guiame.com.br

Americanos confusos quanto à religião de Obama

Um número cada vez maior de americanos acredita que o Presidente é muçulmano, quando, na realidade, Barack Obama é cristão.
Cerca de 18% dos inquiridos respondeu que Obama é muçulmano, uma convicção que, em Março de 2009, era a de apenas 11% dos 3 mil interrogados para uma sondagem.
Entre os republicanos, o engano é ainda mais evidente: 34% estão enganados quanto à religião do Presidente, que é cristão.
Sublinhe-se que esta sondagem foi realizada antes de 13 de Agosto, quando Barack Obama saiu em defesa da construção de uma mesquita no Ground Zero.

Visão/
Notícias Cristãs



Mais pressão sobre o papa

Escritores britânicos planejam pedir prisão de Bento XVI por crime contra 
a humanidade


Já os escritores britânicos Richard Dawkins e Christopher Hitchens, conhecidos por sua postura francamente ateísta, querem simplesmente prender o papa. Eles articulam uma emboscada legal para deter Bento XVI durante sua visita ao Reino Unido, agendada para setembro. A justificativa para o insólito processo é a suposta conivência de Joseph Ratzinger com os abusos sexuais praticados por padres e bispos em paróquias e instituições católicas em diversos países. A acusação seria crime contra a humanidade – a mesma que levou autoridades judiciais inglesas a prender o ex-ditador chileno Augusto Pinochet quando ele visitou o país, em 1998. Após intensa batalha nos tribunais, Pinochet acabou libertado e voltou ao Chile, onde morreu oito anos depois. Os advogados Geoffrey Robertson e Mark Stephens já teriam elaborado um pedido de detenção, a ser apresentado ao Tribunal Penal Internacional. Embora Bento XVI seja considerado um chefe de Estado, os escritores argumentam que o Vaticano não é reconhecido como nação pela ONU, o que possibilitaria o sucesso da ação.
Fonte:

Em Moçambique, mais de 10 mil batizados em um só dia

O bispo Macedo explica no livro “Estudos Bíblicos” que da mesma forma que o sepultamento é uma cerimônia que consuma o rompimento do último laço entre o homem e a sua vida terrena, quando a pessoa se batiza nas águas acontece um rompimento, publicamente consumado, da vida natural com a verdadeira vida cristã, fazendo com que o pecado não tenha mais domínio sobre a vontade do batizado.

A importância do batismo nas águas é tão grande que o Senhor Jesus, ao aparecer aos Seus discípulos depois de ressuscitado, deu-lhes ordens explícitas: “Ide por todo mundo e pregai o evangelho a toda criatura. Quem crer e for batizado será salvo; quem, porém, não crer será condenado.” (Marcos 16:15 -16)

Do blog Bispo Edir Macedo

20.8.10

DENTRO DO ORÇAMENTO






“Tudo 
posso 
naquele 
que 
me 
fortalece”
Fl 4.13

Não é fácil lidar com o dinheiro, principalmente quando o dinheiro é pouco e os gastos são muitos. A pressão da sociedade consumista e o apelo do visual que se renova a cada dia para atrair a atenção dos compradores, geram nas pessoas necessidades e até mesmo uma compulsão por coisas supérfluas. Daí muitas pessoas ficarem insatisfeitas e até frustradas por não conseguirem acompanhar essa ciranda louca do mundo comercial.

Nosso contentamento deve estar em Deus e não nas coisas materiais. O dinheiro e as coisas que ele pode nos dar não nos satisfazem. Tendo o que comer e vestir, diz Paulo, com isto devemos estar contentes (1Tm 6.8).

A insatisfação é um grande perigo. Há muitas pessoas que têm tudo, mas estão ávidas por algo mais. Elas buscam um sentido para a vida nas coisas e não em Deus.

Por não estarem satisfeitas com as dádivas do Senhor não se deleitam em Deus. Por não se deleitarem em Deus vivem descontentes com o que têm.

Ore


Dá-me, ó Deus, um coração agradecido a ti pelo reconhecimento de que tudo o que sou e tenho vêm de tuas mãos graciosas. Louvo-te porque tenho além do que necessito e mereço.

