31.5.12

Cid Guerreiro nega que a canção “Ilariê” tenha mensagem subliminar

Hoje ele é convertido e segue em carreira gospel mostrando a transformação que Jesus fez em sua vida

Durante muito tempo a música “Ilariê” interpretada por Xuxa foi alvo de polêmicas que diziam que havia uma mensagem subliminar na letra que fazia um pacto com o diabo.

Escrita por Cid Guerreiro em 1987, o músico fala sobre o significado dessa palavra e desmente os boatos de pacto com o mal.

Cid se tornou evangélico há oito anos e hoje se dedica à sua carreira gospel e ao seu ministério que, segundo ele mesmo, não é ganhar ovelhas, mas cuidar delas. Mas antes de sua conversão o músico foi espírita e também frequentou o candomblé, mas mesmo assim não escreveu a canção com mensagens religiosas.

“Nunca teve teor demoníaco”, disse ele questionado pela reportagem do portal IG sobre se a canção “Ilariê” tem ou não pacto com o diabo. “Hoje sou evangélico, mas já fui espírita, do candomblé, e não tem nada a ver. ‘Ilariê’ vem de hilariante, engraçado, assim como ‘Tindolelê’”, explicou Cid Guerreiro.

Mantendo seu visual ripongo, com cabelos compridos e roupas despojadas, o músico afirma que sua transformação aconteceu por dentro e não por fora. “Meu coração é limpo, puro e cristalino”, disse. Cid conheceu a Jesus em uma reunião de louvor dentro da casa da Carla Perez e Xanddy.

“A reunião acontecia na casa deles. E como estava há anos fora do Brasil (ele passou uma temporada na Argentina), assim que cheguei, achei que fosse pegadinha de TV.

Mas quando o bispo Ivo Dias começou a orar, percebi que Deus bateu na porta do meu coração. Comecei a chorar sem parar, levantei a mão involuntariamente e pedi a confirmação de Deus”, revela.

Fonte: Gospel Prime

30.5.12

Léo Moura fala da sua conversão, fé e futebol


Enviado por FOLHA GOSPEL

Agora evangélico e prestes a ser batizado, Léo Moura (foto), lateral do Flamengo, revela visão, nega fanatismo e dá receita para Rubro-Negro superar momento conturbado.

Aos 33 anos, na idade de Cristo, Léo Moura firmou sua comunhão com o Evangelho. O jogador trocou os shows de pagode pelos cantos de louvor que não saem do som do carro e servem até como toque de celular. Na comemoração dos gols, o símbolo feito com os três dedos representa a Santíssima Trindade do Pai, Filho e Espírito Santo. Do plano divino para o terrestre, o jogador, que tem sete anos de Flamengo, diz que a fase conturbada não pode virar desespero. Ele prega a paz, diz que teve visões e revela que não pede vitória em suas preces.

- Não é fanatismo, porque sempre tive fé. Creio e estou no caminho de Deus, mas não sou fanático. Sempre fui à igreja, agora com mais frequência. Procuro tranquilidade, passar mensagem para alguns companheiros, e sabendo dividir. Não posso deixar que as coisas da religião se misturem com o profissional. No início deste ano pude mergulhar de cabeça, até porque é uma coisa que tem me feito muito bem, profissional e pessoalmente. Cada dia melhoro como pessoa – afirmou Léo Moura.

O lateral-direito diz que teve premonições durante alguns sonhos e não teve dúvidas: era uma mensagem divina:

- Tive várias revelações, isso me aproximou ainda mais da igreja. Na Libertadores, na noite anterior ao jogo com o Emelec, eu tive um sonho onde via muitas pessoas orando por mim, eu corria em direção ao gol e marcava. Na primeira bola do jogo, eu fiz como estava no sonho. Aquilo era uma mensagem de Deus que se realizou.

Quando entra em campo, mãos erguidas ao céu, Léo Moura não pensa em orar pelos três pontos, mas pede, sim, proteção até para os adversários:

- Quero deixar claro que não peço para ganhar, peço proteção para me livrar das contusões, para livrar nosso time de alguma coisa grave, e também para livrar o adversário. Do outro lado têm pessoas que também são evangélicas.

No som do carro de Léo Moura e no toque do celular, os hits do momento são músicas de Thales Roberto e outros pastores evangélicos famosos por seus testemunhos.

 
- Agora, mudou. Você vai tirando algumas músicas. Fui chamado através do testemunho do Thales Roberto, que hoje virou meu amigo, junto com a Fernanda Brum, que além de ser pastora da minha igreja é um louvor que eu gosto muito. Tem a Bruna Carla. São músicas que pessoas de fora também gostam – disse o jogador.

Léo Moura irá se batizar na igreja evangélica no mês que vem. Ele se prepara para dar seu primeiro testemunho e explica o gesto que usa com os três dedos em riste:

- Mês que vem me batizo, tenho que me preparar espiritualmente, até porque o testemunho é uma coisa muito séria. Quero mostrar para as pessoas que esse é o caminho. O gesto dos três dedos é da Santíssima trindade, Pai, Filho, Espírito Santo. A galera da base do Flamengo já está pegando esse símbolo.

Momento conturbado e sondagem do Cruzeiro

Léo Moura recebeu sondagens do Cruzeiro, mas nenhuma proposta formalizada. O jogador tem contrato com o Flamengo até o fim do ano, quer ficar, mas acredita que uma cartada oficial possa ser dada a qualquer momento, já que Celso Roth é admirador do seu futebol.
Diante do agitado ambiente do Flamengo, Léo Moura sabe como se reza a missa rubro-negra:

- Temos que ter tranquilidade, paz. Já passei por tudo no Flamengo, essa fase não é a primeira vez. Se não tiver tranquilidade para trabalhar, você não consegue jogar. Precisamos de resultado e não levar para o lado do desespero que é pior.

Fonte: Globo Esporte

29.5.12

Teólogo Leonardo Boff afirma que 'humanos podem desaparecer' sobre desastre ecológico

Na última segunda-feira (28), o teólogo Leonardo Boff adentrou a fé ao campo da ciência durante uma conferência realizada no Theatro Pedro II, em Ribeirão Preto, no interior de São Paulo. O líder católico é conhecido por seu envolvimento com as causas sociais.

