31.3.11

Pastor Vende Unção Milagrosa, Gera Filas de até 26 km e atrai Milhares de Pessoas. Dezenas Morrem à espera

Alguns curandeiros afirmam que partes do corpo de pessoas albinas são eficazes na produção de poções milagrosas, o que provocou o assassinato de inúmeros albinos nos últimos anos. Mídia local afirma que mais de 50 pessoas morreram na fila de espera

Um pastor da Tanzânia pediu a seus seguidores que parem de ir à remota região em que ele vive em busca de uma ''poção milagrosa''.

As visitas à sua casa começaram a causar caos na região, porque atraem milhares de pessoas, e as filas se estendem por dezenas de quilômetros.

O reverendo Ambilikile "Babu" Mwasapile, de 76 anos, disse que não quer que ninguém mais compareça a suas sessões de cura até a sexta-feira, dia 1º de abril, prazo que deu para que as multidões de peregrinos diminuam.

Uma repórter da BBC contou que as filas para uma visita a Mwasapile chegam a ter 26 quilômetros de comprimento.

De acordo com a mídia local, cerca de 52 pessoas morreram quando esperavam para vê-lo.

A crença na magia e nos poderes dos curandeiros tradicionais são costumeiras na Tanzânia.

Proibição

Em 2009, o governo da Tanzânia proibiu a atuação de todos os magos e curandeiros tradicionais no país.

Mas na segunda-feira, o primeiro-ministro do país, Mizengo Pinda, disse que não iria tomar qualquer ação para impedir as sessões de Mwasapile.

A popular poção do curandeiro da Tanzânia é feita de ervas e água, que ele vende por 500 shilings tanzanianos (o equivalente a pouco mais de R$ 0.50).

A repórter da BBC Caroline Karobia, quando visitou a região em que Mwasapile vive, disse ter encontrado cerca de seis mil pessoas aguardando para ver o pastor aposentado da Igreja Luterana Evangélica da Tanzânia.

A maior parte das pessoas dorme ao relento ou dentro de seus carros perto da estrada que leva à casa do curandeiro, no vilarejo de Samnuge, que não conta com abrigos, água potável ou banheiros.

Assim que se espalharam os rumores sobre o poder de cura da infusão, muitas pessoas começaram a ser retiradas de hospitais por seus parentes, que acreditam que elas têm mais chance de cura nas mãos de Mwasapile.

Muitas acabaram morrendo antes de vê-lo, enquanto outras, segundo relatos, teriam morrido após tomar a sua poção.

O ministro da Saúde da Tanzânia, Haji Hussein Mponda, disse à BBC que testes provaram que a mistura é segura para o consumo humano.

Ele acrescentou que estão sendo feitos novos testes para avaliar os supostos predicados médicos da infusão.

A polícia foi reforçada na região que leva à casa do pastor, a fim de conter as grandes multidões, muitas das quais chegam a vir de outros países, como o Quênia e até outras nações mais distantes.



Com informações BBC / Sol / Estadão

Controversa Decisão de Doar Órgãos, 'Não há Nenhuma Evidência Bíblica de Proibição'

Por Amanda Gigliotti|Repórter do The Christian Post

Com uma recente decisão controversa de uma mãe latino-americana que doou os órgãos de sua filha, um proeminente pastor de uma das maiores megaigrejas hispânicas nos Estados Unidos falou sobre o tema doação de órgãos para o The Christian Post nesta quarta-feira (30).

Dr. Gilberto Velez da Iglesia Cristiana Misericórdia no Texas, EUA, comentou sobre a situação divulgada pela Reuters nesta segunda-feira, sobre a polêmica causada quando Norma Garcia decidiu doar os órgãos da filha após ter sido declarado clinicamente morta pelos médicos. Seus pais, que são provenientes do México, questionaram a sua atitude e manifestaram a sua indignação e repulsa em relação à isso, o que pôs em prova a sua identidade cultural e fé cristã.

"A maioria da minha família tinha uma crença de que,"Como você pôde fazer isso? Como você pode permitir que ela seja mutilado? Como você pode deixá-los tirar o seu coração?'" disse Norma Garcia, uma agente imobiliária de acordo com a Reuters.

Para especialistas de doação de órgãos, hispânicos têm menor probabilidade de doar do que os norte-americanos como um todo, alegando que sua religião não lhes permite fazê-lo.

"Nós encontramos que a comunidade hispânica nos diz: "Minha religião diz para não doar," e "eu não posso ter um caixão aberto porque o corpo será danificado," disse Esmeralda Pereira do Organ Sharing Alliance do Texas, de acordo com a Reuters. "Eles sentem que seu ente querido será desfigurado, ou a pessoa não será capaz de entrar no céu porque seu corpo não vai estar inteiro."

Mas Velez, que é também o Presidente do Conselho da Conferência Nacional Liderança Cristã para os Hispânicos (NHCLC), afirmou que "não há evidência bíblica que proíba esta prática."

"Quando há setores evangélicos que expressam oposição a doação dos órgãos, eles fazem isso porque a maioria deles se baseam na interpretação de algumas partes das Escrituras, onde fala sobre os templos do Espírito Santo e que nós temos que cuidar do nosso corpo. Mas esta é uma questão de interpretação, não é que a Escritura diz que é proibido."

Um proeminente teólogo católico Rev. John Leies disse que a Igreja está trabalhando para convencer o crente de que a doação de órgãos não torna impróprio para o corpo pós-morte.

"A Igreja está consciente de que existem tantas pessoas à espera de órgãos, e não há o suficiente para ser entregue e as pessoas morrem sem receber seus órgãos," disse ele. E ele descobriu que "é difícil lutar contra essas idéias culturais, e talvez a Igreja não tem feito um esforço suficientemente bom."

Para a Igreja Evangélica, Velez explicou que é difícil falar em nome de todos os evangélicos, porque existem diferentes denominações com o ponto de vista diferente. No entanto, ele disse que, em geral, "a maioria das pessoas evangélicas não se opõem à doação de órgãos."

"Nós não somos contra isso, nós não promovemos, mas nós não condenamos tais práticas. Nós deixamos a pessoa decidir," disse ele.

Talvez, diz o Velez, pode haver algumas facções dentro do movimento evangélico, especialmente dentro dos movimentos independentes, que não estão sob o controle das denominações tradicionais, como a Assembléia de Deus, Batistas, Metodistas, etc, que têm seu próprio ponto de vista.

Dr. Velez acredita que existe um "apoio e pleno reconhecimento da importância da doação de órgãos para a saúde das pessoas."

Para esclarecer esta questão às pessoas religiosas, Velez recomendou altamente os povos latino-americanos a buscar a orientação de seus líderes, notícias, revistas e outras publicações ou outras organizações cristãs.

Segundo ele, organizações como NHCLC dedicam-se a difundir a consciência dentro do Povo hispânico cristão sobre esse tipo de assunto e outros que são importantes para Comunidade Evangélica Hispânica.

"Este é o nosso trabalho: Educação e orientação."

Fonte:

christian post

Casal homossexual quer fechar igreja por acusação de homofobia

O consultor Carlos Roberto Neher, de 44 anos, e o auxiliar-administrativo Thiago André Santos da Rocha, 23, que mantém união estável há cinco anos, vão entrar na Justiça para tentar fechar a igreja evangélica Esperança Viva, de Mogi das Cruzes (SP). Eles acusam os representantes da instituição de homofobia, ameaça e invasão de domicílio.

Neher e Rocha moravam em Porto Alegre e, há três meses, vieram morar em Mogi, segundo eles, a pedido de um representante da igreja. "Fomos convidados para ajudar em uma comunidade terapêutica. Largamos tudo para nos dedicarmos a esse programa e o combinado era que tivéssemos uma casa aqui em Mogi para morar", explicou Neher.

Assim que o casal chegou à cidade, em janeiro, foi morar no sítio Xangrilá. No entanto, no início de março, o pastor teria informado que eles passariam a morar em outro imóvel, com outros funcionários e dependentes químicos. "Eles sempre souberam que nós tínhamos uma união estável. Quando deixei isso mais claro ainda, praticamente nos expulsaram de lá".

Ontem, o casal e o advogado Eduardo Piza Gomes de Mello foram até o 2° DP, em Brás Cubas, onde entregaram a representação contra os representantes da instituição. "Também vamos entrar com uma representação na Secretaria de Justiça para pedir a suspensão das atividades clínicas e da igreja. Podemos fazer isso com base em uma lei que diz que, quando a instituição pratica atos de discriminação em relação à orientação sexual, está sujeita a multas e suspensão das atividades", explicou o advogado.

