28.6.13

UM JOVEM DIFERENCIADO

“Resolveu Daniel, 
firmemente não se contaminar...” 
Dn 1.8






Daniel era um jovem diferenciado em sua época. Estava fora de sua casa, sua terra, seus costumes, mas na presença de Deus. Era um escravo, sem família e sem liberdade, porém não se deixou levar pelas ofertas aparentemente boas oferecidas pelo rei. Ele foi escolhido para estar diante do rei, aprendendo a língua e a cultura para em seguida assumir um alto posto, que lhe garantiria uma vida tranquila. Daniel era servo do Deus Altíssimo. Quando percebeu tudo o que estava acontecendo, tomou uma sábia decisão de não se contaminar com as finas iguarias do rei, pois estas eram sacrificadas aos ídolos.

Daniel tinha valores absolutos e não estava disposto a transigir com sua consciência. Estava pronto a ser fiel a Deus mesmo diante de tantas oportunidades. Por isso, manteve-se fiel tanto nas perseguições como na prosperidade. Deus o honrou e o colocou assentado entre príncipes. Confie em Deus e espere nele, pois está agindo em seu favor. Seja fiel a Deus na adversidade e na prosperidade. Permaneça firme em sua fé, mesmo que seja lançado na cova dos leões. Nem sempre Deus nos poupa da cova dos leões, mas sempre nos livra da morte ou na morte. Seja diferente!

Senhor, eu preciso do teu poder para ser distinguido nesta geração. 
Em nome de Jesus. Amém!


26.6.13

Construindo Hoje a Sociedade do Amanhã

Nossa razão de ser e de existir, nosso projeto de vida deve estar alicerçado sobre os Princípios da Palavra de Deus; esses princípios nos asseguram a certeza que estamos executando uma obra de valor permanente e construindo, para nossos filhos e para as gerações futuras, uma sociedade onde a desigualdade social será minimizada, onde o amor ao próximo será uma prática constante, e não um discurso vazio e meramente teórico. Não podemos e nem devemos edificar nossas famílias sobre os moldes mundanos com seus valores totalmente invertidos, no futuro próximo, só restará ruínas de famílias que se deixaram influenciar pelo “príncipe desse mundo”.

Somos da geração que acreditou que o diabo é o “pai do rock” (mas ele é pai só da mentira), que o casamento é “consórcio”, que “Deus” é o “deus da diversidade sexual”, de todos os “credos e confissões” e que a “política é coisa do diabo”. Nada mais longe da verdade do que essas afirmativas. Nós, evangélicos, temos duas cidadanias: uma celestial e uma terrena. Uma não anula a outra.

O que devemos deixar para nossos filhos é a herança espiritual, a Verdade de Deus - nossa identidade em Cristo Jesus. Assim, eles compreenderão qual o seu lugar a importância no Eterno Projeto de Deus.

A razão de ser e de existir que qualquer sociedade é o homem, mas esse mesmo homem tem destruído o “seu lar”, “ seu mundo”, com atitudes irracionais, sem amor para com o seu próximo , agredindo e destruindo a Natureza. E, agora, muitos como uma forma de protesto, bem irracional por sinal, vêm destruindo e depredando o “patrimônio público”. No grupo dos que realmente protestam e lutam por causas justas, existe um “bando” de vândalos e de ladrões que se aproveitam da situação, ainda que seja minoria.

Não sou contra o “povo estar nas ruas”, “protestar” e “lutar por seus direitos”, mas não sou favorável a nenhum “ato de vandalismo”, de “intolerância” ou de “qualquer ato de violência”. Nada justifica a corrupção geral da raça humana, a não ser a consequência do pecado. Mas, o que não podemos fazer é ficar de “braços cruzados”, de “boca calada” pensando que as decisões políticas não nos atingirão. Não fazer nada e ser omisso diante da injustiça social é pecado (Tiago 4:17). A orientação que recebemos de Deus é que devemos orar com propósito por nossas autoridades. Isso resultará numa vida quieta e sossegada, em toda a piedade e honestidade (1 Timóteo 2:2-3).

