30.9.10

Carta do presidente do Conselho Nacional de Pastores do Brasil

CARTA ABERTA À NAÇÃO BRASILEIRA

Na condição de Presidente do Conselho Nacional de Pastores do Brasil – CNPB; Presidente Nacional das Assembléias de Deus Ministério de Madureira; de Deputado Federal e homem de Deus compromissado com a verdade, sinto-me no dever de respeitosamente esclarecer:

1) Com relação à boataria cruel e mentirosa que permeia os meios de comunicação, principalmente a internet com intuito irresponsável de difamar e plantar dúvidas concernente à candidatura de Dilma Rousseff, tenho a dizer que em momento algum a afirmação "nem Cristo impede ...", saiu dos lábios da senhora Dilma Rousseff, sendo portanto, mera ficção e sórdida mentira da parte desses autores.

2) Em reunião no dia 24 de julho próximo passado, na Sede Nacional das Assembléias de Deus no Brasil em Brasilia-DF, na presença de mais de 3.000 (três mil) pastores e líderes de todos os Estados do Brasil e Distrito Federal e, com a participação de 14 denominações evangélicas mais representativas do segmento religioso do país foi firmado um compromisso público de que todos os temas que envolvam conceitos de fé e princípios ético-religiosos serão sempre de iniciativa do poder legislativo – Congresso Nacional – e nunca por iniciativa do poder executivo; sendo esta candidatura a única a se comprometer de forma expressa e pública com estes princípios. Afirmou inclusive a candidata Dilma Rousseff, ser defensora da valorização da vida, da família e dos seus conceitos fundamentais.

3) Portanto, tudo que passar disso é mera invenção e mentira de pessoas descompromissadas com a verdade.


Reitero neste momento a nossa posição de apoio total e irreversível à candidatura de Dilma Rousseff à Presidência da República Federativa do Brasil, com a certeza de que estamos no rumo certo do sucesso, do desenvolvimento, da melhoria de vida das pessoas, da valorização da família, dos princípios éticos cristãos, sendo estes inequivocamente a base para a vitória que todos queremos os quais são defendidos reiteradamente por Dilma Rousseff.

Atenciosamente,
Bispo Doutor Manoel Ferreira

Bispo Macedo sai em defesa de Dilma contra boatos

Recebi recentemente um e-mail, destes que em princípio parecem ter o nobre intuito de nos alertar para algo grave. A mensagem dizia que a candidata à Presidência da República, Dilma Roussef, teria afirmado: “Nem mesmo Cristo querendo, me tira essa vitória”. O spam, com texto pobre, dizia: “Após a inauguração de um comitê em Minas, Dilma é entrevistada por um jornalista local...” Como as informações eram muito vagas (um comitê em Minas; um jornalista local), saí em busca de algo mais consistente, como um vídeo da suposta declaração ou ao menos uma gravação em áudio, mas não encontrei nada. Assim, tive certeza que se tratava de mais uma mentira.

Se os cristãos fossem tão ágeis e eficientes para usar as ferramentas modernas da comunicação na pregação do Evangelho, assim como parecem ser para disseminar boatos, certamente muitas almas seriam ganhas para o Senhor Jesus.

Quem pensa que está prestando algum serviço ao Reino de Deus, espalhando uma informação sem ter certeza de sua veracidade, na verdade, está fazendo o jogo do diabo.

O Senhor Jesus não precisa de advogados, nem de assessores de comunicação que saiam em “defesa” de Seu Nome. Ele precisa de verdadeiros cristãos, que entendam, vivam e preguem a Verdade.

Devemos observar que pessoas mal intencionadas têm procurado confundir muitos cidadãos com mentiras mal elaboradas, a fim de atrapalhar o trabalho sério de alguns candidatos. Pense nisto.

Nestes dias que antecedem as eleições, devemos observar se a plataforma dos candidatos em quem pretendemos votar, não pode vir a prejudicar a Igreja. Use seu voto de forma consciente e responsável.


Do blog Bispo Edir Macedo

Dilma se reúne com lideranças cristãs e reafirma ser contra o aborto

'Sou a favor da valorização da vida', afirmou a candidata do PT.
Petista afirmou 'repudiar' boatos de que teria dito que já está eleita.




A candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, se reuniu nesta quarta-feira (29), em Brasília, com lideranças católicas e evangélicas e reafirmou ser contra o aborto. Caso seja eleita presidente, ela se comprometeu com as lideranças a não apresentar proposta de plebiscito para a legalização do aborto. "Sou a favor da valorização da vida. Eu já disse no debate da CNBB que sou pessoalmente contra o aborto. É uma violência contra a mulher", afirmou.

Segundo Dilma, durante a reunião, as lideranças pediram que o governo não tome iniciativas a favor do aborto. "Pediram que o Estado não seja autor de leis, que isso fique a cargo do Congresso Nacional. Me disseram que deixe ao Congresso a iniciativa".

Dilma defendeu entretanto, que mulheres que praticaram abortos em condições precárias possam ser atendidas pela rede pública de saúde. "Há mulheres que recorrem ao aborto em condições precárias. Elas precisam ser atendidas e cuidadas", afirmou.

A candidata também repudiou boatos de que teria dito que já está eleita. "Quero repudiar a afirmação que colocam na minha boca de que eu disse em algum momento que ganharia as eleições. É uma campanha difamatória, que afirma que eu disse em nome de Jesus que ganharia a eleição. Isso é uma falsidade. Eu sou cristã e jamais utilizaria o nome de Cristo em vão", afirmou. "Não podemos aceitar esse tipo de prática, não dialoga com a democracia", completou.

Dilma disse que pretende trabalhar em parceria com católicos e evangélicos nas áreas de saúde, educação e combate às drogas. A candidata afirmou que vai priorizar o "diálogo, parceria e colaboração com as igrejas cristãs" e disse ter "compromisso com a família".

Após a reunião com as lideranças católicas e evangélicas, Dilma caminhou lentamente até o local da entrevista pois estava calçando uma bota ortopédica. Ela disse que não poderia ficar muito tempo em pé para não forçar a musculatura. Dilma torceu o pé no início do mês ao fazer exercícios em uma esteira.

Fonte:

G1



29.9.10

Dilma desmente boatos da internet

Notícia inverídica na rede depõe contra a candidata do PT à Presidência

Da Redação

Dilma desmente boatos da internet

Na semana passada, entre as muitas notícias que em questão de minutos se espalham pela internet, contagiando mentes desavisadas com inverdades, uma criou especial euforia, principalmente entre cristãos que, infelizmente, deixaram-se levar pelos boatos infundados e engrossaram a lista dos disseminadores de spams.

Um texto mal redigido, que não respeita as regras básicas do jornalismo, dizia: “Após a inauguração de um comitê em Minas, Dilma é entrevistada por um jornalista local...” Um comitê em Minas? Que lugar de Minas? Entrevistada por um jornalista local? Que local?

E o texto segue colocando entre aspas uma declaração onde a candidata à Presidência da República, Dilma Roussef, supostamente afirmaria: “Nem mesmo Cristo querendo, me tira essa vitória.” A ideia parece ter sido criar entre os cristãos um repúdio à candidata. Boa parte de fato caiu na armadilha e, de forma irresponsável, espalhou a notícia, sem o cuidado de verificar sua veracidade.

Nota divulgada pela assessoria de comunicação de Dilma afirma que a candidata “nunca reconheceu uma vitória antecipadamente. Ao contrário, ela tem dito que pesquisa não ganha eleição, que eleição se ganha na urna”. A assessoria afirma ainda: “É inadmissível que queiram vencer as eleições com base em calúnias e difamações.”

Segundo o coordenador de comunicação da campanha de Dilma e candidato a Deputado Estadual por São Paulo, Rui Falcão, “ela nunca deu esta declaração. É uma calúnia. Dilma respeita todas as religiões e jamais usaria o nome de Cristo em vão. Ainda mais com esse tom de arrogância, que não é do temperamento dela, muito menos de soberba com os eleitores”.

O texto do e-mail que espalhou a informação falsa não menciona nome de veículo nem o tipo de mídia para o qual Dilma teria dado tal declaração, tampouco há algum vídeo ou gravação que comprovem que ela teria dito isso.