Fonte: Mogi News


Via: www.guiame.com.br

Após ser chamado de racista por dizer que africanos e descendentes são amaldiçoados, Marco Feliciano saiu do twitter



Diante das críticas, ameaças de petições para a retirada do Pastor do cargo de Deputado Federal e denúncias contra ele por racismo e preconceito, Marco Feliciano anunciou as duas da manhã que estaria saindo do Twitter em sinal de protesto contra os que discordam de suas publicações.

No entendimento do Pastor as críticas seriam “Terrível a bestialidade de um grupo fechado nesta rede q sobrevive as custas de gente simples”. Segundo ele seria um mal entendido já que tudo teria começado quando “Ao enviar uma msg a um infeliz q ate de morte me ameaçou e ameaçou tbem minha família. Disse a ele q meu nome não era osso…”.

O primeiro twitt chamando de cachorro foi enviado para um pregador de 19 anos e um pastor da Assembléia de Deus que conversavam sobre o convite do Pastor Marco Feliciano para pregar no centenário da Assembléia de Deus. Procurados pelo Gospel+ eles negaram ter ameaçado Marco Feliciano e sua família de morte. O Pastor Geremias afirmou que não sabe se irá processar o Pastor Marco Feliciano pela afirmação: “Vou orar sobre isso e, se for o caso, entrar com uma ação contra ele, embora saiba que goza de fórum especial”.

Marco Feliciano deixou o twitter afirmando ser devido “aos desaforos da comunidade homoafetiva, mais os transtornos q vieram disso”, completou: “Peço desculpas aos milhares de seguidores, afinal vieram ao meu socorro e apoio, mas q não merecem ler esses ataques descabifos q vem de pessoas tristes q vivem de desgraçar a vida alheia, e seus frutos são podres. Um abraço e fiquem bá paz. Meu protesto será o silencio. Adeus”

As reações para a afirmação foram as mais diferentes, alguns apoiaram Marco Feliciano afirmando que ele seria “uma benção para os evangélicos”, outros o acusaram de estar tentando se passar de vítima e se esquivar e não ser processado.

Até o fechamento da matéria os perfil ainda não tinha sido fechado.

Fonte: Gospel+

Pastor e Deputado, Marco Feliciano cria polêmicas e revoltas no twitter

As mensagens do pastor durante toda essa semana gerou uma série de respostas contrárias e acusações de racismo e homofobia

Pastor e Deputado, Marco Feliciano cria polêmicas e revoltas no twitter

Essa semana o pastor e deputado federal Marco Feliciano se envolveu com uma série de polêmicas devido as suas mensagens no Twitter.

Tudo começou quando ele respondeu a dois pregadores que questionavam o convite que Marco Feliciano teria recebido para pregar em Belém durante as festividades do centenário das Assembleias de Deus. Em respostas aos dois irmãos ele escreveu: “Só avisando que meu nome não é osso pra ficar na boca de cachorro.”


Diante da repercussão dessa mensagem os internautas começaram a escrever postagens com a hashtag #marcofelicianofacts que chegou ao posto das palavras mais comentadas no microblog escrevendo várias piadas atribuídas ao pastor do Ministério Tempo de Avivamento.

Na noite desta quarta-feira, 30, o pastor voltou a criar revolta nos usuários ao afirmar que os africanos descendem de um ancestral amaldiçoado por Noé. “Sobre o continente africano repousa a maldição do paganismo, ocultismo, misérias, doenças oriundas de lá: ebola, aids. Fome… Etc”.

Assim que postada, suas mensagens consideradas pelos seus seguidores como racistas geraram respostas nada favoráveis, dezenas de twitters responderam ao pastor o acusando de racismo e homofobia.

Não suportando as críticas Marco Feliciano decidiu sair do twitter. “Peço desculpas aos milhares de seguidores, afinal vieram ao meu socorro e apoio, mas q não merecem ler esses ataques descabidos q vem de pessoas tristes q vivem de desgraçar a vida alheia, e seus frutos são podres. Um abraço e fiquem na paz. Meu protesto será o silencio. Adeus (sic)”.

Apesar da ameaça o perfil do deputado que tem mais de 27 mil seguidores ainda está ativo.

Fonte: Gospel Prime


30.3.11

A sombra do suicídio

Evangélica relata a dor de ver seu filho tirar a própria vida.

Por Christine A.Scheller

A sombra do suicídio

"O suicídio é como uma cruel brincadeira cósmica. Era como se Deus ou o diabo, ou algum Jó, estivesse escarnecendo ou brincando conosco."

Quando tinha 13 meses de vida, meu filho Gabriel teve seu primeiro ataque de asma. Eu e minha mãe estávamos terminando as provas do vestido e das lembranças para o meu casamento, que se aproximava. Gabe, como o chamávamos, ficou muito mal – durante todo aquele dia, revezamo-nos em turnos para assisti-lo e dar-lhe remédios que o acalmassem e mantivessem respirando até que o levássemos ao médico. No cair da noite, nós estávamos na emergência do hospital vendo os milagres que podem ser forjados com substâncias como adrenalina e esteróides orais. Gabriel passou os cinco dias seguintes, incluindo o do meu casamento, recuperando-se da crise numa tenda de oxigênio.

Essa memória me lembra que alegria, dor e doença são experiências arraigadas na história de minha família. A começar pelo próprio nascimento de Gabriel. Ele é filho de um tanzaniano e fruto de um romance universitário falido. Não havia o que esconder a respeito das circunstâncias de sua concepção e vinda a este mundo, principalmente depois que me casei com um homem branco como eu. Também não havia remédio para a dor dessas circunstâncias, a não ser o eterno bálsamo do amor.

Por aproximadamente duas décadas, o amor deu rédeas a Gabriel, a seu irmão, a meu marido e eu, como se nós galopássemos lindamente pela vida. Então nós tivemos uma surpresa. Ao mesmo tempo que Gabe se formou na universidade, ele tinha sérias dificuldades em se relacionar com nossos amigos, e era solitário. Por outro lado, nossas experiências pessoais com a igreja tinham deixado eu e meu marido mancando e meus filhos, extremamente desmotivados em relação à vida cristã. Convenci a mim mesma que remédios em casa e o tempo iriam nos curar, e como autodemonstração de fé, contei para os outros que eu iria provar a supremacia do amor nas vidas dos meus filhos. Pois exatamente na época em que pensei estar retomando o controle da situação, meu filho Gabriel se suicidou. Ele tinha 23 anos.

As lembranças que tenho são de calma, entre inexoráveis ondas de tristeza e culpa. Isso me lembra que eu não sou Deus; não posso saber ou ver tudo. Isso também me lembra das muitas vezes em que eu consegui a ajuda para meu filho antes que fosse tarde demais. Minha sanidade e fé demandam cada lembrança. O suicídio é como uma cruel brincadeira cósmica. Era como se Deus ou o diabo, ou algum Jó, estivesse escarnecendo ou brincando conosco. Nossa paranóia era grande – teríamos eu e meu marido sido pais relapsos ou negligentes? Que tipo de ironia horrível foi aquela que fez nosso filho, um rapaz com tudo pela frente, tirar a própria vida?

E o pior é que eu não era leiga no assunto. Ironicamente, no dia anterior àquela tragédia, eu havia participado de um fórum sobre psiquiatria e espiritualidade. Havia até postado textos na internet sobre prevenção ao suicídio. Eu me martirizava pensando que deveria ter reconhecido os sinais de aviso. Ao contrário do que se imagina, quem exibe os mais pronunciados sinais de predisposição mental ao suicídio tende a escolher recursos menos letais, enquanto aquelas que agem impulsivamente recorrem a métodos violentos, como atirar-se de um ponto alto. Por outro lado, menos de dez por cento dos sobreviventes de uma tentativa de suicídio prosseguem no intento de tirar suas vidas. Para mais de 90%, a crise passa.

Naquela noite fatídica, depois da chegada da polícia, recebi a visita de Aaron Kheriaty, o psiquiatra que havia me encaminhado àquele congresso. Ele pacientemente nos assegurou que a morte de Gabriel não era nossa culpa. Lembro-me de suas palavras gentis, mas enfáticas, insistindo que a morte nunca faria sentido, ainda mais através de suicídio, um ato inerentemente irracional. Kheriaty era a pessoa adequada para participar de nosso momento de dor, ao contrário de alguns pastores que preferem descrever o suicídio como uma escolha imprudente ou simples falha espiritual. Aquele especialista também falou no funeral de Gabriel. Sua presença ajudou a estruturar meu desgosto e descansar minha mente que estava imersa num oceano de dúvidas.