Entre os temas abordados na palestra, ele falou um pouco sobre desenvolvimento sustentável e sua tese de que o mundo está prestes a ver um grande distúrbio natural. “Pela primeira vez na história, podemos conhecer um grande desastre ecológico (...) Podemos (a espécie humana) desaparecer”, declarou ele.

Antes de se aprofundar na religião, ele mencionou sobre a linha tênue que separa a Terra de uma catástrofe. “Há milhões e milhões de anos, temos exatos 21% de oxigênio, se fosse menos teríamos morrido. O equilíbrio da Terra é sutil”, acrescentou.

Em seguida, transmitiu sua visão sobre como o ser humano deve cuidar do planeta diante dos olhos de Deus. “A ordem de Deus era cuidar e guardar o Jardim do Éden. Se não fizermos, vamos transformar a terra em um matadouro de seres vivos”, disse ele o ex-membro da Ordem dos Frades Menores, ou "Franciscanos".

O teólogo de 73 anos disse ainda que o que deixa mais claro este destino complicado é a desigualdade na distribuição desmedida de recursos. “Esse sistema funciona bem para 1,6 bilhão de pessoas, para a grande maioria (da população mundial) é um inferno”, afirmou.

Para Boff esta disparidade é exercida em função da exploração de bens considerados sagrados como a água e sementes. “Água não pode virar mercadoria. Colocaram preço em tudo aquilo que representa vida”, concluiu. Segundo ele, este seria “o último grande golpe do capitalismo” por conta de uma “crise de sensibilidade”.

Leonardo Boff defende e aborda pontos teológicos que cercam as áreas da ética, ecologia e da espiritualidade. Além de seus estudos, ele presta serviços à Comunidades Eclesiais de Base (CEBs) no Brasil.
PorLuciano Portela | Colaborador do The Christian Post

28.5.12

Depois de ter sido desacreditado pela medicina, evangélico é curado de câncer, e médico usa cimento em seu tratamento


O obreiro da igreja de Knowle, Marek Barden, descobriu em agosto de 2011 que tinha um tumor cancerígeno, e foi desacreditado pelos médicos, que deram a ele uma expectativa de apenas seis meses de vida.
Aos 40 anos, o inglês, da cidade de Bristol, foi operado por três cirurgiões, que seguiram com seis horas de trabalho até recolher cerca de 1,5 kg de crescimento mórbido de tecido. O caroço que Barden pensava, inicialmente, ser apenas uma sequela de uma queda de bicicleta, foi revelado pelos médicos como um tumor do tamanho de um melão.
O cirurgião plástico Paul Wilson, que deu suporte ao procedimento, contou que foi um dos maiores tumores que já tinha visto. Por causa do tamanho do tumor, o obreiro teve seis costelas removidas, o revestimento de seu pulmão esquerdo, além de parte de seu diafragma.
Para reconstruir as partes destruídas pelo câncer, e removidas na cirurgia, os médicos utilizaram um painel quadrado de 25 centímetros feito com cimento acrílico e com parte do músculo do ombro, segundo o jornal britânico Mirror News.
Depois de seis dias de cuidado intensivo no pós-operatório Barden recebeu alta e, para surpresa de toda equipe médica, não precisará de nenhum tratamento adicional.
O homem afirma que o que era uma sentença de morte foi superada por sua sorte e teimosia. “Eu fui para o hospital preparado para morrer, mas eu sou um lutador e eu sou teimoso. Eu tive muita sorte”, afirmou.
Fonte: Gospel+

26.5.12

O DRAMA DA MORTE


 “Graças a Deus, que nos dá a vitória por 
intermédio de nosso Senhor Jesus Cristo.”
1Co 15.57


A morte é o sinal de igualdade na equação da vida. Chega a todos irremediavelmente: ricos e pobres, doutores e analfabetos, velhos e crianças, religiosos e ateus. O encontro com a morte é inevitável. Até Jesus voltar todos terão de atravessar esse vale sombrio. Por mais que a morte seja certa, não nos acostumamos com ela. Não fomos criados para a morte. Sempre que a morte coloca suas mãos geladas em quem amamos, abre sulcos de dor em nossa alma. Sempre que ela nos espreita, ficamos sobressaltados. A morte é o rei dos terrores. A morte, porém, foi vencida. Ela não tem mais a última palavra. Jesus arrancou seu aguilhão.


Jesus matou a morte com sua morte e trinfou sobre ela em sua ressurreição. Não precisamos mais temer a morte. Podemos dizer como Paulo: “Onde está ó morte a tua vitória? Onde está ó morte o teu aguilhão? Tragada foi a morte pela vitória”. Agora, morrer para o cristão não é mais sinal de desespero. Morrer é deixar o corpo e habitar com o Senhor. Morrer é partir e estar com Cristo, o que é incomparavelmente melhor.


ORE



Senhor, é bom saber que as garras da morte não podem mais me prender. Através da morte e da ressurreição de Jesus eu sou livre dessa perversa escravidão. No nome precioso de Cristo.

25.5.12

Pesquisa revela que quanto mais cedo o consumo de álcool e drogas, menor a escolaridade

Os cientistas encontraram evidências de que a droga precoce e uso de álcool está associado com baixos níveis de escolaridade.

De acordo com a pesquisa realizada pela Escola de Medicina da Universidade de Washington (EUA), quanto mais cedo alguém começa a abusar das drogas e do álcool, menores são as chances da pessoa avançar na escolaridade e chegar a fazer uma faculdade ou até completar o ensino médio, por exemplo.

“Não podemos dizer que a dependência de substâncias ou uso de substâncias cedo faz com que alcance menor escolaridade, mas vemos uma forte associação”, diz Julia D. Grant, puma das pesquisadoras da Universidade de Medicina de Washington.

No estudo, foram analisados os históricos de mais de seis mil homens gêmeos que prestaram serviço militar aos Estados Unidos na época da Guerra do Vietnã. Os homens que se tornaram dependentes de nicotina, maconha, álcool ou outros tipos de drogas antes dos 14 anos se mostraram menos propensos a se formarem em uma faculdade ou colégio do que as pessoas que começaram a utilizar essas substâncias mais tarde, ou que nunca as usaram.

