24.4.14

Justiça manda blog deletar que 'pastor da Universal vai roubar'

Por maioria de votos, o TJ (Tribunal de Justiça) do Rio determinou que José Danilo Silvestre Fernandes Filho, editor do blog evangélico Genizah Virtural, retire do ar o texto onde, referindo a Marcelo Crivella, diz que “prever que um pastor da Iurd vai roubar é como prever que o Vasco vai terminar em vice”. O voto discordante foi da desembargadora Ana Sardas, a relatora do caso. Para ela, o assunto não deveria chegar ao Tribunal.

O texto de Fernandes foi publicado em maio de 2013, quando o pastor licenciado da Universal era ministro da Pesca. Fernandes escreveu que Crivella estava usando dinheiro público para beneficiar uma ong ligada à Universal.

Assinada pelo desembargador André Ribeiro, a sentença acolheu a sustentação de advogados da União de que Fernandes ofendeu Crivella. O argumento deles é de que a liberdade de expressão, prevista na Constituição, não pode ser usada para macular a honra e a imagem de pessoas.

Fernandes escreveu sobre Crivella com base em uma reportagem da Istoé segundo a qual a ONG Fazenda Nova Canaã — ligada à Universal — estava recebendo apoio do Ministério da Pesca em projeto de um criadouro de tilápias na Bahia.

A Justiça fixou multa diária de R$ 1.000 para o caso de a sentença ser descumprida. No Genizah, Fernandes informou que não vai recorrer da decisão e que, antes de ser notificado, retirou o texto do ar. Com informações Paulopes

21.4.14

Estátua de 'Jesus Sem-Teto' assusta moradores de bairro rico nos EUA



Uma estátua religiosa na cidade de Davidson, na Carolina do Norte (EUA), é diferente de tudo que você possa ver em uma igreja. A escultura retrata Jesus Cristo como um morador de rua dormindo em um banco de praça. A Igreja Episcopal de St. Alban instalou a obra em sua propriedade no meio de um bairro nobre repleto de sobrados bem conservados.

Jesus está encolhido debaixo de um cobertor com o rosto e as mãos escondidos. Apenas as feridas da crucificação nos pés descobertos denunciam a sua identidade. A reação foi imediata. Alguns adoraram a intervenção, outros ficaram apavorados.

"Uma mulher da vizinhança chamou a polícia quando o viu, pensando ser um morador de rua real", assinala David Boraks, editor do site DavidsonNews.net. "Isso mesmo: alguém chamou a polícia para prender Jesus!", exclama o jornalista. Um outro vizinho, que vive a duas casas da igreja, escreveu para a redação pedindo que levassem o indigente para longe do bairro.

A estátua de bronze foi comprada por cerca de 50 mil reais por uma paroquiana, Kate McIntyre, que aprecia a arte em locais públicos. Mesmo assim, alguns vizinhos sentiram que era uma representação insultosa do líder religioso, por parecer mais com um vagabundo enrolado em um cobertor do que com um ícone.

O reverendo David Buck, de 65 anos, se mostra um pouco avesso à polêmica. "Isso dá autenticidade à nossa igreja", assinala. "Esta é uma instituição relativamente influente e precisamos lembrar que a nossa fé se expressa na preocupação ativa com os marginalizados da sociedade", reitera.

A escultura é concebida como uma tradução visual da passagem no Livro de Mateus, em que Jesus diz aos seus discípulos: "como você fez isso a um de meus irmãos, você fez isso para mim". "Além disso, é uma boa lição da Bíblia para aqueles acostumados a verem Jesus representado na arte religiosa tradicional como o Cristo de glória, entronizado em elegância", lembra o reverendo. "Acreditamos que esse é o tipo de vida que Jesus tinha. Ele era, em essência, um morador de rua", completa.

Apesar das críticas, o reverendo informa que a estátua ganhou mais admiradores do que detratores. "É comum ver as pessoas sentarem no banco e rezarem, com as mãos sobre os pés de Cristo", aponta.

Esta cidade é a primeira a ter em exibição a obra "Jesus Homeless". Católicos de Chicagoplanejam instalar também sua estátua, assim como a Arquidiocese de Washington, na capital federal do país. Timothy Schmalz, criador da obra, é um canadense que também é um católico muito devoto. De seu estúdio, em Ontário, Schmalz admite que entende que seu Jesus é provocativo. "Isso é essencialmente o que a escultura tem de fazer, desafiar as pessoas", reforça.

