30.11.10

CADA DIA



DEUS PAI CELEBRA A VOLTA


Lucas 
15

Nas três parábolas: da ovelha perdida, da dracma perdida e do filho perdido encontramos o mesmo desfecho: a celebração festiva pelo encontro do que estava desaparecido. O pastor chamou seus vizinhos e amigos para festejar com ele (Lc 15.6). A mulher igualmente chamou suas vizinhas e amigas para celebrar com ela (Lc 15.9) e o pai mandou preparar um banquete. Há grande alegria no céu por um único pecador que se arrepende. Há festa na casa do pai quando o filho pródigo volta ao lar. Deus festeja e celebra a nossa volta para ele.

Você tem um valor infinito para Deus. 
O pastor perdeu uma ovelha dentre cem; a mulher uma dracma dentre dez e o pai, que tinha dois filhos, viu um abandonar o lar. 
O pastor não desistiu da ovelha que se desgarrou do rebanho. Ele foi atrás dela até encontrá-la. A mulher não se conformou em perder uma das moedas. Ela acendeu a candeia, varreu a casa até encontrá-la. O pai jamais desistiu de esperar o filho voltar para seus braços.

ORE


Deus Pai, teu amor é incomensurável e indescritível. Louvado seja o nome do Senhor, pois, sem qualquer merecimento, sempre serei alvo deste amor tão sublime. Por Jesus. Amém.

PENSE


Deus não cessa de procurar você para perdoá-lo e celebrar sua volta!

29.11.10

Número de jovens abandonando o cristianismo bate recorde nos EUA

Número de jovens adultos abandonando o cristianismo bate recorde 195x250 Número de jovens adultos abandonando o cristianismo bate recorde nos EUA

Sociólogos estão vendo acontecer entre os jovens adultos dos EUA uma grande mudança: o abandono do cristianismo. Uma resposta honesta requer um exame deste “êxodo” e alguns questionamentos sobre os motivos desta mudança.

Estudos recentes trouxeram à luz esta questão. Entre os resultados divulgados pela American Religious Identification Survey [Pesquisa de Identificação da Religião nos EUA] em 2009, um aspecto merece destaque. A porcentagem de americanos que afirmam ser “sem religião” quase duplicou em duas décadas, De 8,1%, em 1990, chegaram a 15% em 2008. Essa tendência não está limitada a uma região. Os “sem religião”, cuja resposta à pergunta sobre afiliação religiosa foi “nenhuma”, foi o único grupo que cresceu em todos os estados americanos, incluindo o conservador “cinturão bíblico” no sul. Os “sem religião” são mais numerosos entre os jovens: 22% dos entrevistados entre 18 a 29 anos alegou não ter religião, em contraste com os 11% de 1990. O estudo também descobriu que 73% deles cresceram em famílias religiosas, sendo que 66% foram descritos pelo estudo como “desconvertidos”.

Outros resultados da pesquisa foram ainda mais desanimadores. Em maio de 2009, durante o Fórum Pew sobre Religião e Vida Pública, os cientistas políticos Robert Putnam e David Campbell apresentaram uma pesquisa feita para seu livro American grace, lançado recentemente. Eles relatam que “os jovens americanos estão abandonando a religião em um ritmo alarmante, de cinco a seis vezes a taxa histórica (hoje, 30-40% não têm religião, contra 5-10% da geração passada)”.

Houve uma queda correspondente na participação em igrejas. Segundo o centro de pesquisas Rainer, aproximadamente 70% dos americanos deixam de se envolver com a igreja entre os 18 e 22 anos. O Grupo Barna estima que 80% daqueles que foram criados na igreja serão “desligados” ao completar 29 anos. David Kinnaman, presidente do Grupo Barna, descreve essa realidade em termos alarmantes: “Imagine uma foto do grupo de jovens que são membros de sua igreja (ou fazem parte da comunidade de crentes) em um ano qualquer. Pegue um pincel atômico grande e risque três de cada quatro rostos. Este é o número provável de desligamento espiritual durante as próximas duas décadas “.

Em seu livro unChristian [não Cristão], Kinnaman baseou suas descobertas em milhares de entrevistas que fez com jovens adultos. Entre suas muitas conclusões está a seguinte: “A ampla maioria das pessoas de fora [da fé cristã] neste país, particularmente entre as gerações mais jovens, na verdade são indivíduos sem igreja”. Ele relata que 65% dos jovens entrevistados dizem ter assumido um compromisso com Jesus Cristo em algum momento. Em outras palavras, a maioria dos que hoje são incrédulos são antigos amigos e adoradores de Jesus, foram crianças que uma dia o aceitaram.

Para esclarecer o discurso de Kinnaman, o problema hoje não são os “não cristãos”, mas os muitos ex-cristãos. Ou seja, não se trata de um “povo não alcançado.” Eles são nossos irmãos, irmãs, filhos, filhas e amigos. Eles já estiveram vivendo entre nós na igreja.

Em seu recente livro Christians Are Hate-Filled Hypocrites … and Other Lies You’ve Been Told, [Cristãos são hipócritas cheios de ódio... e outras mentiras que lhe contaram], o sociólogo Bradley Wright diz que essa tendência de os jovens abandonarem a fé em números recordes é “um dos mitos” do cristianismo contemporâneo. Wright vai na contramão, dizendo que cada geração é vista com desconfiança pelos mais velhos. Embora reconheça que “não podemos saber ao certo o que vai acontecer”, Wright acredita que a melhor aposta é que a história vai se repetir: “…os jovens geralmente abandonam a religião organizada quando saem de casa e se desligam da família, mas voltam quando começam a formar suas próprias famílias”.

Então, jovens de 20 a 30 e poucos anos estão abandonando a fé, mas por quê? Quando pergunto às pessoas da igreja, recebo alguma variação desta resposta: compromisso moral. Uma adolescente vai para a faculdade e começa a frequentar festas. Um jovem decide morar com sua namorada. Logo, os conflitos entre a fé e o comportamento tornam-se insuportáveis. Cansados de ter a consciência pesada e não querendo abandonar um estilo de vida pecaminoso, optam por abandonar seu compromisso cristão. Podem citar ceticismo intelectual ou decepções com a igreja, mas isso é mais uma espécie de cortina de fumaça para a esconder a verdadeira razão. “Eles mudam de credo para coincidir com suas obras”, diriam os meus pais.

Existe alguma verdade nisso, mais do que a maioria dos jovens que seguiram esse caminho gostaria de admitir. A vida cristã fica mais difícil ao enfrentar muitas tentações. Durante o ano passado, fiz entrevistas com dezenas de ex-cristãos. Apenas dois foram honestos o suficiente para citar questões morais como a principal razão do abandono da fé. Muitos experimentaram crises intelectuais que pareciam, convenientemente, coincidir com um estilo de vida fora dos limites da moralidade cristã.

O que os afastou na maioria das vezes? Os motivos de cada um são particulares, mas percebi nas entrevistas que a maioria foi exposta a uma forma superficial de cristianismo que acabou “vacinado-os” contra uma fé autêntica. Quando o sociólogo Christian Smith e sua equipe examinaram a vida espiritual dos adolescentes americanos, encontraram a maioria deles praticando uma religião que seria melhor descrita como “deísmo moralista terapêutico”. Colocam assim Deus como um Criador distante, que abençoa as pessoas “boas, legais e justas”. Seu objetivo principal é ajudar os crentes a “serem felizes e sentirem-se bem”.