Passado o trauma inicial – refiro-me ao trauma, porque a dor não passa nunca! –, relembrei as últimas conversas que tive com meu filho. Uma delas foi justamente naquela noite, antes de ele sair. “Gabe, querido”, eu disse. “O que está acontecendo com você? Seus olhos parecem mortos.” Ele somente fez como que se não precisasse de nada e eu o deixei ir. Só que Gabe, como aproximadamente metade dos universitários, tornou-se depressivo quando deixou nossa casa. Eu o incentivei a procurar conselhos no serviço escolar. Depois, olhando em perspectiva, desejei que nós tivéssemos lhe dado um ultimato: que procurasse ajuda ou voltasse para casa.

Somente nos fins de semana que passava conosco Gabriel revelava que algo em seu íntimo ia errado. Ele se tornou um jovem fechado e irritante, com humor oscilante. Notícias de empréstimos tomados sem razão e casos de delinquência chegavam pelo correio quase que diariamente. Ele usava roupas sujas para ir trabalhar, dormia pouco e aparentava pouco apetite. Entretanto, pouco antes de sua morte, Gabriel se apresentou em um clube de comédia. No dia da sua morte, ele brincou com colaboradores e publicamente professou seu amor por Jesus. Especialistas descrevem essa contradição como “suicídio calmo”, que acontece quando alguém decide, finalmente, acabar com o tormento mental. O aspecto vago que eu notei em seus olhos já era indício de depressão suicida. No seu espírito, ele já tinha nos deixado.

Sobreviventes precisam de tempo e espaço para vir à realidade de auto-avaliação. Kheriaty fechou sua mensagem com uma meditação do Príncipe da paz. Na cruz e na sua agonia, nosso Senhor sofreu não somente nossas aflições físicas, mas nossas angústias mentais também. Fora de nossas profundidades nós choramos diante do Senhor, e ele alcança o nosso profundo e nos levanta com ele. Deus sabe da profundidade do nosso sofrimento; ele conhece a fragilidade do nosso coração. E o coração do próprio Cristo, tão humano quanto divino, é misericordioso além da medida. E é nessa misericórdia que nós colocamos nossa esperança. Nas mãos estendidas na cruz, num gesto supremo de amor, é que nós confiamos Gabriel.

Quando eu penso em tudo que Gabe sofreu em sua vida, fico sem entender algumas coisas. E descubro que é difícil confiar em Deus ou me engajar com intimidade como fiz uma vez. Todo dia, inalo um momento de graça. Estou imensuravelmente grata pelo privilégio de ter sido a mãe de Gabriel. Pela fé, vejo agora que meus encontros acidentais com Aaron Kheriaty não foram uma piada cósmica, mas uma evidência da imanência de Deus. Como Gabriel estava caminhando para fora da porta desta vida, eu o chamei depois, dizendo “eu te amo”. Amor é tão forte como a morte, conforme Salomão escreveu. Sim, o amor de Deus é mais forte.

Christine A. Scheller é escritora e mora em New Jersey, EUA

Prevenindo o que não se pode remediar

Segundo a Fundação Americana para Prevenção do Suicídio, esta é a quarta causa de morte entre pessoas de 18 a 65 anos e a terceira entre adolescentes e jovens adultos nos Estados Unidos. Todavia, noventa por cento das vítimas de suicídio sofrem de disfunção psiquiátrica diagnosticável – por isso, reconhecer os sintomas e tratá-los pode salvar vidas.

Fatores de risco incluem:

. Desordem psiquiátrica

. Uso abusivo de drogas (inclusive medicamentos legais)

. Tentativa anterior de suicídio, ou histórico familiar de suicídio ou doença mental.

. Fator demográfico (homens brancos de idade avançada possuem o maior percentual de suicídio; e indivíduos com tendência artística sofrem desproporcionalmente de disfunção de comportamento)

Sinais de advertência incluem:

. Desânimo persistente

. Perda de interesse em atividades antes consideradas agradáveis

. Falta de esperança

. Ansiedade, dor física, tensão interna

. Retraimento

. Distúrbios no sono

. Aumento do uso de álcool e/ou drogas

. Prática de atividades arriscadas

. Conversa sobre suicídio ou desejo de morrer

. Prodigalidade (doação de bens valiosos, por exemplo)

. Aquisição ou posse de arma de fogo, venenos ou drogas narcóticas

. Aumento de irritabilidade ou raiva

Caso você conheça ou conviva com um potencial suicida, saiba como ajudá-lo:

. Pergunte se a pessoa está considerando o suicídio e se ela tem plano neste sentido

. Evite culpar o potencial suicida. Em vez disso, expresse preocupação com empatia, assegurando-lhe que sentimentos suicidas são temporários, problemas podem ser resolvidos e a depressão é tratável

. Encoraje a pessoa a procurar ajuda profissional. Indivíduos suicidas geralmente acham que não podem ser ajudados

. Em situações de crise, não hesite em encaminhar a vítima a atendimento especializado

. Nunca deixe o suicida em potencial sozinho

. Remova objetos que poderiam ser usados em tentativas de suicídio

Fonte:Cristianismo Hoje

Deus tinha uma esposa? Teóloga inglesa afirma que sim

francesca stavrakopoulou Deus tinha uma esposa? Teóloga inglesa afirma que sim

Conquistar um título de doutorado em Teologia na conceituada Universidade de Oxford, Inglaterra, não é algo fácil. Quando se é mulher e ateia, torna-se algo ainda mais complicado. Mas Francesca Stavrakopoulou (foto) chegou lá e hoje é professora do departamento de Teologia e Religião na Universidade de Exeter e apresenta semanalmente uma série produzida pela BBC chamada Os Segredos Escondidos da Bíblia.

No episódio que foi ao ar duas semanas atrás, ela divulgou a sua tese: os antigos israelitas pensavam que o seu Deus Yahweh [Jeová] foi casado. Ou seja, o politeísmo, adoração de muitos deuses, não foi uma corrupção de alguns israelitas do monoteísmo. Eles tinham, segundo ela, bons motivos para crer que havia mais de um deus.

Segundo a pesquisadora, as primeiras versões da Bíblia apresentavam uma deusa da fertilidade, Aserá, como a possível companheira de Deus. Mas essa não é uma ideia nova. Em 1967, o historiador Raphael Patai já defendia que os antigos israelitas adoraram tanto Yahweh quanto Asherah (Aserá, em português).

Para “provar” a existência dessa suposta “esposa de Deus” são citados indícios em textos antigos, amuletos e estatuetas encontradas por arqueólogos nas ruínas de uma cidade cananéia, na região de Kuntillet Ajrud, que hoje pertence à Síria. Inscrições em cerâmica encontrada no deserto do Sinai também mostrariam que Yahweh e Asherah eram adorados em conjunto. Também colaboraria para isso a passagem no Livro de 1 Reis que menciona uma imagem da deusa colocada no templo do Senhor e teria sido adulterada posteriormente.

Presidente do Centro de Estudos Judaicos do Arizona e do Instituto Albright de Pesquisas Arqueológicas, J. Edward Wright defende a tese de Stavrakopoulou, afirmando que várias inscrições hebraicas mencionam “Yahweh e sua Asherah”. Ele acrescenta que o nome de Asherah não foi inteiramente retirado da Bíblia por seu editores do sexo masculino.

150px Asherah Deus tinha uma esposa? Teóloga inglesa afirma que simWright explica que ela era uma divindade importante, símbolo de fertilidade no antigo Oriente (foto), conhecida por sua força e cuidado. Afirma ainda que seu nome por vezes foi traduzido como “árvore sagrada”. Há relatos de que essa árvore foi “cortada e queimada fora do Templo, numa atitude de certos governantes que tentavam ‘purificar’ o culto e dedicar-se à adoração de um único Deus masculino, Yahweh”. ”Mas os vestígios dela permanecem e, com base nisso, podemos reconstruir o seu papel nas religiões do Levante do Sul”, conclui o estudioso.

Aaron Brody, diretor do Museu Bade e professor adjunto de Bíblia e Arqueologia na Pacific School of Religion, diz que os antigos israelitas eram politeístas e que só uma “pequena porção” adorava apenas a um Deus. Para ele, foi o exílio de uma comunidade de elite dentro da Judeia e após destruição do Templo de Jerusalém em 586 AC que os levaram a uma “visão universal do monoteísmo restrito.”

A popularidade de Stavrakopoulou com o programa de TV está gerando curiosidade sobre seus livros e artigos, que são a base da série da BBC. Tradicionalmente o material da emissora inglesa é exportado para o mundo todo, portanto essa questão logo deverá chegar a muitos países.

Agência Pavanews, com informLinkações de Huffington Post, Time e Discovery.

