31.12.09

A importância da armadura de Deus

Ananias Lúcio da Silva

Efésios - 6 - 10 : 18

1 – O Cinto da Verdade

• Ele é o principio – a primeira de todas as coisas
• Ele combate toda mentira, falsidade e engano
• A verdade nos diz quem somos e quem é o inimigo
• A verdade nos dá uma visão correta dos campos de batalha
• A verdade cingida nos lombos nos dá firmeza na hora da batalha
• Ela triunfa de forma final e total sobre os inimigos
• Ela está ligada ao caráter e com ele se relaciona.

2 – A Couraça da Justiça

• Serve de proteção eficaz contra os ataques do inimigo
• Sem a justiça a armadura fica vulnerável
• A verdade atua no íntimo, a justiça no exterior
• Ela cobre os órgãos vitais do corpo e os protegem
• É a própria justiça de Deus que nos dá proteção

3 – O Evangelho da Paz

• Com os pés desprotegidos os soldados não podem caminhar
• Exercito que marcha vitoriosamente deixando marcas de paz
• Se faz presente onde deus enviar
• É conduzido no caminho da retidão
• Significa prontidão, ordem, submissão e atenção.

4 – O Escudo da Fé

• Protege o soldado da cabeça aos pés
• Revela uma postura espiritual adequada
• Neutraliza e destrói totalmente os dardos do inimigo
• Revela as convicções da alma do crente
• Cresce, agiganta-se, quanto mais for utilizado.

5 – O Capacete da Salvação

• A Cabeça “mente” é alvo prioritário do inimigo
• As crises de consciência têm que estar resolvidas
• De forma alguma os soldados podem “perder a cabeça”
• É impossível batalhar sem o capacete
• Consciência, certeza, confiança e convicção da salvação.

6 – A Espada do Espírito (Arma de Ataque)

• Como Espada ela fere, corta, penetra e mata (He 4.12);
• Como fogo ela aquece, ilumina, queima e devora (Jr 23.29);
• Como Água ela limpa, purifica e mata a sede (Ef 5.26);
• Como Luz ela expulsa as trevas, e traz calor (Sl 119.105);
• Como Medicina ela cura, restaura e dá vigor (Sl 107.20);
• Como Pão Espiritual ela fortalece e dá vida (Mt 4.4).

7 – Vigilância e Oração (Arma de Ataque e Defesa)

• O Espírito Santo nos ajuda na oração (Rm 8.26-27);
• Ela sobe como incenso ao Senhor (Ap 8.3);
• Quando oramos elevamos a alma ( Sl 5.1);
• Orar e derramar o coração diante do Pai (Sl 62.8);
• Pela oração nos chegamos a Deus (Hb 10. 22);
• Orar é implorar ao Senhor a benção Divina (Êx 32.11).

Fonte: www.sermao.com.br

Tarô

O homem é o único ser que carrega em si, uma vida física e outra espiritual.

A dimensão espiritual o aproxima do Criador, esta comunhão enche a sua existência de esperança, amor, submissão e mais uma série de qualidade que juntas, confere ao servo uma vida equilibrada e cheia do Espírito Santo. O amparo concedido por Deus, o faz andar sobre as dificuldades, numa perspectiva de vitória contínua. A vida é completa!

A opção de servir a Deus é uma escolha pessoal; despertada no coração pelo Espírito de Deus, cabe ao homem dar atenção e prosseguir no novo caminho ou não. Infelizmente uma grande maioria da população não atende este chamado, a conseqüência é um sentimento de vazio e desesperança constante. Esta sensação alcança a todos os níveis sociais, indistintamente.

O diabo, sempre, astuto e hábil não perde a oportunidade e expõe o seu poder, aos quatros cantos da terra. Mostra-se vivo e atuante, revestido de grande autoridade. A dois mil anos atrás, Paulo lança um alerta, e descreve a futura manifestação do inimigo como: “Anjo de luz e ministro de justiça” (2Co 11.14,15). Oh graças! A palavra de Deus se cumpre integralmente. É notório o agir do maligno nos dias atuais; mostra-se como um verdadeiro “anjo de luz”, pregando: o amor ao próximo; a necessidade de ser bom; a sinceridade; curas e dons, e demais qualidades de uma pessoa digna! Os seus “cavalos” (discípulos), incontestáveis “ministros de justiça”, preocupados com o bem-estar da humanidade praticam a caridade e clamam por justiça social. Religiões e filosofias encontram aos milhares, algumas milenares, outras, relativamente novas; cada uma com um enfoque diferente (fé, cientifica, etc.), mas, convergindo numa só realidade: Contrárias aos princípios bíblicos.

Nesta mensagem o foco está sobre o TAROT. Não tem aparência de religião, no entanto, é uma prática altamente espiritualizada. Ensina que as cartas

O que é Tarot?

É um baralho composto de 78 cartas, dividido em 2 grupos principais: os Arcanos Maiores, compostos por um grupo de 22 cartas (numeradas de 0 a 21 ou de 1 a 22) e os Arcanos Menores, composto por um grupo de 56. Distribuídas em 4 naipes (Copas, Paus, Espadas e Ouros - como no baralho tradicional), cada um com 14 cartas, dispostas de As a 10, inclusas em cada grupo as figuras do Rei, Rainha, Cavaleiro e Valete. As cartas são ilustradas com o simbolismo universais, relacionadas às imagens arquetípicas que compõem os mitos e lendas, artisticamente representadas através do conjunto de formas (geometria), cores, figuras humanas, animais e vegetais, objetos e números, totalizando em códigos especiais de acesso à Alma humana.

O termo Arcano, literalmente significa oculto ou misterioso, evocando a idéia de um conteúdo ainda hermético que precisa ser aberto e revelado.

O Tarot servindo como instrumento advinhatório, ele servirá apenas para vislumbrar o futuro, conectando-se aos eventos presentes e passados. Como instrumento divinatório, estabelece a relação do homem com sua alma e essa, com Deus. Adivinhar significa decifrar algo que está oculto; já divinizar, estabeleceria a idéia de conectar com sua alma, com o universo, com o Criador.

Não existem "cartas positivas ou negativas" dentro do Tarot. Cada carta é adequada ao padrão de consciência do ser humano e definitivamente, a interpretação deve fugir da visão fatalista. Fatos "negativos ou positivos" analisados em consultas podem trazer até efeitos contrários, pois vivemos num universo impermanente. Por isso, quem determina a interpretação é o tarólogo e não o Tarot, pois o profissional deve apenas estar "afinado ou sintonizado" com seu inconsciente e as forças superiores.

As informações sobre o Tarot são diversas, mas, em todas elas vê-se que a mão do inimigo está presente. O futuro cabe a Deus, e ninguém tem acesso. Chega-se à conclusão que o Senhor Deus é totalmente dispensável.
Servo de Deus, não dê valor as palavras do inimigo, não seja seduzido pela sua astúcia. Jamais, consulte seus discípulos.

O maligno tem aproveitado este momento, são dias nos quais os homens se mostram sedentos pelas coisas espirituais, o diabo disponibiliza ao homem uma variedade grande de caminhos; é possível encontrar filosofias e religiões que agradam a todos os gostos. Partindo de rituais simplíssimos à complexidade de religiões seculares.

Os servos do Senhor Jesus precisam estar atentos, vigiando, para não se deixarem enganar pelo inimigo das almas em suas muitas manifestações.

Elias R. de Oliveira
Fonte: www.vivos.com.br

Municípios brasileiros integram projeto social do Pnud

Agência da ONU vai capacitar funcionários das prefeituras, do setor privado e do terceiro setor de quatro municípios do Brasil; cidades ficam no Pará, Ceará, Rio Grande do Sul e Minas Gerais.

Projetos sociais brasileiros

Projetos sociais brasileiros

Daniela Traldi, da Rádio ONU em Nova York.

O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento escolheu quatro cidades brasileiras para integrarem o Projeto de Fortalecimento de Capacidades para o Desenvolvimento Humano Local.

A iniciativa é uma parceria do Pnud com a Confederação Nacional de Municípios do Brasil, CNM, e deve beneficiar as cidades de Abaetetuba no Pará, Barbalha no Ceará, Jaguarão no Rio Grande do Sul e Marliéria em Minas Gerais.

Apoio

Segundo a agência da ONU, os quatro municípios devem receber US$1,8 milhão, pouco mais de R$3 milhões. Os recursos serão usados para capacitar funcionários das prefeituras, do setor privado e do terceiro setor.

A coordenadora do projeto, Ieva Larazeviciute, disse que o objetivo principal é levar apoio aos municípios selecionados, fortalecer suas capacidades e fornecer conhecimento, experiências e ferramentas de gestão.

Ela afirmou que as cidades escolhidas tem Índice de Desenvolvimento Humano, IDH, abaixo da média nacional de 0,792 e que trata-se de um programa piloto no Brasil.