Ele aponta que ofereceu os primeiros moldes para a Catedral de St. Michael, em Toronto, e para a Catedral de St. Patrick, em Nova York. Ambas não tiveram interesse. Um porta-voz da igreja canadense indica que a apreciação da estátua "não foi unânime". Além disso, a igreja estava sendo restaurada e uma nova obra de arte estava fora de questão. Já o porta-voz da igreja deNova York diz que gostou do Jesus sem-teto, mas a sua catedral também estava sendo reformada e eles não puderam arcar com a despesa.

A próxima instalação do Jesus de bronze em um banco de parque pode ser na Via della Conziliazione, a avenida que conduz à Basílica de São Pedro - se o Vaticano aprovar. Schmalz viajou para lá em novembro passado para apresentar uma miniatura para o próprio Papa Francisco. "Ele caminhou até a obra e foi simplesmente arrepiante quando ele tocou o joelho da escultura, fechou os olhos e orou", lembra. "Isso é o que o papa está fazendo em todo o mundo: chegar aos marginalizados", diz o artista. Com informações do UOL

O dia em que visitei o Egito

por Ricardo Gondim
Há 4 anos visitei o Egito. Andei pelas ruas de Cairo. Tudo me chamou a atenção. As mulheres, escondidas sob véus negros, pareciam monjas reclusas. Os homens, magros em sua grande maioria, caminhavam pela ruas de mãos dadas.
Rodopiei. Um tornado cultural me deixou tonto. Tentei decifrar uma história milenar, que jamais entenderei completamente. Islam, quase onipresente, prevalece por todo o Egito. Notei que era minoria – de novo. Eu não conseguia me esconder, destaquei no meio da multidão. Me senti frágil. Tive medo. Nas alamedas estreitas de Cairo, notei a força da paranóia que a mídia ocidental passa. A propaganda imperial de que o Oriente médio é inimigo gruda na gente. Eu pressentia – erroneamente – que uma bomba estava prestes a explodir na próxima esquina. Cheguei a ver terroristas onde não existia nenhum.
Me perdi no árabe. Eu simplesmente não conseguia decifrar duas letras de um alfabeto que poderia ajudar a saber em que esquina eu estava. Em outra cultura vemos como somos provincianos. É difícil lidar com cheiros, paladares e paisagens novos. Em uma cultura em que tudo espanta, tudo choca, tudo fascina, a gente consegue avaliar a estreiteza da própria mente.
Compareci a uma Igreja Ortodoxa Copta. O padre era um velhinho, mistura de Frei Damião com pastor evangélico.  A igreja, iniciada no aterro de lixo da cidade, virou centro de romaria. O padre copta conduz uma paróquia que luta para mudar a sorte de centenas de milhares que vivem nos arredores do lixão de Cairo. Seu trabalho visa aliviar a miséria mais abjeta. Seu ministério oferece espaço de esperança e reconstrução para mulheres e crianças. No Brasil, entretanto, uma igreja que atrai tantos pobres e sincretiza vários perfis religiosos jamais seria tolerada pelo status quo evangélico. No Egito, aquela igreja é tida como uma renovação dentro da ortodoxia copta.
Fui ao Egito para participar de uma reunião de pastores e líderes evangélicos de países do sul do Equador. Éramos 40. Por acontecer no Egito, a reunião ganhou ares de conspiração. Como há muito abandonei a ambição de ganhar o mundo, eu me senti fora das aspirações do grupo. Querer ganhar o mundo desestabiliza a alma. Megalomania mina o dia a dia despretensioso e sufoca as relações desinteressadas. Me preocupei sobremaneira em notar um ambiente belicoso e intolerante entre os pastores. Em determinado momento ouvi de um deles: o islamismo é o último gigante a ser abatido antes da volta de Cristo. Minha reação imediata foi: em que essa atitude difere dos terroristas que odeiam os ocidentais, e os tratam como irmãos de satanás?
Anos depois da viagem, medito. O que significa ser cristão no mundo atual? Quem poderia amenizar tanta hostilidade? Um neo-ateísmo destila rancor contra a religião. Religiosos se estapeiam em nome da verdade que acreditam possuir. Palestinos sofrem horrores, acossados pela miséria e por um poder militar portentoso. O Islam cresce com taxas vertiginosas em diferentes regiões do mundo. Séculos depois, os mouros retomam a Europa. A França impactada pelo Iluminismo não se conforma em conviver com tanta burca, mesquista monumental e tapete estendido para reza.
Noto os líderes evangélicos assustados. Com todo o planejamento gerencial, com todo o discurso triunfalista de que Deus é por nós, pastores não entendem como os seguidores de Maomé se multiplicam como cogumelo. Enquanto os evangélicos se perdem com cultos ensimesmados e tentam provar a autenticidade da mensagem com milagre, o fenômeno religioso islâmico continua forte. Ficam as perguntas: até quando a brecha entre cristianismo e islamismo favorecerá interesses geopolíticos? Quando ortodoxos russos, gregos, coptas, armênios, católicos romanos e protestantes – junto com os longínquos evangélicos – começam a dialogar?