A nossa atual sociedade, através de nossa vivência do Evangelho, precisa compreender que somos seres criados por Deus. Criados à Sua Imagem e Semelhança. Precisam entender que os homens não são obra do acaso, mas foram projetados com amor – corpo, alma e espirito. Somos frutos do Sonho de Deus, do Coração e das Mãos de Deus, Pai Justo, Santo e Amoroso.

Nossa geração “está adormecida”, mas somos jovens que creem no Deus Vivo, chamados para colaborar na transformação daqueles que foram e serão salvos, comprados pelo Precioso Sangue de Jesus. Não temos que viver e nem precisamos imitar o mundo sem seu comportamento totalmente oposto ao padrão de Deus, estabelecido em Sua Santa Palavra. Temo um padrão de vida diferente, um modelo a seguir. Jesus é o Padrão de Deus, o Homem que venceu a cruz, vivendo uma vida 100% humana, porém sem pecado.

Temos a grande e eficaz certeza: O Auxilio do Deus Vivo sempre estará com aqueles que confessam Jesus como Senhor. Entretanto, já está na hora de sairmos de nossas “estruturas falidas” para representarmos verdadeiramente o Senhor Jesus Cristo. Deus nos chama a tirarmos “nossas máscaras” e Deseja que tenhamos certeza de Quem estamos representando aqui na Terra - uma Pessoa Real, que possui todo poder e toda autoridade dadas pelo Pai.

Muitos têm buscado mudanças no “âmbito da política” em todas as esferas do poder, colocando sua esperança em homens que não podem acrescentar “um centímetro à sua estatura” e nem satisfazer nossos desejos. Eles se esquecem de que a única Solução é o Senhor Jesus Cristo. Queremos uma sociedade que aprenda “fraternidade humana”, que seja livre de preconceitos, livre de barreiras, entendendo que somos todos iguais, do mesmo Pai e que todos temos dignidade e valor enquanto pessoa.

Como desejamos um “mundo melhor”, mais justo, mais fraterno, mais igual. Mas não podemos esquecer que o Evangelho de Cristo não converte só pessoas, esse Evangelho também transforma a sociedade. É disso que o Brasil precisa: do Evangelho de Jesus. E Deus preferiu contar com você, como agente transformador nessa sociedade madura para o juízo. Todos nós, servos de Deus, fomos convocados para fazer diferença nesta geração. Isso implica em viver o Evangelho fora da estrutura física da igreja - é muito mais do que entoar hinos dentro de um templo ou frequentar assiduamente uma determinada igreja. O Senhor deseja que provoquemos transformações nos homens pelo Poder do Evangelho, condenando o pecado, fazendo o bem sem olhar a quem, defendendo a justiça, orando pelos nossos governantes. É a nossa omissão que permite a propagação da injustiça e da opressão.

É nossa missão apresentar o Projeto de Deus para o homem. Haverá mudanças em nossa sociedade quando o Evangelho de Cristo for nossa prioridade e quando a Justiça de Deus for nossa bandeira.

Existe um “montão de gente” brincado de igreja, brincando de “ser crente”, enquanto a mundo está indo a “passos largos” para o inferno, sem Deus, sem salvação, sem esperança. Os “crentes” de hoje parecem pessoas se divertindo no playground de um grande prédio em chamas que não descobriram ainda, o propósito e o significado de suas vidas.

Daquela cruz, onde o nosso Senhor foi crucificado, Ele venceu a morte, o mundo e todo o império das trevas, liberando tudo o que precisamos para vivermos uma vida plena e abundante, independente das circunstâncias e da transitoriedade dessa vida.


Gilvan Silva Santos, servo do Deus Altíssimo em espírito, alma e corpo (I Tes 5:23)

Manifestações: É importante ter um propósito claro.

O bispo Robson Rodovalho escreveu um texto para comentar as manifestações que tomaram as ruas do Brasil nas últimas semanas. O líder da Igreja Sara Nossa Terra elogiou a atitude dos jovens, mas ponderou que é necessário ter um objetivo claro nesses protestos.

Para ele mais importante do que sair às ruas é não ficar nelas quando não se tem um propósito ou quando esse propósito não for democrático. “É a partir da democracia que tudo se constrói. Todos temos descontentamentos, mas ‘ferver’ nas ruas, sem abrir o diálogo, tende a ser pior do que melhor”, disse.

