30.7.08

O PODER DAS MULHERES



As mulheres são os seres mais poderosos da Terra. Sexo frágil? Qual? Na realidade o que se deveria dizer é que sexo é o fraco dos homens, e o forte das mulheres. Como? Ora, desde sempre foi assim. A própria narrativa do Gênesis diz que a mulher foi quem persuadiu o homem a comer do fruto. Sim, a mulher tem poder para fazer o homem comer qualquer fruto.

De fato, tal poder de persuasão decorre dessa força frágil, que geme, que pede, que insinua, que paga com “alegrias”, que põe o homem no caminho do desejo de possuir, sem saber que ele é o possuído; isto quando a mulher é sábia.

Na minha maneira de ver não há nada de errado em possuir tal poder. Afinal, essa persuasão é uma dádiva divina. O problema é que na maioria das vezes esse poder é usado de modo burro e insensato. Sim, porque ao invés de se persuadir para o que bom, para o que concilia e promove a paz, e para tudo aquilo que possa ser sedução da sensatez, essa força é, muitas vezes, apenas usada para manipular e para negociar com o homem, e nos termos distorcidos dos machos.

Assim, esse maravilhoso poder passa a só ser percebido como sedução sexual, e quase nunca como poder para exercer a persuasão da sabedoria. Isto porque é minha convicção que toda mulher que decide usar esse poder para o bem, vem a tornar-se o ser mais desejável e bem-aventurado que pode existir na vida.

Infelizmente, no entanto, as invejas, as vaidades, as competições pequenas, e a mesquinharia, acabam por fazer com tal poder acabe por ser quase sempre apenas sedução para a guerra ou para a manipulação que torna a mulher menos mulher, e mais parecida com o homem.

Na realidade as mulheres parecem ter perdido a ambição da persuasão da sabedoria. De fato, a mulher sábia está fora de moda, e as que ainda existem têm medo de se manifestar, visto que sensatez virou caretice para boa parte das mulheres.

Então, vê-se essa virtude e poder sendo usados para se ‘revolver’ no pior da vida, e não para propor e viver a vida que constrange pela sabedoria.

De fato me alegro imensamente quando encontro uma mulher que é mais confiante na sabedoria do que na sedução, e mais comprometida com o poder do bom senso do que com a capacidade de usar seu poder para coisas pequenas, embora consideradas intocáveis como espertezas femininas.

Todo fruto, mesmo que venenoso, sendo dado por uma mulher, tem o poder de se tornar irresistível. Mas a mulher precisa recuperar a percepção de que sua grande força é ser mulher que persuade para o bem.

Não é à toa que Paulo diz que a mulher é a glória do homem!

“Glória”, antes de ser nome de mulher, deve ser o estado saudável do ser feminino.


Caio Fábio

29.7.08

A Igreja Perseguida 10 - China

Bandeira da CHINAEm décimo lugar na intolerância religiosa está a China. Se trata de um país grande e com muitas contradições. Há cristãos que têm a liberdade de culto restrita, mas também há áreas em que a situação não é tão fechada. Algumas sanções severas do governo contra os cristãos foram motivadas pelas preparações para os Jogos Olímpicos, que vão acontecer em agosto de 2008, e não por motivos anticristãos. O governo quer garantir que não haja nenhuma instabilidade durante o ano de 2008. A forma como eles querem realizar isso difere de uma área para outra e de uma situação para outra.

Algumas vezes, usaram de cortesia sem precedentes, mas também há relatos de invasão de igrejas não registradas e de prisões. Um número sem precedentes de estrangeiros cristãos que vivem como missionários na China foi expulso do país em 2007. Fontes infiltradas no governo chinês relataram o lançamento dessa campanha maciça de expulsão. Acredita-se que essa campanha, intitulada Furacão Nº 5, é parte do esforço “antiinfiltração” de impedir que estrangeiros cristãos se engajem em atividades missionárias antes da Olimpíada de Beijing.

Em 2007, muitas igrejas não registradas foram invadidas, e cristãos presos; o governo, em alguns casos, usou de violência física contra os cristãos. Embora a situação na China seja diferente de uma região para outra, muitos cristãos continuam a ter dificuldade em praticar sua fé.

Dados gerais

Capital Pequim
População 1,32 bilhões (40,5% urbana)
Área 9.596.961 km2
Localização Leste da Ásia
Idiomas Mandarim, dialetos chineses
Religião Sem religião e ateus 50,3%, crenças populares 32,6%, budismo 8,4%, cristianismo 11,1%, islamismo 1,5%
População cristã 60-80 milhões de protestantes; 12-20 milhões de católicos
Perseguição Limitações severas
Restrições O registro das igrejas é obrigatório e a evangelização é proibida fora das comunidades registradas.; A evangelização de jovens com menos de 18 anos de idade não é permitida e pastores podem ser presos e sentenciados a campos de trabalhos forçados

ORE PELA CHINA

1. Louve a Deus pelo assombroso crescimento da Igreja. Ore para que a perseguição seja atenuada, para que materiais de treinamento sejam desenvolvidos e para que as Bíblias tornem-se cada vez mais acessíveis, impedindo assim o avanço de heresias.

2. Os líderes cristãos chineses sofrem muito pelo evangelho. Ore pelos milhares de evangelistas e pastores chineses que enfrentam noites de insônia, separação de suas famílias, reuniões secretas e risco de prisão a fim de pastorear seus rebanhos. Muitos têm treinamento insuficiente e poucos recursos, mas ainda assim viajam constantemente para compartilhar o que sabem.

3. O crescimento econômico chinês é visto como um grande desafio para a Igreja. Os cristãos chineses julgam que a perseguição é uma bênção. A principal preocupação dos pastores é o efeito que o materialismo decorrente da crescente economia chinesa pode provocar nos cristãos.

4. Muitos pastores têm sido enviados a campos de trabalho. A comida é ruim e o trabalho é muito pesado, porém muitos são capazes de pregar e formar igrejas dentro dos campos. Alguns o fazem de forma tão eficiente que são até confinados na solitária para evitar que preguem o evangelho.

5. A Igreja sofre com a grande falta de unidade. Muitos líderes das igrejas registradas e das não registradas têm medo e desconfiança entre si. Alguns acusam o Movimento Patriótico das Três Autonomias de traição, enquanto seus líderes acreditam que as igrejas não registradas estão em pecado por agir contra o governo. Ore para que estas divisões entre os líderes sejam eliminadas e haja reconciliação entre eles.

6. A China sofre com a falta de recursos para a evangelização. Louve a Deus pelas muitas ferramentas de evangelismo que são levadas ao país todos os anos. Materiais impressos e vídeos resultam em inúmeros novos convertidos por cópia distribuída. Ore para que a quantidade de materiais levados ao país aumente.

Fonte:www.evangelizabrasil.com/

Brasil é o 3º país mais religioso entre os jovens, diz pesquisa

BRASIL - Um levantamento realizado em 21 países constatou que o Brasil possui a terceira população jovem mais religiosa do mundo. Segundo pesquisa do instituto alemão Bertelsmann Stiftung, 65% dos jovens brasileiros são considerados "profundamente religiosos".

Empatado com a Indonésia e o Marrocos --países de maioria muçulmana--, o Brasil fica atrás apenas da Nigéria e da Guatemala, primeiro e segundo lugar, respectivamente. Um total de 21 mil jovens entre 18 a 29 anos participaram da pesquisa alemã.

Em âmbito global, mais de quatro entre cada cinco jovens (85%) são religiosos, e quase metade (44%) são profundamente religiosos. Apenas 13% não acreditam em Deus ou não têm religião, de acordo com a sondagem.

No Brasil, 65% dos jovens se declaram profundamente religiosos, 30% se dizem religiosos e 4% afirmam não ter religião. Apesar de 74% dos brasileiros declararem que rezam diariamente, somente 35% disseram viver de acordo com os preceitos religiosos.

Plano intelectual

"A pesquisa mostra que só um terço dos jovens (brasileiros) se dizem convencidos de que devem seguir os mandamentos de sua religião, ou que estão dispostos a obedecer os mandamentos religiosos", afirmou o sociólogo Flávio Pierucci à Folha Online.

"Primeiramente, é um traço muito moderno da juventude brasileira, que mostra ser mais moderna do que parece", disse ele, professor titular de sociologia da FFLCH (Ciências Sociais) da USP.

"A tendência é reduzir a religião a uma coleção de crenças", afirma Pierucci. Para o professor, quando se reduz a religião "a uma simples adesão intelectual, começa-se a fazer misturas (de religiões)".

"Não significa, necessariamente, que se está sendo orientado por aquelas idéias religiosas", explica Pierucci. "A vida pode ser orientada por outras coisas, por uma relação mais pragmática com a realidade - mesmo na vida em família, há muito mais um processo de negociação do que se deve fazer do que uma postura de abaixar a cabeça e dizer, "Deus mandou eu fazer assim, vou fazer assim"."

Sobre o número de não-religiosos, o sociólogo afirma que o grupo é uma parcela crescente da população. "O censo de 2000 apontava que 7,3% da população brasileira se declaravam sem religião, o que já representou um crescimento bastante grande em relação ao censo de 1991, que apontava pouco mais de 2%."

"Mercado religioso"

No entanto, ele afirma que se declarar sem religião não significa necessariamente que a pessoa não tem fé. "Pode ser que, em outro momento do questionário, ao ser questionada se acredita em Deus, ela irá dizer que acredita", explica ele. "A tendência é as pessoas não terem mais problema em dizer que não têm religião, embora acreditem em Deus e cheguem a rezar nos momentos de fraqueza, perigo ou desamparo."

Mais de 90% dos brasileiros dizem acreditar em Deus e em vida após a morte, de acordo com o estudo alemão.

Quanto ao esforço da Igreja Católica para arregimentar novos seminaristas, apesar da alta religiosidade no mundo, Pierucci afirma que o fato se deve à "diversidade religiosa atual". Segundo o sociólogo, com a liberdade religiosa, incrementa-se o que a sociologia chama de "mercado concorrencial religioso".

"Cada vez aparecem novas religiões ou modificações das já existentes, que vão proliferando. Cria-se, então, um ambiente muito cheio de oferta religiosa", diz ele.

"Um jovem acha na internet qualquer coisa --ele pode entrar em um site islâmico, pode ter curiosidade sobre a cientologia, a religião do ator Tom Cruise, ele pode se informar sobre uma seita como o Santo Daime. A religião fica mais viva", afirma.

"Em vez de a crença morrer, ela se multiplica de diferentes formas. As maiorias religiosas vão sendo predadas", analisa.

Pequena oração

Para Pierucci, a religião representa, nas vidas das pessoas, uma "pequena oração diária, no máximo, um ou dois minutos".

"Então você tem uma situação aparentemente contraditória --uma população muito religiosa, como a brasileira, que gosta de religião e a respeita, a pesquisa mostra bem isso", afirma o sociólogo.

"A sociedade brasileira valoriza a religião, mas não segue nenhuma, porque elas costumam ser muito exigentes. Há apenas uma minoria que segue, o resto não tem nem tempo para isso."

No ranking criado pelo instituto alemão, a Rússia aparece como o país onde os jovens são os menos religiosos. Segundo o levantamento, apenas em Israel a juventude é mais religiosa que a população adulta.