O uso excessivo de drogas e álcool é comumente ligado a problemas familiares, de relacionamento e trabalho. Com educação não tem se mostrado diferente – é prejudicial ao desempenho da mesma maneira. Por isso, nada de abusar de drogas e álcool antes de se formar.
(Traduzido e Adaptado de The News Tribe)
Fonte: O VERBO

24.5.12

III Conferência Teológica STBG


Extremistas muçulmanos envenenam mulheres que desejam estudar

Desde que o Afeganistão foi invadido pelos Estados Unidos, há mais de uma década, os membros do Talibã têm diminuído a sua influência nos rumos do país.


Contudo, alguns aspectos da vida no país continuam enfrentando barreiras e até mesmo retaliações por parte dos extremistas muçulmanos.

Agências internacionais divulgaram hoje que mais de 120 estudantes, todas meninas, além de três professoras foram envenenados no norte do país. Esse é o segundo ataque do tipo este ano. A polícia e as autoridades locais culpam os lideres islâmicos de promoverem esse tipo de situação.

A maioria dos casos ocorreu na província de Takhar, onde os milicianos talibãs, que se opõe à educação de mulheres, usaram uma substância tóxica não identificada para contaminar o ar das salas de aula. Com isso, várias alunas ficaram inconscientes e algumas faleceram.

A agência de inteligência do Afeganistão explicou que a intenção é forçar as escolas a serem fechadas antes da retirada das tropas internacionais do país, prevista para os próximos meses.

“Ao envenenar essas garotas eles querem criar um ambiente de medo. Eles querem fazer com que as famílias não mandem mais as filhas para a escola. Parte dessa operação chamada de Ofensiva da Primavera é lembrar da tradição islâmica ensinada por eles”, explicou Lutfullah Mashal, um porta-voz do governo.

Mês passado, 150 alunas foram envenenadas na região de Takhar, pois a água das escolas estava contaminada. Ataques periódicos contra estudantes, professores e escolas, ocorrem com mais frequência no sul e leste, regiões mais conservadoras do país.

Desde a saída do Talibã do poder, em 2001, as meninas afegãs voltaram a frequentar as escolas, algo proibido pelo grupo que afirma que mulheres não podem trabalhar nem ter acesso à educação.

Oficialmente, o Ministério de Educação do Afeganistão já registrou o fechamento de 550 escolas, localizadas em de 11 províncias diferentes, onde o Talibã ainda tem forte apoio.

Com informações Reuters e Associated Press

Fonte: Gospel Prime

23.5.12

O problemão da gravidez na adolescência

Com o movimento atual de que “sexo é fundamental”, os jovens tem iniciado sua vida sexual bem mais cedo do que o normal. Ser virgem hoje em dia é sinônimo de ser “criança” ou de ser “atrasado”, “fracote”, etc. Afinal, “um jovem que se preze não é, jamais, virgem.” Com isso, vem a falta de consciência, onde o termo “prevenção” passa bastante longe da cabeça de muitos. Sem a prevenção, coisas ruins, com o as DST’s e uma gravidez inesperada e indesejada correm o risco de aparecer, sem pedir licença, na vida de muitos jovens.

Mas muitos desconhecem ou até mesmo ignoram os preceitos bíblicos sobre este assunto, sofrendo assim, as consequências para o seu pecado.
A maternidade expressa um amor humano com uma pitada de divino. É um momento especial na vida de qualquer mãe, e uma fase de decisões para os papais. Afinal, é uma vida que está sendo lançada no mundo, é “mais um”, que correrá atrás do seu próprio sustento e enfrentará as adversidades e obstáculos impostos pela vida. É muita responsabilidade. E para tanto, é necessário um planejamento. Pense: Se você não conseguiu se prevenir contra a gravidez, terá problemas muito maiores para criar o seu filho.

Muito mais do que a falta de informação, a gravidez na adolescência está ligada às características próprias dessa fase da vida. A onipotência do “comigo não acontece”, a impetuosidade do “se der errado, depois agente vê”, a busca de identidade no “se eles acham que isso é certo, eu faço o contrário”, a energia de “vamos ver o sol nascer depois a gente vai direto para aula”…Junte a estas atitudes o pouco ou nenhum diálogo com a família, além da angústia do conflito entre o desejo e as conseqüências, para que a gravidez aconteça. Depois o argumento mais ouvido é: “não pensei que fosse engravidar”.

A juventude é uma parte de nossas vidas que serve de transição da infantilidade para a responsabilidade, por isso, estamos sujeitos a pensamentos e ideologias erradas, mas se tivermos a cabeça no lugar (isto não significa ser careta), iremos desfrutar de todo o conteúdo que podemos aproveitar dessa fase. Não é engravidando, ou até mesmo perdendo a virgindade, que iremos “aproveitar ao máximo” tudo isso. Sonhar nos campos do Senhor vai muito além de tudo isso, essas atitudes devem ser deixadas para os outros, não para nós.

A mídia pode até mostrar que o sexo é bom, que ser mãe é legal, e nisso não há mentira alguma, mas, para tudo há o seu tempo certo. Deus determinou um tempo para tudo. Namorar, planejar, conversar, re-planejar, conversar novamente, casar e ter filhos é o melhor “caminho” a ser seguido. Tudo com a cabeça no lugar. Nos dias de hoje, é muito perigoso ficar à mêrcer das consequências dos nossos atos. Deus nos deu uma cabeça não para batermos na parede mas para pensarmos.

Se você está lendo tardiamente esta matéria, uma coisa deve ser feita antes de qualquer atitude: Entregue-se, juntamente com o seu filho, ao Senhor e confie o seu caminho a Ele. Jamais pense que Deus não te ama, nem que Ele não ama o seu filho, o Senhor tem um propósito especial para cada um de nós. O que Ele preparou para você e para a sua geração se cumprirá, basta apenas você dar espaço. Não há como remediar uma gravidez, a não ser com um aborto (que lhe traria para você a culpa da morte de um inocente, um homicídio claro!), mas há como enfrentar esse problema: Com Jesus! Ele tem a direção certa pra qualquer situação que venhamos enfrentar, inclusive pra essa. Ele, mais dia menos dia, transformará esse “problema” em bênção pra sua vida.

NEle, que espera de nós uma posição de verdadeiros filhos de Deus,

Tadeu Ribeiro
tadeuribeiro@portaldt.com
Fonte: Guia-me

22.5.12

Estudiosa defende a cura pela fé, orações, na saúde pública


Muitos cientistas são céticos para a cura pela fé. Já religiosos como os cristãos evangélicos, carismáticos e de outras denominações, acreditam no poder da cura por meio da oração. E isso já está sendo um caso que deve ser considerado pelos cientistas, segundo uma pesquisadora americana.