Rodovalho ensina que é bom ter uma boa causa, pois uma causa sem propósito pode não dar bons resultados. O bispo então pede para que os leitores reflitam sobre o que pode reconstruir o sentido de Pátria, ensinando a ter fé e prestigiar a família.

“Esse é um momento de palavras, de expressão, sim. Mas fundamentalmente de reflexão”, disse ele.

CARTA ABERTA À IGREJA DE JESUS CRISTO NO BRASIL


por Dawidh Alves

"Amados irmãos em Cristo Jesus, membros da Igreja do Grande Rei na nação brasileira, graça e paz lhes sejam multiplicadas pelo Espírito Santo, na unidade e em amor!

Em face dos recentes protestos que temos visto em nosso país, em oração entendi que Deus nos estava dizendo algo.

Como Seu servo e com a vida, família e ministério totalmente dedicados a Seu serviço em favor do Brasil, dediquei tempo para ouvir Sua voz e entender Seus propósitos.

Compreendi, por fim, que o Espírito Santo está estabelecendo nos céus da nação, um tempo de reação para provocar mudanças poderosamente transformadoras.

Ele me disse: "Se o gigante acordou, a Igreja não pode permanecer adormecida!".

Um anseio por mudanças definitivas no Brasil está se manifestando poderosamente no meio secular. Isto é, ainda que inconsciente, o clamor pela manifestação dos filhos de Deus, pois mudanças reais, paz e justiça, só serão implantadas na Terra pela verdadeira Igreja que anda no Espírito. É tempo de orar, jejuar e clamar, como têm dito os profetas.

Lembrei-me de uma recente experiência vivida no dia primeiro deste mês, no encerramento da Convenção da Igreja Nacional do Senhor Jesus Cristo, onde o Espírito de Deus veio sobre mim e me deu uma Palavra Profética que entreguei a todos os presentes naquela noite memorável.

Dentre outras coisas, o Senhor nos disse: "O avivamento gerado com orações, lágrimas e sacrifícios está a caminho. O tempo do avivamento para o Brasil é chegado. Mas ele virá de fora para dentro. Coloquem meu povo nas ruas. Coloquem minha Igreja nas praças, nos ginásios, nos estádios, e nas ruas, diz o Senhor".

Entendo que, neste momento, devemos mobilizar a Igreja de Cristo no Brasil, para ações do lado de fora dos templos.

É por este motivo que me vi impulsionado pelo Espírito Santo a mobilizar um tempo de oração, em unidade, pelas ruas do Brasil.

No dia 13 de julho, às 15 horas, vamos orar nas ruas, vamos orar por avivamento.

Estou pedindo a você que se una a este movimento e nos ajude a mobilizar a Igreja de sua cidade, para juntos enchermos os Céus do Brasil com o clamor do Povo de Deus por um genuíno avivamento.

Todos sabemos que as manifestações têm certo poder, mas que a transformação vem do Alto, e vem em resposta ao clamor da Igreja. A Palavra do Senhor declara isso! (II Crônicas 7.14, Jeremias 29.13, Zacarias 4.6).

Então, amados em Cristo, unamo-nos, movamos nosso povo e que nosso clamor comova o Céu do Brasil.

Dia 13 de julho, às 15:00h, em todo o Brasil, vamos orar nas ruas. Vamos clamar por um avivamento!

Gostaria de pedir, por gentileza, que, se você vai aderir a esta mobilização, nos informe e nos deixe saber o local, o endereço de onde se reunirão para orar nas ruas. Isto será importante para registrarmos quanto nós conseguimos mover em unidade e também porque vamos divulgar o que estiver acontecendo em sua cidade, para que o máximo de pessoas possa se juntar a vocês.

Por favor, ajude-nos em oração e também na mobilização. Pelas mídias sociais (Facebook, Twitter, Blogs, etc.), por todos os meios possíveis, movamos o Povo de Deus e tornemos esse dia memorável, para a glória do Senhor Jesus!