De acordo com Matthias Jäger, responsável pelo projeto "O Papel da Religião na Sociedade Moderna", do instituto alemão, a pesquisa "desfaz a noção de que decrescentes níveis de religiosidade são inversamente proporcionais ao progresso econômico, social e cultural".

Para o pesquisador, a principal conclusão da pesquisa é a de que "a religião desempenha um papel muito mais importante internacionalmente do que geralmente se assume de uma perspectiva ocidental e européia". "A Europa é a exceção à regra", afirmou o pesquisador, por e-mail.

Para ler a matéria na íntegra e acompanhar os gráficos com hábitos de orar e o ranking dos países, clique aqui.

Fonte: Folha Online







28.7.08

E se o sal não salgar?

Ricardo Gondim.

Infelizmente o mundo gospel, (neopentecostal ou evangélico) vem se tornando conhecido pelo seu nanismo cultural, superficialismo ético, pragmatismo burguês e cinismo teológico.

Embora continue embriagado com seus discursos triunfalistas, dá um tiro no próprio pé quando insiste em ter primazia sobre a Verdade e ser, ao mesmo tempo, motivo de chacota nacional.

Infelizmente, convive com uma religiosidade sem compromisso com o passado, sem tradição, sem hereditariedade (sempre existem maldições em algum ancestral) e sem futuro. Os evangélicos não se enfastiam das novidades efêmeras, provisórias, e não se assustam com sua descontinuidade histórica.

São massacrados pelo presente, pois não possuem projeto futuro. Ora, quem vive precisa de alvos, porém, quando se perdem os horizontes utópicos, acaba-se a vitalidade. Tudo fica aborrecido, sem criatividade. Não existe nada mais repetitivo do que o “evangeliquês” dos novos apóstolos.

Os neopentecostais desenvolveram uma espiritualidade “templista”, sem vínculos comunitários. Sacralizam-se os prédios, valorizam-se os mega ajuntamentos, mas não se promovem relacionamentos. As pessoas se sentem sozinhas e autônomas no meio de uma multidão. Vão à igreja como quem vai a qualquer lugar público, sem sentimento de pertencimento.

Para azeitar financeiramente sua máquina religiosa, o neopentecostalismo convive bem com misticismos e sabe dar explicações mágicas para a cruel realidade que o rodeia. Sua fé não precisa de racionalidade nem dialoga com as ciências sociais.

O movimento evangélico tornou-se refém do marketing e anseia dominar o mundo midiático. O autêntico testemunho evangélico se perdeu pela importância que o cenário televisivo ganhou como veículo de propagação da mensagem. Hoje o anúncio da fé fica em segundo plano, diante da força da imagem - que transforma tudo em simulacro.

Resultado: os neopentecostais se firmaram como um supermercado de serviços (e produtos) religiosos, e o fiel, percebido como um consumidor (anualmente acontece a Feira do Consumidor Cristão, jocosamente apelidade de "Expo-Babilônia").

Com um discurso competente e bem afinado com os desejos das massas, o neopentecostalismo tornou-se quase hegemônico, conseguindo esvaziar igrejas históricas e pressionar os antigos pentecostais a também adotarem seus métodos, que funcionam e enchem auditórios.

Vaidosos de sua fidelidade apostólica e gabolas de sua eleição como a “chuva serôdia”, os evangélicos já revelam seu triste fim: ser sal que não serve para salgar. Lamentavelmente!

Soli Deo Gloria.

27.7.08

Porque Deus quer lhe Curar - Hernane Santos

Texto Básico: Isaias 53.4

As escrituras nos revelam a natureza de Deus.
Mas a Bíblia também nos mostra o sentimento de Deus em relação á doença e ao pecado.
Deus não mudou a sua maneira de pensar em relação ao pecado e tão pouco a doença.
Se Deus não atura o pecado ele também não ira aceitar a doença.

Fique sabendo porque Deus não atura a doença.

1- A doença é uma afronta a palavra de Deus.

A Bíblia diz: Eu sou o Senhor que te sara.
A Bíblia diz: Pelas suas pisaduras fomos sarados.
A Bíblia diz: Ele tomou sobre si todas as nossas Enfermidades.
A Bíblia diz: Se me obedecerdes, Eu tirarei do meio de Vós todas as enfermidades.
A Bíblia diz: Que por onde Jesus passava todos eram curados.

Antes mesmo de você ficar doente, você já esta curado, pois a Bíblia diz que fomos sarados, ela não diz, que seremos sarados, mais diz, fomos. Se amanha acontecer de você ficar doente, lembre-se, você já esta curado.

2- É desejo de Deus curar

você, porque a cura está no seu plano de redenção.
A cruz foi onde ele nos redimiu. Em Isaias diz que Ele Jesus levou sobre si os nossos pecados e nossas enfermidades. Então o propósito da Cruz não foi apenas fazer você se arrepender dos seus pecados e receber perdão, é também lugar que você recebe a cura. Na cruz de Cristo estava cura e perdão. Isso que é verdadeiramente redenção.
Quando você olha para frente da Cruz, você vê perdão, quando você olha para as costas da cruz, você vê cura. Nunca se esqueça das costas de Cristo, pois é lá que esta a nossa cura. Aleluia.
O propósito da cura é o mesmo propósito do perdão. Toda pessoa que é curado ela também naquele momento foi perdoada. Ex. Homem perdoado estão os teus pecados.
Assim como é da vontade de Deus salvar o pecador, é da sua vontade também curar o doente, pois na mesma cruz, Jesus levou pecado e doença.
3- A doença vem de Satanás

É desejo de Deus curar você, porque a doença vem de satanás e não de Deus, e Deus não quer que seus filhos tenham algo que pertença a satanás. Base para dizer que a doença vem do diabo.

Como Deus ungiu a Jesus de Nazaré com o Espírito Santo e com virtude; o qual andou
fazendo o bem e curando a todos os oprimidos do diabo porque Deus era com Ele.
Atos 10.38

Notem que todas essas pessoas que Jesus curou, a Bíblia diz que elas eram oprimidas do diabo então veja que a Bíblia chama a doença de opressão satânica. Quando nós começarmos a tratar as doenças e as enfermidades como nós tratamos o pecado e o diabo, você verá que da mesma
maneira que vencemos sempre o pecado e o diabo, iremos vencer também a doença.
Eu tenho a certeza que a maioria de vocês receberam a Cristo como seu salvador.
Mais assim como você um dia recebeu a Cristo como seu salvador, assim também terá que recebê-lo como seu curador.

Venha receber a Cristo como seu curador.

Fonte: Missão Vem

Sonhos de um jovem!

Nunca desisti dos meus sonhos, nunca pensei em olhar atrás, nunca reclamei dos meus erros. Penso que tudo que aconteceu até aqui foi muito bom,muito legal, mas, sei que tem mais.

O melhor de Deus ainda está por vir, quero aprender a ver o melhor das pessoas e se possível deixar de ver seus erros. Sei que deixar de ver seus erros parece loucura, pois todos erram, mas preciso olhar mais para as coisas boas das pessoas, quero aprender a ouví-las mais e quero poder dar esperança para aquelas que nunca puderam um dia sequer sonhar.

Quero ser um transformador de sonhos apesar de saber que é Deus quem nos dá os sonhos e é ele que os realiza. Eu quero ser um instrumento que seja capaz de levar as pessoas aos sonhos de Deus. Sonhar não custa nada, realizá-los, basta crer.

Quero levar essa mensagem a muitos jovens do meu país, quero mostrá-los que tudo que precisam é crer que Deus é poderoso para realizar cada sonho que está em seus corações. Sonho com jovens vivendo a plenitude do amor de Deus amando a igreja local, amando servir ao Senhor, jovens com personalidade que não trocam o seu chamado por qualquer prato de lentilha.

Sonho com jovens que sabem o que querem e sabem quem são, sonho com jovens vibrantes que louvam e exaltam a Deus pela nova vida que agora vivem. Sonho com jovens bem sucedidos, que sabem plantar, que sonham, que vivem para realizar esses sonhos,jovens alegres que amam a vida e que amam viver.

Sonho com jovens amigos,jovens irmãos,jovens pastores,lideres,jovens casados,jovens felizes no amor,jovens que superam toda a dor,jovens transformadores de nações,que arrastam multidões,que sonharam comigo,sonho com jovens que serão meus amigos, sonho com jovens..., preciso acordar logo para mover esse mundo! Preciso acordar logo para viver isso tudo!!!

::Por Felippe Valadão
felippe.valadao@lagoinha.com

Fonte: Lagoinha.com

Só o poder de DEUS !!!

Se para muitos a notícia do garoto Gabriel Alexandre da Silva, de 11 anos, que se defendeu do ataque de um pitbull mordendo o animal, pareceu surpreendente, a história de um garotinho de 9 meses é ainda mais incrível! Com os únicos três dentes que têm, o bebê matou com três mordidas uma cobra coral ‑ considerada por especialistas como uma das mais venenosas existentes no Brasil.

O animal, com cerca de 1 m de comprimento, teria atacado a criança, quando ela brincava no chão de casa, em uma fazenda na zona rural Pedro Leopoldo - MG, na região metropolitana da capital. Como também foi ferido na boca e na mão pela cobra, o bebê precisou ser encaminhado às pressas até um hospital. Ele está internado no Hospital Infantil João Paulo II, em Belo Horizonte, e passa bem. Ontem, a mãe dele, a dona de casa setelagoana Ana Cláudia Barbosa da Silva, de 20 anos, contou que, por pouco o filho não morreu, envenenado.

A médica Solange de Lourdes Silva Magalhães, plantonista setor de toxicologia do HPS João XXIII, a primeira a atender a criança, contou que o menino chegou ao hospital com quadro grave de intoxicação. Segundo a médica, o bebê apresentava secreção na boca e ainda sofreu uma parada respiratória por causa do veneno da cobra.

De acordo com especialistas a serpente foi levada para o laboratório do setor de toxicológico do HPS. Ela disse que o animal já chegou morto e apresentava algumas marcas de mordidas na cabeça o que, possivelmente, foi à causa da morte. Segundo Solange, a cobra foi incluída em um banco de dados do HPS.

Ana Cláudia contou que o incidente aconteceu na quinta‑feira da semana passada. Ela disse que o bebê estava brincando com a irmã, de 4 anos, próximo de um fogão de lenha.. A dona dá casa lembra que estava em outro cômodo da casa quando ouviu os gritos da filha. Quando cheguei, a cobra estava toda enrolada no braço do meu filho e a cabeça entre os dentinhos. “Ele estava rindo e colocava e tirava a cobra da boca como se fosse um brinquedo”, afirmou a mulher, Com o filho no colo, a dona de casa disse que ela, o marido e os vizinhos correram para um hospital em busca de socorro.

Recuperação Surpreendente

Os médicos que atenderam o bebê se disseram surpresos com a rápida recuperação do menino, que em dois dias saiu do CTI e está internado no setor de enfemaria. Apesar de não ter a previsão de alta da criança a médica Solange Magalhães disse que a resposta do menino ao tratamento foi muito positiva. ‘Foi uma surpresa muito agradável, afirmou. De acordo com o coordenador médico do Centro de Toxicologia do HPS, e presidente da Sociedade Brasileira de Toxicologia, Délio Campolina, o veneno produzido por uma cobra adulta da espécie que atacou a criança tem capacidade de matar até mesmo um boi de meia tonelada. Ele afirmou que a letalidade, nesses casos, depende da quantidade de veneno injetado e da resistência da vítima.