Pense


Lute com todos os esforços para não gastar mais do que você ganha.


19.8.10

Pastores evangélicos são novos alvos dos cartéis mexicanos

Do Missão Portas Abertas


MÉXICO (*) - Líderes religiosos são alvos de sequestros para fim de extorsão. O preço do resgate é exigido do alto clero e dos dirigentes das igrejas evangélicas.

A ousadia da criminalidade organizada mexicana parece não ter fim. São cabeças cortadas e deixadas nas pistas de estradas movimentadas, jornalistas executados dentro de redações de jornais, chefes de polícia trucidados etc, etc, etc.

O presidente Felipe Caderón não sabe mais como prosseguir com a “guerra às drogas”, uma parceria com o então presidente George W. Bush que não conta com a aprovação de Barack Obama.

Para se ter idéia, até julho de 2010, a War on Drugs de Calderón contou 28 mil mortes. Mais de 70% das vítimas capitais não tinham nenhuma ligação com o tráfico de drogas ou qualquer outra atividade criminosa.

Um dramático comunicado conjunto foi divulgado pela Conferência Episcopal do México e da Fraternidade das Igrejas Evangélicas mexicanas. Ou seja, padres e pastores viraram alvos de sequestros para fim de extorsão. O preço do resgate é exigido do alto clero e dos dirigentes das igrejas evangélicas.

Fora isso, os cartéis exigem uma “taxa de permissão” (igual ao pizzo que a Cosa Nostra cobra dos empresários italianos na Sicília) para cultos e missas. Sem o pagamento (preço da extorsão), nada de celebrações. E os fiéis que enfrentam a proibição acabam por deixar as Igrejas debaixo de intenso tiroteio.

O comunicado conjunto cita casos concretos. Na província de Michoacan, por exemplo, os cartéis exigiram dinheiro para permitir a realização de uma tradicional festa religiosa. Em Tamaulipas, as missas foram suspensas para evitar promessas de ataques contra sacerdotes e fiéis.




* Este país não se enquadra entre os 50 mais intolerantes ao cristianismo.
Fonte: Terra

18.8.10

Líder de Adoração UK Tuíta Capítulo por Capítulo da Bíblia

A Igreja de Adoração Inglaterra, recentemente, começou uma jornada de três anos para tuitar toda a Bíblia – um capítulo por vez.

Chris Juby, 30, iniciou uma proclamação do dia moderno da Bíblia em 8 de agosto. Ele está programado para completar seu empreendimento, em novembro de 2013.

Todos os dias, ele resume um capítulo da Bíblia em menos de 140 caracteres.

“É meu hábito normal ler um capítulo da Bíblia cada manhã e eu sempre leio de Gênesis a Apocalipses,” disse Juby, diretor de adoração na Igreja King na cidade do norte de Durham, para o UK Daily Telegraph.

“Quando eu estava chegando ao fim, na última vez, eu pensei eu precisava de uma maneira de focar minha mente um pouco mais no que eu estava lendo. Eu pensei um resumo iria ser uma boa maneira de fazer isto. Eu já uso o Twitter, então eu pensei eu deveria compartilhar meus resumos.

Juby leu a Bíblia três vezes antes de empreender seu plano de tuitagem.

Na quarta-feira, ele teve mais de 10.500 pessoas seguindo sua conta de Twitter, @biblesummary.

“[P]essoas – mesmo Cristãos – não tendem a ler a Bíblia,” enfatizou Juby. “é talvez considerado como algo um pouco estranho de fazer. Eu espero que fazendo os resumos, isso possa inspirar pessoas a lerem a Bíblia por eles mesmos.

“Meus resumos não substituem o que é real,” esclareceu.

Apesar do esforço de Juby parecer inovador, um esforço similar foi já completo com sucesso por Cristãos alemães, ano passado. Mais de 3.000 Cristãos alemães participaram em um projeto da Igreja para resumir mais de 31.000 versículos da Bíblia em 4.000 tweets.

Um livro compilando todos os tweets foi lançado na Feira de Livros de Frankfurt, outubro passado.