A iniciativa também deve ajudar os municípios na criação e implementação de projetos e políticas públicas e na busca por financiamento.

Escaneadores de corpo se estabelecem nos aeroportos apesar de ressalvas éticas

Cada vez mais aeroportos estão cogitando usar técnicas de escaneamento de corpo para detectar e conter ameaças ao tráfego aéreo. Alguns consideram a prática invasiva, por ferir os direitos de privacidade.

O atentado que o nigeriano Abdul Farouk Abdulmutallab tentou cometer, sem êxito, dentro de um avião com destino a Detroit, na semana passada, reacendeu a discussão sobre certos procedimentos de segurança que passaram a ser utilizados nos aeroportos, entre os quais escaneadores de corpo inteiro.

Alguns aeroportos nos Estados Unidos e os de Amsterdã, Zurique e Londres já introduziram a técnica de escaneamento, que rapidamente gera imagens de qualquer coisa escondida sob a roupa de uma pessoa – inclusive seu próprio corpo.

Os funcionários de segurança que trabalham com os escaneadores são capazes de discernir diversas características corporais da pessoa. Mas os técnicos e fabricantes de escaneadores desse tipo tentam filtrar de diversas maneiras os itens ligados à privacidade. Alguns aparelhos, por exemplo, desfocam a cabeça ou obscurecem a genitália da pessoa escaneada.

Além disso, o procedimento de escaneamento pode ser regulado para que os operadores do aparelho não possam ver a imagem das pessoas que estão escaneando. Nesse caso, as imagens produzidas podem ser analisadas por outros funcionários, em um espaço isolado em qualquer outro ponto do aeroporto. Caso estes descubram algum problema, podem comunicá-lo aos respectivos terminais.

Silhuetas em vez de traços corporais

Na Alemanha, as autoridades federais responsáveis pela segurança dos aeroportos abordam de outra forma a questão da privacidade.

"Experimentamos vários escaneadores para conferir sua eficácia em gerar silhuetas em vez de reproduzir a maioria dos traços do corpo humano. Nesse caso, os funcionários de segurança só veriam o contorno do corpo e algo eventualmente escondido", descreve Jörg Kunzendorf, porta-voz da polícia federal alemã.

As autoridades alemãs optaram pelo escaneador de ondas milimétricas. Este aparelho emite ondas situadas na escala espectral entre as de rádio e as infravermelhas. Ao refletir o corpo humano e eventuais armas escondidas, as ondas milimétricas podem tornar transparentes camadas leves como roupas. Um receptor coleta os sinais refletidos e os direciona a um computador, responsável por processar os dados e gerar uma imagem tridimensional dos indivíduos escaneados.

Sistema de retrodifusão

Outro tipo de escaneador de corpo, cujo funcionamento básico é o do raio X em retrodifusão, está entre os modelos utilizados nos Estados Unidos. Esse aparelho emite raios de alta energia que se dispersam ao entrarem em contato com os materiais, em vez de penetrá-los, como no raio X médico.

O escaneador detecta os raios difundidos e cria imagens dos objetos com número atômico baixo. Segundo o fabricante, isso inclui armas de plástico e explosivos.

O sistema de retrodifusão também é capaz de detectar armas de metal ou artifícios usados para detonar bombas. Materiais desse tipo não produzem nenhum efeito de retrodifusão, de modo que o escaneador pode reconhecê-los justamente quando registrar áreas escaneadas onde esse efeito não ocorre.

Autor: Stuart Tiffen (sl)
Revisão: Augusto Valente

Fonte: DW-WORLD.DE

Bispo argentino é condenado por abuso sexual

Advogado de Storni diz acreditar que

bispo cumprirá pena domiciliar

A Justiça argentina condenou nesta quarta-feira o bispo católico Edgardo Gabriel Storni a oito anos de prisão por abusos sexuais cometidos quando comandava a arquidiocese da cidade de Santa Fé.

A juíza María Amalia Mascheroni condenou Storni "por abuso sexual agravado por sua condição de sacerdote" em um processo iniciado pelo ex-seminarista Rubén Descalzo em 2002.

Descalzo acusava o bispo de ter cometido os abusos no seminário e durante retiros espirituais em 1992.

"Ele me convidou a ir ao seu apartamento", disse o ex-seminarista em seu depoimento. "Quando cheguei, só havia uma luz acessa. Ele me deu um abraço longo e me beijou."

Histórico

Outros seminaristas realizaram denúncias semelhantes, mas elas foram arquivadas devido ao tempo entre o crime que teria ocorrido e o início do processo.

O caso envolvendo o ex-arcebispo ficou conhecido nos anos 1990 e gerou ainda mais polêmica no ano 2000, a partir de uma denúncia publicada no livro Nuestra Santa Madre (Nossa Santa Mãe), da jornalista Olga Wornat.

Dois anos mais tarde, o então arcebispo renunciou ao cargo e mandou uma carta ao papa João Paulo 2º negando as acusações.

Pouco depois, Storni foi substituído no posto de arcebispo da cidade de Santa Fé e seu pedido de aposentadoria foi atendido. Atualmente, ele mora em uma casa da Igreja na província de Córdoba.

O advogado de Storni diz acreditar que o ex-arcebispo deverá cumprir prisão domiciliar por ter mais de 70 anos de idade.

Fonte: BBC Brasil

30.12.09

EM CARNE E OSSO


1 João 
4:1-3

Deus usa todo tipo de pessoa em seu projeto de salvação: Zacarias e Isabel, César Augusto, os pastores, os magos, José e Maria. A presença deles mostra que Deus estabelece parceria com suas criaturas e realiza sua vontade por meio delas, mesmo quando pensam estar agindo por conta própria.

Esse é um dos mistérios da encarnação de Cristo: Deus, que nos criou com mente e vontade, fez da natureza humana o mais perfeito uso, ao trazer à Terra o seu Filho em forma humana.

Cristo veio a este mundo como ser humano real, que podia se visto, ouvido e tocado. Muitos personagens da história do Natal testemunharam que Jesus veio em carne. Nós os ouvimos proclamar que Jesus não teve apenas aparência humana. Ele veio em carne, como filho de Maria, a esposa de José.

Jesus foi, como ser humano, um entre os milhares afetados pelo decreto de César. Foi concidadão de pastores e campesinos; primo de João, o Batista; descendente de Davi.

Este Jesus é o nosso Salvador. José e Maria, assim como todos os outros a quem Deus usou nesses eventos surpreendentes do Natal, mostram que Jesus se tornou um de nós!





Ore

Querido Pai, obrigado por enviares Jesus para se tornar um de nós. Obrigado porque Jesus renunciou à sua vida perfeita e se sacrificou para nos livrar do pecado. Em nome dele, oramos. Amém.

Pense

Natal é crer e testemunhar que Jesus se tornou um de nós!

www.cadadia.com.br

A Igreja segue caminhando




Há, sem dúvida, abundantes motivos de preocupação com a Igreja em nossos dias. Em solo brasileiro o mercantilismo da fé invadiu púlpitos, livros e corações. A prosperidade material, em lugar da santidade e serviço cristão, se tornou o sonho de vida vendido nas prédicas diárias. Os títulos hierárquicos da fé são criados na busca por autoridade e destaque de egos enquanto – talvez seja o pior – a Palavra é manipulada para fins pessoais e, não raramente, ilícitos.

Não discordo das vozes de preocupação ou das lágrimas de angústia por uma Igreja que tem se encantado com as luzes deste mundo, perdeu a simplicidade cristã e, em muitos casos, se conformou com o presente século, aplaudindo-o de pé.

Vejo, porém, que, apesar de vivermos dias maus, há motivos de tremenda alegria e regozijo no Senhor, pois Sua Igreja segue caminhando. E observar o cuidado do Senhor ao preservar o caminhar da Igreja - mesmo ao transitar por ruas esburacadas e esquinas escuras - é terapêutico para a alma e estimulante para a fé.

Nos últimos tempos encantei-me com várias destas pessoas que fazem parte da Igreja caminhante. Lembro-me daquele pastor assembleiano que encontrei no Rio de Janeiro que, encarecidamente, pedia ajuda para subir o morro do alemão visto que andava de muleta por ter levado um tiro na última vez que o fez. Desejava subir novamente o morro para pregar a Palavra de Deus. Recordo-me com cores vivas também daquele mecânico de Brasília, tomado pela alegria da conversão após trinta anos de sofrimento nas drogas, e agora sem conseguir completar uma só frase sem falar de Jesus. Também o Sr João, leigo e semi-analfabeto, que se embrenhou nas matas amazônicas para pregar a Palavra e evangelizar – sozinho – seis aldeias indígenas, sem preparo, sustento ou reconhecimento, mas por amor ao Cristo vivo. Não poderia me esquecer de nossos teólogos que andam na contra mão das tendências da época e, mesmo debaixo de críticas e risos, não deixam de nos apontar o caminho da Palavra e da fé. E o que mais poderíamos falar dos pastores e líderes com cabeças já embranquecidas que, após uma vida inteira de fidelidade ao Senhor e à sua Igreja, nos inspiram a seguir o mesmo caminho? E aqueles que gastam a vida, economias e forças para dar voz e uma mão amiga aos caídos à beira do caminho? É também formidável perceber que a cada semana, em solo brasileiro, milhões se apinham em templos das mais variadas espécies para praticar a comunhão e, com sede de Deus, buscá-lo enquanto se pode achar.