18.4.14

PAIXÃO DE CRISTO EM ITABUNA ACONTECERÁ NESTE DOMINGO

A Fundação Itabunense de Cultura e Cidadania (FICC) confirmou que o espetáculo teatral “Paixão de Cristo”, que estava previsto para acontecer nesta sexta-feira (18) foi transferido para domingo (20), às 19hs. Toda a estrutura da encenação foram mantidas, inclusive o local (Estádio Luiz Viana Filho).
A FICC informou ainda que a prefeitura garantirá transporte de ida e volta para o local do evento. 2 ônibus sairão da praça de Ferradas, 1 ônibus sairá da praça da Califórnia, 1 ônibus sairá da praça do Conceição e 1 ônibus sairá da praça do Maria Pinheiro (este passando também pelos bairros São Pedro e Pedro Jerônimo). Todas as saídas estão programadas para 18hs30min.

12.4.14

Papa pede perdão por abusos sexuais cometidos por padres

Foto: Google
O papa Francisco pediu publicamente perdão pelos abusos sexuais de crianças cometidos por padres, que têm motivado duras críticas à Igreja Católica nos últimos anos. Durante pronunciamento aos membros do Escritório Internacional Católico para a Infância, o papa disse que a Igreja não dará qualquer passo atrás ao abordar o problema e aplicar sanções.

“Eu me sinto compelido a assumir pessoalmente todo o mal cometido por alguns padres, poucos em número, obviamente, não comparáveis ao total de padres e a pedir, pessoalmente, perdão pelos danos que eles causaram por terem abusado sexualmente de crianças”, disse Francisco. “Temos de ser muito fortes. Com as crianças, não se brinca”.

Essa foi a primeira vez que o papa pediu perdão pelos casos de abuso sexual. Francisco já havia criado uma comissão, composta por oito representantes, encarregada de adotar medidas que promovam a proteção de crianças e adolescentes. Faz parte da comissão, a irlandesa Marie Collins, de 66 anos, que foi vítima de abusos sexuais por parte de um religioso quando era criança e se tornou ativista para denunciar estes casos. Com informações EBC

11.4.14

Comunista diz: "a imprensa e a Igreja estão sempre ao lado dos golpistas"


Como parte das análises sobre o Golpe de 1964 no Brasil, que completa 50 anos em 2014, o secretário estadual de Comunicação do PCdoB, Geraldo Galindo, traz uma reflexão sobre o posicionamento comum adotado pela Igreja Católica e pela imprensa diante de regimes autoritários. No artigo reproduzido abaixo, Galindo chama atenção para o fato de as duas instituições terem apoiado não só a experiência brasileira de ditadura militar, mas também a de outros países. Confira matéria completa no Portal Vermelho. 

6.4.14

O Céu É Jesus


Eu já ouvi falar de uma terra sem iguala
Aonde tudo é paz e não há lugar pro mal
Almejo este lar, tão puro e sem igual
Mas eu não sei o dia em que virá pra mim

Enquanto estou aqui, começo a pensar
Que deste bom lugar já posso desfrutar
E quando vejo mãos se unindo,
Multidões cantando um hino,
Vejo anjos celebrando,
É o céu que está chegando.

Eu posso aqui provar as delicias deste Lar
Se eu procurar viver como o meu Jesus viveu
Em meio a luta e dor, eu posso estar em paz
Pois meu viver já coloquei nas mãos do Pai

Enquanto estou aqui, começo a pensar
Que deste bom lugar já posso desfrutar
E quando vejo mãos se unindo,
Multidões cantando um hino,
Vejo anjos celebrando,
É o céu que está chegando.