Uma professora do Departamento de Estudos Religiosos da Universidade Indiana, nos Estados Unidos, Candy Gunther Brown, lançou um livro que defende a cura através de orações intitulado: “Testing Prayer”. Em entrevista ao Terra ela fala sobre a importância cada vez maior da implementação do sobrenatural para a melhora da saúde pública.

Brown, estudando curas através de orações critãs, testemunhou diversos casos de cura pela oração. Ela estudou grupos cristãos de cura como o Global Awakening, que atuam em diversos países, inclusive o Brasil.

Entre os casos que ela testemunhou estão pessoas do Brasil. Como por exemplo, ela cita uma mulher que vivia no Maranhão, que sofria de câncer do tórax e já havia sido desesperançada pelos médicos dois anos atrás. Como última opção, a mulher participou de uma sessão do Global Awakening e, depois de algumas horas de oração, ela se sentiu mais forte, e hoje em dia ela ainda vive e trabalha como radialista.

Outras pessoas, ela diz, eram pessoas que tinham problemas de visão ou audição e que foram curadas. A professora realizou testes com sua equipe para verificar a veracidade dos casos, e concluiu que tais pessoas realmente haviam obtido melhoras em seus problemas.

Outras religiões, ela afirma, que podem também oferecer efeitos através de orações, mas não sabe precisá-los e sugere que as práticas gerem diferentes efeitos. Segundo ela, não se pode pressupor que um tipo de prática religiosa seja tão boa quanto outra.

No caso em que as orações funcionassem em, por exemplo, campeonatos de futebol, muitos alegariam que isso acarretaria em um empate em cada jogo. Sobre isso, Brown diz que existe diferença nas orações quando é à distância quanto pessoalmente. Segundo ela, orações com encontro pessoal podem fazer diferença às orações.

Brown busca através de seu estudo tornar a saúde pública o melhor possível, demonstrando como maneiras eficazes de buscar a cura para problemas de saúde.

PorAmanda Gigliotti | Repórter do The Christian Post
Fonte: The Christian Post.

21.5.12

Pastores famosos são acusados de trair Jesus por apoiar a campanha presidencial do mórmon Mitt Romney


O pastor Steven Andrew, presidente do Ministério Cristão dos EUA e autor do livro “Fazendo uma nação cristã forte”, teceu duras críticas a líderes cristãos que apoiam o mórmon Mitt Romney em sua campanha a presidente dos Estados Unidos.
Os pastores mais criticados por Andrew são os internacionalmente conhecidos Joel Osteen, Franklin Graham, Jerry Falwell Jr., Richard Land e Pat Robertson. Devido à posição política desses pastores, Steven Andrew os acusa de traírem a Jesus.
Usando como referência o trecho bíblico de Gálatas 1:9, o pastor afirma: “Os cristãos acreditam que Jesus Cristo é parte da Trindade, mas os mórmons afirmam que Jesus é um ser criado, o irmão espiritual de Lúcifer. Como Mórmon, Romney acha que ele vai se tornar um deus. Os cristãos devem lembrar-se disso… Deus não pode abençoar o voto em não-cristãos. Ninguém vai até a Deus senão por Jesus. Isso inclui os EUA”.
“Sem arrependimento Osteen, Graham, Falwell, Land e Robertson nunca serão líderes cristãos. Se eles fossem de Deus, teriam levado nosso país a fugir do mal. Osteen, pastor da maior igreja evangélica americana, disse que vê os mórmons como irmãos e irmãs em Cristo. Franklin Graham e Pat Robertson afirmaram não verem nenhum problema com Romney ser presidente. Richard Land pediu que o católico Rick Santorum saísse da corrida e levou seu povo a votar em Romney. Jerry Falwell Jr. levou Romney a falar na Universidade Liberty, que é de confissão evangélica… Ron Paul é o único cristão na corrida para presidente”, explicou Andrew.
De acordo com o Christian News Wire, muitos pastores, como Andrew, afirmam que votar em Romney é pecado, mas também não aceitam votar novamente em Obama, pois afirmam que hoje entendem que suas atitudes recentes comprovaram que ele não é um cristão verdadeiro.
Fonte: Gospel+

20.5.12

Marcha para Jesus reúne milhares de fiéis no Centro do Rio

A Marcha para Jesus do Rio de Janeiro começou às 14h40 deste sábado, com sete trios elétricos e milhares de fiéis percorrendo ruas e avenidas do Centro da cidade. O percurso começou na Central do Brasil e se estende até a Cinelândia.

Neste ano a marcha ressalta os temas: as liberdades de expressão e religiosa, a vida e a família tradicional.

Segundo a Polícia Militar, cerca de 100 mil pessoas compareceram ao evento.

Os fiéis e os trios, onde se apresentam diversos cantores e grupos evangélicos, percorrem as avenidas Presidente Vargas e Rio Branco, além da Praça Mahatma Gandhi, na Cinelândia. No início da festa gospel houve chuva de papel picado e explosão de fogos de artifício.

“O bacana desta marcha é ser uma festa do povo evangélico de tudo que é igreja. Não tem gente só da minha igreja, mas de várias, e todos os fiéis estão com muita vibração”, ressaltou Malafaia, que participa há 17 anos da Marcha para Jesus.

Este ano, de acordo com organizadores, mais de 300 ônibus trouxeram evangélicos de vários bairros do Rio, da Baixada Fluminense e das regiões dos Lagos e Serrana.

Discurso e orações
Ao longo do trajeto, um grito cantado por milhares de fiéis ecoou no Centro do Rio: “Governador, autoridades, é Jesus Cristo quem comanda essa cidade". Durante o percurso, membros de igrejas evangélicas fizeram discursos contra a corrupção, adultério, pedofilia e prostituição. Com informações do G1

18.5.12

Dia de combate ao abuso sexual de crianças e adolescentes tem ações

O Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, nesta sexta-feira, será marcado por ações que buscam alertar a sociedade para a necessidade de proteção contra a violência sexual. Um documento sobre os impactos das grandes obras na exploração sexual de menores, tema da campanha deste ano, será entregue a representantes da Frente Parlamentar Mista da Criança e do Adolescente.