Estamos a poucos dias das eleições que vão definir quem será o governante do nosso país pelos próximos 4 anos. A responsabilidade de escolha está nas mãos da população e isso não pode ser feito de forma leviana. As informações positivas que recebemos sobre os candidatos que merecem nossa preferência devem ser tão checadas quanto as informações negativas sobre candidatos que não receberão nosso voto, antes de serem disseminadas. Quem divulga uma inverdade pode corroborar para a criação de um Estado baseado na mentira.

Fonte: Arca Universal

10 argumentos falsos contra Dilma


Política, como ensina André Comte-Sponville, supõe conflitos: “A política nos reúne nos opondo: ela nos opõe sobre a melhor maneira de nos reunir”.


Leio diariamente o noticiário político e ainda não encontrei bons argumentos para votar no Serra, uma candidatura que cada vez mais assume seu caráter conservador. Serra representa o grupo político que governou o Brasil antes do Lula, com desempenho, sob qualquer critério, muito inferior ao do governo petista, a comparação chega a ser enfadonha, vai lá para o pé da página, quem quiser que leia. (1) Ouvi alguns argumentos razoáveis para votar em Marina, como incluir a sustentabilidade na agenda do desenvolvimento. Marina foi ministra do Lula por sete anos e parece ser uma boa pessoa, uma batalhadora das causas ambientalistas. Tem, no entanto (na minha opinião) o inconveniente de fazer parte de uma igreja bastante rígida, o que me faz temer sobre a capacidade que teria um eventual governo comandado por ela de avançar em questões fundamentais como os direitos dos homossexuais, a descriminalização do aborto ou as pesquisas envolvendo as células tronco. Ouço e leio alguns argumentos para não votar em Dilma, argumentos que me parecem inconsistentes, distorcidos, precários ou simplesmente falsos. Passo a analisar os dez mais freqüentes.

1. “Alternância no poder é bom”.
Falso. O sentido da democracia não é a alternância no poder e sim a escolha, pela maioria, da melhor proposta de governo, levando-se em conta o conhecimento que o eleitor tem dos candidatos e seus grupo políticos, o que dizem pretender fazer e, principalmente, o que fizeram quando exerceram o poder. Ninguém pode defender seriamente a idéia de que seria boa a alternância entre a recessão e o desenvolvimento, entre o desemprego e a geração de empregos, entre o arrocho salarial e o aumento do poder aquisitivo da população, entre a distribuição e a concentração da riqueza. Se a alternância no poder fosse um valor em si não precisaria haver eleição e muito menos deveria haver a possibilidade de reeleição.
2. “Não há mais diferença entre direita e esquerda”.
Falso. Esquerda e direita são posições relativas, não absolutas. A esquerda é, desde a sua origem, a posição política que tem por objetivo a diminuição das desigualdades sociais, a distribuição da riqueza, a inserção social dos desfavorecidos. As conquistas necessárias para se atingir estes objetivos mudam com o tempo. Hoje, ser de esquerda significa defender o fortalecimento do estado como garantidor do bem-estar social, regulador do mercado, promotor do desenvolvimento e da distribuição de riqueza, tudo isso numa sociedade democrática com plena liberdade de expressão e ampla defesa das minorias. O complexo (e confuso) sistema político brasileiro exige que os vários partidos se reúnam em coligações que lhes garantam maioria parlamentar, sem a qual o país se torna ingovernável. A candidatura de Dilma tem o apoio de políticos que jamais poderiam ser chamados de “esquerdistas”, como Sarney, Collor ou Renan Calheiros, lideranças regionais que se abrigam principalmente no PMDB, partido de espectro ideológico muito amplo. José Serra tem o apoio majoritário da direita e da extrema-direita reunida no DEM (2), da “direita” do PMDB, além do PTB, PPS e outros pequenos partidos de direita: Roberto Jefferson, Jorge Borhausen, ACM Netto, Orestes Quércia, Heráclito Fortes, Roberto Freire, Demóstenes Torres, Álvaro Dias, Arthur Virgílio, Agripino Maia, Joaquim Roriz, Marconi Pirilo, Ronaldo Caiado, Katia Abreu, André Pucinelli, são todos de direita e todos serristas, isso para não falar no folclórico Índio da Costa, vice de Serra. Comparado com Agripino Maia ou Jorge Borhausen, José Sarney é Che Guevara.
3. “Dilma não é simpática”.
Argumento precário e totalmente subjetivo. Precário porque a simpatia não é, ou não deveria ser, um atributo fundamental para o bom governante. Subjetivo, porque o quesito “simpatia” depende totalmente do gosto do freguês. Na minha opinião, por exemplo, é difícil encontrar alguém na vida pública que seja mais antipático que José Serra, embora ele talvez tenha sido um bom governante de seu estado. Sua arrogância com quem lhe faz críticas, seu destempero e prepotência com jornalistas, especialmente com as mulheres, chega a ser revoltante.