Fonte: PAVAGLOG

29.3.11

Redes Sociais e depressão infantil

Redes Sociais e depressão infantil

Um estudo publicado pela sociedade de pediatria dos Estados Unidos diz que Facebook (e outras redes sociais) pode causar depressão em crianças e adolescentes. Uma das explicações da ameaça é que, pela pouca idade, os pequeninos não têm maturidade suficiente para perceber que a maioria das pessoas só posta na rede o que é positivo (e às vezes até exagerado) a respeito delas mesmas. Elas não conseguem ver que a verdade de todos é bem diferente do que dizem de si mesmos, que é uma realidade distorcida da vida normal. Assim, elas ficam se comparando e isto acaba causando tristeza, porque, do lado de cá da tela, na vida real, é impossível filtrar. Outro motivo da depressão pelo excesso de uso de redes sociais é o desejo exagerado de ser aceito por seus pares no mundo virtual e o isolamento social na vida real.

A pesquisa "O impacto das mídias sociais sobre crianças, adolescentes e famílias" da Academia Americana de Pediatria foi relatada por Gwenn Schurgin O'Keeffe e Kathleen Clarke-Pearson, que justificaram assim sua importância: "O uso de sites de mídia social está entre as atividades mais comuns das crianças e adolescentes de hoje. Qualquer site que permite a interação social é considerado um site de mídia social, incluindo as redes como Facebook, MySpace e Twitter, sites de jogos e vida virtuais como o Club Penguin, Second Life e The Sims, sites de vídeo como o YouTube, e blogs. Esses sites oferecem à juventude de hoje um portal de entretenimento e comunicação e têm crescido exponencialmente nos últimos anos. Por este motivo, é importante que os pais se conscientizem da natureza e das características destes sites, até porque nem todos eles são ambientes saudáveis para crianças e adolescentes. E o pediatra está numa posição única para ajudar as famílias a compreender esse fenômeno e para incentivar o uso saudável, alertando os pais a monitorar possíveis problemas como o "cyberbullying", "depressão Facebook", "sexismos", e a exposição a conteúdos inadequados".

Fonte: Agência Soma

Leia a íntegra do relatório da pesquisa (em inglês) "The Impact of Social Media on Children, Adolescents, and Families" no link do anexo logo abaixo.

Íntegra do relatório da pesquisa “O impacto das mídias sociais sobre crianças, adolescentes e famílias”


Musical da Broadway Satiriza Religião

Na Broadway, musical satiriza crença mórmon, mas, poupa os seus praticantes


O que têm em comum Hitler, Gêngis Khan, o assassino canibal Jeffrey Dahmer e o advogado que defendeu O.J. Simpson? Eles estão dançando num inferno, segundo o evangelho de Trey Parker e Matt Stone, os criadores de The Book of Mormon. A comédia musical da dupla que nos deu a irreverente série animada South Park estreou com bilheteria esgotada e críticas que pareciam descrever uma ressurreição. A música e o libreto são assinados por Parker, Stone e Robert Lopez, o criador do atrevido Avenue Q.

Desde a estreia de The Producers, de Mel Brooks, há dez anos, um espetáculo não eletrizava a Broadway com a mistura de sátira impiedosa e o bochicho que faz a alegria de cambistas.

Mas Trey Parker, agnóstico, e Matt Stone, ateu, ridicularizam a narrativa mórmon, não os membros da igreja. Trey Parker é fã confesso dos musicais e acha que eles têm o kitsch em comum com a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias.

A história começa na capital mundial da religião, Salt Lake City, em Utah. Uma dupla de missionários, Elder Cunningham e Elder Price é escolhida para fazer conversões em Uganda. No aeroporto, os rapazes ganham um bota-fora de uma personagem aparentemente desgarrada do Rei Leão, satirizado por sua representação idílica da África. Mas a sátira apenas começou. Na Uganda devastada por aids, pobreza e guerra, a dupla é saudada num vilarejo por um refrão contagiante, Hasa Diga Eebowai (sim, uma alfinetada no Hakuna Matata, do Rei Leão), dirigido a Deus e que não pode ser traduzido neste jornal. Os moradores do vilarejo cantam o refrão porque "se você tiver um provérbio", a vida parece melhor.

Parker e Stone se dizem há muito fascinados pela cultura da igreja fundada no Estado de Nova York por Joseph Smith, em 1830. O Livro de Mórmon revelado a Smith pelo anjo Morôni, afirma que Jesus Cristo ressuscitou no norte do Estado e narra civilizações antigas que teriam vivido a poucas horas de Times Square. Deus morava mais longe, num planeta chamado Kolob. A igreja hoje tem cerca de 1 milhão de seguidores no Brasil e seus missionários, a maioria homens, se destacam pela modéstia do uniforme - camisa branca e gravata preta.

O mormonismo cresceu mais no Brasil depois que a liderança da igreja nos Estados Unidos, em 1978, declarou que Deus havia mudado de ideia sobre a maldição de pessoas de pele escura, autorizando a ordenação de negros.

No vilarejo do musical, o missionário Cunningham confessa nunca ter lido Livro de Mórmon - "muito entediante" - e decide converter a população local apimentando a narrativa com ingredientes de O Senhor dos Anéis, Guerra nas Estrelas e até um sapo cuja função também não pode ser explicada aqui. Os habitantes, oprimidos por um líder paramilitar com nome impublicável, ficam seduzidos pelas histórias, são batizados e encenam sua versão da escritura Mórmon para o líder mórmon que chega de Utah. Palavrões, escatologia e blasfêmia formam o número musical apoteótico e hilariante.

The Book of Mormon não é uma peça de propaganda antirreligiosa. É uma sátira à credulidade que admite que muitos precisam acreditar no divino. Trey Parker e Matt Stone sempre fizeram paródia do lixo na cultura americana, mas demonstram afeto pelo ridículo resultante. Com um espetáculo que acende vela para a linhagem tradicional de musicais como The King and I e The Sound of Music, os dois meninos terríveis da comédia animada apresentam para uma nova geração um gênero que não fazia parte de seu vocabulário digital.

Fonte:


Lúcia Guimarães - O Estado de S.Paulo

Crer engorda? Estudo associa frequencia à igreja com obesidade

A imagem de pastores mais rechonchudos ou que visitam os membros da igreja só para comer é bastante comum no meio religioso. Desde o Antigo Testamento, a Bíblia alertava os fiéis sobre os perigos da gula. A relação com os alimentos é intensa no Livro Sagrado: comer um fruto expulsou o homem do Paraíso, o maná salvou os hebreus da fome durante o Êxodo, Jesus comparou seu próprio corpo com o pão, o céu é descrito como um lugar onde haverá um banquete etc. Contudo, comer após ter saciado a necessidade do organismo deturpa a alma, afirmavam os profetas.

Numa sociedade em que a obesidade já é considerada epidemia mundial, como resistir às tentações das redes de fast food, dos restaurantes refinados, dos pães e doces exibidos em prateleiras provocativas? Entupir-se de guloseimas, porém, pode não ser uma afronta tão grande aos céus.

Professor de sociologia da Universidade de Purdue, Kenneth Ferraro publicou em 1998 um estudo sobre saúde, religião e os dados do Censo. Sua conclusão é que as pessoas com maior envolvimento religioso tendem a ser mais obesas. ”As igrejas americanas praticamente silenciaram sobre o excesso de peso de seus membros, apesar de a Bíblia recomendar moderação em todas as coisas”, disse ele.

Estudo apresentado recentemente numa conferência da Associação Americana de Cardiologia mostra novamente que os jovens que frequentam cultos religiosos ao menos uma vez por semana têm uma probabilidade 50% maior de apresentar obesidade na idade adulta. Depois de analisar fatores como sexo, idade, raça, escolaridade, renda e índice de massa corporal, 32% dos que frequentam os cultos se tornaram obesos depois dos 50 anos, enquanto apenas 22% das pessoas que frequentam menos a igreja se tornaram obesas.

Matthew Feinstein, da Universidade Northwestern, em Chicago, fez um estudo que acompanhou durante 18 anos 2.433 homens e mulheres que participam ativamente em sua igreja, com idade de 20-32 anos. Sua tendência em ser obeso (IMC> 30) na meia-idade chamou atenção. ”Não sabemos exatamente por que a participação frequente nas atividades religiosas está associada ao desenvolvimento da obesidade, mas o resultado nos ajuda na prevenção”.

Donald Lloyd-Jones, o principal autor do estudo, declarou: “A obesidade é a epidemia de grandes proporções que preocupa a população de várias partes do mundo. Sabemos que as pessoas obesas tendem a desenvolver doenças cardíacas, diabetes, além de certos tipos de câncer. Consequentemente, morrer mais jovens. Precisamos usar todas as ferramentas possíveis para identificar os grupos de risco e oferecer treinamento e apoio para impedir o desenvolvimento da obesidade.