Finalmente, quero lembrar que esta mobilização não é contra ninguém, não é de uma denominação ou de homem qualquer, nem tem um "dono". É pelo Reino, é pelo nome de Jesus Cristo. É em favor do Brasil!

Conto com cada um de vocês, para glória de Cristo e pelo bem do Brasil!"por Dawidh Alves
"Amados irmãos em Cristo Jesus, membros da Igreja do Grande Rei na nação brasileira, graça e paz lhes sejam multiplicadas pelo Espírito Santo, na unidade e em amor!

Em face dos recentes protestos que temos visto em nosso país, em oração entendi que Deus nos estava dizendo algo.

Como Seu servo e com a vida, família e ministério totalmente dedicados a Seu serviço em favor do Brasil, dediquei tempo para ouvir Sua voz e entender Seus propósitos.

Compreendi, por fim, que o Espírito Santo está estabelecendo nos céus da nação, um tempo de reação para provocar mudanças poderosamente transformadoras.

Ele me disse: "Se o gigante acordou, a Igreja não pode permanecer adormecida!".

Um anseio por mudanças definitivas no Brasil está se manifestando poderosamente no meio secular. Isto é, ainda que inconsciente, o clamor pela manifestação dos filhos de Deus, pois mudanças reais, paz e justiça, só serão implantadas na Terra pela verdadeira Igreja que anda no Espírito. É tempo de orar, jejuar e clamar, como têm dito os profetas.

Lembrei-me de uma recente experiência vivida no dia primeiro deste mês, no encerramento da Convenção da Igreja Nacional do Senhor Jesus Cristo, onde o Espírito de Deus veio sobre mim e me deu uma Palavra Profética que entreguei a todos os presentes naquela noite memorável.

Dentre outras coisas, o Senhor nos disse: "O avivamento gerado com orações, lágrimas e sacrifícios está a caminho. O tempo do avivamento para o Brasil é chegado. Mas ele virá de fora para dentro. Coloquem meu povo nas ruas. Coloquem minha Igreja nas praças, nos ginásios, nos estádios, e nas ruas, diz o Senhor".

Entendo que, neste momento, devemos mobilizar a Igreja de Cristo no Brasil, para ações do lado de fora dos templos.

É por este motivo que me vi impulsionado pelo Espírito Santo a mobilizar um tempo de oração, em unidade, pelas ruas do Brasil.

No dia 13 de julho, às 15 horas, vamos orar nas ruas, vamos orar por avivamento.

Estou pedindo a você que se una a este movimento e nos ajude a mobilizar a Igreja de sua cidade, para juntos enchermos os Céus do Brasil com o clamor do Povo de Deus por um genuíno avivamento.

Todos sabemos que as manifestações têm certo poder, mas que a transformação vem do Alto, e vem em resposta ao clamor da Igreja. A Palavra do Senhor declara isso! (II Crônicas 7.14, Jeremias 29.13, Zacarias 4.6).

Então, amados em Cristo, unamo-nos, movamos nosso povo e que nosso clamor comova o Céu do Brasil.

Dia 13 de julho, às 15:00h, em todo o Brasil, vamos orar nas ruas. Vamos clamar por um avivamento!

Gostaria de pedir, por gentileza, que, se você vai aderir a esta mobilização, nos informe e nos deixe saber o local, o endereço de onde se reunirão para orar nas ruas. Isto será importante para registrarmos quanto nós conseguimos mover em unidade e também porque vamos divulgar o que estiver acontecendo em sua cidade, para que o máximo de pessoas possa se juntar a vocês.

Por favor, ajude-nos em oração e também na mobilização. Pelas mídias sociais (Facebook, Twitter, Blogs, etc.), por todos os meios possíveis, movamos o Povo de Deus e tornemos esse dia memorável, para a glória do Senhor Jesus!

Finalmente, quero lembrar que esta mobilização não é contra ninguém, não é de uma denominação ou de homem qualquer, nem tem um "dono". É pelo Reino, é pelo nome de Jesus Cristo. É em favor do Brasil!

Conto com cada um de vocês, para glória de Cristo e pelo bem do Brasil!"
Fonte: Facebook

19.6.13

“Como ser Pai/Mãe Espiritual”

          As pressões e dificuldades que passamos constantemente em nossas vidas são os instrumentos que o Senhor Deus utiliza para que assumamos responsabilidades e O glorifiquemos em nosso viver.