O céu é aqui, se eu tomo tempo pra louvar
O céu é aqui, se eu me ajoelho para orar
O céu é aqui, se eu aprendi a perdoar
O céu é Jesus, e, onde Ele estiver, o céu será ali

Pois não existe céu sem Jesus
E não existe paz sem Jesus
Sem Ele a riqueza do universo é sem valor
Pra que mar de cristal, sem Jesus?
E flores que não murcham, sem Jesus?
Pra que viver pra sempre, sem ter a companhia de Jesus?
Eu volto a afirmar, o céu é aqui se aqui Jesus está

O céu é aqui, se eu tomo tempo pra louvar
O céu é aqui, se eu me ajoelho para orar
O céu é aqui, se eu aprendi a perdoar
O céu é Jesus, e, onde Ele estiver, o céu será ali
O céu é Jesus, e, onde Ele estiver, o céu será ali


Letra: Jader Santos

5.4.14

Anchieta, novo santo do Brasil, aceitava a matança de índios

O Vaticano abriu exceção para o padre José de Anchieta (1534-1597), tornando-o santo, embora não haja comprovação de que ele tenha feito pelo menos dois milagres. 

Certamente pelo fato de o Brasil, o maior país católico do mundo, ter até então só dois santos, o Vaticano aceitou a alegação da CNBB (Confederação Nacional dos Bispos Brasileiros) de que Anchieta já tem fama de santo por causa de sua “vida exemplar”.

A Igreja Católica, obviamente, pode declarar “santo” quem quiser, trata-se de uma questão interna dessa religião, mas é preciso estar atento para que a interpretação católica não contamine a perspectiva histórica, rejeitando, por exemplo, essa lorota de que Anchieta teve “vida exemplar”.

O espanhol Anchieta e um dos fundadores de São Paulo foi um erudito. Versado em idiomas, incluindo o tupi, ele escreveu o livro “A Arte da Gramática da Língua Mais Usada na Costa do Brasil”, o primeiro no gênero do país.

A erudição de Anchieta, contudo, não o elevava para fora do seu tempo, para um futuro no qual os direitos humanos viriam a ser respeitado. 

Anchieta nunca criticou a matança de índios pelos colonizadores, mas ressaltou em um poema o quanto foram “cruéis” os tupinambás que atacavam os portugueses por não aceitarem a dominação estrangeira.

Bartolomeu de Las Casas (1474-1566) teve a grandeza que faltou ao “exemplar” Anchieta. O frade dominicano e bispo de Chiapas (México) se notabilizou como defensor dos índios, denunciado na Europa os massacres dos quais eles eram vítimas.

O poema onde Anchieta revela que retrato fazia dos índios se chama “Os Feitos de Mem de Sá” [administrador colonial do Brasil]. Com 3.058 versos decassílabos divididos em quatro cantos (ou livros), o poema foi escrito em latim para um público português e europeu. 

Em um dos versos o padre afirmou que os índios causaram muitas ruínas aos portugueses, como se estes não fossem os invasores das terras daqueles.

Confira  a matéria completa em Paulopes

2.4.14

Mentir faz mal para saúde?

Que mentir é pecado todo cristão já sabe, mas que faz mal à saúde nem todos sabiam. Uma pesquisa realizada por psicólogos afirmam que o ato de mentir causa problemas físicos e psicológicos em curto prazo.

Para chegar a essa conclusão os pesquisadores da Universidade de Notre Dame, nos Estados Unidos, analisaram por dez semanas os efeitos da honestidade em uma pessoa.

Foram cem indivíduos analisados com idades entre 18 e 71 anos, os psicólogos dividiram em dois grupos, sendo que metade deles foram instruídos a evitar perguntas que pudessem acarretar em mentiras e a outra metade liberada para enganar.

Semanalmente os responsáveis pelo estudo examinavam os pacientes através de polígrafos e chegaram à conclusão de que o grupo honesto apresentou uma saúde melhor que os mentirosos apresentando em média quatro vezes menos queixas ligadas à saúde mental e três vezes menos reclamações de dores físicas.

A psicóloga que liderou o estudo, Anita Kelly, explicou que a intenção da pesquisa era saber se viver honestamente pode melhorar a saúde já que nos Estados Unidos a média é que cada pessoa minta 11 vezes por semana.

Kelly percebeu que os participantes da equipe honesta conseguiram reduzir o número de mentiras em torno da quinta semana de prática, uma mudança no comportamento que resultou na melhora das relações mais próximas.

Para não mentir muitas pessoas conseguiram contornar perguntas complicadas fazendo outras perguntas e trocando de assunto, em outras condições falar a verdade foi a escolha que fez com que muitos dos participantes evitassem inventar desculpas. Com informações do Gospel Prime