4. “Dilma não tem experiência”.
Argumento inconsistente. Dilma foi secretária de estado, foi ministra de Minas e Energia e da Casa Civil, fez parte do conselho da Petrobras, gerenciou com eficiência os gigantescos investimentos do PAC, dos programas de habitação popular e eletrificação rural. Dilma tem muito mais experiência administrativa, por exemplo, do que tinha o Lula, que só tinha sido parlamentar, nunca tinha administrado um orçamento, e está fazendo um bom governo.
5. “Dilma foi terrorista”.
Argumento em parte falso, em parte distorcido. Falso, porque não há qualquer prova de que Dilma tenha tomado parte de ações “terroristas”. Distorcido, porque é fato que Dilma fez parte de grupos de resistência à ditadura militar, do que deve se orgulhar, e que este grupo praticou ações armadas, o que pode (ou não) ser condenável. José Serra também fez parte de um grupo de resistência à ditadura, a AP (Ação Popular), que também praticou ações armadas, das quais Serra não tomou parte. Muitos jovens que participaram de grupos de resistência à ditadura hoje participam da vida democrática como candidatos. Alguns, como Fernando Gabeira, participaram ativamente de seqüestros, assaltos a banco e ações armadas. A luta daqueles jovens, mesmo que por meios discutíveis, ajudou a restabelecer a democracia no país e deveria ser motivo de orgulho, não de vergonha.
6. “As coisas boas do governo petista começaram no governo tucano”.
Falso. Todo governo herda políticas e programas do governo anterior, políticas que pode manter, transformar, ampliar, reduzir ou encerrar. O governo FHC herdou do governo Itamar o real, o programa dos genéricos, o FAT, o programa de combate a AIDS. Teve o mérito de manter e aperfeiçoá-los, desenvolvê-los, ampliá-los. O governo Lula herdou do governo FHC, por exemplo, vários programas de assistência social. Teve o mérito de unificá-los e ampliá-los, criando o Bolsa Família. De qualquer maneira, os resultados do governo Lula são tão superiores aos do governo FHC que o debate “quem começou o quê” torna-se irrelevante.
7. “Serra vai moralizar a política”.
Argumento inconsistente. Nos oito anos de governo tucano-pefelista – no qual José Serra ocupou papel de destaque, sendo escolhido para suceder FHC – foram inúmeros os casos de corrupção, um deles no próprio Ministério da Saúde, comandado por Serra, o superfaturamento de ambulâncias investigado pela “Operação Sanguessuga”. Se considerarmos o volume de dinheiro público desviado para destinos nebulosos e paraísos fiscais nas privatizações e o auxílio luxuoso aos banqueiros falidos, o governo tucano talvez tenha sido o mais corrupto da história do país. Ao contrário do que aconteceu no governo Lula, a corrupção no governo FHC não foi investigada por nenhuma CPI, todas sepultadas pela maioria parlamentar da coligação PSDB-PFL. O procurador da república ficou conhecido com “engavetador da república”, tal a quantidade de investigações criminais que morreram em suas mãos. O esquema de financiamento eleitoral batizado de “mensalão” foi criado pelo presidente nacional do PSDB, senador Eduardo Azeredo, hoje réu em processo criminal. O governador José Roberto Arruda, do DEM, era o principal candidato ao posto de vice-presidente na chapa de Serra, até ser preso por corrupção no “mensalão do DEM”. Roberto Jefferson, réu confesso do mensalão petista, hoje apóia José Serra. Todos estes fatos, incontestáveis, não indicam que um eventual governo Serra poderia ser mais eficiente no combate à corrupção do que seria um governo Dilma, ao contrário.
8. “O PT apóia as FARC”.
Argumento falso. É fato que, no passado, as FARC ensaiaram uma tentativa de institucionalização e buscaram aproximação com o PT, então na oposição, e também com o governo brasileiro, através de contatos com o líder do governo tucano, Arthur Virgílio. Estes contatos foram rompidos com a radicalização da guerrilha na Colômbia e nunca foram retomados, a não ser nos delírios da imprensa de extrema-direita. A relação entre o governo brasileiro e os governos estabelecidos de vários países deve estar acima de divergências ideológicas, num princípio básico da diplomacia, o da auto-determinação dos povos. Não há notícias, por exemplo, de capitalistas brasileiros que defendam o rompimento das relações com a China, um dos nossos maiores parceiros comerciais, por se tratar de uma ditadura. Ou alguém acha que a China é um país democrático?
9. “O PT censura a imprensa”.
Argumento falso. Em seus oito anos de governo o presidente Lula enfrentou a oposição feroz e constante dos principais veículos da antiga imprensa. Esta oposição foi explicitada pela presidente da Associação Nacional de Jornais (ANJ) que declarou que seus filiados assumiram “a posição oposicionista (sic) deste país”. Não há registro de um único caso de censura à imprensa por parte do governo Lula. O que há, frequentemente, é a queixa dos órgãos de imprensa sobre tentativas da sociedade e do governo, a exemplo do que acontece em todos os países democráticos do mundo, de regulamentar a atividade da mídia.
10. “Os jornais, a televisão e as revistas falam muito mal da Dilma e muito bem do Serra”.
Isso é verdade. E mais um bom motivo para votar nela e não nele.