Você faz parte de um grupo selecionado pelo Senhor Jesus, portanto, permita que Ele o instrua com a Sua Palavra e o influencie com Sua Vida para que você possa ser útil na edificação do Edifício de Deus aqui na Terra.

          A realidade oferecida pelo “sistema” é diametralmente oposta àquilo que o Senhor tem reservado para àqueles que O amam. Entretanto, encontramos muitos em nossas igrejas com as mais diversas dúvidas existenciais e também com diversos questionamentos acerca do Reino e da Vontade do Senhor. Nossa função, se quisermos ser pai/mãe espiritual é justamente expor essas crises e questionamentos ao crivo da Palavra de Deus e ao evangelho da Graça e do Reino ofertado por Jesus Cristo

Precisamos urgentemente combater o “evangelho light”, sem a Cruz de Cristo. Nesse falso evangelho, amplamente divulgado a centralidade do culto, no reino dos homens é a cura, prosperidade, sucesso, muito dinheiro, vida boa. Muito diferente do ensino da Palavra de Deus, que sempre focaliza JESUS CRISTO – O Homem que Venceu a Cruz e que foi o modelo de servo fiel e prudente.

          Nossa tarefa vai muito além do que gerar filhos carnais. Somos chamados para sermos pai/mãe espiritual, gerando filhos espirituais e sentindo “dores de parto” como o apóstolo Paulo sentia até Cristo ser formado, conforme registrado em Gálatas 4.19: “Filhinhos meus, por quem de novo sinto dores de parto, até que Cristo seja formado em vós”. Leia mais...


18.6.13

Feliciano aprova proposta sobre 'cura gay'


A Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados, presidida pelo Pastor Marco Feliciano, aprovou nesta tarde o projeto do Deputado João Campos que permite psicólogos realizarem tratamento para "curar" homossexuais.

Existe um parecer do Conselho Federal de Psicologia que proíbe os profissionais de realizarem tratamentos que visem mudar a orientação sexual dos pacientes.

A proposta conhecida como "cura gay" ainda terá que passar pelas comissões de Seguridade Social e Família; e de Constituição e Justiça e da Cidadania antes de ser votada em plenário.

16.6.13

Antes de morrer devido a câncer raro, menino emociona em depoimento sobre o céu: “As ruas são de ouro e Deus estará comigo”; Assista

-Você vai ter um novo corpo no céu?”, pergunta a mãe.
-Sim, responde Silas.
-Como seu corpo vai ser?
-Sem câncer… E eu nunca vou ficar doente!, responde Silas, animado.
-Você vai estar sozinho no céu?, especula a mãe do menino.
-Não. Deus estará comigo. Sabe qual é minha parte favorita sobre o céu? É que todas as ruas são de ouro. E minha segunda coisa favorita é que tudo é muito bom no céu… E Jesus e Deus estarão comigo!

Criança evangélica emociona funcionários de hospital ao cantar “Ressuscita-me” em UTI

14.6.13

Mitos que ameaçam o casamento.