“No caso deste menino, o fato de ele ter sido atendido rapidamente com um tratamento eficiente foi fundamental para que ele sobrevivesse”, explicou. Campolina afirmou que, em média, dois ataques de cobra coral são registrados por ano no HPS, o que representa apenas 1 % do total de casos.

Aliviada com a recuperação do filho, Ana Claudia da Silva contou como foi o ataque do animal. Ela disse que o filho internado no Hospital Infantil João Paulo II, foi até apelidado de “o herói da cobra”, A mulher acredita que um milagre salvou o filho da morte. “Ele é xodó do hospital”. Médicos, plantonistas e um monte de gente foi lá para saber da história, contou.

Por: Raphael Ramos

Fonte: Super Notícia edição de 25/07/2008

23.7.08

CELIBATO

“Não é bom que o homem esteja só, far-lhe-ei uma auxiliadora que lhe seja idônea”, assim inicia a Bíblia, citando Deus, numa das afirmações mais antigas sobre a demanda mais essencial da alma humana: o amor e encontro. O fascinante dessa declaração divina é o contexto no qual ela aconteceu. A criação estava novinha em folha. O homem vivia num paraíso. Ouvia a voz de Deus todos os dias ao por do sol e se comunicava com as demais criaturas em plena harmonia. Alem disso o homem ainda usava os 100% de sua mente e não apenas os cerca de 8% que hoje utilizamos. Dessa forma ele possuía capacidade telepática e uma espécie intuição-instintual e um instinto-intuitivo, que lhe garantiam sintonia fina com todas as dimensões da vida.

Ora, o homem falava com o Criador e com todas as criaturas mas ainda assim se sentia esta só. Que ironia? Tinha tudo, mas faltava-lhe uma mulher. A mulher não é tudo mas nada é tudo sem uma mulher!

Aqui, neste ponto, aprendemos que há coisas que o ser humano só encontra no Criador (seus significados essenciais), outras que ele só encontra na criação ( seus significados históricos) e, por ultimo, outras que ele só consegue depreender de seus vínculos com os iguais-diferentes, onde a alma se gemina e a boca grita: “Esta sou eu”. -- entre gratidão, perplexidade, êxtase e ardente desejo de sentir o gosto de sua própria carne, na mulher ou esta no homem. Comer nossa carne no outro á a prova de nosso mais primitivo e sadio canibalismo: “É carne de minha carne e osso de meus ossos”.

Assim é que a opção por ficar só, deve ser apenas o fruto de uma de-cisão confortável por parte de que quem assim escolhe. Mas não deve ser jamais pré-requisito para qualquer coisa na vida, incluindo-se, sobretudo, a vida religiosa ou sacerdotal. Até porque a verdadeira experiência do prazer sexual é divina e sagrada e sua linguagem é cultica, tipo: “Estou arrebatado, minha deusa, você é divina, estou em transe, êxtase…”

Para o apostolo Paulo – ele mesmo, aparentemente, um celibatário, o casamento do pastor era assim visto: “O Bispo deve ser marido de uma só mulher … e deve criar os filhos sob disciplina…pois se alguém não sabe como governa a sua própria casa, como governará a igreja de Deus?”. A lógica da declaração é tão esmagadora que dispensa maiores explicações.

Sobre o celibato penso que deveria ser apenas uma questão de opção. No caso da manutenção das leis de celibato terem implicações de natureza econômica sérias para a Igreja Católica – como é obvio que têm – o que se deveria fazer era deixar que os padres e freiras decidissem como desejariam viver e, no caso de fazerem opção pelo vinculo conjugal, dar a eles a incumbência de se auto-sustentarem. Dessa forma, quem tem vocação para o celibato, dependeria da igreja ( também se assim o quisessem); e os que desejam ser sacerdotes mas entendem as limitações financeiras da Igreja Católica Romana quanto a os manterem em seus ofícios, ainda assim poderiam dedicar-se ao sacro-ofício, ao invés de terem de viver no sacrifício. Afinal, todas podem ser as razões para que se imponha o celibato, mas o único lugar onde elas não devem ser buscadas, entretanto, é na Bíblia. Lá, com certeza, elas não estão.

Caio Fábio


22.7.08

Tô a fim de namorar "Pr:Silmar Coelho"


Coisa boa é namorar! Quem já não sofreu de “apaixonite” aguda?
Quem já não sentiu um nó na garganta e as mãos suadas ao trocar um olhar com a pessoa por quem o coração bate incontrolável? Existe um momento na vida de todos nós que namorar é quase uma obsessão. Tenho doces recordações do meu tempo de namoro.
Namorar é maravilhoso! É impossível casar sem namorar. É
nesta fase da vida que duas pessoas irão se conhecer, troca confidências, abrir o coração um ao outro, preparando-se para uma definitiva vida a dois.
Este desejo é legítimo e realizá-lo torna-se imprescindível para o casamento.
Foi Deus quem marcou o primeiro encontro dos enamorados, foi Deus quem ascendeu
à lua, orquestrando os pássaros, e preparando todo o cenário para o primeiro
casal de apaixonados. Deus se alegrou quando viu os olhares lânguidos do
primeiro casal. Ele ficou feliz em ver os rostos dos apaixonados se iluminarem
pelo amor. Sorrindo, Deus os abençoou.
Namorar é preciso! No entanto em busca deste necessário e legítimo desejo, muitas pessoas encontram sofrimento e decepção. Na aspiração de realizar sonhos e encontrar a felicidade algumas se tornam amarguradas e feridas; enquanto outras abusam, usam e se aproveitam dos
corações vulneráveis. Como, então, evitar complicações futuras?
Nasci em Petrópolis, Rio de Janeiro; lá existem muitos poços, onde aprendi a nadar com
meu pai. Papai me ensinou uma simples, sabia e essencial verdade para nadar e
sair vivo de um poço. Nunca mergulhe num poço sem antes dar uma “nadadinha”
primeiro. Descubra se o poço é fundo, se existem pedras no fundo. Quem pula de cabeça num poço pode acabar morrendo.
Este conselho simples se aplica muito bem no namoro. Todo aquele que “pular de cabeça” numa relação, sem conhecer a fundo com quem esta se relacionando, analisando os prós e os contras, pode acabar se ferindo gravemente. O difícil é controlar o desejo e ter o bom senso de dar a “nadadinha”. A tendência de todos nós é mergulhar com a “cara e a coragem”. “Estou amando! Encontrei o homem/mulher da minha vida”, afirmamos imediatamente, partindo “pra cima” praticamos uma intimidade sem volta, crescente e perigosa. A Palavra de Deus, sabiamente afirma em Provérbios 6:27 “Tomará alguém fogo no peito, sem que as suas vestem se incendeiem? Ou andará alguém sobre brasas, sem que se queimem os seus pés?” Muitos dissabores e mágoas seriam evitadas se o sábio conselho de meu pai fosse obedecido.
Outro ponto crucial é que a vida nos sinaliza quando algo não vai bem. A febre é um “sinal” nos alertando que alguma coisa está errada dentro de nós. O ranger constante de um carro que não consegue dar partida, também é um “sinal” de que o carro vai acabar nos deixando no meio do caminho. A desobediência aos alertas que recebemos ao longo da vida produz problemas que poderiam se evitados. Jesus afirmou: “Chegada à tarde, dizeis: Haverá bom tempo, porque o
céu está avermelhado; e, pela manhã: Hoje, haverá tempestade, porque o céu está de um vermelho sombrio. Sabeis na verdade, discernir o aspecto do céu e não podeis discernir os sinais dos tempos?" (Mateus 16:2-3).
É possível prevenir crises e encontrar o amor da sua vida. Para isto, basta apenas dar
ouvidos a "certos sinais”, que soam como um "despertador”, nos alertando dos perigos. Ao ouvir, entender, e obedecer estes "sinais de alerta”, você pode escolher um outro caminho, fazendo pequenas mudanças. Desta maneira, levar seu namoro a um seguro caminho de amor. Eu aprendi desde cedo que todos os aspectos da vida são influenciados pelas escolhas que faço. As circunstâncias e acontecimentos da vida são muitas vezes uma "sacudidela" para nos despertar.
Somente chegaremos ao fim da jornada se acordamos e mudarmos de rumo. Quando
teimosamente continuamos no mesmo caminho e atitude, a despeito dos sinais de alerta para mudarmos de rumo, certamente teremos experiências amargas e desastrosas.
Provavelmente a maioria de vocês assistiu ao filme "Titanic".
O experiente capitão do Titanic recebeu seis avisos de alerta. Os avisos diziam para ele viajar mais devagar, mudar o curso, pegando a rota mais ao sul, onde as águas eram mais quentes, evitando assim os icebergs. Ele ignorou teimosamente todos os avisos de alerta. Como ele era o capitão, ele pensou, "Este navio nunca afundará!" Então, ouviu-se um estrondo pavoroso, e o gigante e poderoso navio atingiu uma enorme montanha de gelo. Ele afundou rápida e
desastrosamente. Quem não muda de rumo quando recebe um sinal de alerta é
candidato ao desastre. Quem muda o curso de sua vida quando avisado pode evitar o desastre e celebrar a viagem.
Este é um tremendo princípio que podemos aprender do Titanic. E este é também o maior de todos os segredos para fazer com que o amor dure para sempre. Esteja atento aos sinais de alerta da sua caminhada; dê ouvido a estes sinais; abra bem os olhos para enxergar estes
avisos. Assim, você poderá mudar de rumo rapidamente, sem comprometer sua
felicidade.
No entanto, quando estamos apaixonados, muitas vezes, nossos ouvidos ficam fechados aos inúmeros sinais de alerta que a própria relação nos oferece. Vejamos alguns sinais de alerta que afirmam que a relação precisa ser repensada.

1. O rapaz grita com a mãe. Ele vai gritar com a esposa.
2. Existe um descontrole financeiro no namoro, vai haver no casamento.
3. O namoro os afasta da vida com Deus.
4. Ele é violento.
5. Ela não permite que ele converse com outras meninas.
6. A paixão causa sofrimento, é doentia.
7. Alguém não se dá com a própria família ou com a do outro.
8. Um dos dois não é cristão.
9. Um dos dois não se envolve com a igreja.
10. A intimidade está indo longe demais.
11. Culpa
12. Discussões constantes

A lista é imensa. Certamente, enquanto você lê este artigo os “sinais de alerta” já estão despertando a sua consciência. Muitos apaixonados perdem o bom senso. Eles fecham os ouvidos e os olhos para estes sinais, quando acordam é tarde demais. O que começa errado acaba errado.
Caro leitor vá devagar, não “mergulhe de cabeça” numa paixão desenfreada ou você pode se dar mal. Ouça os sinais de alerta a sua volta! Mude de rumo, ou você vai “afundar”. O desejo de Deus é a sua total felicidade.
Permita que Ele guie a sua vida amorosa. Ilumine os seus passos com a luz da Sua Palavra. Busque a Sua amorosa direção e na dúvida não ultrapasse.
Fonte: www.missaovem.com

Como obter a Cura - Hernane Santos

Como obter a cura

Texto: Atos 3-12;

Há inúmeros métodos pelos quais podemos obter a Cura. Porque a fé de todos não esta no mesmo nível. Por isso Deus proveu alguns métodos pelos quais o milagre acontece..