(1) Alguns dados comparativos dos governos FHC e Lula.
Geração de empregos:
FHC/Serra = 780 mil x Lula/Dilma = 12 milhões
Salário mínimo:
FHC/Serra = 64 dólares x Lula/Dilma = 290 dólares
Mobilidade social (brasileiros que deixaram a linha da pobreza):
FHC/Serra = 2 milhões x Lula/Dilma = 27 milhões
Risco Brasil:
FHC/Serra = 2.700 pontos x Lula/Dilma = 200 pontos
Dólar:
FHC/Serra = R$ 3,00 x Lula/Dilma = R$ 1,78
Reservas cambiais:
FHC/Serra = 185 bilhões de dólares negativos x Lula/Dilma = 239 bilhões de dólares positivos.
Relação crédito/PIB:
FHC/Serra = 14% x Lula/Dilma = 34%
Produção de automóveis:
FHC/Serra = queda de 20% x Lula/Dilma = aumento de 30%
Taxa de juros:
FHC/Serra = 27% x Lula/Dilma = 10,75%

Jorge Furtado é gaúcho e diretor de cinema. Entre suas obras, há o curta ILHA DAS FLORES.

Com informações do Blog do Jorge Furtado

Campanha de Dilma alerta contra baixarias

Que eles estão apelando, não é novidade. Mas o nível desceu ao inimaginável. Tem de tudo na rede e tudo foi estimulado pelos líderes tucanos. Serra e sua mulher, Mônica, insuflaram questões religiosas e até que Dilma “queria matar as criancinhas”, como registrei aqui e saiu no Estadão .

Por isso, a campanha de Dilma está distrbuindo uma mensagem pedindo a todos que ignorem ou desmintam informações que circulam na rede e que são puro terrorismo.

Reproduzo, abaixo, o texto, e peço que mandem para todos os amigos e conhecidos, sempre com um pedido pessoal de apoio para esclarecer a verdade, não como spam.
Internet é usada para difundir mentiras contra Dilma

Estamos chegando à reta final da campanha. Faltam apenas cinco dias para irmos às urnas e elegermos Dilma Rousseff presidente. As pesquisas continuam mostrando a liderança da nossa candidata e apontam para uma possível vitória no 1º turno.

Mas, diante desse cenário de vitória, inúmeras mentiras em relação a Dilma têm sido inventadas e espalhadas na internet. A baixaria mais recente diz respeito a um e-mail que atribui a ela uma falsa declaração. Segundo o e-mail, Dilma teria dito que “nesta eleição, nem mesmo Cristo me tira essa vitória; as pesquisas comprovam o que eu estou dizendo, vou ganhar no primeiro turno”.