A resposta cristã

As razões para o abandono são complexas. Uma parte significativa tem a ver com a nova cultura que vivemos, e há muito a ser pensado sobre isso. Mas os membros das igreja ainda tem controle sobre pelo menos uma parte do problema: o tipo de resposta dada.

Enquanto ficam perplexos, e com razão, ou mesmo arrasados, quando veem entes queridos se afastarem, não deveriam deixar que a tristeza tome conta deles. Conversei com um pai que estava deprimido ao ver seu filho adulto abandonar a fé. Ele disse que seu filho estava metido “em coisas satânicas”. Depois de uma pequena sondagem, descobri que o filho na verdade era um politeísta. Ele amava Jesus, mas via-o como uma figura em um panteão de seres espirituais. Ou seja, algo muito distante da avaliação de seu pai.

Ao falar com quem abandonou a fé, geralmente os cristãos tem uma dessas duas reações opostas e igualmente prejudiciais: partem para a ofensiva, dando um sermão cheio de julgamento ou ficam na defensiva, não se envolvendo no problema.

Observei durante as entrevistas outro padrão inquietante. Quase todos com quem falei lembraram que, antes de abandonar a fé, eram interrompidos quando expressavam suas dúvidas. Alguns foram ridicularizados na frente de colegas por causa de suas “perguntas insolentes”. Outros dizem ter recebido respostas banais às suas perguntas e foram repreendidos por não aceitá-las. Um deles recebeu literalmente um tapa na cara.

Em 2008, durante a reunião da Associação Americana de Sociologia, estudiosos das Universidades de Connecticut e do Oregon relataram que “a contribuição mais comum para a desconversão dos entrevistados foi os cristãos aumentarem as dúvidas já existentes”. Os “desconvertidos” afirmam ter “compartilhado suas dúvidas crescentes com amigo ou membro da família cristãos, apenas para ouvir respostas banais e inúteis”.

Fonte: PAVABLOG

Relatório analisa liberdade religiosa em 194 países

INTERNACIONAL - A Fundação Ajuda à Igreja que Sofre (AIS) apresentou dia 23 de Novembro, o Relatório 2010 sobre a Liberdade Religiosa no Mundo, que analisa a situação de 194 países entre Janeiro de 2009 e os primeiros meses deste ano.

A versão portuguesa é apresentada na Biblioteca da Igreja de S. Nicolau (Chiado), Lisboa, pelas 16h00.


A publicação, com mais de 500 páginas, registra os casos mais dramáticos no período estudado em várias nações onde a liberdade de culto é negada das maneiras mais violentas e nas quais os crentes são perseguidos, em alguns casos até à morte.


No Iraque, por exemplo, a violência anticristã não parou em 2009 e na primeira metade de 2010, com momentos de “real perseguição”. “Grupos armados entram em bairros onde vivem os cristãos e matam indiscriminadamente toda a gente que se atravessa no seu caminho”, declarou Mons. Philip Najim, representante da Igreja Caldeia na Santa Sé.


O Paquistão é outro dos pontos críticos e mais mediáticos: em 19 de Julho de 2010, Rashid Emmanuel e Sajid Masih Emmanuel, dois irmãos cristãos que estavam a ser julgados depois de serem acusados de blasfêmia, foram mortos a tiro à saída do tribunal.


Outras situações registradas arrastam-se no tempo: no Egito, durante os últimos trinta anos, foram assassinados cerca de 1800 cristãos e foram perpetrados cerca de 200 atos de vandalismo contra propriedades destas pessoas, sem que ninguém fosse levado perante um tribunal.


O estudo assinala que a perseguição religiosa aumenta em todo o mundo e fala em graves limitações à liberdade de culto e de consciência, para além de limitações legais à liberdade religiosa e episódios de repressão legal.


Quanto a Portugal, assinala-se que as relações com a Igreja Católica são reguladas pela Concordata de 2004. Com as restantes confissões religiosas, a Lei da Liberdade Religiosa, de 2001, prevê a possibilidade de o Estado celebrar acordos diferenciados. Até Julho de 2010, tinha sido atribuído o estatuto de “confissão religiosa radicada” a 48 igrejas ou grupos religiosos diferentes.


O Relatório foi compilado com o apoio de um grupo de investigadores, acadêmicos e jornalistas que agregaram e tornaram disponível informação derivada principalmente de fontes internacionais, de relatórios de vários grupos religiosos diferentes e de depoimentos de testemunhas nos locais.


As estatísticas indicadas são obtidas a partir de uma variedade de fontes que foram escolhidas com base na sua credibilidade e integridade.


Missão Portas Abertas - Servindo cristãos perseguidos
Fonte: Agencia Ecclesia

Pesquisa: Evangélicos Vão Contra a Maré do ‘Não Pergunte, Não Fale’

Por Nathan Black|Repórter do Christian Post
Traduzido por Abigail Viana dos Santos

Os protestantes são os mais susceptíveis de apoiarem do que se oporem aos gays que servem abertamente nas forças armadas, revela o mais recente inquérito sobre o "não pergunte, não fale."

  • army
    (Foto: AP / Manuel Balce Ceneta)
    Exército Spc. Brandon Waleszonia, à direita, com o 3 º Regimento de Infantaria dos EUA conhecido como "A Velha Guarda,' lidera um esquadrão de soldados do exército para colocar bandeiras nos túmulos do Cemitério Nacional de Arlington, em preparação para o Memorial Day, no Cemitério Nacional de Arlington, em Arlington, Virgínia, quinta-feira 27 maio de 2010.

Enquanto 49 por cento dos protestantes são a favor de permitir homossexuais de servirem abertamente, apenas 34 por cento são contra, constatou o Pew Research Center.

Os adoradores de Igrejas tradicionais, juntamente com as Igrejas Afro-americanas são os dois grupos elevando o percentual de protestantes que favorecem os homossexuais de servirem abertamente. Os evangélicos brancos, entretanto, estão mantendo o percentual abaixo de 50 por cento.

De acordo com a pesquisa, os evangélicos brancos são os únicos americanos religiosos que mais provavelmente tendem a se opor (48 por cento), deixando os homossexuais servirem abertamente nas Forças Armadas do que a favor (34 por cento) dele.

Semelhante aos protestantes de linha principal brancos, mais católicos apoiam gays e lésbicas servindo abertamente do que se opondo a ela, 63 a 21 por cento.

Curiosamente, os americanos que frequentam cultos semanais ou mais estão divididos em 40 por cento. A pesquisa também indicou que quanto menor a frequência que um atende aos cultos, maior a probabilidade de ele ou ela estar a favor de permitir gays servirem abertamente nas Forças Armadas.

Globalmente, a maioria dos americanos (58 por cento) se dizem favoráveis a permitirem gays de servirem abertamente, acima dos 52 por cento em 1994.

A pesquisa nacional foi realizada entre 4 e 7 novembro com 1.255 adultos. O lançamento do relatório na segunda-feira vem um dia antes de um levantamento antecipado dos militares sobre o "não pergunte, não fale."