Desde o seu lançamento em 2006, o Twitter cresceu mais de 100 milhões de usuários nacionais.

17.8.10

Que tipo de música deve ser usada para louvar a Deus?

Infelizmente, muitas igrejas têm enfrentado disputas e até divisões por causa de preferências musicais. Alguns preferem uma música mais tradicional, enquanto que outros gostam de uma música mais contemporânea e mais ritmada. É lamentável que muitos coloquem o seu gosto pessoal acima do seu irmão na fé. Os cristãos devem agir com bom senso, com amor e com tolerância. O mais importante não é o estilo musical, mas o Deus que está sendo adorado, em primeiro lugar, e o meu irmão, por quem Cristo morreu, em segundo lugar.

No texto que está em Col.3:16 "Habite, ricamente, em vós a palavra de Cristo; instruí-vos e aconselhai-vos mutuamente em toda sabedoria, louvando a Deus, com salmos e hinos e cânticos espirituais, com gratidão, em vosso coração", constatamos que na igreja primitiva havia uma diversidade de expressões musicais. O texto bíblico fala de salmos, hinos e cânticos espirituais. Portanto, vemos que Deus não nos ordena um estilo musical específico, mas sim que o adoremos e amemos nosso irmão.

Princípios importantes:

  • Toda música cristã deve estar de acordo com a Palavra de Deus.
  • O culto cristão deve ser feito com decência e ordem(1Coríntios 14:40)
  • Deus não definiu um estilo musical único.
  • É preciso agir com bom senso. Um culto de formatura e um acampamento de jovens terão músicas diferentes.
Texto extraído da Bíblia de Estudo Esperança.

"Precisamos ter cuidado para não agir com preconceito com determinado estilo musical de um irmão, ou com o uso de determinados instrumentos. Valorizar uns instrumentos em detrimento de outros". No salmo 150 vemos claramente a indicação do salmista quando diz:

"Aleluia! Louvai a Deus no seu santuário; louvai-o no firmamento, obra do seu poder.
Louvai-o pelos seus poderosos feitos;
louvai-o consoante a sua muita grandeza.
Louvai-o ao som da trombeta;
louvai-o com saltério e com harpa.
Louvai-o com adufes e danças;
louvai-o com instrumentos de cordas e com flautas.
Louvai-o com címbalos sonoros;
louvai-o com címbalos retumbantes.
Todo ser que respira louve ao Senhor.
Aleluia!".

16.8.10

Eduardo e Silvana - Confiarei (Ao Vivo)

Amazing Grace History/"Amazing Grace"











EVANGELISMO - VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS EM QUESTÃO

Para Salvar Uma Vida fala sobre o bullying, mal que assola jovens

Por: Mayra Bondança - Redação Creio

A adolescência é uma fase onde as preocupações giram em torno dos amigos e do círculo social. Isso faz da exclusão um problema de proporções muito grandes. Além das questões hormonais, que mexem com o físico e com o psicológico, os jovens acabam lidando com um preconceito sem motivos. Casos de agressão verbal e até física entram em suas vidas. O ‘Bullying’ tem invadido as escolas, os círculos sociais e já levou muitos ao suicídio. A BV Films lança no Brasil o filme ‘Para Salvar uma Vida’, contando a história de um garoto que enfrenta esse problema de uma perspectiva diferente.

O Bullying consiste na prática intencional e repetitiva de atos agressivos e intimidadores como ofensas verbais, humilhações, exclusão e discriminação. Não existe um motivo aparente para esse tipo de violência. Muitos casos levam a atos impensados, como o suicídio da vítima.

‘Para Salvar uma Vida’, lançamento da BV Films, veio trazer o universo das vítimas desse tipo de preconceito à tona. O filme conta a história de Jake, um garoto popular, com uma bela namorada, uma bolsa pelo time de basquete e amigos por todos os lados. Quando criança, seu melhor amigo era Roger, mas os dois acabam se afastando por causa da popularidade de Jake, e por seu amigo já não se encaixar tão bem em seu novo estilo de vida. Essa separação afeta Roger profundamente e ele se sente infeliz com sua própria vida, decidindo acabar com ela.