Dentre as maravilhas de Deus em manter a Sua Igreja viva em meio a um mundo cujas cores são fortes e atraentes, passam pela minha mente três fatos que, apesar de simples, são para mim emblemáticos. Primeiramente, após ter voltado da África para o Brasil e por aqui estar desde 2001, percebo por onde passo a presença de verdadeiras testemunhas do Senhor Jesus. Homens, mulheres, crianças e idosos que não param de falar de Cristo, distribuir panfletos com mensagens bíblicas, realizar encontros nas praças e seguir de casa em casa – pessoas que são impulsionadas a falar de Jesus a partir do que têm experimentado em suas próprias vidas: sincera transformação. Não há um lugar que passo sem uma marca – mesmo que simples, ou as vezes até fora de contexto – da determinação de se falar daquele que fez algo novo, e maravilhoso, em nossas vidas. Jesus está no coração da Igreja e, freqüentemente, também em seus lábios.

Em segundo lugar, recebi um pacote de cartinhas de crianças de uma igreja no interior de Minas, da escola dominical. Em várias delas afirmavam estar orando por nós – missionários – para que não nos desviássemos do nosso chamado. Pensei naquela manhã:

fazemos parte de um Corpo que possui crianças que oram, escrevem suas orações e, ainda, nos exortam a não nos esquecermos do sentido da nossa vida!

Por fim, o amor à Palavra. Muitos crentes a buscam, retiram horas para estudá-la, ouvi-la e comunicá-la. Em muitos cultos o momento mais sublime é o momento da Palavra. Olhos se concentram, pessoas se ajeitam nos bancos. A Bíblia é segura com interesse enquanto canetas anotam explicações e aplicações em caderninhos ou papéis improvisados. Há algo diferente quando ela é aberta.

Sim, a franca evangelização, crianças que oram e o amor à Palavra não minimizam o quadro agonizante de uma Igreja que precisa de urgente e franca reforma de vida. Mas são alguns, dentre muitos outros, sinais de que esta Igreja segue caminhando, e o fará até o dia final quando seremos chamados - os que dormem e aqueles vivem - para ouvirmos a doce voz do Senhor: servo bom e fiel...

Reverendo Francisco Leonardo Schalkwijk, homem de Deus, ao impetrar a bênção ao fim de cada culto, sutilmente adiciona uma frase que nos lembra a diferença entre aqueles que se chamam Igreja e aqueles que o são: Que a graça do nosso Senhor e salvador... seja agora irmãos, com toda a Igreja, que sinceramente ama o Senhor Jesus, agora e para todo o sempre, amém. Para ele há na Igreja aqueles que são de fato Igreja – amam sinceramente a Cristo – e aqueles que freqüentam cultos, reuniões e púlpitos. Escutei a mesma verdade da boca de um indígena crente em Cristo, da etnia Ixkariana do Amazonas quando afirmou que:

Ser cristão é conhecer a Jesus, é amar e viver a Jesus, e também falar de Jesus.

Como muitos outros, fui criado em um lar evangélico e nasci ouvindo vários hinos clássicos cristãos. Um deles dizia: Nas lutas e nas provas a Igreja segue caminhando... e, após as estrofes que falam da luta contra o pecado, o diabo e o mundo, o hino encerra como atestando o inimaginável: a Igreja sempre caminhando.

Nos encontros evangélicos internacionais o Brasil é sempre citado, e quase sempre de forma emblemática e entre frases estereotipadas. Alguns afirmam o grande avivamento que por aqui ocorre, à semelhança de outros poucos países do mundo onde o número de evangélicos cresce tão rapidamente. Outros denunciam as teologias oportunistas e exploratórias que são usadas em nosso meio para falsificar a presença e atuação de Cristo. Não raramente alguém me pergunta, como brasileiro, o que acho. A resposta sai quase de forma automática: somos tudo isto e muito mais. Em meio a este emaranhado de iniciativas, das mais sinceras às mais questionáveis, cria-se um ambiente fluido e confuso, para nós. Porém, devemos nos lembrar que o Senhor não vê como vê o homem. Aquele que separa o joio do trigo conhece a Sua Igreja, a ama e a sustenta.

Proponho um exercício espiritual enquanto caminhamos.

- Preocupar-nos um pouco menos com as loucuras feitas em nome de Cristo e um pouco mais com o nosso próprio coração, para que não venhamos a ser desqualificados.

- Olharmos mais para os desejos do Senhor sabendo que, para isto, precisaremos quase sempre estar na contra mão do mundo.

- Observarmos a beleza da presença transformadora de Cristo em Sua Igreja e tantos motivos de alegria, em tantas vidas verdadeiramente transformadas, e não somente os fartos motivos de agonia e indignação.

- Para cada palavra de crítica à Igreja – autocrítica, se assim preferir – termos uma palavra ou duas de encorajamento, para nosso irmão ao lado e para nosso próprio coração.

- Ouvirmos com zelo e temor os profetas que nos denunciam o erro, bem como os pastores que nos encorajam a caminhar.

- Não perdermos de vista Jesus Cristo, Cordeiro de Deus e vivo entre nós, para que a tristeza advinda da Igreja não nos impeça de experimentar a alegria do Senhor.

Louvado seja o Senhor Jesus Cristo por ser Ele, com Sua autoridade e amor, e não nós, em nossa fraqueza e desamor, que faz com que a Igreja – que a Ele pertence – siga caminhando.

* Artigo de Ronaldo Lidório, antropólogo e missionário, autor de, entre outros livros, "África, a alegria que vem pela manhã", lançamento da Editora Betânia.

Fonte: Agência Soma

Missionário não consegue alugar casa por ser cristão

ÁSIA - Sanjat Pilka, um missionário da organização Gospel for Asia, não tem onde morar porque é cristão.

Sanjat, sua esposa e dois filhos, servem ao Senhor em um lugar onde a maioria das pessoas segue o siquismo. Eles moram na região há seis anos, mas as pessoas que se opõem ao seu trabalho estão aumentando a pressão.

A estratégia mais recente envolve negar ao missionário um local para que ele possa morar na comunidade. Ninguém quer alugar uma casa para ele. Essa é uma tática de intimidação geralmente usada para pressionar os missionários.

Sanjat e sua família estão morando no terreno da igreja. O templo, que é muito pequeno, não tem muros cercando o terreno, que é a maneira mais comum de garantir a segurança no vilarejo. Além disso, o templo da igreja não tem cozinha, o que torna muito difícil criar uma família.

Sanjat Pilka pede oração para que os corações sejam quebrantados e para que ele e sua família possam encontrar uma casa para alugar. Ele também pede oração para aqueles que se opõem ao seu ministério recebam o amor de Cristo.


Tradução: Missão Portas Abertas



Fonte: ANS

Quais são os mistérios que ecoam na trajetória do homem que mudou a história da humanidade

A Face Humana de Jesus parte 1


A Face Humana de Jesus parte 2


A Face Humana de Jesus parte 3


A Face Humana de Jesus parte 4


A Face Humana de Jesus parte 5


A Face Humana de Jesus parte 6


A Face Humana de Jesus parte 7


A Face Humana de Jesus parte 8

Gostou de Desafiando Gigantes e À Prova de Fogo? Os criadores estão preparando um novo filme: Courageous

Gostou de Desafiando Gigantes e À Prova de Fogo? Os criadores estão preparando um novo filme: Courageous

“Courageous” é o novo filme dos irmãos Kendrick, os mesmos criadores de “Desafiando os Gigantes”, “A Virada” e “Prova de Fogo”.

Visite: Gospel, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel

O Tema

Desta vez o tema é paternidade. O novo filme visa trazer aos pais e famílias, de uma forma geral, a importância e a responsabilidade do papel de um pai dentro do lar e na educação dos filhos. Os quatro líderes da Sherwood Pictures possuem família e filhos. Stephen Kendrick tem quatro filhos e Alex Kendrick possui seis filhos.

“Nós nos concentramos no papel crucial do pai. Não se trata apenas de ser um pai que ama seus filhos e sim de ser um pai com propósito”, disse Alex Kendrick, um dos autores e diretor.