O Departamento de Defesa está agendado para liberar os resultados das pesquisas e relatório com a análise dos efeitos da revogação da política de 1993, terça-feira.

A política controversa foi promulgada pelo Presidente Clinton depois que o Congresso aprovou uma lei no mesmo ano proibindo os homossexuais no serviço militar. Embora isso proíbe indivíduos abertamente homossexuais no serviço militar dos EUA, também impede os militares de pedirem aos membros do serviço de sua orientação sexual.

Fonte: christian post

A Igreja Evangélica precisa se arrepender

“Ficamos insensíveis”

"A igreja precisa pedir perdão por séculos e séculos de esquecimento em relação ao cuidado com os pobres."

“Ficamos insensíveis”

Autor de "Cristãos ricos em tempo de fome" e de "O escândalo do comportamento evangélico", Ronald Sider faz suas críticas com amor.

Por George Guilherme

Ronald Sider não é um cristão comum. Não por ser PhD em história da Reforma por Yale, uma das mais prestigiadas universidades dos Estados Unidos, ou por ter escrito um livro que é considerado referência cristã no século 20, Cristãos ricos em tempo de fome, que já vendeu mais de 400 mil cópias. É que, aos setenta anos de idade, ele é testemunha de uma mudança de comportamento da Igreja Evangélica, que, no seu entender, fez dela uma instituição mais insensível em relação ao mundo que a cerca. “Ficamos maiores, mais ricos e mais famosos”, sintetiza. Tal conclusão é a base do inquietante trabalho de Sider. Teólogo, professor, palestrante, fundador e presidente do ESA (Evangelicals for Social Action – “Evangélicos por Ação Social”), ele é um ativista da igualdade. E o faz pelo viés do convencimento dos cristãos acerca da justiça social.

Nascido numa área rural de Ontário, no Canadá, Sider é filho de pastor, e hoje vive com a mulher numa casa de um bairro majoritariamente negro na Filadélfia. Membro de uma comunidade menonita, é um homem de sorriso aberto e voz suave, características que, no entanto, não amenizam seu duro discurso contra o materialismo que, na sua ótica, tomou conta de grande parte da Igreja Evangélica contemporânea, como diz em outra obra, O escândalo do comportamento evangélico (Editora Ultimato). Contudo, não é simplesmente um franco atirador e tempera suas críticas com palavras de misericórdia e esperança na Igreja e no futuro.

Ronald Sider esteve no Brasil pela primeira vez no fim de agosto, a fim de participar do encontro nacional da Rede Evangélica Nacional de Ação Social, a Renas, no Rio de Janeiro. Na ocasião, conversou com a reportagem de CRISTIANISMO HOJE:

Convencido pela mãe evangélica, traficante se entrega à polícia no Rio de Janeiro

Convencido pela mãe evangélica traficante se entrega à polícia no Rio de Janeiro 250x187 Convencido pela mãe evangélica, traficante se entrega à polícia no Rio de Janeiro

Foi com frases doces e preocupação de uma mãe zelosa que Nilsa Maria dos Santos, de 53 anos, conseguiu convencer o filho Diego Raimundo Silva Santos, o Mister M, de 25 anos, a se entregar à polícia, na tarde deste sábado (27), no Rio. O traficante, também conhecido como 50 – por ser fã do cantor americando Fifty Cent – era o segurança e braço direito de Pezão, o chefe do tráfico do conjunto de favelas do Alemão, na Zona Norte do Rio.

“Disse pra ele: Diego vamos para casa com a mamãe. E ele respondeu: ‘Não, mãe. Se ficar em casa, eles vão me prender’. E eu disse: então vai comigo e seu irmão que é cristão que eu vou te apresentar na delegacia. Ele aceitou”, contou dona Nilsa, mãe de dez filhos e que trabalha num trailer vendendo comida na Vila da Penha, no subúrbio do Rio.

Ela contou que nunca aceitou a entrada do filho no crime e que vivia tentando convencê-lo a mudar de vida. Disse que foi até a casa do filho, na favela da Grota, no Alemão, e desceu com ele pela Rua Joaquim de Queiróz, onde a polícia montou uma base para que traficantes se entreguem. Mas ela não parou lá.

Anos atrás, Diego e alguns dos irmãos integraram o programa social Pró-Jovem, que tinha o delegado Luiz Fernando como um dos coordenadores. Ela procurou o delegado, que é adjunto na 6ª DP (Cidade Nova), mas que estava baseado na 22ª DP (Penha) e combinou a rendição do filho. Diego se apresentou na 6ª DP.

‘Nunca aceitei isso’
“Nenhum dos meus filhos seguiu esse caminho. Nunca aceitei isso”, disse ela, acrescentando que tem filho pastor evangélico, estudante, motorista e o mais novo é jogador de futebol do juniores do Vasco da Gama.

Como cristã, ela disse que agradece a Deus a oportunidade de ter conseguido entregar o filho com vida à polícia e que tem certeza que de agora em diante, tanto ela quanto os irmãos e até mesmo Diego estão começando uma vida nova.

Para as mães de outros traficantes, ela deixa uma mensagem: “Agora estou feliz. Para os outros, aconselho que se convertam, que larguem isso porque contra a força de Deus não há resistência. Agradeço a Deus, em nome de Jesus, eu consegui. Orei muito. Prefiro vê-lo agora preso. Sei que ele vai sair convertido”, disse dona Nilsa, acrescentando que Diego estava dentro da casa dele, na favela da Grota, no Alemão, dormindo quando ela foi até lá convencê-lo a se entregar.

Fonte: G1 / Gospel Prime
Via: CPAD News

26.11.10

Vila Haitiana Comercializa Vodu para Jesus

Por Michelle A. Vu|Repórter do Christian Post
Traduzido por Rodrigo L. Albuquerque

O terremoto devastador do Haiti em janeiro voltou a atenção do mundo para o país com pobreza e sua miríade de problemas. Mas uma pequena aldeia, na região serrana do Haiti oferece esperança para o país problemático experimentando uma notável transformação espiritual e econômica.

  • Haiti-MTM
    (Foto: Ministérios Top Mountain)
    A Igreja Mountain Top Ministries da aldeia montanhosa de Gramothe, cerca de uma hora de carro da capital Porto Príncipe, no Haiti.

Willem Charles, o fundador e líder do Mountain Top Ministérios (MTM), que ousou desafiar o vodu e o status quo. No processo, ele construiu escolas, uma clínica médica, um sistema de linha de água, uma Igreja e casas para os moradores da Vila Gramothe, cerca de uma hora de carro de Porto Príncipe.

Dez anos atrás, não havia nenhuma Igreja, apenas cinco templos de vodu. Também não havia escola, nem água potável, quase nenhum trabalho, e nenhuma esperança na aldeia.

"O país do Haiti tem passado por coisas devastadoras ao longo de sua história inteira enquanto uma nação," disse Andrew DeWiitt, que atua no conselho de MTM, em uma entrevista com o The Christian Post." Mas existem bolsões no Haiti, que estão realmente transformando a pobreza e vodu em prosperidade e Cristianismo."