Jones adverte que a descoberta não visa comparar a saúde dos religiosos com a dos não-religiosos. No entanto, os autores ressaltam que outros estudos anteriores já mostraram que pessoas religiosas tendem a viver mais, porque não fumam e não bebem.

Diretor do Program on Religion and Population Health da Universidade de Baylor, Jeff Levin sugere que as tradições alimentares associadas à religião não são saudáveis, com refeições fartas feitas regularmente aos domingos após o culto. Por outro lado, trata-se de uma boa oportunidade perdida de passear no parque com a família e fazer um pouco de exercício físico.

“Os aspectos sociais da prática religiosa quase sempre envolvem comida e festa”, disse o doutor David Katz, diretor e fundador do Cento de Prevenção e Pesquisa da Universidade de Yale.

Muitos especialistas em dieta acreditam que uma mudança de atitude entre as pessoas religiosas também pode estar por trás dessa correlação: “Outra explicação possível é que a religião incentiva pensar na vida após a morte e possa, desse modo, tirar um pouco o foco das metas de saúde do presente”, disse Katz.

Perguntado sobre o assunto, o pastor Steve Willis, da Primeira Igreja Batista em West Virginia, explica: “Podemos falar sobre todos os tipos de pecado na igreja, mas não falamos sobre o pecado de não cuidar do templo que Deus nos deu”. Para ele, a igreja Batista encoraja os fiéis a praticar exercícios e ter uma alimentação saudável como um ato de adoração. “É importante que os cristãos cuidem de seus corpos, pois eles pertencem a Deus”.

O pastor Jay Richardson, da Highland Colony, também abordou a questão da obesidade dentro da igreja por meio de uma série de sermões: ”De alguma forma, temos uma espécie de ‘divórcio’ a partir de nossa vida espiritual quando pensamos sobre nossa saúde e comer tudo o que queremos. Devemos honrar a Deus com nossos corpos, pois eles não são para nossa satisfação e sim para a glória de Deus”.

Rick Warren, famoso autor e pastor da igreja de SaddleBack na Califórnia, recentemente iniciou uma campanha para a prática de um regime baseado no livro de Daniel. Seu objetivo é o de influenciar os membros a fazer como ele e seguir uma dieta rigorosa, procurando perder peso e ter uma alimentação mais saudável.

Fonte: Pavablog ( com informações da ABC News, MSNBC, USA Today e Christian Post.)



Via: www.guiame.com.br

28.3.11

Pr. Silas Malafaia pode ser indiciado por homofobia por ter comparado homossexualidade com sexo com mortos e animais.

Pastor Silas Malafaia pode ser indiciado por homofobia por ter comparado homossexualidade com sexo com mortos e animais. Assista

Um inquérito foi aberto contra o Pastor Silas Malafaia por suas afirmações em uma audiência pública em 2010, a investigação está sendo realizada pela procuradoria da república. Na ocasião o líder da Igreja Vitória em Cristo comparou a opção sexual homossexual com necrofilia (sexo com pessoas mortas) e zoofilia (sexo com animais).

A Procuradora da República Ana Carolina Araújo Roman comanda as investigações baseadas em um debate público sobre o Estatuto da Família realizado na Câmara dos Deputados em Brasília. O Pastor Silas ficou encarregado de defender os valores tradicionais e conservadores como o casamento apenas entre homem e mulher.

Inflamado, o Pastor afirmou que se fosse para legalizar o casamento gay, que se legalizasse também a necrofilia e zoofilia, pois também seria opções sexuais dos brasileiros.

Vamos liberar tudo que tem na sociedade. Vamos colocar na lei tudo que se imaginar. Quem tem relação com cachorro, vamos botar na lei, porque tem gente que gosta de ter relação com cachorro. Eu vou apelar aqui, mas tem que dizer, é um comportamento, ué. Vamos aceitar?

Quem tem relação com cadáver? É um comportamento, vou botar na lei. Ah, se é um comportamento, ué, estão espantados, vão discriminar, ué? É a favor de quê? Então vamos colocar tudo na lei e onde é que vai parar a sociedade brasileira?

A investigação foi iniciada ainda em 2010, mas só em fevereiro de 2011 foi convertida em inquérito contra o Pastor Silas Malafaia. Não é a primeira vez que a justiça tenta intervir nas palavras do Pastor, em 2007 o programa evangelístico de TV Vitória em Cristo, comandado pelo próprio Silas, quase foi proibido de ir ao ar antes das 20 horas devido a linguagem e forma como o Malafaia atacava a comunidade gay e defendia a comunidade cristã.


Fonte: Gospel+

“Sexo é mais que a penetração e as trocas físicas” afirma Caio Fábio

Em entrevista para uma publicação punk o reverendo fala sobre sexo e sua vida íntima

“Sexo é mais que a penetração e as trocas físicas” afirma Caio Fábio

Em uma entrevista dada a um fanzine em 2003 o reverendo Caio Fábio fala sobre sexualidade, critica a forma como a Igreja trata esse assunto e revela momentos de sua vida íntima.

Caio Fábio conta à publicação que não recomenda o primeiro livro que escreveu sobre sexo, Abrindo o Jogo Sobre o Namoro. “Aquele é um livro que deve ser lido ao contrário: quase tudo o que digo que não pode é justamente aquilo que a ‘conversão’ fizera supressão em mim. Assim, minhas ‘proibições pessoais’ viraram cartilha. Em três anos no máximo eu estava querendo tirar o livro do ‘mercado’.

O reverendo também revela que perdeu sua virgindade com cinco anos de idade com a adolescente que cuidava dele. Essa iniciação tão precoce teve consequencias em sua vida.

“Eu perdi a virgindade com cinco anos de idade. Minha babá de 13 anos fez o serviço. Daí eu ter crescido sem nunca dissociar a mim mesmo da experiência sexual. O que acontece aos meninos aí pelos 15 ou 16 anos já estava instalado em mim desde sempre”, diz.

Confira a entrevista:

Fonte: Gospel Prime

26.3.11

Conquistando o Impossível: Luan Santana grava música gospel

O jovem sertanejo regravou uma conhecida canção de Jamilly

Luan Santana gravou a música “Conquistando o Impossível”, da cantora Jamily em seu novo CD e DVD que foi gravado no Rio de Janeiro.

A canção de Jamily também conhecida como “Campeão”, fez parte da trilha sonora do filme “Flordelis – Basta uma Palavra para Mudar” na voz de Beno e Solange Cesar, além de ser a trilha motivacional do Flamengo na luta pela conquista do Campeonato Brasileiro de 2009.

O astro teen deu uma nova interpretação à música, no vídeo que caiu na rede, ainda não oficial, a platéia acompanha o cantor com a letra na ponta da língua. Realmente essa canção belíssima caiu no gosto popular.

Assista ao vídeo:



Fonte: Gospel Prime

EVANGÉLICOS TEMEM NOVO IRAQUE

1REUTERS/Goran Tomasevic
Foto: REUTERS/Goran Tomasevic

Aliança Evangélica envia comunicado e relata medo na Líbia

Em comunicado, a Aliança Evangélica advertiu contra a escalada do conflito no "novo Iraque", com a possível ocupação com tropas terrestres na Líbia.

O Diretor-Geral da Aliança Evangélica, Steve Clifford, disse que reconhece que há muitas atitudes diferentes para com a guerra entre cristãos, mas a guerra é sempre lamentável e deve ser encarada como um último recurso.

"Nós também reconhecemos que a resolução do Conselho de Segurança da ONU de 1973, dos quais a Grã-Bretanha é signatária, foi feita para restaurar a paz internacional com auxilio militar".

A Aliança também manifestou preocupação com o custo das operações militares no momento em que o Ministério britânico da Defesa teve o orçamento cortado em 8% e os cortes estão sendo feitos para outros serviços públicos.

Em um discurso de três minutos, transmitido pela televisão estatal, Kadafi prometeu lutar até o fim contra a coalizão internacional. Ele descreveu a ação militar da coligação internacional como "uma batalha dos países contra o Islã".

Kadafi disse que o Islã está em toda parte. "Todos os exércitos islâmicos devem tomar parte na batalha, todas [as pessoas] livres devem tomar parte na batalha. Nós seremos vitoriosos no final", afirmou ele.


Fonte: CPAD News

Masturbação no casamento. Pode ou não pode?

'O que um marido e uma esposa fizerem que promova a unidade é aceitável', diz pastor Mark Driscoll

O dicionário online Priberam da Língua Portuguesa traz duas definições para o significado do verbo masturbar:

1. Estimular os próprios órgãos genitais para obter prazer sexual; e 2. Manipular os órgãos genitais de outrem para lhe dar prazer sexual.