Com o suicídio do amigo, ele se sente culpado e começa a se perguntar se poderia tê-lo salvado. Na busca por respostas, encontra um jovem que passa por problemas parecidos com os de Roger, e tenta fazer a diferença na vida do garoto. Quando se aproxima dele, seu mundo começa a desabar e ele perde tudo o que tinha. Jake precisa escolher qual caminho deve seguir.

A intenção do roteirista é de gerar inspiração do coração dos jovens para ajudar o próximo e trazer consolo e alento aos feridos. Além de ajudar os mais novos, pode também auxiliar os pais na hora de perceber atitudes que revelem o sofrimento dos filhos.

O filme acompanha um material de apoio com várias questões vividas pelos jovens, para ser utilizado depois da exibição. Traz também o projeto Cine Gospel, visando incentivar as igrejas a fazer projeções em grupo para os membros, para que os mesmos se sintam inspirados e motivados a dar continuidade com as atividades extra-filme.

O DVD chega às locadoras no mês de Agosto. Mais informações podem ser encontradas no site da BV Films www.bvfilms.com.br/ ou no site do próprio filme www.salvarumavida.com.br/ .


Fonte: creio.com.br

Evangelismo fortalece vínculo entre Israel e China

Igreja chinesa está com o desejo de levar o Evangelho ao mundo e de volta a Jerusalém

A Operation Mobilization (OM) afirmou que há um vínculo crescente entre Israel e China. A ligação entre o Extremo Oriente e o Oriente Médio não é tão improvável quanto parecia.

O líder da OM em Israel retornou recentemente de uma viagem à China. Ele disse que muitos pastores não sabem as raízes de suas igrejas: Hudson Taylor e seu pequeno grupo de trabalhadores no final do século XIX Agora, a Igreja chinesa está com o desejo de levar o Evangelho ao mundo e de volta a Jerusalém.

O Líder em Israel afirmou ainda que "nesta semana tivemos o privilégio de receber dois grupos de Hong Kong e começamos a envolvê-los em evangelismo prático: caminhadas de oração, teatro e até mesmo uma pintura mural no centro de uma comunidade da cidade de Bedouin.

"Nossa equipe firmou uma parceria com um homem jovem beduíno que tem uma visão de desenvolver programas de educação extra-escolares para a sua comunidade. Duas meninas na equipe executaram um programa curto de inglês no ano passado. E na semana passada, um grupo de Hong Kong pintou um mural do Bom Samaritano na parede do centro da cidade, compartilhando a história com as crianças no teatro", afirmou.

A organização pede oração para que Deus abençoe e guie esta relação de crescimento e visão da igreja chinesa.

Fonte: MNN / Redação CPADNews



Via: www.guiame.com.br

A origem da religião e o nascimento dos deuses

Paleo2Para Charles Darwin, a origem da religião não era segredo. “Assim que os importantes traços cognitivos relacionados à imaginação, questionamentos e curiosidade juntam-se ao poder do raciocínio, o homem passa a desejar a conhecer as razões dos fenômenos que o cercam, especulando vagamente sobre sua própria existência…”, escreveu Darwin em “The Descent of Man”, na minha tradução livre.

No entanto, a “fé” sempre causou perplexidade a Darwin. Toda sociedade humana teve deuses. Sejam góticos, mitológicos ou maias, eles sempre estiveram presente. Em todas as culturas, os homens colocam esforços significativos na elaboração de catedrais, rituais. Sem nenhuma vantagem aparente na sobrevivência ou reprodução da população. Então, porquê e como a religião surgiu?

Não existe consenso entre os especialistas, mas novas ideias estão surgindo com a junção das disciplinas de arqueologia e estudos da mente. Esse campo emergente explora a hipótese de que a religião seria uma consequência natural da mente humana. Ou seja, os caminhos evolucionários que teriam criado nosso sofisticado cérebro, também teriam sido responsáveis pela crença no sobrenatural.