- Use o nome de Jesus contra o diabo, exija em nome de Jesus, que a doença e a enfermidade saiam. Através de todo o livro de atos, os apóstolos não oraram por doentes, eles exigiram que se levantassem e andassem. Quando Pedro e João ministraram ao coxo na porta formosa, não vemos eles orando, e sim ordenando que se levantasse em nome de Jesus.

Você tem o direito de exigir no nome de Jesus que a cura venha sobre vós. Você não esta exigindo isso de Deus. Ele não os fez doentes, em primeiro lugar você esta exigindo isso do diabo. Jesus disse: Em meu nome imporão as mãos sobre os enfermos e os curarão.

A Bíblia diz: se fostes fazer alguma coisa, seja por obra ou palavras, faça em nome de Jesus. Nós temos que aprender algo. Os demônios tem medo do nome de Jesus. Existe tanto poder no nome de Jesus quanto que havia em Jesus quando ele esteve aqui na terra.

- Unja com óleo de acordo com Tiago 5-14
Esta alguém doente entre vós? Chame os presbíteros da igreja, e orem sobre ele, ungindo-o com azeite em nome de Jesus; e a oração da fé salvara o doente, e o Senhor o levantara; e se houver cometido pecados, ser-lhe-ão perdoados.

Realmente não deve ter doentes entre nós, mas se houver, a Bíblia está nos ensinando o que fazer.

- Receba a cura por imposição de mãos. E disse-lhes, e imporão as mãos sobre os doentes e eles serão curados.

Mãos são retransmissoras tanto de Deus como do diabo. Tanto Deus quanto o Diabo usam as nossas mãos para passar os seus intuitos. Tem gente que pensa que só Deus passa seus intuitos pelas mãos, entenda a muita gente que fica escrava do diabo depois de ter tido contato com pessoas carregadas de demônios.

- Receba a cura pelos dons de curar. I Coríntios 12-9 diz: que um dos dons que Deus colocou na igreja é o dom de curar, que é diferente dos outros métodos para se obter a cura.

O que é o dom de curar? É uma manifestação sobrenatural do poder de Deus dado ao um individuou. Qualquer coisa que obtemos de Deus é um dom.

Saiba a diferença entre as curas que Deus inicia por ele mesmo, ou as curas que o homem inicia pela sua própria fé.
Os dons de curar, e as manifestações sobrenaturais iniciadas por conta de Deus são similares, pois vem de Deus.

Você já percebeu numa multidão de 5 mil ou mais pessoas contudo só 15 ou 20 são curados por meio das manifestações sobrenaturais, essas manifestações normalmente trabalhão juntas. Vendo essas curas outras pessoas naturalmente começa a ser curadas.
Fonte: www.missaovem.com

O exemplo dos pais — a lição mais importante

“Tu, pois, que ensinas outro, não te ensinas a ti mesmo? Tu, que pregas: ‘Não furtes’, furtas? Tu, que dizes: ‘Não cometas adultério’, cometes adultério?” Romanos 2:21, 22.

Um presidente da Junta de Educação de Seul disse: “O exemplo em palavras e ações é a lição mais importante para a criança.” Se os pais não forem bom exemplo no que dizem e no que fazem, quando derem ao filho uma instrução específica, ele vai logo concluir que os pais são hipócritas. A palavra dos pais não terá valor. Por exemplo, se os pais quiserem ensinar o filho a ser honesto, eles também devem ser honestos. É muito comum alguns pais, quando não querem receber um telefonema, mandarem o filho dizer: “Papai (ou mamãe) não está.” A criança obrigada a fazer isso se sentirá perturbada e confusa. Com o tempo, ela talvez comece a mentir sem se sentir culpada quando estiver numa situação difícil. Portanto, se os pais quiserem sinceramente que o filho se torne uma pessoa honesta, eles mesmos devem sempre falar a verdade e agir de acordo.

Quer ensinar seu filho a ser educado ao falar com outros? Então você precisa dar o exemplo. Seu filho logo vai imitá-lo. Sung-sik, pai de quatro filhos, diz: “Minha esposa e eu decidimos não falar palavrões nem usar linguagem grosseira. Respeitamos um ao outro e não levantamos a voz, mesmo quando ficamos chateados ou com raiva. O bom exemplo funcionou muito mais do que meras palavras. Ficamos contentes de ver nossos filhos ser respeitosos e educados com outros.” A Bíblia diz, em Gálatas 6:7: “O que o homem semear, isso também ceifará.” Se os pais querem que os filhos tenham elevados padrões de moral, eles mesmos devem mostrar primeiro que vivem à altura de tais padrões.


20.7.08

O Peregrino

O Peregrino - A Viagem do Cristão da Cidade da Destruição para a Jerusalém Celestial é um livro escrito por John Bunyan e publicado na Inglaterra em 1687. O livro é uma alegoria da vida cristã.

Bunyan relata, no prefácio e no posfácio, que escreveu O Peregrino como uma forma de alerta aos perigos e vicissitudes enfrentados na vida religiosa por aquele que seguem os ensinamentos bíblicos e buscam um caminho de perfeição para alcançar a coroa da Vida Eterna, citada no livro do Apocalipse na Bíblia. O Peregrino tenciona levar o leitor a refletir sobre como deve ser vigilante na vida terrena, simbolizada pela jornada de Cristão.

Desde sua publicação, o livro jamais deixou de ser impresso. Depois da Bíblia, este é o livro mais conhecido no meio cristão não somente de fala inglesa, mas de diversas línguas, inclusive na China, onde o governo comunista chegou a produzir 200 mil cópias que foram distribuídas em três dias.

Esboço

O jovem peregrino chamado simplesmente Cristão, atormentado pelo desejo de se ver livre do fardo pesado que carrega nas costas, segue sua jornada por um caminho estreito, indicado por um homem chamado Evangelista, pelo qual se pode alcançar a Cidade Celestial. Na narrativa, todas as personagens e lugares que o peregrino depara levam nomes de estereótipos (como: Hipocrisia, Boa-Vontade, Sr. Intérprete, gigante Desespero, A Cidade da Destruição, O Castelo das Dúvidas, etc.) consoante os seus estilos, características e personalidades.

No ínterim, surgem-lhe várias adversidades, nas quais ele padece sofrimentos, chegando a perder-se, ser torturado e quase afogar-se. Apesar de tudo, o protagonista mantém-se sempre sóbrio, encontrando auxílio no companheiro de viagem Fiel, um concidadão seu. Mais adiante na trama, Fiel é executado pelos infiéis da Feira das Vaidades que se opőem à busca dos dois peregrinos. Contudo, Cristão acha um outro companheiro, chamado Esperançoso, que mais tarde lhe salvará a vida, e eles seguem a dura jornada até chegarem ao destino almejado.

A obra é uma alegoria contada como fosse um sonho, voltando-se sempre a extrair dos eventos narrados alguns ensinamentos bíblicos de forma simbólica, nos moldes das parábolas bíblicas. John Bunyan também aí infere certos fatos históricos do seu tempo, como a perseguição aos protestantes, em especial aos da denominação do autor.

Fonte: Wikipédia, a enciclopédia livre.

19.7.08

Dicas do Dr Haggai

Investimento Social: construção de amizades duradouras mantidas até mesmo quando não há negócios mútuos, ou durante as crises.
Interaja com um propósito: há uma razão para o contato, e a razão tem que ter valor para a outra pessoa também.
Não manipule: há o dar e o receber. Dê o saldo positivo para o outro.
Seja um construtor de redes: coloque outras pessoas juntas.
Pense grande e no longo prazo: atue fora do seu próprio tipo social e idade, e construa algo duradouro.
Não seja chato: tenha senso de humor.
Se esforce. Investimento social é uma disciplina.

O Servo e a Política

O cristão, enquanto vive como “forasteiro” nesta terra, precisa enquadrar-se nas leis que rege a nação e cumpri-las, com um bom patriota (2Sm 10.12; Sl 137.1; Is 66.10). Isto é bom diante dos homens e agradável a Deus. Os Deveres Civis (Conjunto de normas reguladoras dos direitos e obrigações de ordem privada atinentes às pessoas, aos bens e às suas relações.) se aplicam a todos os cidadãos, independente de sua cor, religião ou situação financeira. Encontra-se na Bíblia o Senhor determinando a seus servos a necessidade de serem bons cidadãos, cumpridores das normas instituídas pelos governos.
“Todo aquele que não observar a lei do teu Deus e a lei do rei...” Ed 7.26
“Observa o mandamento do rei...” Ec 8.2
“Todo homem esteja sujeito às autoridades superiores...” Rm 13.1-7
“Se sujeitem aos que governam, às autoridades.” Tt 3.1,2
“Sujeitai-vos a toda instituição humana... quer seja o rei como soberano...”
1Pe 2.14,14

Não há dúvida quanto à necessidade de vivermos em submissão aos nossos governantes e honrá-los com nossas atitudes; porém, freqüentemente depara-se com cristãos insatisfeitos com os governantes (vereadores, prefeitos, deputados, senadores, presidente) e sobre eles tecem comentários terríveis, desonrando-os com conversas e afirmações que em sua essência, são comuns aos homens naturais. Em lugar algum, encontra-se o Todo Poderoso permitindo que seus filhos se levantem contra as autoridades constituídas, pelo contrário, a ordenação é que deve-se honrá-los.
“Não amaldiçoarás o príncipe do teu povo.” Ex 22.28
“Não amaldiçoes o rei.” Ec 10.20
“A autoridade é ministro de Deus para teu bem... a quem respeito, respeito; a quem honra, honra.” Rm 13.4,7
“Tratai a todos com honra, amai aos irmãos, temei a Deus, honrai ao rei.”
1Pe 2.17

É bom servimos a Deus, mas, isto implica em sermos exemplos em todas as questões. Jamais se deve assemelhar aos homens deste mundo em seus costumes e praticas notoriamente contrárias aos princípios deixados pelo Rei dos reis aos seus súditos.

Todo cidadão brasileiro é agraciado pela constituição federal com o Direito Político (O que tem por objeto as faculdades concedidas, e deveres impostos aos cidadãos, como, por exemplo, votar, ser votado, exercer cargo público), que concede a todos, igualdade para pleitear cargos eletivos, votar e ser votado.

É lamentável, mas, em anos eletivos, muitas igrejas se corrompem, perdendo de vista os seus objetivos primeiros: Servir a Deus! E deixa-se levar pela política, envolvendo-se e comprometendo-se vergonhosamente. Sãos pastores e líderes eclesiais que literalmente “vendem” o direito do cidadão por migalhas e chegam ao cumulo do absurdo de levar em muitos casos homens ímpios aos seus púlpitos, para que exponha suas plataformas de “governo” mentirosas e enganadoras, com fim apenas eleitoreiro. É uma louca inversão de valores.