A primeira definição refere-se à forma mais conhecida de masturbação, a individual, na qual o indivíduo proporciona prazer apenas a si mesmo, e a segunda diz respeito à masturbação a dois, ou compartilhada, na qual os indivíduos estimulam um ao outro sexualmente.

Prazer egoísta

Quando falamos em masturbação, logo pensamos em garotos adolescentes com os 'ânimos' à flor da pele, mas o ato de masturbar-se não está apenas relacionado a eles. Pessoas adultas e até casadas estimulam-se sexualmente de forma individual.

Líder da igreja Mars Hill, em Seattle (EUA), o pastor Mark Driscoll fala sobre o tema em um sermão disponível na internet.

No começo do vídeo o pastor declara que masturbação não é pecado, mas diz que a luxúria e a pornografia são, e que o objetivo delas é a masturbação.

"Eu diria: pornografia é pecado, luxúria é pecado e se você puder encontrar uma maneira de masturbar que não inclua luxúria, suponho que não esteja pecando, mas você é estranho! Tipo pensando em tratores ou algo assim", brinca Mark.

O pastor fala claramente sobre o pecado da luxúria e da pornografia no uso de estímulos para a prática da masturbação como revistas e vídeos eróticos e até o pensamento em alguém tido como objeto de desejo sexual.

A masturbação individual é entendida como pecado quando praticada por adolescentes e jovens solteiros, mas e quando ela também é prática de pessoas casadas? Muda alguma coisa? Não, essa é a resposta do pastor, terapeuta de casais e líder do Ministério Restaurando Famílias para Cristo, Fernando César Alves.

"Enquanto solteiro, um jovem cristão poderia alegar a falta de uma companheira, do casamento e a carência sexual para a prática da masturbação, o que não convenceria, pois estaria despertando a lascívia e a concupiscência carnal. Casada, a pessoa já está autorizada por Deus para manter relação sexual com o seu cônjuge, ou seja, o corpo do outro está liberado para a obtenção do prazer sexual. Quem se masturba solitariamente, sendo casado, peca porque se abstém do prazer sexual com o seu parceiro, buscando esse prazer de forma egoísta... O prazer sexual no casamento deve ser sempre resultado do envolvimento físico dos dois".

Preliminar ao amor?

Podendo também ser considerada como uma preliminar do ato sexual, a masturbação a dois, na qual o marido estimula a esposa e a esposa estimula o marido, é 'totalmente aceitável' de acordo com o pastor Fernando. "A prática, efetuada dessa maneira, anula o sentido do egoísmo (...) é uma maneira que o casal encontrou de proporcionar prazer a si próprio".

Douglas Santana, casado há quase três anos, também concorda que a masturbação a dois é válida na intimidade do casal, mas prefere chamá-la de 'preliminar ao amor'. "O casal não pode substituir o sexo pela masturbação, agora, se essa 'preliminar ao amor' é apenas uma forma de carinho para estimular ambos para o ato do sexo, acho muito válido, afinal, um casal tem que se conhecer e usufruir desse conhecimento para que os dois tenham prazer", diz o jovem.

"Se um masturba o outro, chamamos 'estimulação manual mútua'. Se estão fazendo amor juntos eu não desencorajo porque a Bíblia diz em Gênesis 2 que o objetivo da sexualidade é unidade, 'o homem e a mulher tornam-se uma carne' (Gênesis 2.24). Então, o que um marido e uma esposa fizerem que promova a unidade, eu diria que é aceitável", explica o pastor Mark Driscoll.

Desculpas inválidas

O esposo está cansado ou a esposa está com dor de cabeça. O que dizer a quem se masturba para satisfazer o desejo quando o cônjuge, por algum motivo, não pode ter relação sexual naquele momento?

O pastor Fernando César diz que esse indivíduo apresenta um 'absoluto descontrole sobre seus desejos'. "O desespero em querer se masturbar para chegar a um orgasmo a qualquer custo demonstra falta de sensibilidade ao estado em que o cônjuge se encontra. A verdadeira e boa relação sexual compreende basicamente ao respeito à situação mental, física e emocional de ambos".

Para Douglas Santana, que também é líder de jovens da sua igreja, esse exemplo explica um dos problemas comuns da vida conjugal, que é quando alguns casais casam-se apenas pelo sexo.

"O sexo tem que ser o diferencial, mas o amor, a cumplicidade, o diálogo e principalmente o respeito têm que reinar sempre na vida de um casal. Quando se casam somente pelo sexo e um ou outro não estiverem 'no clima' em algum momento, eles vão procurar se satisfizer na melhor das hipóteses com a masturbação", pondera Douglas.

Em suas observações, Douglas também disse que a masturbação é um vício adquirido na juventude, levado ao casamento e que pode acabar virando a única forma de satisfação sexual de algumas pessoas.

Em suas frases conclusivas sobre a masturbação, Mark Driscoll relata o que diz a Bíblia sobre a intimidade conjugal. "A Bíblia diz que você deve desejar o casamento e intimidade marital, e o objetivo da intimidade marital é unidade".

O que pensam nossos leitores: Desde a última sexta-feira, dia 18, o GUIA-ME ouviu a opinião dos leitores sobre a masturbação no casamento.

Na home do portal, o resultado da enquete revela que 41,82% das pessoas acreditam que a masturbação no casamento é errado; 38,18% afirmam não ser errado; e 20% alegam que a situação depende de alguns fatores.

O leitor Leonardo deixou um comentário na enquete do portal:

"Acredito que se a mulher do mesmo deixa-lo sem nada, é melhor ele se mastubar pensando na esposa, do que pegar outra mulher na rua. E depois conversar com a esposa sobre o assunto."

Queremos continuar sabendo o que você pensa. A série SEXUALIDADE SEM TABU continua e na próxima semana vamos falar sobre como os casas evangélicos podem fugir da rotina da vida sexual. Vote em nossa enquete, deixe seu comentário em nossa página oficial no Facebook ou mande um reply através do nosso Twitter.


Por Juliana Simioni

Fonte: GUIA-ME



Via: www.guiame.com.br

Oração diminui agressividade e raiva nas pessoas, segundo pesquisa

Escrito por Milton Alves

Oracao

Orar pode ajudar muita gente a se sentir menos brava e a se comportar de forma menos agressiva depois que alguém a deixou furiosa. Foi isso o que revelou uma pesquisa. Três estudos mostraram que as pessoas que foram provocadas por comentários ofensivos por um estranho mostravam menos raiva logo depois se orassem por outra pessoa.

“Os benefícios da oração identificados nas pesquisas não dependem de intervenção divina e provavelmente acontecem porque o ato de orar mudou o jeito de as pessoas pensarem sobre uma situação negativa”, explicou Brad Bushman, coautor do estudo e professor de comunicação e psicologia da Universidade Estadual de Ohio, nos Estados Unidos.

“As pessoas geralmente se voltam para a oração quando estão sentindo emoções negativas, incluindo a raiva. Descobrimos que a oração realmente ajuda as pessoas a lidar com a raiva, auxiliando-as a mudar o modo como veem as coisas que as deixaram bravas e a encará-las de uma forma menos pessoal”.

O poder da oração também não depende se a pessoa é religiosa ou vai ao templo ou à igreja com frequência, explicou o pesquisador. Os resultados mostraram que a oração ajudou a acalmar as pessoas, independentemente da religião na qual elas acreditam ou ainda se oram (ou não) todos os dias.

Bushman observou que os estudos não avaliaram se as orações tiveram algum efeito nas pessoas em nome de quem foi feita a oração. A pesquisa focou apenas nas pessoas que estavam orando. O pesquisador acrescentou que esses são os três primeiros estudos a examinar os efeitos da oração sobre a raiva e a agressividade. Bushman realizou a pesquisa em conjunto com Ryan Bremmer, da Universidade de Michigan, nos Estados Unidos, e com Sander Koole, da Universidade VU de Amsterdã, na Holanda.

Embora os três estudos tenham abordado o assunto de formas diferentes, todas revelaram os benefícios de orar, explicou o pesquisador. Os resultados da pesquisa só valem para orações benevolentes defendidas pela maioria das religiões. Palavras vingativas ou cheias de ódio, em vez de mudar o modo como as pessoas encaram uma situação negativa podem alimentar ainda mais a raiva e a agressividade.

Segundo Bushman, “quando as pessoas estão enfrentando sua própria raiva, elas devem levar em conta o velho conselho de orar pelos inimigos”.

“Pode não fazer nenhum bem aos inimigos delas, mas pode ajudá-las a lidar com emoções negativas”.