Courageous conta a história de quatro policiais que têm a vocação de servir e proteger. Eles enfrentam o perigo todos os dias. Porém, quando a tragédia acontece perto de suas casas, esses pais lutam com suas esperanças, medos e fé. Esta luta trará uma decisão que poderá mudar tudo em suas vidas.

“Durante pouco mais de um ano nós oramos para ter certeza de que a ideia do filme era algo direcionado por Deus”, disse Michael Catt.

O Motivo

Depois de uma vasta pesquisa sobre famílias, a equipe do filme decidiu falar sobre paternidade. No que diz respeito à influência de um pai na formação de futuros cidadãos, temos como exemplo:

- Cerca de 17 milhões de crianças vivendo com mães solteiras;
- 60% dos casais divorciados terem filhos;
- Cerca de 1,9 milhões de pais solteiros terem filhos menores de 18 anos.

Crianças órfãs de pais são mais propensas a:

- Ter distúrbios de comportamento
- Cometer suicídio
- Desenvolver dependências químicas….

“As estatísticas sobre as crianças órfãs são devastadoras”, diz Jim McBride, pastor executivo de Sherwood. “E como a família é o alicerce da sociedade, os pais são as ferramentas mais importantes para reconstruí-la”, acrescenta.

Courageous traz muita ação, drama e humor. Os Kendrick buscam reavivar a promessa de Deus sobre a família de “…transformar os corações dos pais aos filhos, e dos filhos aos pais…” (Lucas1:17). O objetivo é fazer com que os pais em todo o mundo se levantem com coragem, como líderes em suas casas. Vale à pena aguardar por este filme que promete repetir o histórico de sucessos desta dupla.

As filmagens começarão em março de 2010, em Albany, Geórgia. Este promete ser o maior e melhor filme já produzido pela Sherwood Pictures. Com o objetivo de alcançar vidas através do cinema, os irmãos Kendrick começaram a produzir em 2003, com seu primeiro sucesso, “A Virada”, e logo em seguida vieram outros grandes nomes como “Desafiando os Gigantes” e “Prova de Fogo”.

A Sherwood Pictures parte agora para o seu quarto trabalho.

Fonte: Super Gospel / Gospel+
Via: O Verbo

29.12.09

VEM ALGO BOM DE NAZARÉ?

Mateus 2:19-23; João 1:46

Diante da surpreendente notícia de que o Messias estava entre os seres humanos, a reação de Natanael foi de incredulidade: “De Nazaré pode sair alguma coisa boa? – ele perguntou. Mas foi exatamente a Nazaré que Deus guiou José, Maria e o menino Jesus, quando regressaram do Egito.

Parece que, ao voltar para Israel, José planejava fixar residência em Belém da Judeia, e ali começar vida nova. Mas, ao ouvir que Arquelau, filho de Herodes, reinava sobre aquela área, José continuou sua viagem e voltou para Nazaré, sua cidade natal.

Muita gente pensa que alguns lugares não têm valor, mas estão enganados. O Deus, a quem pertence cada animal da floresta e os rebanhos aos milhares nas colinas (Salmo 50:10), não mencionando as próprias florestas e montanhas que também são dele, pode fazer coisas incríveis acontecerem em qualquer lugar que lhe aprouver.

Deus não se deixa influenciar por nossa estreiteza de mente a respeito das coisas que têm valor neste mundo. A profundidade da sua riqueza, sabedoria e conhecimento está completamente além do alcance da nossa mente (Romanos 11:33). Sim! É verdade! Algo bom nos veio de Nazaré e pode vir de qualquer outra parte deste mundo que pertence totalmente a Deus.

Ore

Temos esperança, querido Pai, porque podes, por meio da tua maravilhosa graça, tirar beleza de lugares desagradáveis, através de teu Filho, Jesus. Faz em nós o teu trabalho. Em nome dele. Amém.

Pense

Natal é ver coisas boas vindo dos lugares mais inesperados, pelo poder de Deus.

www.cadadia.com.br

Artigo: Protestantes Não-Iconoclastas






Desde que Deus mandou construir a serpente de bronze no deserto, como símbolo para a fé, e a mandou destruir quando a mesma foi tratada como ídolo, que as religiões monoteístas de Revelação, têm que tratar com a fronteira muitas vezes tênue entre arte sacra e idolatria, entre fé e cultura. O Islã tomou uma posição oficialmente iconoclasta: nada de representações pictóricas do sagrado, e o Judaísmo se move dentro de uma decoração sóbria e símbolos como o candelabro e a estrela de Davi. Controvérsias surgiram nos primeiros séculos da História do Cristianismo, com as Igrejas Orientais condenando as imagens tridimensionais e adotando os ícones, pintados por pessoas com um carisma especial.

No Ocidente, a Igreja de Roma absorveu em Maria as deusas pagãs, e nos santos os antigos heróis gregos, adotando as imagens tridimensionais, e escalas de adoração incompreensíveis para o fiel comum (latria para Deus, hiperdulia para Maria e dulia para os santos).

A Primeira Reforma Protestante (luteranos e anglicanos) condenou os excessos e distorções da Igreja de Roma, mas reafirmou o valor da arte sacra (como se vê em suas Igrejas na Europa), com Lutero combatendo vigorosamente o movimento iconoclasta de Kaalstad. Obviamente que essa arte sacra protestante é compatibilizada com sua teologia trinitária, e sua crença que a comunhão dos santos não significa comunicação dos santos, e que Maria e os Santos podem ser apenas patronos e exemplos da piedade.

A Segunda Reforma (calvinista) e a Terceira Reforma (anabatista) foram radicalizando na direção de “quatro paredes caiadas e um sermão”, embora, com o passar do tempo, elementos de arte sacra foram sendo reintroduzidos em suas Igrejas de vários continentes. O acampamento batista da Carolina do Norte nos recebe com um anjo de mármore em tamanho natural e tem uma cruz em neon no topo de sua colina.

No Brasil, o protestantismo, no século XIX teve que se mover sob fortes restrições legais, inclusive com a proibição externa dos símbolos, com a falta de recurso que levou a improvisação de espaços, com a presença primeira de Igrejas missionárias da Segunda e Terceira Reformas, e com a polarização com a Igreja de Roma em sua vertente ibérica-tridentina, fortemente centrada em Maria e nos santos, e na devoção das suas imagens.

Os luteranos e anglicanos ficaram mais localizados no sul do País, onde desenvolveram, a partir da República, uma arte sacra em seus espaços.

Manifestações de arte sacra também podem ser encontradas em outros ramos reformados nas regiões sul e sudeste, e a tendência iconoclasta foi mais prevalecente nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste, reforçada, posteriormente pelo fundamentalismo, pelo pentecostalismo, pelas tendências neo-judaizantes, e pela ignorância histórica e cultural.

Hoje, não somente os herdeiros da Primeira Reforma mantém e expandem sua promoção da arte sacra, como uma nova classe média de instrução superior e experiência cosmopolita em outras denominações já atingem o nível de sensibilidade à beleza no sagrado, à arte na adoração.

* Artigo de Robinson Cavalcanti, Bispo Diocesano
Diocese do Recife - Comunhão Anglicana

Fonte: Agência Soma

Lula é uma das 50 pessoas que moldaram a década, diz 'FT'

Luiz Inácio Lula da Silva

Lula combina 'charme e habilidade política', segundo jornal

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi escolhido pelo jornal britânico Financial Times como uma das 50 personalidades que moldaram a última década.

Segundo o diário, Lula entrou na lista porque "é o líder mais popular da história do Brasil".

"Charme e habilidade política sem dúvida contribuem (para sua popularidade), assim como a baixa inflação e programas de transferência de renda baratos, mas eficientes", diz o jornal.

"Muitos, inclusive o FMI, esperam que o Brasil se torne a quinta maior economia do mundo até 2020, trazendo uma mudança duradoura na ordem mundial."

Vilões

Ainda no campo da política, o FT também destaca como as personalidades mais influentes da década o presidente do Irã, Mahmoud Ahamadinejad; o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama; a chanceler alemã Angela Merkel; o ex-presidente e atual primeiro-ministro da Rússia, Vladimir Putin; e o presidente da China, Hu Jintao.

O jornal selecionou também o que chamou de "alguns vilões" que acabaram por determinar o curso da história destes últimos dez anos, como o líder da rede Al-Qaeda, Osama Bin Laden, e o ex-presidente americano George W. Bush.

A lista do FT também inclui personalidades das áreas de negócios, economia e cultura. Muitas delas refletem o crescimento e o fortalecimento da internet e das novas tecnologias, como os empresários Jeff Bezos, da loja virtual Amazon; Meg Whitman, do eBay; Larry Page e Sergey Brin, do Google; Jack Dorsey, Biz Stone e Evan Williams, do Twitter; Mark Zuckerberg, do Facebook; e Steve Jobs, da Apple.