A afirmação é baseada em dados recentes que sugerem que os humanos teriam a tendência de procurar sinais de “agentes”, ou mentes como a nossa, no mundo natural. Em paralelo, arqueólogos buscam indícios de religião através da relação com outra atividade cognitiva humana: o comportamento simbólico levando a sociedades mais complexas. Esses dois campos tem se desenvolvido muito, mas a distância entre as evidências físicas arqueológicas e os modelos teóricos da neurociência ainda é enorme.

Através de objetos achados durante escavações arqueológicas, cientistas tentam unir o uso de símbolos com a emergência da espiritualidade humana. Cerca de 100 mil anos atrás, povos no sul da África, nas cavernas de Blombos, rabiscaram figuras geométricas em alguns objetos. Apesar de não ser possível associar esses registros com religião, é razoável pensar que o pensamento simbólico seria um pré-requisito para o comportamento espiritual.

Num período próximo, cerca de 95 mil anos atrás, encontrou-se esqueletos humanos em Qafzeh, Israel, sugerindo rituais de velório. Neandertais, há uns 65 mil anos atrás, também velavam seus mortos em algumas circunstâncias. Seriam essas as primeiras evidências de uma angústia metafísica?

Talvez tudo isso seja muito subjetivo para alguns, mas as pinturas dos caçadores da era do gelo são mais convincentes. Cerca de 30-35 mil anos atrás na Europa, temos o florescer do expressionismo simbólico, no período conhecido como a explosão do Paleolítico Superior.

Pinturas bem realísticas, retratando criaturas – meio-homem meio-animal – foram encontradas nas paredes das cavernas de Grotte Chauvet, na França. Também foram achadas pequenas esculturas em cavernas da Alemanha, incluindo uma “Vênus” e três “Homens-leão”, os primeiros seres quimeras.

A tal da Vênus ilustra bem a dificuldade em se conciliar as interpretações dos pesquisadores. Se por um lado, a mulher sem cabeça, com seios fartos e uma detalhada genitália é considerada como uma deusa da fertilidade, por outro lado, outros a consideram um típico exemplo de “paleo-porno”. Afinal, assim como a religião, a pornografia também sempre esteve presente em qualquer sociedade humana.

Ainda seguindo pistas arqueológicas, templos de 11 mil anos atrás foram achados em Gobekly Tepe, na Turquia. Ali, encontraram-se diversas esculturas de animais selvagem, indícios de velórios e de remoção do crânio. Mesmo assim, é difícil vincular esses achados com a adoração a deuses, a não ser que as culturas comecem a chamá-los por nomes específicos. Nesse caso, nos resta as culturas literárias da Mesopotâmia e Egito, cerca de 5 mil anos atrás. Nesses impérios, fica claro o poder e temor aos deuses nas escrituras.

Teriam sido doutrinados a crer ou já teriam nascidos crentes?

Segundo as novas ideias que estão emergindo de um modelo de religião cognitivo, humanos seriam tão especializados em compreender sinais e desejos de outros que se tornaram supersensíveis a “agentes” causadores. Essa sensibilidade seria uma consequência de uma hipertrofia cognitiva social, criando uma tendência em nosso cérebro de atribuir a um outro ser eventos estocásticos ou fenômenos naturais. Seríamos intuitivamente teístas por natureza.

Pesquisas recentes têm mostrado que crianças em idade pré-escolar preferem explicações teológicas a mecanísticas no que se refere a fenômenos naturais. Quando questionadas se as pedras seriam pontiagudas porque são constituídas por pequenas quantidades de matéria ou para proteção de animais que queiram sentar-se nelas, as crianças optam pela última explicação. Elas buscam uma qualidade animada para a pedra.

O valor de estudar isso em crianças é que elas podem distinguir melhor o que é inato do que é cultural. Mas é interessante notar que testes semelhantes, feitos em adolescentes sob pressão de responder rápido, resultaram em dados semelhantes. Pode ser que, sob pressão, nosso cérebro haja instintivamente, optando por explicações não científicas.