De acordo com a coordenadora do Comitê Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes, Karina Figueiredo, o objetivo é mostrar quais são os desafios que envolvem o tema. "Queremos mostrar quais são as prioridades que temos de pautar para que a gente consiga mitigar um pouco os prejuízos que essas obras têm causado na vida de crianças e adolescentes", analisa.

Ainda não há ações concretas para evitar essas violações, mas existem algumas organizações da sociedade civil que estão se empenhando para minimizar os impactos das grandes obras na vida de crianças e adolescentes. De acordo com a socióloga e consultora da Agência Nacional dos Direitos da Infância (Andi), Graça Gadelha, a situação no Norte e no Nordeste é mais complicada.

Um relatório sobre violações de direitos humanos nas obras das usinas hidrelétricas de Santo Antonio e Jirau (RO), publicado pela Plataforma Brasileira de Direitos Humanos, Econômicos, Sociais, Culturais e Ambientais (Dhesca Brasil), no ano passado, mostrou que o número de homicídios dolosos cresceu 44% em Porto Velho entre 2008 e 2010.

Além disso, a quantidade de crianças e adolescentes que foram vítimas de abuso ou exploração sexual aumentou 18%. O relatório também mostra que o número de estupros cresceu 208% em Porto Velho entre 2007 e 2010. Segundo o documento, a explosão populacional foi um dos principais fatores que provocaram o aumento dos índices de violência.

A data
O Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes foi instituído por lei federal, em alusão a 18 de maio de 1973, quando a menina Araceli, 8 anos, foi raptada, drogada, estuprada, morta e carbonizada por jovens da classe média alta de Vitória (ES). Apesar de sua natureza hedionda, o crime prescreveu e os assassinos ficaram impunes. Com informações do portal TERRA.

17.5.12

O ateísmo é a nova face da intolerância?

Hélio Schwartsman é ateu assumido e acredita que a fala do presidente da CJC demonstra o medo do crescimento do secularismo
por Leiliane Roberta Lopes 
Durante um congresso no Vaticano entre católicos e judeus o presidente do Congresso Judeu Latinoamericano, Jack Terpinks, disse que o ateísmo é a nova face da intolerância gerando críticas de quem não considera o movimento como um grupo antissemita.

Para provar isso o filósofo Hélio Schwartsman, colunista do jornal Folha de São Paulo, escreveu um texto contestando os dizeres de Terpinks e lembrando que o aumento do secularismo tem preocupado as autoridades judaicas.

Em seu discurso, o presidente da CJC criticou as novas modalidades do antissemitismo incluindo os ateus na lista de grupos preconceituosos. Mas o filósofo da Folha discorda e diz que a posição dos ateus, é apenas afirmar que não há provas da existência de Deus.

“Afirmar que não existem provas da existência de Deus e sugerir que o fenômeno religioso pode não passar de uma exacerbação de certos vieses da mente humana, como fazemos os ateus, não implica tomar posição contra os judeus ou Israel”, escreveu Schwartsman.

Ele lembra uma frase de Phil Zuckerman afirmando em “Invitation to the Sociology of Religion” que talvez os judeus sejam os menos religiosos dos grupos “religiosos”. Hélio Schwartsman lembra também que uma pesquisa mostrou que nos Estados Unidos apenas 22% dos judeus dizem que a religião é muito importante para eles.

Fora isso Israel aparece na lista dos países com maior número de ateus e agnósticos do mundo, tendo entre 15% e 37% de sua população, mesmo sendo um Estado judaico. Em 1995 um estudo chegou a apontar que 50% da população de Israel se classificava como “não religiosa” e apenas 20% como ortodoxos.

16.5.12

Globo evangélica


A Marcha para Jesus do próximo sábado no Rio de Janeiro terá o apoio institucional da Globo pela primeira vez.
No ano passado, a emissora já tinha aberto espaço em telejornais para o evento que reúne várias igrejas evangélicas. Agora, até anúncios estão sendo feitos na programação da Globo.
Eduardo Paes, Lindbergh Farias e Magno Malta confirmaram presença na Marcha.
Com informações do Radar on-line 
Por Lauro Jardim

15.5.12

Para a Nossa Tristeza: A história da banda Exodos (autores da canção Galhos Secos) que foi expulsa da Igreja Batista


A música "galhos secos", da banda de rock cristão (da déc. de 70) Exodos, na polêmica performance de Jefferson e Suellen , se tornou o maior viral nacional desde que Luiza voltou do Canadá e sumiu novamente em Salvador....

Conheça mais sobre a Exodos, o grupo que compôs esta bela canção e foi excluído da igreja Batista em 1976 em um ato descabido de intolerância - um farisaismo musical que, para a nossa alegria, a nossa denominação deixou para trás há trinta anos. 

A seguir, a nesta matéria do Renascer Prime e do Arquivo Gospel:




Êxodos é o nome da primeira banda brasileira de rock evangélico que se tem conhecimento. A banda iniciou sua formação em 1970 e a partir do ano seguinte começou a se dedicar ao rock. Em seus 7 anos de existência não chegou a gravar nenhum disco, mas agitou a mocidade da época, bem como provocou polêmicas dentro e fora da igreja, vindo a ser até matéria de reportagem da revista VEJA, por duas vezes. Uma das músicas da banda, Galhos Secos gravada pelos grupos SOM MAIOR, CATEDRAL e RUTHS, é conhecida até hoje.

O fim da banda aconteceu depois da pressão por parte de líderes da Igreja Batista, da qual faziam parte.

Em 2007 a banda lançou seu primeiro cd com treze canções de seu repertório original, entre elas a música "Galhos Secos". Para adquirir, entre em contato:  e-mail: bandaexodos@terra.com.br
Na entrevista concedida ao Arquivo Gospel em 20/06/2005, os integrantes Edson, Osvair e Osni falaram sobre a exclusão da igreja Batista, além da forte repressão que o rock sofria dentro das Igrejas Evangélicas.