Notável Charles Willem

DeWitt é o autor do livro recém-lançado, Dar o Seu Melhor, sobre a vida de Charles Willem e como ele trabalhou pelo MTM para plantar firmemente o Evangelho de Jesus Cristo na fortaleza de vodu e ajudou a melhorar a vida física dos moradores.

O livro narra como Charles cresceu em uma casa de um quarto com mais de dez habitantes sendo um intérprete da CNN, um membro da equipe nacional de futebol do Haiti, um empresário de sucesso e líder de ministério visionário. Apesar dos muitos obstáculos em sua vida, Charles foi capaz de superá-los com sua determinação, ousadia, presente na construção de relacionamento, e fé em Jesus Cristo.

"A única coisa que eu estou espantado por Willem é que ele é capaz de manter seu foco em Cristo e espalhar o evangelho no meio de todo o caos que está acontecendo em torno dele," disse DeWitt, cuja profissão é cirurgião maxilo-facial.

"Com o seu trabalho com a CNN, ele estava em meio ao caos com o [ex-presidente haitiano Jean-Bertrand] Aristide e sua presidência," disse ele. "Ainda assim, ele manteve os olhos em cima da montanha e disse: 'Eu estou indo para ir e começar as missões e construir uma Igreja e uma escola lá em cima.’ E ele fez isso."

Cultura Vodu

A aldeia de Gramothe está na encosta oposta da casa de infância de Willem. Willem lembrou 90 por cento dos habitantes em crescimento da aldeia estavam desempregados. A "escola" da aldeia era liderada por um professor com uma educação de terceira série, e os moradores tinham que caminhar uma milha em terreno montanhoso para recuperar a água potável de um rio onde as pessoas também se banhavam e lavavam as suas roupas.

Além da pobreza extrema, a cultura vodu explorou o povo e os mergulhou numa escuridão espiritual.

O Haiti foi um ex-colônia da França e os franceses insistiram aos os escravos do Haiti que se tornassem católicos. Mas o que aconteceu foi que haitianos tomaram ícones de santos católicos e os incorporaram à sua religião vodu.

"Como resultado, o catolicismo tem um significado diferente para as pessoas aqui no Haiti," DeWitt explica no livro. "De certa forma é sinônimo de vodu, que tomou muitos símbolos da Igreja Católica e os usou para representar os seus espíritos."

"Agora, se você vê uma estátua da Virgem Maria, você tem que adivinhar isso é católico ou representante de algum deus vodu?"

Como um haitiano nativo, Charles compreendeu a cultura haitiana e a mistura entre o vodu e o catolicismo. Portanto, quando ele formou o MTM fez questão de ensinar os aldeões que se tornaram Cristãos para expurgarem o vodu de suas vidas.

Em uma narrativa de histórias, um homem da aldeia se tornou um cristão, mas Charles perguntou como ele poderia seguir a Jesus e a prática de vodu ao mesmo tempo. A casa deste homem estava infestada de ratos que mordiam os dedos de seus filhos até o ponto que tinham feridas por todo o pé. Charles levantou o dinheiro e construiu para o homem uma nova casa e disse para o homem e sua esposa para terem certeza de manter a casa limpa para os ratos não voltarem.

"O vodu é como a casa antiga," Charles disse ao homem. "É um grupo cheio de espíritos que são como ratos. Você viu os danos que os ratos fazem a seus filhos. O vodu faz a mesma coisa a nosso espírito. Mas Deus é um Deus ciumento. Ele não permitirá qualquer vodu em sua vida," explicou.

"Quando você segue a Jesus, seu coração agora é uma casa completamente nova, e todos os vodus precisam ser exterminados como você eliminou os ratos," disse ele, inspirado na história do odre novos e antigos em Mateus 9. "Este novo coração que Jesus te deu é lindo e um ótimo lugar para Jesus viver. Lima, você tem que mantê-lo limpo e prevenir que qualquer dos vodus antigos voltem."

Charles fez questão creditar as boas ações que ele fez para os moradores ao amor de Deus, abrindo aos moradores um mundo de amor que nunca souberam quando eles praticavam o vodu.

Aldeia da Gramothe Transformada

Desde a sua fundação em 1999, a MTM elevou o padrão de vida na aldeia Gramothe. Os moradores têm agora a conveniência de torneiras perto de suas casas que fornecem água potável, resultando na redução de doenças transmitidas pela água. A água também ajudou os agricultores, que constituem a maioria da população da aldeia, para aumentar a sua produtividade agrícola.

Agora que eles tinham um sistema de irrigação, os agricultores de Gramothe poderia plantar o ano todo, em vez de dependerem de chuva. Como resultado, eles foram capazes de produzir quatro colheitas por ano, em comparação a um anteriormente. Algumas pessoas da aldeia foram capazes de economizar dinheiro ou reformar suas casas a partir de sua renda aumentada.

Também através da MTM, as crianças do povoado puderam estudar até a 12 ª série na escola cristã do ministério alta. No Haiti, um diploma do ensino médio é impressionante e uma enorme proeza de se realizar.

O ministério também construiu uma clínica onde visitam as equipes médicas dos Estados Unidos e Canadá vêm e tratam os pacientes de forma gratuita. Médicos da clínica da MTM podem até mesmo realizar pequenas cirurgias que requerem apenas anestesia local.

"O que o Haiti precisa não é mais apoio governamental ou folhetos," Charles é citado como tendo dito no livro. "Essas coisas só nos tornam dependentes. O que o Haiti precisa é de liberdade e segurança. Junto com isso, a educação vai trazer empregos, o que trará prosperidade global."

"Se o MTM puder exibir a aldeia de Gramothe como um modelo para outras aldeias, a seguir, então todas as aldeias do Haiti podem fazer o que estamos fazendo, e podemos derrotar a pobreza geracional aldeia por aldeia."

O Haiti é o país mais pobre do hemisfério ocidental e um dos mais pobres do mundo. Desde a fundação do país, os cidadãos do Haiti foram submetidos a um governante corrupto e brutal após o outro. O país tem sido um caos há aproximadamente 200 anos por causa de uma liderança fraca e má gestão de fundos do governo. O terremoto de 12 de Janeiro este ano mergulhou os haitianos em profunda pobreza. Mas também deu alguma esperança de que com a ajuda da comunidade internacional, o Haiti poderia reconstruir-se em um país novo e próspero.

Fonte: christian post

Anatel abre caminho para transformar banda larga em serviço público




:: Luís Osvaldo Grossmann

A Anatel tomou o primeiro passo efetivo para ampliar o conceito de telefonia fixa e incluir o serviço de banda larga nas concessões. A aprovação da minuta dos contratos, durante sessão pública realizada nesta quarta-feira, 24/11, pelo Conselho Diretor da agência, prevê que a prestação do STFC se dá por meio de processos de telefonia que serão definidos “na forma da regulamentação”.

A intenção da Anatel não é segredo desde março deste ano, quando a Superintendência de Serviços Privados revelou que aproveitaria a revisão quinquenal dos contratos para incluir o serviço de dados. O objetivo se tornou realidade com a aprovação da minuta dos contratos pela direção da agência. Apenas a conselheira Emília Ribeiro foi contra.