O homem que vive segundo o coração de Deus, jamais deve aproveitar-se dos políticos e numa troca, receber qualquer beneficio pelo seu voto. Note que em todo ano eleitoral aparecem muitos com um belo discurso, sempre dispostos a ajudar; são cestas básicas, tratamento de saúde, e outras ofertas pelo seu voto. O servo deve ser consciente o suficiente para não se vender.

É errado o Servo de Deus candidatar-se a cargos públicos? Creio que não seja. Na Bíblia encontra-se vários servos que foram políticos e exerceram cargos públicos (Davi, Salomão, etc.). Mas, entendo que em tais situações a vontade “literal” de Deus deve vir em primeiro lugar. É preciso que o Senhor seja consultado e que seja ouvido!

Político no Brasil está associado às pessoas que não agem de boa fé. É triste, vermos como tratam o dinheiro público, as muitas notícias de desvios e malversações de verbas, veiculadas na mídia são estarrecedora. O homem que conhece a Deus deve ser diferente, pagar o preço de ser um político que saiba honrar o compromisso com o Salvador e viver em honestidade (Pv 11.11; 14.34 e 16.12).

A posição da igreja deve ser de total independência em relação aos políticos. Devem ser encarados como líderes políticos, jamais, como líderes da igreja do Senhor. É impossível que haja vitórias e o mover soberano do Espírito Santo numa igreja, na qual, a política está infiltrada.

Amados, a Igreja do Senhor, não necessita de esmolas dadas por políticos (concessão de TV, rádio; terrenos; doações financeiras, etc.); os meios, jamais justificam o fim. É inconcebível, a igreja ser beneficiadas, por homens que de uma forma não convencional adquirem recursos e os repassam.

Pastores, presbíteros, diáconos, povo de Deus!
Não se deixem envolver por homens, que visando votos, prometem maravilhas.
A igreja é o povo de Deus, e por Ele devem ser conduzidos.
Orem, busquem do Senhor a orientação para o voto certo; ouça a Sua voz, através de seus profetas e honrem a Sua vontade.
Não se corrompa com o ouro e a prata!

Elias R. de Oliveira

Fonte: VIVOS! O site da fé cristã.

18.7.08

TEXTO POSTADO COMO COMENTÁRIO POR UM ANÔNIMO

É sempre bom lembrar que a violência na família não deve ser somente atribuída ao espaço que a mídia ocupa hoje na sociedade. Muito antes dos jornais e revistas, antes do rádio, da tv, da Internet, a violência que se tem notícia já assolava a humanidade.
No Éden não existia revista erótica, programas de tv de baixo nível cultural como hoje, “músicas” ridículas, com apelos caóticos, todavia, Caim não pensou duas vezes e esmagou a Abel. Aí os educadores se perguntam: por que?
Certa vez um pai ensinava ao filho que o ser humano tem dois ursos poderosos dentro dele, o urso do bem e o urso do mal. O filho então perguntou:
- Pai, qual é o mais forte?
E o pai respondeu:
- Aquele que você alimenta mais.
O que alimenta a violência? Alguns dirão que é a miséria, outros dirão que é o abandono, alguns se arriscarão a dizer que é a falta de religião. O que levaria um pai a matar uma criança - seu filho - de forma trágica e cruel? Cerca de 40% de todas as ocorrências registradas por mês nas delegacias do Estado do Rio de Janeiro são atribuídas à agressão infantil. Dados do Disque-Denúncia revelam que o maior número de casos é registrado na Baixada Fluminense. Na maioria dos casos são os pais ou os companheiros dos pais os principais agressores das crianças.
Apenas 1% das denúncias são feitas pelas vítimas. “A violência no seio da família assume formas diferentes - desde a agressão física à agressão psicológica - como intimidação e humilhação, incluindo vários comportamentos controladores, tais como, isolar a pessoa da sua família e amigos, controlar e restringir os seus movimentos e o acesso à informação ou ajuda”.
No Canadá os custos da violência contra a família rondam 1.6 bilhões de dólares por ano, incluindo despesas médicas e baixa de produtividade. (UNICEF 2000). Adão e Eva no Paraíso tinham a Internet do Bem e do mal. O Provedor do Bem deu ao homem a senha da obediência e com ele se comunicava, diariamente. Até que o provedor do mal se instalou, criou o racker com o vírus do pecado. O internauta pecador digitou a senha e caiu nas malhas da mentira. Caiu a conexão, porque o homem estava fora da área de atuação de Deus!
Claro, a violência é resultado de escolha: pode-se escolher entre o Bem e o mal. Então, preparem as costas do educador, porque o peso vai recair sobre ele! Pode-se educar a vontade! A educação pode ajudar a reverter a situação da humanidade! Apesar da perplexidade desta Era atual, quando se distribuem computadores como pílulas da felicidade e de saber da origem desse duríssimo dinheiro do povo que é gasto assim para estancar as lágrimas da carência e do abandono das áreas sociais, da saúde e da educação. Onde e como sobrevivem os educadores mal pagos e mal treinados que sobraram altivos, solidários e quase solitários, gritando no deserto de uma política atroz? Mesmo assim, há esperança. Mãos à obra, heróico povo brasileiro!
Qualquer tipo de violação de direitos e/ou violência contra criança ou adolescente » procure o Conselho Tutelar de sua cidade e/ou a Delegacia Especializada em Crimes contra Crianças e Adolescentes. Criança e/ou adolescente desaparecido » denuncie no site www.desaparecidos.mj.gov.br do Governo Federal Exploração sexual infanto-juvenil » denuncie pelo telefone 100 Trabalho infanto-juvenil » veja como denunciar: casos de exploração do trabalho infanto-juvenil pelo Tele-denúncia (3101.7605), SOS Criança (3101.2739 ou 155) ou DRT (3255.2200) Denúncias de pornografia infantil na Internet >> Devem ser encaminhadas aos seguinte sites: http://www.safernet.org.br http://www.mp.rs.gov.br/infancia/pedofilia http://www.censura.com.br/ http://www.dpf.gov.br/ http://www.prsp.mpf.gov.br/

Ivone Boechat

17.7.08

Nem todo sagrado é dívino.

Ricardo Gondim.

Toda experiência com o divino é sagrada, mas nem toda experiência sagrada é divina.

As experiências sagradas colocam o crente em contato com o numinoso, com o mistério, com as dimensões que transcendem os mecanismos biológicos e físicos da vida. As experiências sagradas acontecem em lugares específicos, através de objetos especiais, com rituais ou na meditação e assimilação de textos místicos. As experiências sagradas precisam de contornos religiosos definidos – que não são, obrigatoriamente, próprios de uma igreja.

Uma torcida organizada numa arquibancada de estádio também pode proporcionar uma experiência sagrada - e que será muito parecida com a de uma religião. Arrepios, enlevos e arrebatamentos na hora do gol, ou quando a taça de campeão é erguida, possuem características religiosas. Assim, as experiências sagradas não se limitam, exclusivamente ao campo religioso. Uma tarde em Itapoã, um reencontro de amigos saudosos, bebericar café com pão-de-queijo num dia chuvoso, podem ser sagrados sem que signifiquem um encontro com Deus.

Já as experiências com o Divino não precisam de focos específicos (Deus é mistério e espírito, e não pode ser contido num foco); não se restringem a lugares (adora-se a Deus em espírito e em verdade, nunca em templo feitos por mãos humanas).

Repito, a experiência com o Divino será sagrada, mas nem sempre religiosa. Quando o Samaritano ajudou o homem que agonizava numa beira de caminho, ele encarnou, e experimentou, o amor divino numa dimensão que estava longe de ser religiosa. Também, quando no último dia, Deus separar os bodes das ovelhas, o critério não será religioso. O destino eterno das pessoas será definido por ações muito naturais como dar de comer a quem teve fome, vestir os nus e solidarizar-se com os encarcerados.

As instituições religiosas, sempre ávidas de defenderem o direito de existirem, tentam confundir as duas experiências. Afirmam, sem titubear, que seus rituais, cultos e militância são Divinos. Nem sempre!

O que as diferencia o Divino do Sagrado? As experiências religiosas, por mais arrebatadoras, por mais deslumbrantes, por mais apavorantes, não conseguem transbordar para a vida. Restritas a uma hora e a um lugar, no máximo, provocam sentimentos piedosos. Segundo Rudolf Otto, geram, simultaneamente, “medo e fascínio”, mas ficam nisso.

Por outro lado, as experiências com o Divino suscitam integração, mudança de consciência, compromisso com a vida; uma práxis transformadora. Para encontrar-se com Deus, não se precisam de ritos, compromissos com o rigor dogmático ou de obediência institucional, mas de fé. (Aqui, defino fé como uma coragem existencial). Deus se revela e apostamos que seus princípios e verdades são suficientes para tenhamos vida e vida com abundância.

As igrejas se especializaram em reproduzir experiências sagradas, que podem ser estereotipadas, massificadas e desejadas como um fim em si mesmas.

As experiências com o divino, porém, são sempre únicas e irrepartíveis; elas fogem do controle sacerdotal (o Espírito sopra onde quer e como quiser) e não podem ser ideologicamente manipuladas.

As experiências sagradas se mantêm na vertical: mulheres e homens em busca do transcendente; são também intimistas: mulheres e homens emocionalmente afetados pelo misterium tremendum.

Todavia, as experiências com o Divino se expressarão na horizontalidade (a fé sem obras é morta); sempre na relação com o próximo. Eis o motivo porque Jesus enviou seus discípulos para fora dos contornos religiosos. Eles deveriam ir pelas estradas, atalhos e vielas para promoverem a vida e, para isso, a religião é desnecessária.

Soli Deo Gloria.

Fonte: www.ricardogondim.com.br

16.7.08

Os Dez Mandamentos do voto ético

O voto ético e a ética do voto

Conseguir benefícios para a igreja, como a doação de terrenos para templos; ter linhas especiais de crédito bancário; obter concessões de rádios e TVs; ter tratamento especial perante a lei... Esses são
apenas alguns tipos de barganha, "acertos", acordos e composições de interesse que costumam ocorrer nos bastidores em épocas de campanhas eleitorais, envolvendo também políticos e candidatos
evangélicos.

Mas, no que depender da AEVB - Associação Evangélica Brasileira, os candidatos que costumam ter esse tipo de comportamento não terão
o voto dos fiéis. Para isso, a Associação, que representa Igrejas de 32 denominações (Metodistas, Batistas, Presbiterianas, Luteranas,
Congregacionais etc.) em todo o país, está distribuindo uma cartilha com os "dez mandamentos" do voto ético, com a qual pretende
orientar os mais de 37,8 milhões de eleitores evangélicos brasileiros (ou 30% dos 126 milhões de eleitores, segundo o Vox Populi).

A cartilha não condena apenas o "jeitinho brasileiro" de conseguir benefícios, mas também a utilização do púlpito das igrejas como "palanque" eleitoral. Segundo o Diretor Executivo da AEVB, Pr. Luiz
Mattos, "o eleitor evangélico não pode ser constrangido a votar de acordo com o que diz o seu pastor, por exemplo. O pastor deve ser
obedecido em tudo aquilo que ensina sobre a Palavra de Deus, de acordo com ela. No entanto, no âmbito político-partidário, a opinião do pastor deve ser ouvida apenas como a palavra de um cidadão, e
não como uma profecia divina". E acrescenta mais um dos "mandamentos": "Um político de fé evangélica tem de ser, sobretudo, um evangélico na política e não apenas um 'despachante' de igrejas".