Leia Mais em: Genizah

14.5.12

Senado da Argentina aprova lei da “morte digna”; No Brasil, pastor Marco Feliciano é relator de projeto semelhante


O Senado argentino aprovou por unanimidade a lei popularmente conhecida por lá como “lei da morte digna”. No Brasil, há um projeto semelhante, em tramitação no Congresso, denominado “ortotanásia”.
A lei aprovada na Argentina dá o direito ao paciente em estado terminal de solicitar a suspensão do tratamento em casos irreversíveis, de acordo com informações da BBC Brasil.
A nova legislação também permite a parentes próximos autorizarem o desligamento de aparelhos que mantenham os pacientes vivos artificialmente, caso estes tenham expressado esse desejo de forma consciente anteriormente.
No Brasil, atualmente o projeto da ortotanásia está em tramitação na Câmara, e conta com relatoria do deputado federal pastor Marco Feliciano (PSC-SP), segundo informações divulgadas por ele através do Twitter.
O projeto de lei prevê que o paciente possa optar por suspender o tratamento, livrando assim o médico que estiver ministrando o tratamento de eventual processo por homicídio doloso, através do dispositivo legal chamado “exclusão de ilicitude”.
De acordo com informações do site da Câmara, o projeto foi aprovado em 08/12/2010 na Comissão de Seguridade Social, porém conta com resistência de parlamentares e permanece sendo apreciado.
Na Argentina, a lei aprovada pelo Senado foi comemorada por ativistas que lutavam pela implementação da nova legislação. A partir de agora, a Argentina faz parte de um pequeno grupo de países que permitem a chamada “morte digna”, ao lado de Estados Unidos, Holanda, Bélgica e Luxemburgo. Um projeto semelhante vem sendo debatido na Espanha, país culturalmente ligado às tradições católicas.
Fonte: Gospel+

13.5.12

A curta viagem entre um cristão e um fariseu


Às vezes pensamos que o que separa um jovem cristão de um fariseu é uma grande distância. Quando eu era mais jovem, durante a revolução dos costumes ocorrida na década de 60, pensava que havia duas coisas que me separavam de um fariseu. A primeira era o próprio fato de eu ser jovem e liberado. A segunda, o fato de eu pertencer àquela geração que transtornou os costumes moralistas ensinados durante séculos. No entanto, mesmo antes de eu encontrar Jesus, lá mesmo onde eu estava, em meio aos hippies e liberados rapazes e moças daquela geração, a hipocrisia podia ser encontrada. Depois que me tornei cristão, logo percebi que o farisaísmo não tem idade: ele se esconde em qualquer lugar, e, muitas vezes, com mais facilidade ainda sob as vestimentas religiosas.

Jesus advertiu os seus discípulos de que a condenação do fariseu não tinha paralelo entre os demais pecadores daqueles dias. As prostitutas, os publicanos, os pervertidos e os demais párias daquela sociedade – com os quais Jesus estava em permanente contato – jamais receberam tão intensas ameaças de severo juízo quanto os fariseus. Com essa afirmação eu não estou dizendo que eles não eram também passíveis de juízo, pelos seus próprios pecados. O que estou dizendo é que para Jesus, os pecados deles eram pecados mais “verdadeiros”. Nem por isso eles deixaram de estar sob o crivo do juízo de Deus; porém, com muito menor rigor, nos graus da condenação, do que o que estava prometido para o falso religioso.

Jesus disse que “por fora” os fariseus eram perfeitos; todavia, o interior era um lixo. O Senhor disse que era como alguém que só lava o prato de comida por fora e que é capaz de comer no mesmo prato sujo, a vida toda (você pode se imaginar comendo no mesmo prato sujo a vida inteira? Você pode se imaginar bebendo água num copo sujo por toda a sua vida?). E ainda: que eles eram como sepulcros pintados de branco – mostrando beleza enquanto a podridão acontecia do “lado de dentro”. Isso significa que é bastante possível que as pessoas se escondam sob as vestes religiosas para mascararem seus reais valores interiores. Muita gente, e mesmo jovens, se esconde sob o disfarce religioso a fim de pecar com mais “segurança”.

Psicologicamente falando, esse fenômeno de se esconder embaixo das vestes religiosas para pecar com mais profundidade não é totalmente estranho. Aliás, o melhor lugar para esconder nossa própria maldade é a igreja. Nós que somos membros da igreja devemos sempre ter a coragem de perguntar o que significa nossa presença no ajuntamento do povo de Deus. Isso porque na igreja há sempre dois tipos de pessoas: aquelas que escondem sua própria maldade e dureza interior sob o disfarce da fé e da moralidade, e aquelas que se conhecem como pecadoras e que escondem a si mesmas sob o sangue de Jesus. O primeiro grupo esconde a sua maldade. O segundo grupo esconde a si mesmo enquanto confessa a sua própria culpa.

A questão é: como pode isso se desenvolver? Eu ouso afirmar que o problema está nos nossos padrões de espiritualidade, os quais muitas vezes são falsos. Por isso, quando alguém está tentado a pecar, está também, automaticamente, tentado a esconder sua tentação sob o disfarce do radicalismo comportamental. Dessa forma, quase sempre os cristãos, antes de caírem numa tentação, caem em uma outra: a tentação de aparentarem uma vida que está para além da possibilidade do pecado. Obviamente ninguém fica mais vulnerável ao pecado do que aquele que não admite sua própria vulnerabilidade.

Acontece que isso é um círculo vicioso. Primeiro, a pessoa é tentada. Depois ela sente a obrigação de mascarar essa realidade. Ora, quando isso acontece essa pessoa está se condicionando psicologicamente para se tornar um hipócrita.

E que é o hipócrita, senão aquele que não assume o que é e aquilo contra o que luta? E quem consegue viver a vida inteira escondendo de si mesmo e dos irmãos as suas fraquezas sem que, de um modo ou de outro, acabe caindo diante daquilo que ele nega como sendo sua própria sedução?  Daí, a inferência de que quanto mais “espiritual” for o ajuntamento cristão, mais propício ao pecado ele será. Justamente aqui nós estamos diante de um grande paradoxo cristão: bem-aventurados sejam os fracos, os mansos e aqueles que são capazes de chorar. Somente depois é que se fala dos limpos de coração. Só é limpo de coração quem limpa o coração diante de Deus e dos irmãos, mediante frequentes confissões de carência humana. Não existe tal pessoa limpa de coração que seja solitária e incapaz de constantes revisões de vida. Não existe ninguém permanentemente limpo de coração. Existem apenas aqueles que se deixam limpar mediante a confissão e a sinceridade de uma vida que não tem medo de ser suficientemente humana para confessar tendências em vez de assumir um outro lado de sua humanidade: o pervertido lado de sua humanidade-inumana, que prefere esconder tendências e viver pecados.