A decisão é polêmica - afinal até aqui o serviço de dados é explorado em regime privado - e foi criticada pelas teles e por entidades de defesa do consumidor presentes à sessão pública desta quarta-feira. A Proteste, que após a manifestação da SPB já apresentara uma representação ao Ministério Público contra essa alteração, cogita usar esse como um dos argumentos em ação judicial contra a decisão.

“Preocupa a alteração do processo de telefonia para incluir dados”, afirmou a advogada da entidade, Flávia Lefèvre. O diretor de assuntos regulatórios da Oi, Paulo Mattos, também afirmou durante a sessão que as empresas consideram que a agência não poderia fazer essa modificação no processo de revisão dos contratos, somente na renovação dos mesmos.

Outras duas mudanças importantes foram aprovadas. Uma delas permite que as concessionárias descontem os custos de metas de universalização do valor devido a cada dois anos relativo ao ônus da concessão - 2% das receitas das empresas com STFC. Mas a agência demonstrou algum receio em aplicar esse benefício apenas por decisão da autarquia e remeteu o uso prático ao que for definido “em decreto do Presidente da República”.

TV a Cabo

A Anatel também decidiu retirar dos contratos de concessão a cláusula que impedia as concessionárias, ou empresas do mesmo grupo econômico, de prestarem serviço de TV a Cabo. Essa medida deve ser complementada nesta quinta-feira, 25/11, com a aprovação do novo Planejamento de TV a Cabo e MMDS. Com ele, será eliminado o limite de outorgas numa mesma área.

Em conjunto, as duas decisões podem tornar sem efeito as limitações previstas na Lei do Cabo. Por essa interpretação, ao eliminar a restrição de outorgas e a existente nos contratos, torna-se caduco o artigo 15 daquela lei, que impede a atuação das teles caso haja interesse de outras empresas pelas licenças. O assunto, porém, é objeto de discussão no Congresso no PLC 116 (anteriormente PL 29) e certamente será objeto de reações das atuais prestadoras de cabo.

Fonte: Convergência Digital

25.11.10

Jesus Cristo, Superstar

Após dois mil anos, ensinamentos do Filho de Deus continuam influenciando o comportamento, o mundo corporativo, a mídia e a academia em plena era da informação.

Por Cláudio Neves



Jesus Cristo, Superstar

Longe da filosofia e das discussões acadêmicas, para aqueles que o seguem Jesus tem sua melhor performance – a de Salvador. Muito mais que entender seu papel histórico ou o legado de sua obra perante o mundo moderno, os fiéis o vêem como alguém digno de ser amado e adorado

A primeira década do século 21 já está se acabando e, apesar do que arautos da modernidade apregoaram, Jesus Cristo continua em alta. O filósofo alemão Friedrich Nietzsche, caso estivesse vivo, ficaria decepcionado ao perceber que o Deus dos cristãos não morreu, conforme vaticinou. Se existe um personagem da História que nunca deixa de ser exaustivamente escrutinado esse é o pregador de Nazaré. Mais de dois mil anos se passaram, e seus ensinos ainda são objeto de estudo de intelectuais que se envolvem com interesse renovado nas mesmas discussões, controvérsias e debates em torno do Messias. Não foge a esta regra o mundo publicitário, o cinema, a televisão e a internet – e, quem diria, até a alta tecnologia contemporânea rende-se ao carisma inigualável do Filho de Deus. Enfim, a indústria do consumo “adora” Jesus, desde que fature bem. Devotos, ateus, intelectuais ou teólogos, cada um tem seu motivo para dissertar a respeito do Cristo, mesmo que o consenso acerca dele pareça mesmo impossível.

Contrariando completamente todos os postulados que relegam a religiosidade a um papel ignominioso na celebrada sociedade da informação, as eternas palavras de Jesus e seu estilo de vida também contribuem para o sucesso empresarial. Suas verdades têm sido fontes perenes e consistentes de subsídios na formulação das melhores práticas corporativas, especialmente nas estratégias para uma boa liderança. Que dizer, então, dos incontáveis livros de auto-ajuda cuja base é ninguém menos que o Salvador do mundo? O rabi da Galiléia também tem sido citado em palestras motivacionais, é tema de estudos neurolingüísticos e visto como modelo de gestor de pessoas. Para se usar um termo da moda, Cristo está cada vez mais essencial.

O mundo corporativo já percebeu isso faz tempo – e, mesmo que trazer a figura do Mestre para dentro da empresa não signifique, necessariamente, a conversão pessoal dos funcionários, os benefícios dessa parceria divina são muitos. “Assim como Cristo fez, ensinamos os líderes a serem servos, a entender e ouvir as pessoas”, aponta Eucimar Almeida, chairman para a América Latina da Strides Arcolab Limited, multinacional indiana que formou join-venture com a brasileira Cellofarm. “Procuramos usar de forma justa aquilo que ele sempre ensinou, ou seja: liderar com sabedoria, conciliar diferenças e jamais se omitir diante do erro.” Segundo ele, a Bíblia tem sido usada como parâmetro na empresa. “Depois que colocamos Cristo como ensinador e Mestre, o resultado tem sido extremamente significativo. Adotando métodos inspirados no que ele pregou, transformamo-nos na quinta maior indústria de medicamentos hospitalares do Brasil e estamos hoje em 12 países”, comemora o executivo.

Continue lendo...

Fonte: Cristianismo Hoje


Ator evangélico é “disciplinado” por sua Igreja ao interpretar um homossexual na TV


Marco Audino com Sérgio Mattos 250x187 Ator evangélico é disciplinado por sua Igreja ao interpretar um homossexual na TV

O ator que interpretou Ney Matogosso no especial da TV Globo, “Por toda a minha vida”, diz estar sendo vítima de preconceito. Em entrevista à coluna Gente Boa, do jornal “O Globo”, Marco Audino contou que foi recriminado pela igreja evangélica que frequentava, a Igreja Comunidade Vida Cristã, na Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio.

Segundo ele, após saberem que ele tinha interpretado o cantor no programa, os representantes da instituição falaram que “não pegava bem”, que era desmoralizante para eles que ele fizesse um gay. E ainda lhe deram um ‘castigo’ de um mês sem poder frequentar o local para que ele se arrependesse e servisse de exemplo.

Fonte: EGO / Gospel Prime

24.11.10

Bispo que apoiou Dilma é pressionando a renunciar

Por Paulo Cezar


Papa aceita renúncia de bispo brasileiro que apoiou Dilma RousseffCIDADE DO VATICANO - O papa Bento XVI aceitou a renúncia de Luiz Carlos Eccel, bispo de Caçador (Santa Catarina, Brasil), que apoiou para a eleição presidencial Dilma Rousseff, criticada pela Igreja Católica por suas posições sobre o aborto, anunciou nesta quarta-feira o Vaticano.

Bento XVI aceitou a renúncia do bispo Eccel "em conformidade com o artigo 401 parágrafo 2 do Código de Direito Canônico", indicou o Vaticano em um comunicado. Esse artigo prevê a renúncia "por motivos de saúde ou por outra causa grave".

Este bispo, de 58 anos, não teria se mantido fiel à Igreja católica ao apoiar abertamente a candidatura de Dilma Rousseff, eleita presidente no dia 31 de outubro.