Com este Decálogo Evangélico (os "dez mandamentos") do voto ético e lúcido, a AEvB espera contribuir para um processo eleitoral no qual
o voto evangélico não seja manipulado, como muitas vezes já o foi, mas usado com consciência e objetividade para o bem do Brasil.
Considerando que os evangélicos são um dos mais expressivos segmentos da população, a AEvB, reunida em Conferência com Igrejas, Missões e Instituições, julgou indispensável trazer sua
contribuição informativa e formativa à comunidade religiosa a ela vinculada, na intenção de que, assim fazendo, ajude a igreja a amadurecer no exercício da sua cidadania política.

Eis aqui alguns balizamentos fundamentais sobre o uso ético do voto evangélico, conforme o sumário de propostas defendidas na Conferência da AEVB:

I. O voto é intransferível e inegociável. Com ele o cristão expressa sua consciência como cidadão. Por isso, o voto precisa refletir a compreensão que o cristão tem de seu País, Estado e Município;

II. O cristão não deve violar a sua consciência política. Ele não deve negar sua maneira de ver a realidade social, mesmo que um líder da
igreja tente conduzir o voto da comunidade noutra direção;

III. Os pastores e líderes têm obrigação de orientar os fiéis sobre como votar com ética e com discernimento. No entanto, a bem de
sua credibilidade, o pastor evitará transformar o processo de elucidação política num projeto de manipulação e indução político-partidário;

IV. Os líderes evangélicos devem ser lúcidos e democráticos. Portanto, melhor do que indicar em quem a comunidade deve votar é organizar debates multipartidários, nos quais, simultânea ou alternadamente, representantes das correntes partidárias possam ser ouvidos sem preconceitos;

V. A diversidade social, econômica e ideológica que caracteriza a igreja evangélica no Brasil impõe que não sejam conduzidos processos de apoio a candidatos ou partidos dentro da igreja, sob
pena de constranger os eleitores (o que é criminoso) e de dividir a comunidade;

VI. Nenhum cristão deve se sentir obrigado a votar em um candidato pelo simples fato de ele se confessar cristão evangélico. Antes disso,
os evangélicos devem discernir se os candidatos ditos cristãos são pessoas lúcidas e comprometidos com as causas de justiça e da verdade. E mais: é fundamental que o candidato evangélico queira se
eleger para propósitos maiores do que apenas defender os interesses imediatos de um grupo religioso ou de uma denominação evangélica.
É óbvio que a igreja tem interesses que passam também pela dimensão político-institucional. Todavia, é mesquinho e pequeno demais pretender eleger alguém apenas para defender interesses
restritos às causas temporais da igreja. Um político de fé evangélica tem que ser, sobretudo, um evangélico na política e não apenas um
"despachante" de igrejas. Ao defender os direitos universais do homem, a democracia, o estado leigo, entre outras conquistas, o cristão estará defendendo a Igreja.

VII. Os fins não justificam os meios. Portanto, o eleitor cristão não deve jamais aceitar a desculpa de que um evangélico político votou de determinada maneira porque obteve a promessa de que, em
assim fazendo, conseguiria alguns benefícios para a igreja, sejam rádios, concessões de TV, terrenos para templos, linhas de crédito bancário, propriedades, tratamento especial perante a lei ou outros
"trocos", ainda que menores. Conquanto todos assumamos que nos bastidores da política haja acordos e composições de interesse, não
se pode, entretanto, admitir que tais "acertos" impliquem na prostituição da consciência cristã, mesmo que a "recompensa" seja, aparentemente, muito boa para a expansão da causa evangélica.
Jesus Cristo não aceitou ganhar os "reinos deste mundo" por quaisquer meios, Ele preferiu o caminho da cruz.

VIII. Os votos para Presidente da República e para cargos majoritários devem, sobretudo, basear-se em programas de governo, e no conjunto das forças partidárias por detrás de tais candidaturas
que, no Brasil, são, em extremo, determinantes; não em função de "boatos" do tipo: "O candidato tal é ateu"; ou: "O fulano vai fechar as igrejas"; ou: "O sicrano não vai dar nada para os evangélicos"; ou
ainda: "O beltrano é bom porque dará muito para os evangélicos". É bom saber que a Constituição do país não dá a quem quer que seja o poder de limitar a liberdade religiosa de qualquer grupo. Além disso,
é válido observar que aqueles que espalham tais boatos, quase sempre, têm a intenção de induzir os votos dos eleitores assustados e impressionados, na direção de um candidato com o qual estejam
comprometidos.

IX. Sempre que um eleitor evangélico estiver diante de um impasse do tipo: "o candidato evangélico é ótimo, mas seu partido não é o que eu gosto", é compreensível que dê um "voto de confiança" a esse
irmão na fé, desde que ele tenha as qualificações para o cargo. Entretanto, é de bom alvitre considerar que ninguém atua sozinho, por melhor que seja o irmão, em questão, ele dificilmente transcenderá a agremiação política de que é membro, ou as forças
políticas que o apóiem.

X. Nenhum eleitor evangélico deve se sentir culpado por ter opinião política diferente da de seu pastor ou líder espiritual. O pastor deve ser obedecido em tudo aquilo que ensina sobre a Palavra de Deus, de
acordo com ela. No entanto, no âmbito político-partidário, a opinião do pastor deve ser ouvida apenas como a palavra de um cidadão, e
não como uma profecia divina.

Associação Evangélica Brasileira


Fonte: www.ultimato.com.br

15.7.08

A morte da morte na morte de Cristo

Por Roberto do Amaral Silva

O titulo acima é de uma obra de John Owen, escritor e teólogo, publicada em 1647. Não nos interessa aqui o conteúdo desse livro (de cunho polêmico), cujo objetivo é defender a redenção efetuada por Cristo na cruz apenas para os eleitos e predestinados, conforme ênfase da doutrina da predestinação de João Calvino e teólogos calvinistas.

O título sim, nos chama a atenção: “A morte da morte na morte de Cristo”. Mas o que significa, afinal, a palavra “morte” nas três vezes em que ocorre nesta sentença?

Em primeiro lugar, todos os homens são pecadores e, por isso, sujeitos à morte física e espiritual. Aqui, nos referimos à segunda menção da palavra “morte”. De acordo com a Bíblia, “o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecaram” (Rm 5.12 – NVI). É a morte do corpo e da alma. Enquanto a morte física separa a alma do corpo, o qual retorna à terra, a morte espiritual afasta o homem de Deus. E o pecado é o causador dessa separação. O profeta declara: “Mas as vossas iniqüidades fazem separação entre vós e o vosso Deus; e os vossos pecados encobrem o seu rosto de vós, para que não vos ouça” (Is 59.2). Que tristeza! Tanto a morte física quanto a morte espiritual constituem a grande tragédia da humanidade.

Em segundo lugar, essas duas mortes, física e espiritual, morrem na vida dos que estão em Jesus Cristo. Quer dizer, a morte que tanto nos aflige e nos tira a alegria já tem sua morte decretada em Cristo. Essa é a morte mencionada primeiramente no título. Em outras palavras: a “morte morre”. A morte morre? Estranho, não é? Bem, a morte eterna, que é a finalização da morte espiritual, já morreu antecipadamente para quem vive para Deus. Jesus diz: “Na verdade, na verdade vos digo que quem ouve a minha palavra, e crê naquele que me enviou, tem a vida eterna, e não entrará em condenação, mas passou da morte para a vida” (Jo 5.24). Por isso, Jesus foi levantado na cruz e crucificado “para que todo o que nele crê tenha a vida eterna” (Jo 3.15). A vida eterna anula a morte eterna, a separação definitiva entre o ser humano e Deus. Logo, a vida eterna já nos é assegurada em Cristo nesta vida.

Quanto à morte física, sabemos que não escaparemos dela, a menos que Cristo volte antes que ela ocorra. Felizmente, há uma certeza para nós: “Ora, o último inimigo a ser aniquilado é a morte” (1Co 15.26). Quando se dará? Na ressurreição dos mortos em Cristo, por ocasião da volta do Senhor Jesus. Em 1Coríntios 15.50-55, Paulo diz que quando o nosso Senhor retornar à terra, os vivos subirão com os corpos transformados, isto é, corpos íntegros e imortais. Então, se cumprirá a Palavra de Deus: “Tragada foi a morte pela vitória” (1Co 15.54). Em 1Tessalonicenses 4.16,17, lemos que os que morreram em Cristo ressuscitarão e os que estiverem vivos serão arrebatados com eles para viverem eternamente com o Senhor Jesus. Já em Apocalipse 21.4, está escrito: “E Deus limpará de seus olhos toda a lágrima; e não haverá mais morte, nem pranto, nem clamor, nem dor; porque já as primeiras coisas são passadas”. Isto é, a morte física terá seu fim.

Em terceiro lugar, a morte da morte só é possível na morte de Jesus Cristo. Essa morte é a terceira referida do titulo. É a “morte” de Cristo que causa a “morte” das “mortes” física e espiritual. Complicado? Vejamos. Em 2Timóteo 1.10, Paulo escreve que Jesus Cristo não só destruiu a morte como também trouxe a vida e a imortalidade. Lemos, em Hebreus 2.14,15, o seguinte: “E, visto como os filhos participam da carne e do sangue, também ele participou das mesmas coisas, para que pela morte aniquilasse o que tinha o império da morte, isto é, o diabo; e livrasse todos os que, com medo da morte, estavam por toda a vida sujeitos à servidão”.

Quando Cristo morreu na cruz, fazendo-se maldito em nosso lugar, teve o propósito deliberado e planejado de nos conceder vida eterna.

Concluímos dizendo que a morte da morte na morte de Cristo é um fato que nos deve levar a amar mais o nosso Senhor. Por que Jesus Cristo teve de passar pela morte? Para anular a morte, que foi decretada contra nós por causa do pecado. A morte física, que desaba sobre nós como uma guilhotina sobre a cabeça do condenado, e a morte espiritual, que traz a conseqüente e terrível morte eterna, são inevitáveis resultados do pecado. Mas a vitória do cristão está garantida, como diz o apóstolo: “Graças a Deus, que nós dá a vitória por intermédio de nosso Senhor Jesus Cristo” (1Co 15.57).


Fonte: INSTITUTO CRISTÃO DE PESQUISAS

14.7.08

Qual é o valor que temos para Deus?


Por Antônio Cirilo

Qual é o nosso real valor para o nosso Deus? Quantas pessoas você conhece que se entregam a práticas e situações que trazem danos à sua saúde espiritual, emocional e física? Pessoas que usam drogas a ponto de quase se matarem; algumas até mesmo se matam com essas práticas e tudo isso porque não conhecem o seu real valor. Pessoas que se envolvem em relacionamentos estranhos à palavra de Deus porque não conseguem valorizar a si mesmas. Pessoas que são totalmente negligentes quanto à sua vida espiritual por desconhecer o valor que lhes é atribuído por Deus.

Falando do nosso valor, numa linguagem natural, a pessoa que inventou um produto, ou seja, o dono de um produto é quem está apto para determinar o seu preço, o seu valor. Foi Deus quem criou você, ele é o seu dono. Portanto, é ele quem determina o quanto você vale. Sendo assim, nós valemos aquilo que Deus acha que valemos, pois, foi ele que nos criou e a ele pertencemos.