Outras figuras foram eleitas pelo jornal britânico pelo mérito pessoal de terem se tornado ícones mundiais em suas áreas, como a escritora JK Rowling, autora dos livros do personagem Harry Potter; o jogador de golfe Tiger Woods; a apresentadora americana Oprah Winfrey; o diretor japonês de desenhos animados Hayao Miyazaki; o produtor de TV John De Mol, criador da fórmula do Big Brother; e os astros da música Beyoncé e Jay-Z.

"Listas como estas são subjetivas e, de certa maneira, arbitrárias, mas tentamos capturar indivíduos que tiveram um grande impacto no mundo ou em sua região - para o bem ou para o mal", explicou o jornal.

Fonte: BBC Brasil

O pouco gospel e o muito cristão

Só uma palavra define a música gospel: mercado


Por Carlo Carrenho

Não entendo música gospel. Pior, não gosto de música gospel. E não gosto porque ela simplesmente não faz sentido, não se explica. Trata-se do único “estilo” musical que independe do estilo musical. Já existe rock gospel, samba gospel, pagode gospel, sertanejo gospel e o escambau gospel. Mas o problema é que a tal música gospel não se define.

Música gospel não se define pela temática. Caso contrário, Gilberto Gil e Renato Russo teriam de ser rotulados de góspeis com suas canções Se eu quiser falar com Deus e Monte Castelo, respectivamente. A primeira é uma ode à oração e a segunda, uma adaptação de I Coríntios 13. Música gospel também não se define pela opção religiosa de seus intérpretes ou compositores. Fosse assim, a arte produzida por Johan Sebastian Bach e por uma certa banda de Dublin teria de ser chamada de gospel.

Música gospel não se define tampouco como música litúrgica. Afinal, faz tempo que ela deixou a igreja para invadir palcos, shows e rádios mundo afora. A música gospel do século 21 possui objetivos muito maiores do que a tradicional função de adoração, louvor e introspecção da música litúrgica – embora, claro, ainda possa eventualmente cumprir esta função.

Leia mais>>

Argentina celebra primeiro casamento gay da América Latina

Alex Freyre e José Maria Di Bello se casaram em um cartório de Ushuaia.
Decisão judicial impediu tentativa dos dois de casar em 1º de dezembro.

Do G1, com agências internacionais


Alex Freyre e José María Di Bello se casaram nesta segunda-feira (28) em um cartório civil da cidade de Ushuaia (3.500 km ao sul de Buenos Aires) e se transformaram nos primeiros homossexuais a contrair matrimônio na Argentina e na América Latina, confirmou o casal à imprensa.


"Hoje nos casamos em Usuahia", revelou Freyre por telefone ao canal "Todo Notícias", de Buenos Aires.


Freyre e Di Bello haviam tentado se casar no dia 1º de dezembro, após obter uma autorização para o matrimônio, mas quando tudo estava preparado em um cartório civil de Buenos Aires, uma controvérsia judicial impediu a concretização do enlace.

Foto: Government of Tierra del Fuego / AP
Alex Freyre (dir.) recebe a aliança de José Maria Di Bello durante cerimônia
realizada em cartório de Ushuaia (Foto: Government of Tierra del Fuego / AP)

A juíza Marta Gómez Alsina ordenou a suspensão do casamento no Registro Civil de Buenos Aires e decretou uma medida cautelar até que se decidisse sobre uma ação apresentada contra a decisão que autorizava o casamento.

Ativistas ligados ao movimento LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais), eles haviam escolhido a data, Dia Mundial de Luta contra a Aids, porque ambos são soropositivos.

“Quando a juíza falou que sim, decidimos que seria no dia 1º de dezembro para passar a mensagem que não somente os gays têm valor, mas que os soropositivos também podem buscar ser felizes, ter uma melhor qualidade de vida”, contou Freyre, por telefone ao G1. Com o cancelamento, manifestantes protestaram em frente ao Registro Civil de Buenos Aires, onde seria realizado o casamento.

Segundo o jornal argentino "Clarín", Freyre e Di Bello fizeram o pedido para casar ao Registro Civil em Ushuaia, mas também foi negado. Os dois, então, teriam recorrido ao governo.

"Sabíamos que a governadora Fabiana Ríos é uma pessoa simpática à causa", disse Di Bello. "Isto é um passo adiante na luta por igualdade jurídica para todos e todas", disse ao jornal.

*(Com informações da France Presse)

Fonte: G1

28.12.09

IDADE E TEMPO

Lucas 
2:36-38

Lucas conta detalhes sobre Ana. Ela fora casada por sete anos, tinha ficado viúva e agora estava com oitenta e quatro anos. Quando seu casamento terminou, tão prematuramente, ela dedicou sua vida a outro compromisso: ir ao templo para jejuar, orar e adorar. Ana é o tipo de pessoa que, imaginamos, tenha sido chamada para uma missão especial nesse drama divino. Os pastores eram tipos rudes. Os magos eram os personagens não-judeus. Mas Ana era uma mulher piedosa, dedicada a Deus, desde muito antes de seu encontro com o bebê Jesus. Ela era semelhante a outros piedosos servos de Deus, como Simeão, Zacarias e Izabel.

Algumas vezes, damos ênfase demais ao fato de que Deus reuniu pessoas um tanto inesperadas em seu plano. Mas Deus nos encoraja, ao incluir Ana e outras pessoas comuns como ela, no plano da Redenção.

Outro detalhe é que Ana era da tribo de Asa, uma das dez tribos do norte de Israel. Essas tribos desapareceram nas Escrituras, desde que os assírios as conquistaram e dispersaram, setecentos anos antes de Cristo (2 Reis 17). Mas, de repente, encontramos aqui uma de suas descendentes, preservada por Deus como testemunha do Natal e da surpreendente graça de Deus!

Ore

Pai, graças te damos pela história de Ana, que nos mostra que idade avançada e longos períodos de tempo também estão incluídos em teu maravilhoso plano. Obrigado por nos incluir também. Em Cristo. Amém.

Pense

Natal é testemunhar a Graça de Deus!

www.cadadia.com.br

Evangélicos praticam o nudismo “sem culpa” em praias brasileiras

Conhecidos por seus costumes religiosos rígidos, os fiéis das religiões pentecostais sempre tiveram horror a tudo que estivesse ligado a sensualidade. Isto incluía as vestimentas dos fiéis, que deveriam cobrir a maior parte do corpo possível, em especial, tratando-se do corpo feminino. Porém, com o surgimento das novas religiões neopentecostais, fundado por pregadores oriundos do catolicismo popular, as normas religiosas foram flexibilizadas. Hoje, os crentes já podem ir à e usar roupas mais curtas. Mas, quem pensa que o liberalismo evangélico termina por aí está muito enganado. Um grupo de evangélicos da nova geração decidiram despir-se de todos os véus religiosos, literalmente. São os evangélicos naturistas.
O Arte Profana teve acesso ao depoimento de alguns evangélicos que foram veiculados pelo conservador “Informativo Batista”. Procure ler sem preconceitos.

Pureza não está ligada às roupas

“Há muitos evangélicos naturistas no . A pureza da alma não está ligada às roupas. Considero o naturismo uma visão da Criação. As pessoas ainda têm preconceito contra o nu porque falta esclarecimento. Sempre fui atuante na Igreja e não esperava ser excluído de minhas atividades de uma maneira tão desagradável. Mas a religião não deixou de estar no meu dia-a-dia. Converso com Deus seja onde for. Não escondo que sou naturista. Não tenho do que me envergonhar“. Estevão Prestes, 31 anos, arquiteto.

"Não me considero um pecador"
“Na minha vida, o naturismo antecedeu a religião. Fico nu há 15 anos, desde que fui à Praia de Trancoso, na Bahia. Já frequentei a Praia de Abricó e gosto da Praia Olho de Boi. Há sete anos, eu me tornei evangélico. Não me considero um pecador por ainda buscar praias de nudismo. Onde está na Bíblia que é proibido ficar nu ? Temos o espírito livre e puro. O que dizer do Carnaval, então ? E das revistas de mulheres ou homens pelados ? Nós temos uma filosofia de vida: a do respeito ao próximo". Carlos Moreira, 44 anos, comerciante.