Quando esse tipo de comportamento se desenvolve, o que acontece é que a tendência da pessoa é assumir cada vez mais a “santidade” publicamente, a fim de compensar suas incoerências vividas nos bastidores. Daí que pessoalmente eu me impressiono muito mal com pessoas cuja ênfase na santidade me soe um tanto extravagante. Para mim, na maioria das vezes esse comportamento esconde um conflito interior justamente naquela área que se tornou um obsessivo discurso. Pessoas equilibradas tendem a falar de tudo, ao invés de se tornarem obcecadas por um discurso só. E mesmo quando alguém tem uma ênfase pessoal e particular na vida, se essa pessoa é saudável tal ênfase será vivida sem nenhum espírito de cobrança para com aqueles que não conseguem viver a vida com o mesmo peso, naquela área. Ora, tudo isso me leva a afirmar que muito daquilo que temos chamado de “consagração” na vida cristã possivelmente não passe de um atestado de nossa própria conflitividade não confessada e não assumida.

O que complica bastante a situação daquele que assim se comporta é o fato de que quando alguém vive com tal capacidade de se disfarçar, isso pode significar que ela está desenvolvendo uma profunda maldade em sua própria alma: a maldade de ser tão mal, que tenta enganar a todos sob a máscara da bondade. Vale lembrar que para Jesus esse era o mal maior na vida, o mal dos fariseus, o mal dos religiosos, o mal dos falsos profetas, daqueles que se mostram ovelhas mas que de fato são lobos.

Nós que somos pessoas da igreja precisamos urgentemente aprender que a maior mentira que se comete na vida não é aquela que se diz, mas aquela com a qual se vive. Precisamos recuperar o senso de “intimidade” e de “interioridade” das verdades do Evangelho. Temos que pedir a Deus que nos liberte das falsas e malignas noções de espiritualidade. É urgente que reassumamos nossa herança Reformada, a qual afirma nossa impossibilidade inerente para a bondade absoluta, e nos remete humildes e dependentes para a graça de Deus. Caso contrário, corremos o risco de nos tornarmos pessoas muito más. Aliás, a História está repleta de testemunhos dessa nossa capacidade de nos tornarmos mais maus do que os mais maus.

Este mal vem justamente da nossa relação com o Sagrado. Nada é mais intenso que aquilo que é divino. Quando alguém mantém uma sadia relação com o Sagrado, tal pessoa torna-se santa e bonita. De outro lado, quando a relação com o Sagrado acontece desde uma perspectiva de orgulho, autossuficiência e hipocrisia, então nada faz adoecer mais do que essa versão religiosa da maldade. Daí que Lúcifer tornou-se mau na exata proporção de sua anterior virtude. Assim, onde abundou a graça, superabundou o pecado. Nós temos afirmado esse princípio apenas na dimensão paulina: “onde abundou o pecado superabundou a graça”. Todavia, Pedro coloca a mesma verdade desde uma outra referência histórica: “o seu estado se torna pior do que primeiro”. Ou ainda: “melhor lhes fora jamais terem conhecido o caminho da verdade do que, após o terem conhecido, o abandonarem”.

Certa vez C. S. Lewis disse que o pior diabo é aquele que nós pensamos que não existe. Eu ouso, respeitosamente, contrariar esse que foi um dos maiores pensadores cristãos de todos os tempos, para dizer que, para mim, o pior diabo é aquele ao qual nós nos “acostumamos”. Isso porque quando alguém não sabe ou não crê que o diabo existe, está menos exposto à total força do diabo, pelo simples fato de “sinceramente” não crer ou não admitir a existência dele. Há um grande poder espiritual na verdade, mesmo que aquele que a demonstre seja um ateu. Todavia, quando alguém sabe que o mal existe como mal real e objetivo, mas a despeito disso vive em cínica indiferença para com esse poder, tal pessoa não se torna apenas vulnerável ao mal, mas se torna, ela mesma, parte da própria realidade do mal. Ninguém é mais maligno do que aquele que consegue se tornar indiferente ao poder do mal enquanto admite a sua existência. Gente assim vive uma espécie de “crente-descrença” no poder do mal. Ora, é simples inferir que é mais fácil achar gente assim domingo de manhã na igreja, do que num laboratório de ateus confessos. É mais fácil achar esses jovens cantando com as mãos levantadas num culto animado, do que nas praças. Aqueles que estão vivendo sua alienação de Deus e do diabo muitas vezes fazem isso em absoluta ignorância; mas muitos dos que lotam nossos templos cristãos e nossas reuniões são do tipo de gente que consegue “levantar as mãos ao Senhor” e depois, mesmo contra a Palavra do Senhor que eles conhecem, ser capaz de levar uma irmãzinha, companheira de louvor, “para a cama”.

Eu sei que para muita gente as afirmações que tenho feito podem soar excessivamente fortes. No entanto, não tenho o menor temor de estar equivocado a esse respeito. Tenho a própria história bíblica e a história da Igreja para confirmarem tais declarações. E além disso, é só olhar em volta para se constatar que há uma grande abundância de testemunhos contemporâneos corroborando o que estou dizendo.

Tudo o que eu disse até aqui tem a finalidade de estimular você, que deseja andar com Jesus, a coerentemente tomar a cruz e segui-lo. Não é fácil assumir as dores que vêm como resultado de uma vida sincera. É duro, o preço da verdade. Mas é a única forma de andar com Deus. É preciso ter “coragem de ser diferente”. Não diferente apenas mediante uma postura de “fachada”. É preciso ser diferente desde o coração. Só assim se edifica um “compromisso capaz de fazer diferença”.

Faz quinze anos que eu venho andando com Jesus e fazendo todo o possível para, no dia a dia, não me esquecer dessas verdades a respeito das quais acabei de escrever. Mas uma coisa tem me ajudado muito, nesses anos: a lembrança de que eu não tenho que ser, para ninguém, qualquer coisa além daquilo que Deus sabe que eu sou. Isso me ajuda a não ter medo de ser gente. Todavia, essa mesma verdade me ajuda a ser aquilo que, na graça de Deus, eu devo ser na minha “identificação gradual na História”. E quando me sinto tentado a pensar diferente, eu me lembro que os felizes, do ponto de vista de Jesus, são os que têm coragem de chorar, os mansos, os que têm fome e sede de justiça – ou seja, os que querem mais –, os misericordiosos, os que se purificam na graça de Deus, os que vivem para construir pontes entre os separados pelo ódio, e os que assumem a perseguição como o resultado mais natural da sua relação com Jesus, aquele que por viver tão diferentemente dos padrões vigentes, sofreu o preço de uma existência capaz de ser radicalmente relevante; aquele que mostrava seu brilho pessoal a poucos (transfiguração), mas que não teve vergonha de mostrar sua dor e verdade humanas a todos, na cruz.