A bíblia nos diz no salmo 100:3: "Sabei que o Senhor é Deus! Foi ele quem nos fez, e somos dele; somos o seu povo e ovelhas do seu pasto".

Em primeira Pedro 2:9 também podemos ler: "Mas vós sois a geração eleita, o sacerdócio real, a nação Santa, o povo adquirido, para que anunciem as grandezas daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz..."

Em suma, sabemos que o senhor Deus, foi quem nos fez e somos dele. Após criar o homem e sua mulher, como todos já sabemos, a mulher foi enganada pelo diabo pecando juntamente com seu esposo. Se tornaram cativos de Satanás por causa do pecado, pois, nós somos servos daquilo ou daqueles a quem obedecemos. Mas, o Senhor nosso Deus sabia que isso poderia acontecer, por isso, antes da fundação do mundo preparou a nossa salvação por meio de Jesus Cristo, nosso Senhor.

1 Pedro 1:18-20: "Sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver, que por tradição recebestes dos vossos pais, mas com um precioso sangue, como de um cordeiro sem defeito, sem manchas, o sangue de Cristo, o qual, na verdade, foi conhecido ainda antes da fundação do mundo, mas manifesto no fim dos tempos por amor de voz, para que por ele credes em Deus, que o ressuscitou dentre os mortos lhe deu glória, de modo que a vossa fé e esperança estivessem em Deus".

Preste atenção nisso: A raça humana se perdeu e Deus precisou compará-la de volta. Para resgatar seus filhos queridos Deus precisou pagar por isso. Ele pagou o salário do pecado. A bíblia diz que o salário do pecado é a morte e foi exatamente por causa disso que Jesus Cristo morreu na cruz - para pagar o salário do pecado. O Senhor nosso Deus, através da morte de Jesus, seu filho, pagou a dívida do pecado. Você e eu não devemos mais nada ao diabo. A Bíblia diz quando Jesus morreu naquela Cruz o escrito de dívida que era contra mim e contra você foi anulado. Através da Cruz o Senhor Jesus rasgou a nota promissória do pecado. Tão somente agora necessitamos a aceitar o sacrifício de Jesus na cruz (é exatamente isso que chamamos de aceitar a Jesus como senhor em Salvador) para que possamos viver agora mesmo os benefícios desta do grande salvação.

E quando Deus foi comprar de volta as nossas vidas ele não deu um anjo em troca das nossas vidas; porque para Deus nós valemos mais do que um anjo. Ele não deu um arcanjo em troca da nossa vida; porque para Deus nós valemos mais do que um arcanjo. Ele não deu em querubim ou Serafim em troca de nossa vida; porque para Deus nós valemos mais do que um Serafim. Ele não deu o mundo inteiro em troca de nossa vida porque a própria Bíblia diz que para Deus uma alma, uma única alma, ou seja, a tua alma, meu querido, minha querida, vale mais do que o mundo inteiro. Quando Deus foi comprar de volta a tua vida Ele entregou seu próprio Filho que até aquele momento era o seu único filho, por que, para Deus você tem o valor de um filho único, de uma filha única. Existem bilhões de seres humanos espalhados por este planeta, mas, Deus os vê o individualmente; Ele trata com cada um pessoalmente. Você é único, única. Filho único de Deus, filha única de Deus.

Quero incentivar você a começar a se dar o mesmo valor que Deus dá a você. Para Deus você tem o valor de um filho único, de é filha única. Portanto, a partir de agora aja como tal. Se você ainda não confessou com a sua própria boca a Jesus Cristo como seu Senhor e Salvador, faça isso agora mesmo. Em Mateus capítulo 10 o senhor Jesus disse que devemos confessá-lo publicamente. Torne a tua confissão pública: procure a igreja evangélica mais perto de você e vá lá com a forte convicção de entregar sua vida a Jesus Cristo publicamente. Mas, você pode se antecipar a isso, acessando a seção de testemunhos do nosso site e escrever lá a sua confissão de fé, tornando-a pública. Nós cuidaremos de deixá-la publicada em nosso site para que as milhares de pessoas que acessam o santageração.com.br possam concordar com você em fé. Todos nós ao lermos sua confissão aqui em nosso site diremos amém, concordando com a sua confissão.

Para você que já confessou a Jesus Cristo como Senhor e Salvador, e que ainda não tinha enxergado a si mesmo desta forma, passa a partir de agora a viver como o filho, filha de Deus - únicos.

Deus te abençoe grandemente, em Nome do Senhor Jesus Cristo.


Pastor Antônio Cirilo
Ministério Santa Geração

Fonte: Adorando

13.7.08

MINHA ESPERANÇA BRASIL COM BILLY GRAHAM

Rick Warren na Getsêmani

EVENTOS - DO GMC, COM COMUNICAÇÃO GETSÊMANI

"Rick Warren, autor de "Uma Vida com Propósitos" e "Uma Igreja com Propósitos" virá ao Brasil em julho. Está é uma oportunidade única para você vivenciar a Palavra de Deus por meio do Pastor da igreja de Saddleback, uma das maiores e mais conhecidas do mundo". A pastoreada por Rick começou com uma família e reúne hoje mais de 30.000 pessoas aos finais de semana, é uma das maiores e mais conhecidas igrejas do mundo. Warren também é fundador do Purpose Driven Ministries (Ministério Propósitos), que conta com mais de 400 mil pastores conectados em 163 países.

Todos os pastores, líderes, diáconos, profissionais liberais, doutores, professores da escola Bíblica e toda igreja está convocada a participar, essa será uma oportunidade única em sua vida e seu ministério!

Rick Warren em São Paulo
Credicard Hall
21 de julho
www.rickwarrennobrasil.com.br

Rick Warren em Belo Horizonte
Venha participar conosco do café da manhã com os pastores e receber uma palavra de Rick Warren.

Rick Warren estará na Getsêmani:
Data: 23 de julho
Hora: 08h30
Mais informações:
31 3491-7676

12.7.08

DE QUEM É SUA VIDA!

A febre dos anjos no Brasil

A onda dos anjos também alcançou o Brasil. Como o nosso povo é muito supersticioso, voltado para o misticismo, não é de admirar que também tenha entrado na onda das aparições angelicais.

Como outros assuntos sagrados, a Angelologia teve o seu período de obscurantismo e ignorância no Brasil, mas devido ao crescimento do movimento da Nova Era estão aparecendo muitos livros a respeito, oficinas vendem bonecos representando anjos, e são realizados inúmeros cursos e palestras sobre eles.

No início de 1992, a agência Saldiva & Associados divulgou uma pesquisa realizada com cerca de mil brasileiros de ambos os sexos sobre a credibilidade de diversas instituições e idéias no país. Os resultados mostraram que 93% acreditam em Deus. 91% em anjos, 64% em santos, 43% em gnomos, 17% em fadas, e 73% já tiveram alguma experiência com anjos. Segundo os testemunhos dos entrevistados, os anjos seriam altos, magros, louros, alados e do sexo masculino.

Recentemente foi criado o chamado “Círculo dos Anjos”, um movimento de divulgação e convocação não obrigatória e gratuita, para todos aqueles que estiverem interessados em participar espiritualmente, em sua própria casa, em qualquer horário, gastando pelo menos 10 minutos de tempo para orar e meditar evocando o arcanjo do dia para o “bem da humanidade”.


“Sob o domínio dos anjos”

A revista IstoÉ, n° 1353, de 6 de setembro de 1995, trouxe como matéria de capa o seguinte tema: “Anjos - Não Estamos Sós”. Em 6 páginas inteiras, o artigo “Sob o domínio dos anjos” mostra como o culto a esses seres celestiais tem extrapolado o modismo e arrebatado uma legião de pessoas que acreditam ouvir suas vozes e trabalhar sob sua inspiração. Citamos alguns trechos:

Com um fabuloso poder de sedução, [os anjos] arrebanham um exército de pessoas que pregam, escutam suas vozes, conversam e até invocam o poder de curar através deles. São os interlocutores dos anjos, que garantem falar a sua língua e transmitir o que os chamados mensageiros divinos querem dizer...

A economista paulista Adriana Feres é uma dessas pessoas. Católica de formação, ... [ela] garante que se comunica com esses seres alados há pelo menos 20 anos. Em aramaico. “Nunca tinha ouvido a antiga língua dos hebreus, até que o anjo veio e soprou a vida de uma mulher que encontrei na rua”, conta. “Entendi o que ele me dizia pelas emoções.”... Atualmente, Adriana auxilia pessoas com problemas de saúde, emocionais e familiares. E são muitos os atendidos pelo anjo da economista. Até agora, ela contabiliza mais de 2,5 mil pessoas assistidas...


Livros e mais livros sobre anjos

É incrível a quantidade de livros sobre anjos nas livrarias seculares; hoje há mais de 50 títulos, conforme o Catálogo Brasileiro de Publicações (CBP) da Livraria Nobel. Isso sem contar as editoras alternativas, que não constam das listas do CBP.

No dia 19 de setembro de 1995, a Editora Três lançou a publicação Anjos, tudo que você queria saber. Ao todo são 20 fascículos, de 20 páginas cada um, com todas as informações sobre esses seres. Cada fascículo é acompanhado por uma fita cassete com música da Nova Era e um texto de meditação.


Continuamos citando do artigo “Sob o domínio dos anjos”:

[Em 1992] a empresaria Monica Buonfiglio lançava seu livro Anjos Cabalísticos. Foi um enorme sucesso de vendas. Até hoje, o título figura na lista dos dez mais vendidos na categoria de não ficção e só há quatro meses saiu do primeiro lugar. “Vendo três mil exemplares por dia”, afirma. Tamanho êxito a impulsionou a escrever outros dois livros: A magia dos anjos cabalísticos e Tarot dos anjos. Mesmo sem fazer parte da turma que diz ver ou ouvir seres celestiais, a empresária parece abençoada por eles. Sua empresa, a Oficina Cultural Esotérica, tomou impulso jamais imaginado e agora conta 12 franquias espalhadas pelo Pais. (IstoÉ, 6/9/95)


Paulo Coelho e os anjos

No livro As Valkírias de Paulo Coelho, publicado em 1992, o autor conta que, em 1988, ele e sua mulher passaram 40 dias no deserto do Mojave, no sudeste dos Estados Unidos, em busca do seu anjo da guarda. O autor narra a experiência de conversar com um jovem mago, Took, que lhe dá conselhos diversos e ambíguos sobre anjos e também advertências práticas sobre como evitar os perigos do deserto. Eles encontram as “Valkírias”, um bando de oito mulheres que vive no deserto do Mojave em motocicletas, sempre vestidas de couro preto. Eles viajam pela região com as motoqueiras, que lhes ensinam a maneira secreta de encontrar o anjo da guarda. Tal “encontro” não passa de mais uma das visões fantásticas de Paulo Coelho com anjos caídos.