Fonte: LPC Cominicações
Informações R7/O Galileo

Maioria dos Evangélicos Dizem: Desastres são Sinais do Fim dos Tempos

Uma pesquisa lançada nesta quinta-feira, questionando os entrevistados sobre Deus e os desastres naturais, revela que os evangélicos, mais que qualquer outro grupo, tendem a acreditar que os desastres naturais são sinais de Deus.

Por Stephanie Samuel|Repórter do The Christian Post
tsunami-japan-christian-post
(AP Images)
Tsunami Japão 2011.

Cerca de seis a cada dez evangélicos entrevistados acreditam que os desastres naturais são sinais de Deus, de acordo com as pesquisas do Instituto de Pesquisa de Religião Pública. Em comparação, somente cerca de um terço dos Católicos (31 por cento) e principais Protestantes (34) acreditam que desastres naturais são sinais de Deus.

A pesquisa PRRI/RNS encontra que 67 por cento dos evangélicos acreditam que os desastres naturais são evidência do que a Bíblia chama de “fim dos tempos” comparados com 58 por cento de todos os pesquisados que veem isso como evidência de uma mudança de clima global. Dentre os Republicanos, 52 por cento acreditam que desastres naturais são evidência do fim dos tempos.

Daniel Cox, diretor de pesquisa da PRRI, disse da pesquisa, “Evangélicos Protestantes e Republicanos são muito mais prováveis de acreditar que desastres naturais são evidência do que a Bíblia chama de ‘fim dos tempos’ mais do que evidência de uma mudança de clima global.”

Uma parcela menor mas significativa dos evangélicos entrevistados – 52 por cento – acreditam que a mudança de clima global causou os desastres naturais recentes.

A pesquisa também encontra que 53 por cento dos evangélicos brancos acreditam que Deus pune nações pelos pecados dos cidadãos.

Ano passado, o televangelista Pat Robertson tinha exclamado que o terremoto do Haiti havia sido por sua história de vodu. Robertson fez uma declarações similares sobre o furacão de 2005 que devastou a Costa do Golfo, ligando a tragédia com o aborto.

Mas nenhum líder evangélico nos Estados Unidos tem publicamente interpretado a recente tragédia no Japão como sendo punição de Deus.

Os norte-americanos são apoiadores fortes na ajuda financeira do Japão, de acordo com a pesquisa. Mais de oito em 10 entrevistados diz que prover assistência financeira ao Japão é tanto muito importante ou de alguma maneira importante mesmo com os desafios econômicos em casa.

A pesquisa PRRI/RNS está baseada nas entrevistas telefônicas com 1008 adultos norte-americanos conduzida entre os dias 17 a 20 de março de 2011.

Fonte: christian post

24.3.11

Pastora Afirma que Rick Martin Levará Porto Rico ao 'Inferno' em seu Facebook

A Pastora da megaigreja em Porto Rico, Wanda Rolón, respondeu nesta quinta-feira, 24 de março, às ofensivas feitas por seus comentários feitos em seu facebook sobre o cantor Ricky Martin na terça-feira, dizendo que o cantor que fará concerto nos dias 25, 26, 27 e 28 de março em Porto Rico, os levará (Porto Rico) ao "inferno." Ela afirmou que o concerto é "Abominável, com sadomasoquismo e nudez."

rick martin-christian-post
(Foto: AP Images)
A Pastora da megaigreja em Porto Rico, Wanda Rolón, reiteirou nesta quinta-feira, 24 de março, os ataques feitos pelo seu facebook sobre o cantor Ricky Martin na terça-feira, dizendo que o concerto que ele fará nos dias 25, 26, 27 e 28 de março em Porto Rico, é “abominável, com sadomasoquismo e nudez.”

"Eu quero dizer a Ricky Martin que não há necessidade de ir chegar a estes extremos de confundir nossas crianças e jovens. é uma irresponsabilidade sua," disse a religiosa, em uma conferência de imprensa, no Senado de Porto Rico, nesta quinta-feira.

Ela enfatizou em várias ocasiões ter sido vítima nos últimos três dias de “ataques que nunca havia pensado,” na polêmica causada por seus comentários de que Rick Martin era alguém que iria “conduzir [a ilha de Porto Rico] ao inferno,” feitos em seu facebook na última terça-feira.

“Que o Senhor nos ajude este fim de semana. Deus tenha misericórdia de Porto Rico,” clamou Rólon que recebeu hoje (quinta-feira) por parte do Senado o reconhecimento como mulher distinguida do país.

Durante a conferência, não foi permitida a entrada de líderes ativistas gays que quiseram se pronunciar contra ela. Entretanto, alguns conseguiram se infiltrar destacando um jovem do Comitê contra a Homofobia e a Discriminação, ángel Luis Crespo, que criticou Rolón por impor crenças religiosas à Sociedade.

“Suas expressões perpetuam a opressão e discriminação na sociedade que estamos buscando para combater a desigualdade,” disse o jovem.

A pastora e fundadora da Primeira Igreja Cristã La Senda Antigua, de 3,000 membros, Toal Alta, norte de Porto Rico, escreveu uma mensagem referindo-se ao cantor na terça-feira 22 de março, por descordar com as intenções do cantor de deixar exposto o seu lado homossexual, do qual ele alega tratar-se de um aspecto natural do ser humano.

“Este fim de semana Porto Rico recebe um homem que Deus resgatou do inferno à sua luz admirável Nicky Cruz (evangelista fundador ada Nicky Cruz Outreach http://nickycruz.org/ ), enquanto que há outro que pretende levá-los ao inferno! RM [Ricky Martin], então se proclamou seu embaixador [embaixador do inferno]. Desperta Porto Rico, todos clamemos ao Senhor! Esta é a ilha do Cordeiro... Alerta de Deus,” publicou Rolón em seu facebook.

Imeditamente, uma centena de seus seguidores se expressaram a favor de seu comentário, enquanto que mediante ao desacordo de algumas pessoas, Rolón respondeu que “falar a verdade, alertar o povo é sabedoria, calar-se diante da mentira é pecado.”

Rolón eliminou a mensagem de seu “status” logo depois e publicou outra no lugar: “Jamais promovi o ódio, senão o amor de Cristo. Porque Ele não faz acepção de pessoas no momento de perdoá-los. São estes grupos que tem se dado nomes diferentes. Deus somente os chamou homem e mulher pois assim os criou. Seguirei pregando com todo o meu coração sobre o amor de Deus pois Ele não quer que ninguém se perca senão que todos nos salvemos.”

A pastora recebeu muitas críticas dizendo, “Proclamam a Deus mas não respeitam ao próximo. E que tal ‘o ame ao próximo como a ti mesmo???’ Não se supõe que todos somos filhos de Deus??? Se somos Cristãos somos Cristãos de verdade. Deixemos a hipocrisia ‘O que está livre de pecados, que atire a primeira pedra...’”

O Primeira Hora, publicação de Porto Rico, entrou em contato com a Pastora no mesmo dia da postagem, mas ela negou ter comparado Ricky Martin com o Diabo. Entretanto, ela disse que sim, censurou o astro portoriquenho por ele dizer que é gay.

Segundo a publicação, a pastora disse que falar com tanta abertura sobre a homossexualidade se faz ver a heterossexualidade como um pecado.

Ainda que a intenção de Ricky e de muitos outros que saem do clóset seja de ser reconhecido como um ser humano, com os mesmo direitos que os heterossexuais, a pastora assegurou que isso os isola.

“Eu creio que eles próprios se promovendo tanto, por estar com o namorado (referindo-se a Ricky) estão isolando a eles mesmos... Glorificar essa conduta? Não. Eu não glorificaria um viciado em drogas, ou os alcoólicos,” apontou ela.

Roló também negou que fomenta o ódio contra os homossexuais e assegurou que lhes prega a palavra “sem espírito separatista.” “Eu lhes peço que busquem a Deus para que deixem de ser adúlteros, fornicadores, mentirosos,” disse ela mencionando uma lista de pecados bíblicos. Ela mostra também sua preocupação de que as crianças pensem que ser “gay” está bem.

“Isso não é comum. A longo prazo isso vai trazer consequências,” afirmou.

Helga García, a porta-voz profissional de Ricky Martín, respondeu aos ataques da pastora nesta quarta-feira, recomendando que ela [a pastora] se lembre de seu “dever como embaixadora da palavra de Cristo,” e que se abstenha de expressões ofensivas contra Ricky Martin.

Em entrevista com a emissora Radio Isla de , García pediu para que ela “Abra sua Bíblia e leia,” antes de seguir pronunciando palavras pejorativas de uma pessoa [Ricky Martin] que tem dado “orgulho” para a Ilha de Porto Rico.