O casamento é obra divina. Foi Deus quem instituiu o casamento e estabeleceu princípios para regê-lo. O casamento é um mistério. Nem mesmo as mentes mais brilhantes conseguem compreendê-lo plenamente. A felicidade no casamento só é alcançada através de muito esforço e constante renúncia, muito investimento e pouca cobrança, muito elogio e cautelosas críticas. Muitos casamentos adoecem e morrem, porque em vez dos cônjuges serem governados pela verdade, acabam sendo enganados por alguns mitos. Levantarei aqui alguns desses mitos:
Em primeiro lugar, eu preciso encontrar a pessoa perfeita para me casar. Essa pessoa não existe. Não viemos de uma família perfeita, não somos uma pessoa perfeita e nem encontraremos uma pessoa perfeita. Além disso, essa ideia já parte de um pressuposto errado, pois é uma afirmação tácita de que já somos uma pessoa perfeita e que o nosso cônjuge é quem precisa se adequar a nós. Esse narcisismo é erro gritante. Produz uma auto-avaliação falsa e inevitavelmente deságua numa relação conjugal adoecida.
Em segundo lugar, se meu cônjuge me ama nunca vai sentir-se atraído(a) por outra pessoa. Há muitas pessoas que depois do casamento descuidam-se da sua aparência. Esquecem-se de que o amor precisa ser constantemente regado e o relacionamento constantemente cultivado. É sabido que os homens são atraídos por aquilo que veem e as mulheres por aquilo que ouvem. Sendo assim, as mulheres precisam ser mais cuidadosas com sua aparência física e os homens mais atentos às suas palavras. A mulher precisa cativar constantemente seu marido e o marido precisa conquistar continuamente sua mulher. Qualquer descuido nessa área pode ser fatal para a felicidade e estabilidade do casamento.
Em terceiro lugar, se meu cônjuge casou-se comigo nunca vai esperar que eu mude. Um cristão não pode adotar o slogan de Gabriela: “Eu nasci assim, eu cresci e eu vou morrer assim”. A indisposição para mudança é um perigo enorme para a felicidade conjugal. Não somos um produto acabado. Estamos em constante transformação. Somos desafiados todos os dias a despojar-nos de coisas inconvenientes e a agregarmos valores importantes à nossa vida. A acomodação no casamento é um retrocesso, pois num mundo em movimento, ficar parado é dar marcha ré. A vida cristã é uma corrida rumo ao alvo. Nosso modelo é Cristo e todos os dias precisamos ser mais parecidos com Jesus. Para isso, precisamos abandonar atitudes pecaminosas e adotar posturas piedosas.
Em quarto lugar, se meu cônjuge me ama, não vai ficar aborrecido com minha possessividade. Ninguém é feliz no casamento perdendo sua individualidade. Ninguém sente-se confortável sendo sufocado. Ninguém tem prazer em viver no cabresto, sendo vigiado a todo tempo. O ciúme é uma doença. Uma doença que se diagnostica por três sintomas: uma pessoa ciumenta vê o que não existe, aumenta o que existe e procura o que não quer achar. Embora marido e mulher devam respeito e fidelidade um ao outro, não podem viver sendo monitorados o tempo todo. Casamento pressupõe confiança. A insegurança produz a possessividade e a possessividade gera o controle e o controle estrangula a relação.
Em quinto lugar, se meu cônjuge me ama, nunca vai discordar de mim. O casamento não é a união de dois iguais. Homem e mulher são dois universos distintos. A ideia de almas gêmeas é absolutamente equivocada. O impressionante do casamento é que, sendo tão diferentes, homem e mulher são unidos numa aliança indissolúvel, para se tornarem uma só carne. As diferenças existem, entretanto, não para destruir o relacionamento, mas para enriquecê-lo; não para separar o casal, mas para complementar a relação conjugal.
Por 

12.6.13

DEUS É ESPECIALISTA EM COISAS NOVAS


“Eis que faço novas todas as coisas.” 
Ap 21.5







O que nos parece ser o fim, pode ser apenas o lugar onde Deus está começando. Elias estava na caverna pedindo a morte. Na hora que vêm os mais duros golpes da solidão e os pensamentos mais turbulentos, entrar numa caverna de nada vai adiantar. O Deus que se assenta no trono é o mesmo que entra nas nossas cavernas existenciais para nos arrancar de lá e nos colocar num lugar espaçoso. Elias perdeu a esperança. O Deus da esperança continuou investindo nele. Elias perdeu o sentido da vida. Elias perdeu o foco de Deus, porém o Senhor continuou focado nele.

Não acredite na mentira do diabo de que Deus gosta de nos ver sofrer, que ele é indiferente, que nos abandona e que dá mais importância para os ímpios. Renove sua expectativa de fé. Continue lutando e semeando, porque quem semeia voltará com júbilo trazendo os seus molhos. Lance a semente e espere em Deus, porque ela vai brotar, crescer e frutificar. Hoje é o dia que o Senhor fez. Comece-o e viva-o com seus olhos cheios de fé na esperança da glória de Cristo. Novas coisas estão por vir. Espere no Deus da esperança!