Um nova forma de comunhão com Deus, segundo alguns

Um paraíso ecológico, nenhuma e… a Bíblia. Pode parecer contraditório, mas naturismo também é coisa de crente. Isso mesmo: no Rio, até mesmo pastores evangélicos se bronzeiam como vieram ao mundo nas praias frequentadas por nudistas. Membro de tradicional igreja evangélica há sete anos e naturista há 15, o comerciante Carlos Moreira, 44 anos, é um dos que defendem que não há barreiras entre a religião e o nu. “O pecado não está no corpo despido, mas, sim, na malícia das pessoas. Meu coração é puro”, argumenta.
A comunhão entre Deus e nudismo também é praticada pelo arquiteto curitibano Estevão Prestes, 31 anos. Evangélico há 14 anos, ele frequenta uma praia naturista – a Praia do Pinho, em Santa Catarina, há três anos. Estevão gosta de orar sozinho na praia e de ler a Bíblia – nu, é : “A vivência naturista me aproxima da espiritualidade. Tenho momentos de comunhão com a , com Deus e com o próximo”, justifica. Ele diz ter tido problemas em sua antiga agremiação religiosa (a Igreja do Evangelho Quadrangular), entretanto, ele continua evangélico e diz: “Não escondo que sou naturista, mas também não ando com crachá. Os que sabem, me aceitam”, garante.

Pastora pentecostal também pratica nudismo
O nudismo evangélico é uma idéia inovadora, por isso alguns preferem o anonimato, como a pastora pentecostal há 15 anos, Márcia, de 48 anos (ela trocou o nome para não ser reconhecida por seus fiéis). A pastora se converteu ao naturismo há três anos, após visitar a Praia Olho de Boi, em Búzios. “Eu me encantei com o respeito e a pureza. Ser naturista é estar em contato pleno com o Senhor”, defende ela. Márcia visita sítios de lazer e já frequentou a Praia do Abricó, no Recreio, que foi proibida para a pratica do nudismo por força de liminar.
Márcia diz ter aprendido que o naturismo não tem conotação sexual. “Vemos a nudez com olhos do espírito, sem malícia”, ensina a pastora, que lamenta o preconceito que enfrenta. “A igreja evangélica está recheada de dogmas e tabus. Somos tolhidos de vermos o mundo como é. Não poderia abrir minhas opiniões aos fiéis. Causaria grande rebelião”, pondera a pastora naturista. Ela também faz evangelizações com amigos em recantos de nudismo. “Certa vez, uma irmã estava com sérios problemas e prestei favores espirituais para ela ali mesmo, em um sítio de convívio naturista”, recorda.

Argumentos saídos do Sagrado

De acordo com a narrativa bíblica, ao comerem o fruto proibido, Adão e Eva tiveram a consciência do “bem” e do “mal” e cobriram os corpos nus, por se sentirem envergonhados perante o Criador. Em tempos modernos, a passagem do livro de Gênesis é usada por evangélicos para defender ou condenar a prática do naturismo. Com interpretações divergentes, muitos crentes se cobrem dos pés à cabeça ou tiram a roupa nas praias e áreas de nudismo.
“A nudez não era rejeitada até o pecado original. O naturismo leva as pessoas ao estágio original de inocência, a reviver a Criação”, justifica a pastora naturista Márcia. Para a pastora Suzana Viana, da Igreja Metodista do Brasil, o nu não é pecado, mas agride a consciência do próximo. “Temos que respeitar a comunidade, como diz a Bíblia”, avalia.

Nudistas evangélicos buscam paraísos ecológicos

Não é só no que os evangélicos estão deixando de lado as roupas típicas de “crentes”. Considerada um paraíso naturista, a Praia de Tambaba, em João Pessoa, no estado da Paraíba, reúne entre seus frequentadores um grupo de pelo menos 15 evangélicos, segundo o ex-presidente da Sociedade Naturista de Tambaba Nelci Rones Pereira de Sousa, de 47 anos.
Nascido em família evangélica, Nelci é naturista há mais de 20 anos. “Detesto roupas, o que não quer dizer que eu não tenha Deus no coração. Imoral é o que se faz de sujo com o corpo”, defende ele, que faz parte da Igreja Batista. “Não sofri nenhuma crítica”, diz o naturista.
Já o aposentado Carlos Antonio Pereira de Moraes, 52 anos, deixou os cultos por se sentir “incomodado com o conservadorismo e o fanatismo”. E acrescenta: “Optei pelo naturismo e sou livre. Ser cristão é pregar o Evangelho onde for”.

Arte Profana/Notícias Cristãs

Cresce o número de cristãos na China. Igrejas 'clandestinas' estão na mira do governo chinês

No fim do mês passado, a China condenou cinco protestantes a penas de até 7 anos de prisão, em uma das mais duras decisões em casos do tipo. Pesquisa mostra que o protestantismo é seguido por 40 milhões e o catolicismo, 14 milhões, o que dá um total de 54 milhões de cristãos.

"Clandestino" é um adjetivo utilizado na classificação de movimentos políticos, mas na China ele é associado a igrejas que existem sem a autorização do governo, o que coloca seus seguidores na mira das forças de segurança de Pequim.

No fim do mês passado, a China condenou cinco religiosos protestantes a penas de 3 a 7 anos de prisão, em uma das mais duras decisões em casos do tipo. O grupo liderava uma igreja que reunia 60 mil seguidores na Província de Shanxi, no norte da China.

Como várias que existem no país, a igreja não era registrada no Departamento de Assuntos Religiosos do governo, responsável pela supervisão de temas relacionados à fé. Sua função é garantir que as igrejas respeitem o Partido Comunista e não tentem desafiar sua autoridade. Não por acaso, os grupos registrados recebem o nome de "patrióticos", pela promessa de fidelidade ao Estado antes da religião.

O advogado Li Fanping, que defendeu os cinco protestantes condenados no mês passado, acredita que o principal alvo do governo são as igrejas familiares, compostas por pequenos grupos que se reúnem em casas.

"As igrejas familiares estão entre as forças não-governamentais de maior crescimento do país. Esse grupo está fora do controle do governo e, na China, as autoridades são hostis aos movimentos que fogem ao controle oficial, porque são vistos como uma ameaça ao regime e à estabilidade social", disse Li Fanping, cristão desde 1997.

O governo também vê com suspeita o trabalho de missionários estrangeiros, associados ao colonialismo de que a China foi vítima a partir de meados do século 19. Inúmeros pregadores católicos e protestantes entraram no país sob a proteção das forças invasoras para converter os chineses ao cristianismo. Hoje, a atuação de missionários estrangeiros é proibida pelo governo, mas muitos agem de forma clandestina.

Cresce o número de cristãos na China

Todas as quintas-feiras, às 9 horas, a chinesa Cao Guan Lan recebe em seu apartamento em Pequim cerca de 60 pessoas munidas de Bíblias. Nas duas horas seguintes, elas escutam a pregação de um pastor ou outro fiel, cantam juntas e fazem orações pontuadas com fervorosas exclamações de "amém!".

O grupo integra uma das milhares de "igrejas familiares" que surgiram na China nas últimas duas décadas e transformaram o protestantismo na religião de mais rápido crescimento no país governado pelo ateu Partido Comunista.

Só no bairro no noroeste de Pequim, onde Cao vive, há cerca de 50 igrejas familiares que contam com a chancela do governo para funcionar. Há um incontável número de "não-oficiais", cujos fiéis estão sujeitos à perseguição do Estado, que se intensificou nos últimos meses.

O caráter clandestino de muitos grupos torna difícil estimar o número de cristãos na China, mas entidades independentes apontam para uma cifra bem superior aos 10 milhões de protestantes e 4 milhões de católicos reconhecidos pelo governo. Segundo números oficiais, apenas 100 milhões do 1,3 bilhão de chineses professam alguma fé.

Pesquisa realizada em 2007 pela East China Normal University indicou que 31,4% da população têm religião - o que representa 400 milhões de pessoas. O protestantismo é seguido por 40 milhões e o catolicismo, 14 milhões, afirma o levantamento - o que dá um total de 54 milhões de cristãos. A entidade World Christian Database sustenta que o número é de 111 milhões, o que colocaria a nação comunista entre os países de maiores populações cristãs do mundo. O Brasil ocupa o segundo lugar, após os Estados Unidos, com 140 milhões. Se a cifra for precisa, significa que há mais cristãos na China do que membros do Partido Comunista, que tem 76 milhões de filiados.

O protestantismo é a vertente do cristianismo que mais floresce na China por causa de seu caráter não-hierárquico e popular - qualquer um pode pregar o Evangelho e vários chineses abraçaram essa possibilidade com fervor. A grande maioria dos protestantes não é vinculada a nenhuma das denominações tradicionais, como Batista ou Presbiteriana, e se integra a pequenos grupos que surgem de modo independente.

Outro símbolo do rápido crescimento do protestantismo na China é a Igreja cristã de Haidian, o bairro universitário de Pequim. Todos os domingos, de 6 mil a 7 mil pessoas comparecem aos seis cultos realizados no local. Há oito anos, o número de fiéis não passava de 800 e havia apenas dois serviços, lembra o pastor Wu Weiqing, responsável pela congregação.

Fonte: Agência Estado

Padre Fábio de Melo explica cachê, mas não explica

Durante o show em comemoração aos 410 anos da cidade e aos centenário da Diocese de Natal, ocorrido sexta-feira (25), no Machadão, o padre Fábio de Melo pediu licença para explicar ao público natalense a polêmica veiculada pela imprensa potiguar de que seu cachê teria sido no valor de R$ 221 mil.