Somente vivendo com essa compreensão evitaremos a terrível realidade de nos tornarmos hoje os fariseus que Jesus repudiou ontem. Como você viu, não há muita distância entre um jovem e um fariseu bem apessoado. Cabe a você jamais chegar lá.

Rev. CAIO FÁBIO D’ARAÚJO FILHO

*Texto publicado na revista do congresso Geração 90 (MPC) – Brasília, 1990.
Contribuição de Jefferson Santos Soares e Néjea Madruga

12.5.12

"A igreja precisa de faxina ética" diz Hernandes Dias Lopes


Hernandes Dias Lopes, fez o seu curso de Bacharel em Teologia no Seminário Presbiteriano do Sul em Campinas-SP no período de 1978 a 1981 e o seu Doutorado em Ministério no Reformed Theological Seminary, em Jackson, Mississippi, nos Estados Unidos no período de 2000 a 2001.
Foi pastor da Primeira Igreja Presbiteriana de Bragança Paulista no período de 1982 a 1984 e desde 1985 é o pastor titular da Primeira Igreja Presbiteriana de Vitória-IPB e atualmente dirige a Agência missionária Luz para o caminho.
Um dos palestrantes do Encontro Sepal 2012, Hernandes ministrou sobre o avivamento da igreja brasileira atual. Para o pastor ninguém pode deter o avanço da igreja. " O avivamento é uma promessa segura e abundante" diz.
Para o pastor o avivamento deve ser objeto de um profundo clamor." Estamos criando uma igreja secularizada que flerta com o mundo. Precisamos de um avivamento que traga faxina ética, que seja revestido pelo fogo do Espírito Santo" alerta.
Hernandes acredita que as igrejas atuais não causam impacto na vida das pessoas. "Não precisa-se de marketing quando Deus visita a igreja" finaliza.
 Por Pollyanna Mattos
Fonte: Guia-me

11.5.12

Abuso Sexual e Pedofilia na família e Igreja


Abuso sexual infantil ou pedofilia são males  terríveis que estão presentes em nossas casas e Igrejas.  O problema afeta toda a família e deve ser discutido abertamente em casa e também na Igreja. Da mesma forma,  a criança deve aprender a reconhecer mudanças nas atitudes de um amigo mais velho. 
Uma vez que os pais ensinam aos filhos – e isso já pode ser discutido a partir dos 3 anos – a diferença entre um “bom toque” e “um mau toque”, as crianças começam a ter noção do certo e do errado (Tania Menai, especialista).
Todos os pais, professores e líderes devem saber a importância de ensinar às crianças e repetir sempre que: “seu corpinho pertence apenas à você; ele não deve ser dividido com outros”. E mais: “se alguém vir ou tocar as suas partes íntimas, me diga imediatamente”. Desta forma, cria-se um clima de confiança e segurança para poder ensinar às crianças algo tão simples, mas às vezes tão difícil de ser compreendido pelos pequeninos.
A conversa com crianças deve ser clara, objetiva e o tom de voz acolhedor e sincero, assim, as crianças terão total compreensão. Quanto mais a criança conhecer o seu corpo, maiores as chances de ela reconhecer uma situação suspeita.
Ensine seu filhos a não aceitar presentes de estranhos sem falar com você antes, mesmo dentro da Igreja. Infelizmente muitas pessoas mal intencionadas também freqüentam igrejas, e podem estar lá apenas para aplicar golpes. Devemos ensinar nossos pequeninos a se protegerem e confiarem em seus pais e saberem distinguir um adulto e ou adolescente “bem intencionado” do “mal intencionado”.
Ensine seu filhos a não aceitarem e contar imediatamente se um amigo mais velho, seja ele quem for, lhe mostrar fotos ou vídeos de pessoas nuas. O abusador gosta de mexer com a curiosidade da criança, mostrando fotos de pessoas nuas, com isso pode convencer as crianças até pousar para ele.
Os pais devem tomar cuidado com termos muito agressivos, de linguagem muito explícita, para não confundir. Não se deve falar mais do que a criança pode e consegue suportar, pois ela ainda não compreende a conotação sexual, que ainda não faz parte de sua vida. Por isso, a linguagem deve ser simples.
A única arma que a criança terá contra um pedófilo é o conhecimento de si mesma, da importância de seu corpo e de sua intimidade. Pais devem promover a auto–estima da criança. Desde a 1ª infância, devem responder todas as perguntas da criança, sempre falando a verdade. Crianças autoconfiantes são menos vulneráveis à pedofilia e sabendo que seus pais estão alertas, elas sentem menos medo.
A curiosidade sobre seus corpos, sua intimidade é normal, nessa fase não devemos ignorar sua curiosidade. E se esta curiosidade for demais, procure observar a criança, saber de todos os seus passos, para ter a certeza que ela não está sendo vítima de pedofilia ou de abuso sexual infantil.
Ao deixar sua criança com um adulto, tenha certeza que é de confiança e fique atento à mudanças de comportamento de seus filhos, como por exemplo, timidez, curiosidade excessiva por questões sexuais, pesadelos, problemas de bexiga, etc. Ela pode estar sendo vítima de abusos.

Por 

Marisa Lobo é psicóloga clínica, escritora, pós-graduada em saúde mental, conferencista realiza palestras pelo Brasil sobre prevenção e enfrentamento ás drogas, e toda forma de bullying, transtornos psicológicos, sexualidade da familia, entre outros assuntos. Teóloga, ela é promoter e organizadora da ExpoCristo realizada no Paraná. Marisa é casada, tem dois filhos e congrega na IBB em Curitiba.
Fonte: Gospel+

10.5.12

"É arrogância do homem se achar filho de Deus", diz Rita Lee

A cantora Rita Lee está lançando o novo álbum "Reza". Em sua casa, ela responde as perguntas de internautas e fãs sobre o novo momento da carreira, sua música na novela "Avenida Brasil" (Rede Globo) e seus próximos projetos.

Rita também fala sobre Deus. " Acho arrogante a raça humana dizer que é filho de Deus".