Pai querido, ajuda-me a enxergar coisas novas da tua parte na minha vida hoje. Sei que há um novo e vivo caminho. Quero continuar andando nele. Em nome de Jesus, amém!

www.cadadia.com.br

6.6.13

Os cristãos tomam a praça do Congresso, mas são banidos do noticiário

Reinaldo Azevedo, jornalista e colunista da Veja online, publicou um artigo sobre a manifestação pacífica realizada em Brasília-DF.



Organizada pelos evangélicos e liderada por Silas Malafaia, a manifestação foi em defesa da família tradicional, da liberdade de expressão, contra o casamento gay, a homofobia, e o aborto. 

O jornalista critica a ausência do evento nas pautas jornalísticas, em comparação a outros recentes eventos. Confira o artigo na íntegra:

Milhares de cristãos tomaram o gramado em frente ao Congresso Nacional nesta quarta-feira. A manifestação conta com o apoio de diversas denominações, inclusive de correntes católicas. Às 17h30, os organizadores do evento anunciavam a presença de 70 mil pessoas; a Polícia Militar do Distrito Federal estimava em 40 mil. Que outra força consegue reunir tanta gente num dia útil? Não sei. O que espanta, no entanto, não é isso, não. A exemplo do que aconteceu com a Marcha para Jesus, no Rio, no último dia 25 (que pode ter levado até 500 mil pessoas às ruas), também a manifestação de hoje foi editorialmente ignorada pela grande imprensa. Qualquer protesto de meia dúzia de gatos-pingados merece muito mais espaço.

Há uma clara manifestação de arrogância em relação às opiniões e às convicções de milhões de brasileiros, ali representados por muitos milhares. Parece que se parte do seguinte princípio: “Se eu não noticio, então não existe”. A mera comparação pode ser devastadora para aqueles que dizem seguir um jornalismo isento e independente. Todos os protestos contra o Marco Feliciano, por exemplo, que reuniam, muitas vezes, não mais do que duas ou três dezenas de pessoas, mereceram ampla cobertura da imprensa. Até as manifestações de pura truculência às portas de templos religiosos em que ele pregaria ganharam ampla visibilidade.

Os que discordam do ponto de vista dos evangélicos podem achar que esse é, sim, um bom caminho. Afinal, como consideram “reacionária” a pauta daqueles cristãos, acham correto que a imprensa abra mão de seu papel, que é noticiar o que sabe, o que apura e o que vê. Trata-se de um engano fatal, amigo! Amanhã, essa mesma imprensa pode ignorar algum outro assunto que você considera fundamental porque está fora da sua (dela) agenda.

É claro que sempre se pode adotar o paradigma Luís Roberto Barroso (sim, ainda falarei de sua sabatina): imprensa boa e isenta é aquela que pensa o que pensamos; imprensa ruim e parcial é aquela da qual discordamos…
Com informações do Guia-me

5.6.13

ARRAIÁ GOSPEL

Se festa junina é pagã, por que algumas igrejas promovem festas jesuínas?

A realização de festas jesuínas ainda divide opiniões, pelo fato de a festa junina, que as inspirou, estar relacionada à festa pagã do solstício de verão. Essa festa foi reeditada pelos católicos na Idade Média, passando a ser conhecida primeiro como festa joanina, por comemorar São João, o apóstolo João, e posteriormente como junina, por ser celebrada no mês de junho.

Essa festa entrou em nosso folclore por influência dos portugueses, nossos colonizadores. As comidas típicas, as canções e as roupas caipiras são uma clara referência ao povo campestre, que povoou principalmente o nordeste do Brasil. Os enfeites de papel, os balões de ar quente e a bombinhas de pólvora apontam para as novidades que os portugueses descobriam nos continentes que visitavam e exploravam.

Essas festas folclóricas foram reeditadas pelos evangélicos para fins evangelísticos; para atrair as pessoas que vão a festas juninas tradicionais. O foco não são as comidas típicas nem promover cantores de “forró gospel”, e sim Jesus.