"No dia de ontem, fui surpreendido com a notícia publicada na internet, de maneira maldosa, de que meu cachê era de mais de R$ 200 mil. Fui professor de hermenêutica e sei que toda frase pede contexto e por isso gostaria de explicar a vocês algo de bastidor", declarou o padre.

Fábio de Melo explicou que o show em Natal estava "costurado com mais três eventos no Nordeste". "Fazer show no NE realmente é caro, especialmente em uma data como o Natal, na qual não podemos tirar nossos profissionais de casa sem pagar dobrado a eles. Além disso, não poderíamos contar com vôos comerciais porque tínhamos compromissos em Taubaté (SP) na manhã de hoje, por isso a necessidade de um jato, que custa cerca de R$ 90 mil. Infelizmente, os eventos em João Pessoa (PB), Fortaleza (CE) e em uma cidade do interior foram cancelados. Liguei para ela na quinta-feira, me dispus a cancelar o evento e a vir apenas para participar da celebração para estar com o povo de Natal, mas a prefeita Micarla de Sousa não quis ferir o compromisso. Esta situação não depende de nos. Tenho consciência e faço questão de dizer que não recebi R$ 200 mil", enfatizou.

“Gostaria de dizer para Natal, para igreja de Dom Matias, padres e bispos presentes que nós nos comprometemos a, dentro de uma temporada de shows no NE que faremos em breve, a vir novamente a Natal, cantar de graça. Fazemos questão de escolhe uma obra que mereça esta doação, esta graça”, afirmou.

Padre Fábio continuou a falar com as pessoas que lotaram o Machadão sobre o uso do dinheiro público. "Gostaria de pedir desculpas pela notícia maldosa. Não vou mentir, o custo foi este mesmo, mas pelas razões que explicamos. Quero voltar aqui para devolver cada centavo pago por este show, pois para nós o principal motivo de estarmos aqui foi a alegria de atender ao pedido da prefeita que disse que o povo de Natal estava esperando. Eles querem colocar o caráter da gente em notícia curta. Não deixe que façam isso com você. Queria vir à Natal e sair com o coração tranqüilo", ressaltou o padre.

Fonte: Blog do Noblat

Perspectivas 2010: Líderes propõem formação de aliança de redes evangélicas

















Cerca de 80 líderes de diversos movimentos, denominações, organizações e redes evangélicas reuniram-se no dia 14 de dezembro na Igreja Batista de Água Branca, em São Paulo (SP), com a proposta de formação de uma aliança que agregue e una cristãos, movimentos, denominações e redes evangélicas no Brasil. Segundo o facilitador da reunião, Valdir Steuernagel, o propósito da reunião foi "buscar a direção de Deus e o discernimento do Corpo de Cristo quanto ao estabelecimento de uma espécie de Aliança em Rede por parte de segmentos expressivos da caminhada evangélica brasileira”.

Segundo informe distribuído pela Associação de Missões Transculturais do Brasil (AMTB), "a reunião que durou mais de 4 horas possibilitou reflexões individuais e coletivas da proposta e deu um passo à frente para a formação da aliança. “O grupo era grande e heterogênio, isso trouxe à tona muitas ideias, inclusive excludentes. Mas na diversidade havia o forte desejo que nos fizéssemos representados, ecoando em unidade a nossa voz, não para mostrar poder, mas serviço a Deus, à sociedade e à Igreja”, disse Silas Tostes, presidente da AMTB e integrante do Grupo de Trabalho formado meses antes para redigir a proposta da “Carta de Princípios” da aliança. Para Débora Fahur, da Rede Evangélica Nacional de Ação Social (RENAS), “conseguimos cumprir esta primeira etapa. O encontro cumpriu seu papel informativo, de compartilhamento e oração em conjunto”. Débora apresentou ao público o modelo de funcionamento em rede da RENAS.

Serviço e representatividade

A reunião foi dividida em duas partes. Na primeira os presentes puderam ouvir as palavras do pastor batista Ed René Kivitz e do sociólogo Paul Freston. Kivitz encorajou os participantes a pensarem qual seria o objetivo desta nova aliança. “Perdemos o caminho da fermentação e adotamos o caminho do glamour. Eu penso em uma rede que chame a igreja para o serviço, que ponha a toalha na mão do povo de Deus. Precisamos, não de uma rede que busque representatividade, mas sim solidariedade e serviço”, disse.

Paul Freston falou sobre os contextos que envolvem a busca pela unidade da igreja. “A igreja historicamente sempre esteve desunida. Ela só se uniu quando viveu debaixo de pressões políticas, como, por exemplo, no governo romano de Constantino [no quarto século d.C]. No atual cenário mundial, o protestantismo tem desteologizado a organização eclesiástica, temos feito uma distinção entre teologia e organização eclesiástica. Isto gera um pluralismo institucional, uma fragmentação”. Para Freston, inevitavelmente os projetos de unidade serão chamados (pelos de fora da igreja) para exercerem a função de representatividade pública. “Funções públicas vão acontecer. As instâncias sociais querem saber o que os evangélicos estão fazendo e pensando. E não há interlocutor. Este vazio será certamente preenchido por alguém. Como fazer isto sem ingenuidade sociológica, mas sem perder o idealismo do Evangelho?”, pergunta.

“A representatividade não é uma escolha; é uma consequência sociológica”, afirmou o bispo anglicano Dom Robinson Cavalcanti, quando houve a abertura para perguntas e comentários do público. A primeira parte da reunião foi encerrada com vários momentos de oração.

Carta de Princípios

Na segunda parte, os participantes foram divididos em grupos de sete pessoas cada, com o objetivo de discutir a “Carta de Princípios”, o arranjo institucional e o nome para a aliança. Antes da divisão, Silas Tostes leu e comentou trechos do documento. Ele esclareceu que esta é a quinta versão da proposta que vem agregando contribuições de diferentes segmentos. Segundo ele, a aliança também considera a possibilidade de aceitar pessoas físicas e igrejas locais para compô-la, mesmo que em diferentes categorias de membresia.

O primeiro parágrafo da proposta da Carta de Princípios diz que a aliança é uma “rede que visa ser expressão de unidade de cristãos evangélicos no Brasil e de ação, reflexão e posicionamento evangélico em questões éticas e de direitos humanos”. As discussões nos grupos pequenos giraram em torno da necessidade de deixar mais clara a identidade da aliança e de ampliar a sua plataforma de ação. “A aliança quer expressar a unidade, mas com qual objetivo?”, pergunta o relator de um dos grupos pequenos. “Além das questões éticas e de direitos humanos, podemos incluir questões teológicas”, disse outro grupo. “Antes de decidir sobre a estrutura, vale a pena termos um tempo maior para pensarmos o que exatamente queremos dizer para a sociedade”, afirmou o pastor presbiteriano Ricardo Agreste. Os grupos relataram em plenário as suas conclusões que foram devidamente registradas. Os presentes concordaram que o grupo de trabalho atuante continue com a mesma composição.

Considerando a rica discussão em torno da proposta, Valdir Steuernagel admitiu que ainda será preciso caminhar um pouco mais quanto à fundação da aliança. “Fica definido que a próxima reunião ainda não será a assembléia formalmente fundante. Reconhecemos a necessidade de continuarmos conversando e de aglutinar mais pessoas em torno da proposta”, finalizou Valdir.

Histórico do processo

1. Reunião realizada em 10/06/09
Essa primeira reunião contou com a presença de alguns líderes e pastores evangélicos, bem como com alguns representantes da WEA (World Evangelical Alliance). A partir dessa primeira reunião se chegou ao consenso de que se deveria formar um grupo representativo para dar formato à Aliança.

2. Reunião realizada em 21/08/09
Essa reunião foi realizada com o grupo representativo e neste encontro foram estabelecidos alguns objetivos de trabalho. Além disso, foi proposta uma reunião de fundação da Aliança para o dia 14/12.

3. Reunião realizada em 23/10

4. Reunião realizada no dia 14/12
Essa reunião foi realizada com a presença do grupo representativo e de líderes e pastores evangélicos com o propósito de fundar a Aliança bem como de estabelecer metas e o nome dessa rede.

Fonte: Agência Soma

27.12.09

A EXPECTATIVA CONTINUA

Lucas 
2:25-33

Muita gente acordou esta manhã pensando se hoje será o dia em que seu filho ou neto vai nascer. Outros, podem ter começado o dia esperando reencontrar uma pessoa querida, ou uma solução para seus problemas, ou alguma outra boa notícia. Outros, ainda, pensando na violência das ruas ou em algo triste ou desagradável. Quem sabe?