Alvo da Igreja católica e dos evangélicos por suas posições a favor da legalização do aborto, a candidata do Partido dos Trabalhadores afirmou antes do segundo turno que não iria modificar a lei.

Durante a campanha eleitoral, o bispo de Guarulhos (São Paulo) divulgou um manifesto contra Dilma, a pessoa escolhida pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva para sucedê-lo, apresentando-a como "a candidata da morte".

Três dias antes do segundo turno, no dia 28 de outubro, Bento XVI disse, ao receber os bispos brasileiros, que os sacerdotes tinham "o dever de emitir um julgamento moral, mesmo na política", quando "os direitos fundamentais da pessoa ou a salvação das almas o exigirem".

As declarações foram recebidas no Brasil como um apoio implícito ao candidato social-democrata da oposição, José Serra.

Blog do Nassif

RedeTV! marca data para que Silas Malafaia, Marco Feliciano e outros pastores deixem a emissora

rede-tvEnquanto algumas emissoras abrem espaço para a grade religiosa, outras reduzem. A Rede TV! estipulou em seu planejamento estratégico que eliminará, até 2015, a venda de espaços na programação para grupos evangélicos.

Já o SBT, que antes rejeitava a hipótese, agora aceita conversar. Este mês, Silas Malafaia esteve com Guilherme Stoliar, superintendente comercial do SBT. Propôs um programa diário noturno.

R.R Soares e Valdemiro Santiago também apresentaram ideias semelhantes recentemente. A tendência é o SBT aceitar (se aceitar) apenas uma delas.

Fonte:

ADONAINEWS

23.11.10

Lula condena ataque da Coreia do Norte à Coreia do Sul

Presidente diz que vai se informar sobre qual país foi atacado primeiro

Do R7, com agências de notícias


Divulgação/23.11.2010/AFP

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva condenou o ataque da Coreia do Norte à ilha sul-coreana de Yeongpyeong, ocorrido nesta terça-feira (23). Segundo ele, a posição brasileira é de condenar qualquer forma de desrespeito à soberania de um país.


- Por enquanto, minha palavra é de condenação a qualquer tentativa de ataque. A Coreia do Norte diz que foi atacada primeiro. Estou sem informações porque estava em um evento, mas vou me informar com Itamaraty.

Ao ser questionado sobre o assunto em uma cerimônia em Ribeirão Preto (SP), Lula reforçou, entretanto, a necessidade de que os países respeitem suas respectivas soberanias.

- Não permitiremos, em hipótese alguma, qualquer tentativa de transgredir a soberania de outro país.

As Forças Armadas da Coreia do Norte teriam feito ao menos 200 disparos de artilharia contra a ilha Yeongpyeong, onde vivem entre 1.300 e 1.500 pessoas. Dois soldados sul-coreanos morreram e pelo menos 50 (entre militares e civis) ficaram feridos.

A ação começou às 14h24 do horário local (3h24 de Brasília), segundo fontes militares consultadas pela agência Yonhap. A resposta do Exército da Coreia do Sul veio imediatamente, também na forma de fogo de artilharia. O governo ainda mobilizou aviões de caça F-15 e F-16 e convocou uma reunião de emergência.

Fonte:

Ir para a home do site

CADA DIA


DEUS SALVADOR E SANTIFICADOR



Filipenses 2.12,13

Se a salvação é um fato consumado, também é um processo. Desde que fomos regenerados e justificados pela fé em Cristo, somos transformados progressivamente na imagem de Cristo. O propósito eterno de Deus não é apenas nos levar para a glória, mas nos transformar à imagem do Rei da glória. Deus nos salva não no pecado, mas do pecado. Deus nos escolheu em Cristo para sermos santos e irrepreensíveis. Deus nos escolheu para a salvação pela fé na verdade e santificação do Espírito. Sem santificação ninguém verá o Senhor, visto que só os puros de coração verão a Deus.

A prova de que uma pessoa foi justificada é se ela está sendo santificada. Assim como uma árvore é conhecida pelos seus frutos, uma pessoa salva é conhecida pela sua vida transformada. A eleição divina de forma alguma nos destina a uma vida de relaxamento moral. Deus nos escolheu em Cristo para sermos santos e irrepreensíveis (Ef 1.4). A recomendação de Deus para nós é: “Cada um de vós saiba possuir o próprio corpo em santificação e honra [...]” (1 Ts 4.4).

Ore


Santo é o teu nome, Senhor. Portanto, preciso viver uma vida que esteja à 
altura de quem tu és. Ajuda-me nesse processo de aperfeiçoamento do meu caráter. No nome de Cristo. Amém.

Pense


“Pois esta é a vontade de Deus: a vossa santificação” (1 Ts 4.3).

22.11.10

Polônia inaugura Cristo Redentor

Ao som de sinos, uma procissão atravessou a pequena cidade de Swibodzin, na Polônia, no domingo para a inauguração da estátua que seria a maior de um Cristo Redentor em todo o mundo.

A altura da estátua é simbólica: 33 metros, um para cada ano que Jesus teria passado na Terra.

No meio de uma região agrária, o monumento, financiado por doações de fiéis, é a mais recente e evidente expressão da fé católica na Polônia.

O público parece ter aprovado a homenagem, embora alguns tenham estranhado o local escolhido para erguê-la.

"O Cristo vai virar uma atração turística, mas não vi qualquer infraestrutura", afirmou um jovem.


Cristo na Polônia

A estátua de 33 m foi financiada por doações de fiéis poloneses

No enlameado campo polonês, as paisagens não devem ajudar muito o Cristo polonês a se tornar uma atração turística mundial como o carioca.

Mas, para os católicos, o importante é o significado.

"Que a mensagem de padres e cidadãos de Swibodzin circule pela Polônia e pelo mundo, apresentando a fé e o espírito de Cristo a corações humanos em todos os lugares", afirmou o bispo polonês Stefan Regmunt.

Pesquisas de opinião feitas na Polônia indicam que muitos no país consideraram o monumento vulgar e grandioso demais e duvidam que ele possa competir com o primo famoso do Rio de Janeiro.

Fonte: BBC Brasil

21.11.10

TV BRASIL NÃO EXIBIRÁ MAIS PROGRAMAS RELIGIOSOS

O Conselho Curador da EBC (Empresa Brasileira de Comunicação) deve tirar do ar os programas católicos e evangélicos atualmente veiculados pela TV Brasil e pelas oito emissoras de rádio que compõem a rede pública criada pelo governo Lula. Os integrantes do conselho da EBC que devem bater o martelo sobre a questão no próximo dia 7. O tema religião, porém, não será banido. A ideia é que seja abordado de forma mais ampla, sem programa específico sobre uma ou outra crença. Os programas que devem sair da grade são "Reencontro" (evangélico), "Santa Missa" e "Palavras da Vida" (católicos). O argumento para retirar os programas do ar é o de que o Estado brasileiro é laico.

Informações do Bahia Notícias

Declaração de papa sobre camisinha é bem recebida por ativistas


O papa Bento 16

Em 2009, Bento 16 disse que a camisinha era um risco à saúde pública

Grupos progressistas da Igreja Católica e ativistas da luta contra o HIV/Aids receberam bem a declaração do papa Bento 16 de que o uso da camisinha é aceitável “em certas situações”.