Por meio dessa estratégia, muitas pessoas que não conhecem o evangelho podem ouvir canções que falam do amor de Deus, receber uma oração e ter a oportunidade de entregar sua vida a Cristo. No mínimo, ela terá a oportunidade de travar contato com os cristãos, constatar sua alegria saudável e despertar para o fato de que Deus está de braços abertos para ela também experimentar novidade de vida.

Isso porque, nos eventos realizados pelas igrejas evangélicas, não há bebidas alcoólicas, drogas, brigas nem idolatria. Esse diferencial chama a atenção dos que não conhecem Cristo. Para isso, é claro, todos os que estão envolvidos com a festa jesuína precisam ser sábios em suas atitudes e comportar-se com cordialidade e simpatia, sem deixar de ser sal da terra e luz do mundo, a fim de atrair os pecadores a Cristo.

Sendo assim, respeite aqueles que são mais tradicionais e não apoiam de maneira alguma as festas jesuínas. Mas não critique os que aproveitam essa festividade.

Por Silas Malafaia

4.6.13

AINDA HÁ ESPERANÇA!

“Agora, pois, permanecem a fé, 
a esperança e o amor.” 
1 Co 13.13



Na cultura brasileira existe um dito popular, que diz: “A esperança é a última que morre”. Na verdade, este dito contraria o princípio bíblico de 1 Coríntios 13.13, que nos diz que a esperança não morre, mas permanece para sempre. A esperança em Cristo nunca morre. É bem verdade que muitas vezes passamos por situações que parece não haver mais esperança, situações onde nos encontramos num beco sem saída. Nessas horas de tribulação, provação, até mesmo de angústia e desespero, as circunstâncias parecem ser maiores do que nós, e sentimo-nos derrotados, fracassados, impotentes e sem esperança.

Foi assim com Marta, quando seu irmão Lázaro adoeceu e morreu quatro dias antes de Jesus chegar a Betânia. Disse Marta a Jesus: “Se estiveras aqui, meu irmão não teria morrido”. Declarou Jesus: “Teu irmão há de ressurgir”(Jo 11.21 e 23). Ele é o mesmo! Continuemos crendo como os servos de Deus que nunca desistiram e presenciaram milagres em suas vidas. Temos experimentado as doces intervenções de Deus em nossa história porque esperamos somente em Cristo.

Senhor, dê-me a graça de permanecer esperando somente em ti. Só presenciarei grandes coisas em minha vida confiando na tua providência. Em nome de Jesus, amém!

3.6.13

37% dos brasileiros não aceitariam filho homossexual, segundo pesquisa.

O Instituto Data Popular divulgou uma pesquisa que aponta que 37% dos brasileiros não aceitariam ter um filho ou filha homossexual. O estudo foi divulgado na sexta-feira (31) dias antes da 17º Parada do Orgulho Gay de São Paulo, o maior evento do segmento no Brasil.

A empresa ouviu 1.264 pessoas de diversos estados brasileiros no primeiro trimestre do ano para chegar a esta conclusão. Na divisão por gênero ficou provado que 45% dos homens que responderam a entrevista não gostariam de ter um filho/a homossexual contra 35% das mulheres.

Na divisão por idade os entrevistados com mais de 50 anos se mostraram mais avessos a esta situação, 46% deles disseram que não aceitariam. O número cai para 37% na faixa etária de 35 a 49 anos; 33% entre jovens de 25 a 34 anos e 26% entre aqueles com idades entre 16 a 24 anos.

A segunda pergunta realizada neste estudo era sobre os direitos civis aos casais homossexuais, 38% dos entrevistados não concordam que os direitos sejam os mesmos dos heterossexuais.

Foram 47% dos homens, contra 35% das mulheres que rejeitaram a equiparação de direitos. O que surpreende é que neste ponto a resposta dos entrevistados mais novos é maior, 35% das pessoas com mais de 16 anos e menos de 24 são contra.

Os participantes do estudo com idades entre 25 e 34 anos marcaram 32%; de 35 a 49 anos 34% e com mais de 50 anos 47%.

“Os números reforçam que o preconceito da sociedade para com os homossexuais existe, tanto dentro de casa, quanto fora dela”, disse Renato Meirelles, sócio diretor do Instituto Data Popular. Com informações do Gospel Prime