García afirmou também, de acordo com a rádio, que o artista está focado em sua carreira e que é uma pessoa “muito espiritual.”

“Ricky Martin está focado sempre, em seu trabalho e em fazer o bem. Em buscar paz para ele e para os que o rodeiam,” garantiu García.

E completou dizendo, “eu não tenho podido falar com ele, mas ele está focado no início do seu espetáculo em Porto Rico. é uma pessoa muito espiritual, estou certa de que ontem [terça-feira], se ele deu segundos de atenção à polêmica, o que ele fez foi somar e não restar.”

A porta-voz declarou que ela está “extremamente ofendida como portoriquenha,” e também fez questão de lembrá-la de seu papel como representante da Igreja.

“Me inquietou e me decepcionou grandemente como uma pastora, ou chamada pastora, uma mulher que move grande (quantidade) de pessoas ao seu redor, que tem o dom da palavra, não a utiliza para unir senão para desunir,” expressou García.

“A pastora tem todo o direito de expressar livremente sua posição, da qual compartilhamos, mas creio que ela também, por um minuto, deve fazer uma introspecção de quem ela é e qual é a mensagem que ela deve levar como representante da palavra de Deus na terra,” disse García.

Ela assegurou que a polêmica criada por Rólon não afetará em nada a abertura da nova turnê de concertos Música+Alma+Sexo, o último álbum de Ricky Martin.

Fonte:

Pesquisador Lançará Livro com '100 NOVAS REVELAÇÕES SOBRE JESUS'

Autor português fez revelações que questionam os dogmas religiosos que prevalecem há mais de 20 séculos

O autor português, Soham Jñana, prepara para outubro o lançamento do livro, que promete ser polêmico, sobre a vida de Jesus. Entre as afirmações que o autor faz estão a de que Jesus foi pai e não chegou a conhecer o filho porque foi crucificado seis meses antes.

Além de assegurar que Jesus foi casado e que Maria teve um segundo marido após José, Soham Jñana garante que Jesus também foi pai. Segundo a pesquisa feita durante a preparação do livro, o autor alega ter encontrado fatos que revelam que quando Jesus foi crucificado, sua esposa estaria com três meses de gravidez.

Várias revelações sobre a vida de Jesus foram feitas pelo autor ao longo dos anos como resultado das suas pesquisas. Sobre estas, o autor português afirma: “Essas descobertas desmistificam e questionam o discurso estabelecido por muitos historiadores, teólogos e pesquisadores cúmplices, em maior ou menor grau de consciência, do Jesus da fé, que até hoje prevalece sobre o homem Jesus”.

Uma dessas revelações diz que Jesus não nasceu em Nazaré, nem em Belém. Outra que ele, ao contrário do que muitos imaginam, era de classe média. Também se afirma que não morreu aos 33 anos de idade e que conheceu seu pai biológico aos 38 anos.

Desde dezembro do ano passado, o escritor Soham Jñana vem fazendo uma série de revelações sobre a vida de Jesus. Ao todo já foram feitas 14 revelações, mas até o lançamento do livro, em 12 de outubro deste ano, o autor promete chegar a 32 revelações, todas inéditas e baseadas em fatos confrontados a partir de pesquisas em textos bíblicos e documentos diversos.

São cerca de 800 páginas com informações históricas sobre o nascimento, crescimento, casamento e morte de Jesus. Uma das revelações diz que Jesus não nasceu em Nazaré, nem em Belém. Outra que ele, ao contrário do que muitos imaginam, era de classe média.

Soham diz que chegar às respostas que colocam em xeque muitos dos mitos que cercam o Jesus da fé demandou os últimos seis anos de sua vida, dos quais três no Brasil. “Fui confrontado com indagações de enorme amplitude, tendo tido, para inquirir respostas, de interrogar as fronteiras de conhecimento que a tradição institucional construiu. Qual não foi minha surpresa, com base na coerência investigativa, suportada na descoberta de laços e nexos, de relações e conexões até hoje ignoradas, ver aos poucos ser resgatado um inesperado homem Jesus. Essas descobertas desmistificam e questionam o discurso estabelecido por muitos historiadores, teólogos e pesquisadores cúmplices, em maior ou menor grau de consciência, do Jesus da fé, que até hoje prevalece sobre o homem Jesus”, afirma.

Pesquisador

Soham Jñana está no Brasil há três anos. Nascido em Portugal e radicado na França, dedicou boa parte de sua vida aos estudos sobre temas religiosos na Europa. O produto do aprendizado e das teorias confrontadas durante as pesquisas são a base do material dos três livros que vai lançar.

O primeiro deles, “Jesus – a Semente” será lançado em outubro de 2011.

Para Soham, a trilogia vai permitir uma visão crítica dos acontecimentos que marcaram a vida de Jesus. “Antes de mais quero deixar claro que a trilogia fala sobre a vida e mensagem do Jesus homem, e não do Jesus da fé pessoal”.

Algumas revelações


• Jesus não morreu aos 33 anos. Jesus não morreu no ano 30EC com 33 anos de idade, como comumente aceito pela maioria dos historiadores e teólogos.

• Avós maternos de Jesus foram assassinados – os avós maternos de Jesus foram assassinados em Séforis, então capital da Galileia, no ano 5 AEC, alguns meses antes dele nascer.

• Jesus não nasceu em Nazaré nem em Belém – Existem provas irrefutáveis de que Jesus nasceu em outra localidade.

• Jesus pertencia à classe média – evidências contidas na própria Bíblia revelam que desde a infância Jesus foi criado e educado, cresceu e viveu como membro de uma família de classe média alta

• Jesus assume aos 20 anos o papel de chefe de família – aos 20 anos, Jesus passou a cuidar de sua mãe, de sues quatro meios-irmãos e de suas duas meias-irmãs.

• Jesus só ficou noivo aos 36 anos de idade, cerca de três anos antes de morrer - evidências demonstram que sua esposa estava com pouco mais de 3 meses de gravidez quando foi crucificado

• Jesus conheceu seu pai biológico apenas aos 38 anos de idade

Fonte:


Com informações O Repórter / O Girassol

Deputado gay Jean Wyllys afirma que recebeu ameaças de morte vindas de cristãos por ser a favor do casamento gay: “a culpa é dos pastores”

Do G+


Deputado gay Jean Wyllys afirma que recebeu ameaças de morte vindas de cristãos por ser a favor do casamento gay: “a culpa é dos pastores”

O deputado federal Jean Wyllys (Psol – BA) sofreu três ameaças de morte nesta sexta-feira (18) pelo Twitter. Professor e ex-participante do Big Brother Brasil, ele atribui os ataques a fanáticos religiosos que se opõem a ele por defender no Congresso a aprovação da união civil homossexual. Wyllys também e é a favor da distribuição de material didático anti-homofobia (chamado pejorativamente de “kit gay”) nas escolas.

Visite: Gospel +, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel

Uma das mensagens direcionadas ao deputado nesta tarde dizia: “é por ofender a bondade de Deus que você deve morrer”, conta Wyllys. A segunda ameaçava: “cuidado ao sair de casa, você pode não voltar”. E, por fim, outro recado na rede social afirmava que “a morte chega, você não tarda por esperar”. O baiano respondeu avisando que denunciaria os casos a delegacia de crimes virtuais.

Esta não é a primeira vez que o parlamentar – assumidamente homossexual – se envolve em polêmicas na internet. Ele já entregou a seu advogado material que conseguiu guardar de dois perfis do Twitter que defendiam o assassinato de gays. Um dos internautas defendia ideias neonazistas, relata. Outro misturava ataques com pregações evangélicas.

“São fanáticos, são pessoas doentes”, afirma. “Não posso minimizar a responsabilidade dos pastores evangélicos nisso, porque eles conduzem as pessoas demonizando minorias”.

Wyllys é favorável ao PLC 122, projeto de lei desarquivado pela senadora Marta Suplicy (PT – SP), que trata da união homoafetiva. Ele afirma que também foi alvo de críticas por conta de discursar a favor do polêmico “kit gay”. Esse foi o “apelido” dado pelo deputado evangélico Jair Bolsonaro (PP – RJ) a cartilhas e vídeos sobre preconceito e bulliyng que o Ministério da Educação quer distribuir em escolas públicas.

Exposição

Quando primeiro se envolveu com ofensas a homossexuais na internet ainda este ano, o deputado conta que não havia sido atacado diretamente. Ele nega, porém, que a atitude de levar os dois primeiros casos à polícia tenha provocado retaliações. “Só reagi porque estavam incitando a morte de homossexuais”. Wyllys acredita que tenha se tornado alvo fácil também pela status de “celebridade” conquistado com a participação no reality show da TV.

Fonte: Jornal do Brasil