A afirmação, que será publicada em um livro nesta terça-feira, marca uma posição mais branda do Vaticano em relação ao uso de preservativos e ao combate à Aids, segundo analistas.

Enquanto anteriormente o papa havia dito que o uso de camisinhas punha em risco a saúde pública e ampliava o problema da Aids, em vez de ajudar a conter a doença, agora o pontífice afirma que no caso de homens que se prostituem, por exemplo, o uso de proteção seria "um ato de responsabilidade moral", ainda que as camisinhas "não sejam realmente o caminho para lidar com o mal da infecção pelo HIV".

O programa das Nações Unidas contra o HIV/Aids, UNAids, classificou os comentários do papa de "um passo adiante significativo e positivo".

"A declaração reconhece que um comportamento sexual responsável e o uso de preservativos têm um papel importante na prevenção do HIV", disse o diretor-executivo do UNAids, Michael Sidibe.

O Movimento de Acesso ao Tratamento do Quênia, que combate o avanço do HIV, disse que o papa havia aceitado a realidade de que a abstinência nem sempre funciona.

"É aceitar a realidade da vida. Se a Igreja fracassou em conseguir que as pessoas sigam seus valores morais e pratiquem a abstinência, ela deveria aceitar a segunda melhor opção e encorajar o uso do preservativo", afirmou David Kamau, líder da organização.

'Colapso dos ensinamentos da Igreja'

O grupo católito progressista We Are Church (Nós Somos a Igreja) disse que a declaração do papa mostra que ele aprendeu com a experiência, enquanto o ativista do movimento gay britânico Peter Tatchel disse à BBC que os comentários do papa são importantes, mas "esclarecimentos" ainda são necessários.

Para o coordenador do grupo Catholic Voices (Vozes Católicas), Austen Ivereigh, mesmo que seja a primeira vez que o papa esteja divulgando essa opinião em relação à camisinha, ela está de acordo com o que teólogos católicos têm dito há muitos anos.

"Os ensinamentos da Igreja em relação à contracepção são anteriores ao surgimento da Aids. O surgimento do HIV levantou a questão sobre o uso do preservativo para prevenir a doença. Se a intenção é impedir a transmissão do vírus, e não impedir a gravidez, teólogos diriam que esta é uma questão de uma ordem moral diferente", disse Ivereigh.

Mas a mudança de posição do papa não agradou a todos. Clifford Longley, que escreve para o jornal católico britânico The Tablet, disse que a declaração não é apenas uma pequena mudança na postura da Igreja.

"Uma pequena concessão pode facilmente se tornar o colapso de todo o edifício dos ensinamentos da Igreja Católica sobre contracepção", disse ele.

"As implicações me parecem muito mais vastas até do que o papa poderia prever."

'Luz do mundo'

O L'Osservatore Romano, jornal do Vaticano, publicou no sábado trechos do livro escrito por um jornalista alemão com base em uma série de entrevistas com o papa Bento 16.

Ainda sem lançamento previsto no Brasil, o livro se chamará "Light of the World: The Pope, the Church and the Signs of the Times" (Luz do mundo: o papa, a igreja e os sinais dos tempos).

Quando questionado se a Igreja Católica era “fundamentalmente contra o uso de camisinhas”, o papa teria dito:

“Ela certamente não a vê como uma solução real e moral. (...) Em alguns casos, quando a intenção é reduzir o risco de infecção, ela pode todavia ser um primeiro passo no caminho para uma outra sexualidade, mais humana.”

O papa citou o exemplo do uso de camisinha por homens que se prostituem como um “primeiro passo no sentido da moralização”

Bento 16 disse que a “obsessão quanto à camisinha implica a banalização da sexualidade”, o que tornaria o sexo não mais uma expressão do amor, “mas somente uma espécie de droga que as pessoas administram a si mesmas”.

A posição da Igreja sobre métodos de contracepção tem gerado críticas à instituição, principalmente após a Aids se alastrar pelo globo.

Médicos e especialistas dizem que a camisinha é um dos únicos métodos capazes de frear a disseminação do vírus HIV.

Fonte: BBC Brasil

19.11.10

POLÍTICA: "A guerra se deu entre o preconceito e a verdadeira informação"

Marilena Chauí

Em entrevista à Carta Maior, Marilena Chauí avalia a guerra eleitoral travada na disputa presidencial e chama a atenção para a dificuldade que a oposição teve em manter um alvo único na criação da imagem de Dilma Rousseff: "o preconceito começou com a guerrilheira, não deu certo; passou, então, para a administradora sem experiência política, não deu certo; passou para a afilhada de Lula, não deu certo; desembestou na fúria anti-aborto, e não deu certo. E não deu certo porque a população dispõe dos fatos concretos resultantes das políticas do governo Lula". Para a professora de Filosofia da USP, essa foi a novidade mais instigante da eleição: a guerra se deu entre o preconceito e a verdadeira informação. E esta última venceu.

Leia entrevista completa

18.11.10

Missão de ex-prostituta convertida é destaque em documentário



Lobert e sua missão de fé, que ela batizou de “Hookers for Jesus” [Piranhas de Jesus, em tradução livre], serão o tema de “Hookers: Saved on strip“, documentário em três partes. Esse programa especial do canal Investigation Discovery estreia dia 8 de dezembro, nos EUA.

“Toda vez que eu era presa e os policiais me chamavam de ‘piranha’, aquilo realmente me ofendia. Um dia estava pensando que, se queria chegar nessas mulheres, entrar em cassinos e dizer: “Meu nome é Annie. Eu posso ajudá-la a mudar sua vida”, seria uma coisa estranha. Então pensei no nome “Piranhas de Jesus”. Acredito em Deus, além disso fui uma prostituta e agora quero ‘pescar’ essas piranhas”, disse Lobert ao The New York Post.

As câmeras de TV seguem Lobert enquanto ela tenta ensinar a ex-garotas de programa como mudar de vida. No episódio de estreia, a ênfase é a história de Regina. Ela vem de uma família de classe média de Nova Jersey e caiu na prostituição quando estava na Marinha (onde conheceu seu cafetão).

Annie Lobert, 43, é natural do Minnesota. Ela trabalhou como prostituta em Las Vegas por mais de 10 anos. Só abandonou essa vida depois de quase morrer de overdose e de sofrer repetidamente abusos físicos de cafetões violentos.

Ela começou o “Piranhas de Jesus” em 2006. Posteriormente, iniciou a parceria com a Igreja do Sul, de Las Vegas. Foi o seu pastor, Benny Perez, que ajudou Lobert a montar a “Casa do Destino” - um abrigo para ex-prostitutas que as auxilia a recomeçar a vida (arranjando emprego, moradia etc.)

“As outras igrejas não receberam as meninas como eu gostaria que elas fossem recebidas. Mas foi quando viemos para esta igreja que realmente eles ajudaram a mudar a vida das meninas”, diz Lobert.

“Depois que essas mulheres largam seus cafetões, acabam ficando sem casa, sem roupas, sem jóias, sem dinheiro e sem carro. Antes eu as levava para meu pequeno rancho ou as colocava em hotéis. Então Benny disse: “Gostaria que tivéssemos uma casa para estas meninas?”