Essa disposição criacionista ecoa junto com uma outra tendência do cérebro humano: nosso supersensível detector de “agentes”, isto é, a capacidade de procurar por seres racionais mesmo em objetos inanimados. Num clássico experimento da década de 40, psicólogos notaram que pessoas assistindo animações de círculos, triângulos e quadrados tinham a inclinação de associar as formas geométricas a personagens, até mesmo criando narrativas em eventos aleatórios.

É o famoso barulho no meio da noite. Pensamos logo: quem está aí? É uma pergunta que surge quase instantaneamente. A tendência de procurarmos um agente pode ter sido programada em nosso cérebro pela evolução através de uma seleção natural que favoreceu falsos positivos. Afinal, um barulho no meio da noite pode muito bem ser um ladrão (ou um leão), nos colocando em estado de alerta.

Logicamente que isso está longe de ser uma explicação para a crença em deuses ou espíritos. Outra peça cognitiva que se encaixa perfeitamente nessa ideia vem da “teoria da mente” (conceito já discutido em colunas anteriores). A teoria da mente nada mais é do que a capacidade que temos de entender que um outro ser também tem uma mente, com intenções, desejos e crenças dela mesma.

Essa capacidade é desenvolvida com o tempo, sabe-se que só a adquirimos por completo depois dos 5 anos de idade, e nos auxilia a navegar nas complicadas relações sociais humanas. Enquanto o cérebro de um chimpanzé esta programado para lidar com relações pessoais num grupo de 50 indivíduos, o humano pode encarar até 150 pessoas.

Mas se já suspeitamos que um agente é o responsável por um evento misterioso, estamos a um passo pequeno para começarmos a imaginar que esse agente tem uma mente que funciona de forma semelhante à nossa. Oras, é lógico que o ladrão tropeçou no meio da noite procurando algo pra roubar. Elevando-se esse conceito a uma dimensão mais sofisticada, chegamos a uma rica representação do que deve ser a mente de um Deus. Passamos a atribuir desejos, paixões, ódio e vingança a um “agente-Deus”, da mesma forma que as sentimos.

Além disso, devemos estar também programados para não aceitar a morte da mente. Experimentos com crianças, mostrando um boneco de rato sendo engolido por um boneco de jacaré, mostrou que elas entendem a morte carnal, isto é, compreendem que o rato não precisa mais se alimentar, por exemplo. Mas falham em identificar a morte da mente.

Continuam a achar que o rato pode ter fome ou que estaria preocupado com seu irmão, indicando a persistência do estado psicológico, mas não físico. A separação da mente e corpo é comum em muitas religiões, retratada na vida após a morte ou reencarnação, sugerindo que talvez seja um fator humano universal na sua essência.

Nosso cérebro social pode explicar porque crianças são atraídas por animais falantes e fadas voadoras, mas religião é muito mais que isso. Derivar crenças a partir da arquitetura cognitiva da mente é, sem duvidas, necessário, mas não suficiente.

A velha alternativa continua valendo: a religião promove um comportamento cooperativo entre indivíduos desconhecidos e assim cria grupos estáveis capazes de adaptação em circunstâncias mais desafiadoras, como o frio intenso ou escassez de alimento. A religião melhoraria a sobrevivência e reprodução de seus membros.

Em suporte dessa ideia, vale lembrar que os homens são mais propensos a um comportamento altruísta e solidário se sabem que estão sendo vigiados. Dessa forma, a presença onipotente de um Deus supernatural e preocupado com a moralidade serve de estímulo ao comportamento altruísta, especialmente em grupos grandes ou quando o anonimato é possível. Mas existem poucas evidências científicas de que esse é realmente o caso. Faltam estudos investigando se os indivíduos realmente seguem todos os princípios da religião a que pertencem.

Acompanho essa discussão há um tempo e acredito que os objetos arqueológicos respondem apenas a um pedaço das questões e os modelos cognitivos ainda estão muito baseados em especulações. Mesmo assim, a forma como diferentes disciplinas têm convergido para a resolução desse problema sugere um aumento no interesse sobre o assunto.

Espero ver uma transformação nos próximos dez anos, com novas evidências e mais dados apontando para o porquê e como as religiões de fato surgiram e dominam sociedades humanas.

Fonte:

G1 o portal de notícias da Globo