Anjos e Ovnis

No que se refere à relação entre anjos e Ovnis, convém mencionar o depoimento de Marta Anderson, ex-miss Espírito Santo e ex-atriz da TV Globo, que relata a experiência de ter viajado numa nave espacial que, segundo sua descrição, seria a Nova Jerusalém que vai resgatar todos os salvos. Ela diz na página 20 do seu depoimento:

Estava hospedada na residência de alguns irmãos crentes, estudando a Bíblia em meu quarto, e, praticamente como se entrando em outra realidade, vi-me dentro de um colossal engenho, singrando pelo universo. De pé naquela suntuosidade, vi, à minha frente, um corredor reto e comprido, que ao final dobrava-se num ângulo reto, indicando que, portanto, o local era quadrado. À esquerda, a lateral era algo como vidro transparente, de onde se podia ver o céu. Parecia-me muito maior do que as outras vezes. Às minhas costas estava um ser ou anjo, como um rapaz, porém maior, do que os humanos normais. Tinha cabelos louros anelados e roupa como um vestido longo, franzido nos ombros e mangas de cor azul. Estava próximo de mim como um guarda. Toda parede, à direita, e o teto eram como de metal fosco prateado. Sei que havia andares, talvez centenas, à direita havia portas, como de elevadores muito modernos, em toda a extensão. Senti o ímpeto de entrar pela porta que estava ao nosso lado, pois sei que havia uma cabine em cada uma. A ordem que vinha à minha mente era para entrar e trocar a roupa. Enquanto me voltava em direção à porta mais próxima, o tal anjo guardião falou-me por trás: “Agora volte e escreva!”

No meu entender, fui levada ao futuro, assim como João no Apocalipse, só que fui para viver apenas uma cena. Penso que era a cidade da Nova Jerusalém.

A descrição de tais experiências pode parecer bonita e muito impressionante, mas há inúmeras razões para se concluir que os “Anjos-tripulantes” de Ovnis são, na verdade, demônios disfarçados.


Os anjos e sua influência na igreja brasileira

O livro Este Mundo Tenebroso, apesar de o autor afirmar claramente que todo o seu conteúdo não passa de ficção, tem despertado dentro das igrejas um interesse muito grande por seres angelicais, a ponto de pessoas nas igrejas estarem invocando os anjos mencionados no livro para socorrê-las.

A Bíblia já nos adverte com relação a essa paranóia angelical: “Mas, ainda que nós, ou mesmo um anjo vindo do céu vos pregue evangélico que vá além do que vos temos pregado, seja anátema. Assim como já dissemos, e agora repito, se alguém vos prega evangelho que vá além daquele que recebestes, seja anátema” (Gl 1.8-9). É exatamente isso que temos visto hoje no Brasil, pessoas dando crédito a um outro evangelho revelado por experiências angelicais.

Realmente a crença nos anjos populares tomou conta do Brasil em muitos níveis e segmentos da sociedade, mas o apóstolo Paulo não deixa nenhuma dúvida de que tais entidades são demônios: “Ora, o Espírito afirma expressamente que, nos últimos tempos alguns apostatarão da fé, por obedecerem a espíritos enganadores e a ensinos de demônios” (1 Tm 4.1).

Autor : Joaquim de Andrade
Apologista, Pesquisador e Presidente do CREIA

Fonte: Ministério CACP

RELATO SOBRE A MORTE DE CRISTO

Sou um cirurgião, e dou aulas há algum tempo.

Por treze anos vivi em companhia de cadáveres e durante a minha carreira estudei anatomia a fundo.

Posso portanto escrever sem presunção a respeito de morte como aquela.

Jesus entrou em agonia no Getsemani e seu suor tornou-se como gotas de sangue a escorrer pela terra’.

O único evangelista que relata o fato é um médico, Lucas. E o faz com a precisão de um clínico. O suar sangue, ou “hematidrose”, é um fenômeno raríssimo. É produzido em condições excepcionais: para provocá-lo é necessário uma fraqueza física, acompanhada de um abatimento moral violento causado por uma profunda emoção, por um grande medo. O terror, o susto, a angústia terrível de sentir-se carregando todos os pecados dos homens devem ter esmagado Jesus. Tal tensão extrema produz o rompimento das finíssimas veias capilares que estão sob as glândulas sudoríparas, o sangue se mistura ao suor e se concentra sobre a pele, e então escorre por todo o corpo até a terra.

Conhecemos a farsa do processo preparado pelo Sinédrio hebraico, o envio de Jesus a Pilatos e o desempate entre o procurador romano e Herodes. Pilatos cede, e então ordena a flagelação de Jesus. Os soldados despojam Jesus e o prendem pelo pulso a uma coluna do pátio. A flagelação se efetua com tiras de couro múltiplas sobre as quais são fixadas bolinhas de chumbo e de pequenos ossos.

Os carrascos devem ter sido dois, um de cada lado, e de diferente estatura. Golpeiam com chibatadas a pele, já alterada por milhões de microscópicas hemorragias do suor de sangue. A pele se dilacera e se rompe; o sangue espirra. A cada golpe Jesus reage em um sobressalto de dor. As forças se esvaem; um suor frio lhe impregna a fronte, a cabeça gira em uma vertigem de náusea, calafrios lhe correm ao longo das costas. Se não estivesse preso no alto pelos pulsos, cairia em uma poça de sangue. Depois o escárnio da coroação. Com longos espinhos, mais duros que os de acácia, os algozes entrelaçam uma espécie de capacete e o aplicam sobre a cabeça. Os espinhos penetram no couro cabeludo fazendo-o sangrar (os cirurgiões sabem o quanto sangra o couro cabeludo). Pilatos, depois de ter mostrado aquele homem dilacerado à multidão feroz, o entrega para ser crucificado. Colocam sobre os ombros de Jesus o grande braço horizontal da Cruz; pesa uns cinqüenta quilos. A estaca vertical já está plantada sobre o Calvário. Jesus caminha com os pés descalços pelas ruas de terreno irregular, cheias de pedregulhos. Os soldados o puxam com as cordas. O percurso, é de cerca de 600 metros. Jesus, fatigado, arrasta um pé após o outro, freqüentemente cai sobre os joelhos. E os ombros de Jesus estão cobertos de chagas. Quando ele cai por terra, a viga lhe escapa, escorrega, e lhe esfola o dorso.

Sobre o Calvário tem início a crucificação. Os carrascos despojam o condenado, mas a sua túnica está colada nas chagas e tirá-la produz dor atroz. Quem já tirou uma atadura de gaze de uma grande ferida percebe do que se trata. Cada fio de tecido adere à carne viva: ao levarem a túnica, se laceram as terminações nervosas postas em descoberto pelas chagas. Os carrascos dão um puxão violento. Há um risco de toda aquela dor provocar uma síncope, mas ainda não é o fim.

O sangue começa a escorrer. Jesus é deitado de costas, as suas chagas se incrustam de pé e pedregulhos. Depositam-no sobre o braço horizontal da cruz. Os algozes tomam as medidas. Com uma broca, é feito um furo na madeira para facilitar a penetração dos pregos. Os carrascos pegam um prego (um longo prego pontudo e quadrado), apoiam-no sobre o pulso de Jesus, com um golpe certeiro de martelo o plantam e o rebatem sobre a madeira. Jesus deve ter contraído o rosto assustadoramente. O nervo mediano foi lesado. Pode-se imaginar aquilo que Jesus deve ter provado; uma dor lancinante, agudíssima, que se difundiu pelos dedos, e espalhou-se pelos ombros, atingindo o cérebro. A dor mais insuportável que um homem pode provar, ou seja, aquela produzida pela lesão dos grandes troncos nervosos: provoca uma síncope e faz perder a consciência. Em Jesus não. O nervo é destruído só em parte: a lesão do tronco nervoso permanece em contato com o prego: quando o corpo for suspenso na cruz, o nervo se esticará fortemente como uma corda de violino esticada sobre a cravelha. A cada solavanco, a cada movimento, vibrará despertando dores dilacerantes. Um suplício que durará três horas.

O carrasco e seu ajudante empunham a extremidade da trava; elevam Jesus, colocando-o primeiro sentado e depois em pé; conseqüentemente fazendo-o tombar para trás, o encostam na estaca vertical. Depois rapidamente encaixam o braço horizontal da cruz sobre a estaca vertical. Os ombros da vítima esfregam dolorosamente sobre a madeira áspera. As pontas cortantes da grande coroa de espinhos penetram o crânio. A cabeça de Jesus inclina-se para frente, uma vez que o diâmetro da coroa o impede de apoiar-se na madeira.

Cada vez que o mártir levanta a cabeça, recomeçam pontadas agudas de dor. Pregam-lhe os pés. Ao meio-dia Jesus tem sede. Não bebeu desde a tarde anterior. Seu corpo é uma máscara de sangue. A boca está semi-aberta e o lábio inferior começa a pender. A garganta, seca, lhe queima, mas ele não pode engolir. Tem sede. Um soldado lhe estende sobre a ponta de uma vara, uma esponja embebida em bebida ácida, em uso entre os militares. Tudo aquilo é uma tortura atroz. Um estranho fenômeno se produz no corpo de Jesus. Os músculos dos braços se enrijecem em uma contração que vai se acentuando: os deltóides, os bíceps esticados e levantados, os dedos, se curvam. É como acontece a alguém ferido de tétano. A isto que os médicos chamam tetania, quando os sintomas se generalizam: os músculos do abdômen se enrijecem em ondas imóveis, em seguida aqueles entre as costelas, os do pescoço, e os respiratórios. A respiração se faz, pouco a pouco mais curta. O ar entra com um sibilo, mas não consegue mais sair. Jesus respira com o ápice dos pulmões. Tem sede de ar: como um asmático em plena crise, seu rosto pálido pouco a pouco se torna vermelho, depois se transforma num violeta purpúreo e enfim em cianítico.

Jesus é envolvido pela asfixia. Os pulmões cheios de ar não podem mais esvaziar-se. A fronte está impregnada de suor, os olhos saem fora de órbita.

Mas o que acontece? Lentamente com um esforço sobre-humano, Jesus toma um ponto de apoio sobre o prego dos pés. Esforça-se a pequenos golpes, se eleva aliviando a tração dos braços. Os músculos do tórax se distendem. A respiração torna-se mais ampla e profunda, os pulmões se esvaziam e o rosto recupera a palidez inicial.

Por que este esforço? Porque Jesus quer falar: “Pai, perdoa-lhes porque não sabem o que fazem”.

Logo em seguida o corpo começa afrouxar-se de novo, e a asfixia recomeça. Foram transmitidas sete frases pronunciadas por ele na cruz: cada vez que quer falar, deverá elevar-se tendo como apoio o prego dos pés. Inimaginável!

Atraídas pelo sangue que ainda escorre e pelo coagulado, enxames de moscas zunem ao redor do seu corpo, mas ele não pode enxotá-las. Pouco depois o céu escurece, o sol se esconde: de repente a temperatura diminui. Logo serão três da tarde, depois de uma tortura que dura três horas. Todas as suas dores, a sede, as cãibras, a asfixia, o latejar dos nervos medianos, lhe arrancam um lamento: “Meu Deus, meu Deus, porque me abandonastes?”.

Jesus grita: “Tudo está consumado!”. Em seguida num grande brado diz: “Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito”. E morre. Em meu lugar e no seu.

Dr. Barbet, médico francês.

Colaboração: Pastor Celso Augusto Saraiva


Fonte: Site do Pastor