“Nós a chamamos de Destiny House [Casa do Destino]. O nome surgiu porque eu tive um aborto espontâneo e nome da criança seria Destiny.”

A história de Lobert, que inclui a relação com seu marido, Oz Fox – guitarrista da banda de metal cristão Stryper - imediatamente pareceu interessante para um programa, diz Henry Schleiff, presidente do Investigation Discovery, parte da rede Discovery Channel.

“Certamente é algo que se enquadra na nossa ênfase: o conceito de que uma pessoa pode fazer a diferença. Apreciamos histórias fascinantes, e vemos Annie como uma mulher que viveu essa vida… mas agora está tentando salvar outras dessa indústria crescente, violenta e perigosa. Todo ano cerca de 100.000 mulheres são compradas e vendidas nos Estados Unidos contra a sua vontade. Essa minissérie colabora com nosso desejo de lançar uma luz sobre essa questão séria. Faremos isso de uma maneira divertida mas que, ao mesmo tempo, vai gerar o debate “, finaliza Schleiff.




Fontes: New York Post e Discovery
Tradução e edição: Jarbas Aragão.
Via Pavablog


Via: www.guiame.com.br

Espírito de Faraó: Luiz Carlos Prates qualquer miserável agora tem carro

O vídeo abaixo é uma das maiores aberrações já vistas nos últimos tempos.

Quem fala é um comentarista, ao vivo, em um dos telejornais das Organizações Globo, a mesma que encabeça órgãos de comunicação como Veja, Folha de S. Paulo e Estadão.

Mostra de forma bem clara e transparente o espírito da elite brasileira. Assista:

Imagino quantos donos da mídia gostariam de falar isso publicamente, mas não têm coragem. Essa mesma gente foi contra a vitória da presidente Dilma Roussef. E ainda contou com o apoio de certos líderes evangélicos, os profetas velhos!

Todos contra a continuidade de um governo em favor das classes menos favorecidas. Todos que odeiam pobres.

O Senhor Jesus disse:"Porque tive fome e me destes de comer; tive sede, e me destes de beber; era forasteiro e me hospedastes; estava nu e me vestistes; enfermo e me visitastes; preso e fostes ver-me (...) Em verdade vos afirmo que, sempre que o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes" (Mateus 25.35;40).

Quero, em o Nome do meu Deus, conclamar aqueles que são fiéis a essas palavras a se revoltarem contra esse espírito de escravidão implantado por Faraó contra o povo de Deus. O mesmo espírito continua solto para fazer hoje o mesmo do passado.

Se o Senhor Jesus estivesse vivendo fisicamente hoje no Brasil, quem você acha que Ele apoiaria: a elite que odeia pobres ou a maioria menos favorecida?

Fonte: Blog do Bispo Macedo

Decepcionados com a Igreja

Por Mauricio Zágari


Muitos são os cristãos abandonam o convívio das igrejas locais e decidem exercer sua religiosidade em modelos alternativos.


A Igreja Evangélica brasileira está cansada. E é um cansaço que vem provocando mudanças fortes de paradigmas com relação aos modelos eclesiásticos tradicionais. Ele afeta milhões de pessoas que se cansaram de promessas que não se cumprem, práticas bizarras impostas de cima para baixo, estruturas hierárquicas que julgam imperfeitas ou do mau exemplo e do desamor de líderes ou outros membros de suas congregações. Dessa exaustão brotou um movimento que a cada dia se torna maior e mais visível: o de cristãos que abandonam o convívio das igrejas locais e decidem exercer sua religiosidade em modelos alternativos – ou, então, simplesmente rejeitam qualquer estrutura congregacional e passam a viver um relacionamento solitário com Deus. O termo ainda não existe no vernáculo, mas eles bem que poderiam ser chamados de desigrejados.

No cerne desse fenômeno está um sentimento-chave: decepção. Em geral, aqueles que abandonam os formatos tradicionais ou que se exilam da convivência eclesiástica tomam tal decisão movidos por um sentimento de decepção com algo ou alguém. Muitos se protegem atrás da segurança dos computadores, em relacionamentos virtuais com sacerdotes, conselheiros ou simples irmãos na fé que se tornam companheiros de jornada. Há ainda os que se decepcionam com o modelo institucional e o abandonam não por razões pessoais, mas ideológicas. Outros fogem de estruturas hierárquicas que promovam a submissão a autoridades e buscam relações descentralizadas, realizando cultos em casa ou em espaços alternativos.

A percepção de que as decepções estão no coração do problema levou o professor e pastor Paulo Romeiro a escrever Decepcionados com a graça (Mundo Cristão), livro onde avalia algumas causas desse êxodo. Embora tenha usado como objeto de estudo uma denominação específica – a Igreja Internacional da Graça de Deus –, a avaliação abrange um momento delicado de todo o segmento evangélico. Para ele, o epicentro está na forma de agir das igrejas, sobretudo as neopentecostais. “A linguagem dessas igrejas é dirigida pelo marketing, que sabe que cliente satisfeito volta. Por isso, muitas estão regendo suas práticas pelo mercado e buscam satisfazer o cliente”. Romeiro, que é docente de pós-graduação no Programa de Ciências da Religião da Universidade Mackenzie e pastor da Igreja Cristã da Trindade, em São Paulo, observa que essas igrejas não apresentam projetos de longo prazo. “Não se trata da morte, não se fala em escatologia; o negócio é aqui e agora, é o imediatismo”. Segundo o estudioso, a membresia dessas comunidades é, em grande parte, formada por gente desesperada, que busca ajuda rápida para situações urgentes – uma doença, o desemprego, o filho drogado. “O problema é que essa busca gera uma multidão de desiludidos, pessoas que fizeram o sacrifício proposto pela igreja mas viram que nada do prometido lhes aconteceu.”

Se a mentalidade de clientela provocou um efeito colateral severo, a ética de mercado faz com que os fiéis passem a rejeitar vínculos fortes com uma única igreja local, como aponta tese acadêmica elaborada por Ricardo Bitun. Pastor da Igreja Manaim e doutor em sociologia, ele usa um termo para designar esse tipo de religioso: é o mochileiro da fé. “Percebemos pelas nossas pesquisas que muitas igrejas possuem um corpo de fiéis flutuantes. Eles estão sempre de passagem; são errantes, andam de um lugar para outro em busca das melhores opções”, explica. Essa multiplicação das ofertas religiosas teria provocado um esvaziamento do senso de pertencimento, com a formação de laços cada vez mais temporários e frágeis – ao contrário do que normalmente ocorria até um passado recente, quando era comum que as famílias permanecessem ligadas a uma instituição religiosa por gerações.

Para Bitun, a origem desse comportamento é a falta de um compromisso mútuo, tanto do fiel para com a denominação e seus credos quanto dessa denominação para com o fiel. O descompromisso nas relações, um traço de nosso tempo, impede que raízes de compromisso – não só com a igreja, mas também em relação a Deus – sejam firmadas. “Enquanto está numa determinada igreja, o indivíduo atua intensamente; porém, não tendo mais nada que lhes interesse ali, rapidamente se desloca para outra, sem qualquer constrangimento, em busca de uma nova aventura da fé”, constata.

Clique matéria completa

Fonte: CristianismoHoje