Simeão acordava cada manhã com a promessa de Deus, de que algum dia veria o Ungido do Senhor. À noite, ia dormir um pouco desapontado, triste, e isso por semanas, meses e anos.

Um dia, entretanto, o Espírito Santo disse a Simeão que a espera havia terminado, para ele e para o mundo! Então, Simeão foi ao pátio do templo, com os olhos abertos para algum sinal do Messias! Sua voz fraca ergueu-se em louvor, suas mãos trêmulas se elevaram ao alto quando ele viu o bebê!

Muitos pensamentos vieram à nossa mente quando acordamos esta manhã. Seria bom lembrar sempre o que todos estamos esperando. Esperamos que Cristo volte. Antecipamos sua volta cada vez que celebramos a Ceia do Senhor. Antecipamos sua volta a cada Natal, lembrando de sua primeira vinda e isso por anos e anos.

Ore

Senhor Deus, não gostamos de ficar esperando, esperando... 
Por favor, renova nossa força, paciência, expectativa e visão. Queremos louvar-te como fez Simeão. 
Em nome 
de Jesus. Amém.

Pense

Natal é a celebração da Primeira Vinda de Cristo e a esperança da Segunda Vinda.

www.cadadia.com.br

Natal: Cristianismo ou Consumismo? O que realmente comemoramos?




Impossível não ser incomodado nesta época do ano. São tantas propagandas, chamadas, promoções, comerciais, que você se sente meio anestesiado. E de repente descobrimos que o “espírito do natal” é realizado pela empresa que faz o peru, pela outra que tem o Urso Polar tomando refrigerante e pela cerveja. Achamos maravilhoso quando saímos na rua, no sol de verão de 40 graus e vemos os “papais noeis” vestidos com roupa de frio, para enfrentar o frio da Lapônia (onde dizem que ele mora). E adoramos os filmes de natal mostrando pessoas com quilos de roupa e neve, enquanto nossos filhos brincam nas areias da praia ou nas piscinas montáveis nos quintais de casa.

Vivemos a era da informação instantânea, mas também da ambigüidade instantânea, somos uma geração do fast-food integral. Não analisamos nada do que acontece ao nosso redor, simplesmente jogamos tudo para dentro de nossa mente e corpo e acreditamos que isto de alguma forma é bom. Esquecemos um conselho básico do apostolo Paulo: “Vejam e analisem tudo, mas retenham apenas o que é bom”.

Nós substituímos o Deus Criador e Salvador pelo deus do consumo, do prazer e do estar bem. Sai Jesus, entra Papai Noel. Sai a manjedoura e entra a árvore de natal. Sai o Deus conosco e entra o compre mais e pague como puder. A previsão de venda para este Natal no EUA é de 400 bilhões de dólares, aqui no Brasil a previsão se aproxima na faixa dos 30 bilhões de reais.

Há 50 anos atrás as atividades de natal se concentravam nas ações cristãs religiosas: Vigília de Natal, apresentações de teatro com encenação da noite de natal, Missa do Galo, Cantatas, entre outras ações. Hoje, elas se concentram nos Shoppings e suas maratonas de 48 horas abertos, nas enormes filas de pagamento e a tristeza de ter comprado o presente errado e ainda ficar pagando até o próximo natal.

Por tudo isto, pense por um instante na pergunta: Qual o significado do Natal? Ah! Marcos, esta resposta é simples! – você deve estar pensando. Natal significa o nascimento de Jesus. Uma resposta pronta, objetiva e direta, mas não é isto, que estou perguntando:

O que significa o nascimento de Jesus para a sua vida?

O que seria dela se Jesus não tivesse nascido? Se ainda vivêssemos os anos da promessa da vinda do Messias, esperando seu primeiro advento?

Vivemos no automático, em nossa vida fragmentada. Na igreja, cantamos a vinda de Jesus; no shopping, dedicamos nossos esforços ao consumo. Acreditamos piamente que podemos comprar o amor, carinho e atenção das pessoas com os presentes de natal (não é isto que as propagandas querem nos fazer acreditar?!). No natal queremos preencher nosso vazio existencial consumindo para nós e para os outros.

Natal = Deus conosco. Deus em nós, Deus entre nós.

Mas temos espaço para este Jesus?

No meio das luzes de natal e banners, seria possível ver a estrela e encontrar manjedoura? Em nossos dias, os três reis magos, muito provavelmente, iriam acabar em alguma fila de troca de shopping acreditando encontrar algo importante.

Não fomos criados por Deus para viver com o único objetivo de crescer, enriquecer e consumir. Jesus veio viver a essência, viveu com o essencial e deu siginificado à nossa existência.

O que significa o nascimento de Jesus para você?

* Artigo de Marcos Custódio, diretor da organização cristã A Rocha Brasil

Fonte: Agencia Soma

Mundo relembra vítimas do tsunami de 2004 no Sudeste Asiático

Em vários países, foram lembradas as 230 mil vítimas da tragédia de 26 de dezembro de 2004. Ato em Düsseldorf rememorou os 539 alemães mortos. Reconstrução prossegue. Organizações alemãs de ajuda fazem balanço positivo.

Neste sábado (26/12), em todo o mundo, foram relembradas com preces, minutos de silêncio e cerimônias religiosas as 230 mil vítimas fatais do tsunami transcorrido há cinco anos no Oceano Índico, atingindo desde a Indonésia a Madagascar.

Familiares de vítimas da Alemanha, Suíça e Bélgica, assim como sobreviventes da catástrofe, participaram de uma cerimônia central em Düsseldorf, no oeste alemão, onde foram lidos os nomes das vítimas. Oficialmente, o tsunami causou a morte de 539 alemães. Treze continuam desaparecidos, segundo o Departamento Federal de Investigações (BKA, do alemão).

Destruição deixada pelo tsunami na Ilha de Sumatra

Destruição deixada pelo tsunami na Ilha de Sumatra

No dia 26 de dezembro de 2004, um maremoto no Oceano Índico com intensidade 9 na escala Richter causou ondas de até 30 metros de altura, que devastaram regiões costeiras de vários países, deixando milhões de desabrigados. Mais de 50 mil pessoas continuam desaparecidas. Somente na província indonésia de Acé morreram 170 mil pessoas.

Ajuda internacional à reconstrução prossegue

Cinco anos depois da tragédia, em muitos locais a reconstrução ainda não está encerrada. A Federação das Cruzes e Meias-Luas Vermelhas continua ativa no Sri Lanka, na Indonésia e nas Ilhas Maldivas, informou Al Panico, coordenador da organização. No Sri Lanka, por exemplo, a ajuda internacional só conseguiu chegar neste ano ao norte do país, após o fim da guerra civil, acrescentou.

Após a catástrofe, foi iniciada em todo o mundo uma campanha de doações sem precedentes. "Foi a maior campanha de ajuda já vista desde a reconstrução pós-Segunda Guerra", acredita Panico. Segundo ele, sua organização arrecadou 3,1 bilhões de dólares, com os quais se conseguiu ajudar 4,8 milhões de vítimas.

"Ajudamos os sobreviventes não apenas por alguns meses, mas em conjunto com eles lhes criamos novas perspectivas de vida", salienta Dietmar Roller, da Kindernothilfe (KNH), agência alemã de desenvolvimento da criança e do adolescente.

"Através de nossos parceiros e da própria população, construímos mais de 2.200 casas, 42 creches e cinco habitações para escolares", conta Roller. Segundo ele, teriam sido beneficiadas mais de 390 mil pessoas na Índia, Sri Lanka e Indonésia.

Ajuda "sustentável" de longo prazo

Casas reconstruídas nas áreas atingidas por inundações em Acé

Casas reconstruídas nas áreas atingidas

por inundações em Acé

Segundo o coordenador da KNH para ajuda humanitária, Erhard Stückrath, discutiu-se com as populações locais a construção de prédios resistentes à violência das ondas, e sobre como montar sistemas de advertência eficientes nos pequenos lugarejos.

"As pessoas agora sabem melhor como podem se proteger de terremotos e inundações, e o que é importante no caso de uma catástrofe", salientou. O êxito das medidas já teria sido comprovado nas últimas semanas durante o ciclone em Bangladesh e o grave terremoto em Padang, há algumas semanas.

Para a Defesa Civil Alemã (THW), a ajuda após o tsunami no Sudeste Asiático representou a maior missão de sua história. Na Indonésia, os projetos foram concentrados na região de Acé, especialmente atingida pela catástrofe. Ali a THW construiu hospitais e escolas, consertou redes de abastecimento de água e reergueu vilarejos inteiros.

"Nossos projetos foram baseados na sustentabilidade, que é imprescindível para garantir a ajuda de longo prazo às pessoas", explicou o vice-presidente da entidade, Rainer Schwierczinski.

RW/dw/dpa/epd
Revisão: Augusto Valente

Fonte: DW-WORLD.DE