Dilma jamais disse isso. E nunca reconheceu uma vitória antecipadamente. Ao contrário, ela tem dito que pesquisa não ganha eleição, que eleição se ganha na urna. No mês de julho, em Curitiba, Dilma deu a seguinte declaração: “Ninguém pode subir no salto alto e sair por aí achando que já ganhou. Até o dia 3 de outubro, muita água vai rolar debaixo da ponte”.

No dia 21 de agosto, em Mauá (SP), Dilma novamente falou: “Eleição a gente não ganha com pesquisa. Eleição a gente ganha respeitando o voto do povo brasileiro. Peço para vocês muita atenção, muito empenho e muita garra, porque de hoje até o dia 3 nós vamos disputar cada voto.”

Outro tipo de e-mail baixaria é aquele que procura fazer campanha negativa contra a Dilma, espalhando mentiras para disseminar o medo entre a população. Como dizer, por exemplo, que o PT é contra a liberdade de culto e a liberdade de imprensa.

Já vimos este filme em outras eleições e, como bem definiu o presidente Lula em 2002, naquele ano “a esperança venceu o medo”. E vai ser assim novamente agora, com a eleição de Dilma presidente.

Em todos os eventos de que tem participado, Dilma demonstra coerência e valores como responsabilidade, compromisso e, principalmente, respeito ao eleitor e aos adversários.

É isso o que tem norteado a campanha de nossa candidata. É inadmissível que queiram vencer as eleições com base em calúnias e difamações.

Não se deixe enganar.

28.9.10

Pastor Silas Malafaia ataca Marina Silva


A seis dias da eleição, o pastor Silas Malafaia, da Assembleia de Deus Vitória em Cristo, acusou ontem a presidenciável Marina Silva
Pastor Silas Malafaia ataca Marina Silva
Silas Malafaia, da Assembleia de Deus Vitória em Cristo, atacou Marina Silva

Pior do que o ímpio é um cristão que dissimula. Eu queria entender como uma pessoa que se diz cristã, membro da Assembleia de Deus, afirma que se for eleita presidente do Brasil vai convocar um plebiscito para que o povo decida se aprova ou não o aborto, ou se aprova ou não o uso da maconha.

Marina precisa aprender com a ex-senadora Heloísa Helena, católica praticante e pertencente a um partido ultrarradical. Heloísa Helena declarou peremptoriamente: “Sou contra o aborto!” Na audiência pública da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados, deu um verdadeiro show, não apenas à luz de questões religiosas, como também científicas. Ela mostrou a desgraça, a mazela, e uma das coisas que mais aborrecem a Deus: a força dos poderosos contra os indefesos.

Ao propor plebiscito, Marina está “jogando para a torcida”, para ficar bem com os que são contra e com os que são a favor. SAI DE CIMA DO MURO, MINHA IRMÃ! QUE PLEBISCITO COISA NENHUMA! O povo brasileiro não tem todas as informações necessárias para decidir esta questão de maneira isenta. Temos toda a mídia a favor dessa nojeira do aborto. Com certeza vão jogar pesado para influenciar.

Cultivar uma vida cristã significa ser radical. Radical contra o pecado, contra esse sistema mundano dirigido pelo diabo. Como diz a Bíblia, não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso entendimento (Romanos 12.2).

A palavra de Marina como cristã teria de ser apenas isto: “Sou contra o aborto e a legalização da maconha”. Como faltaram convicção e firmeza em suas declarações, uma vez que o cristão tem de “mostrar a cara” posicionando-se de forma categórica contra o pecado, Marina perdeu meu voto.

Em suma, mudar por manipulação é ignorância. Mas mudar por adquirir conhecimento é inteligência. Não mudei meu voto para presidente da República por interesses mesquinhos e pessoais. Tenho compromisso com Deus, a Sua Palavra e a Igreja, e não posso omitir-me diante de uma decisão tão importante para a nação. Não vou macular a minha consciência para agradar ninguém. A verdade é que Marina não nega suas raízes petistas.

Silas Malafaia

Pastor

Boatos tentam desestabilizar reta final da campanha de Dilma

Rumor atribui à petista a frase “nem mesmo Cristo me tira essa vitória”

Divulgação

Dilma pede determinação à militância na reta final

Do R7

Uma falsa declaração atribuída à candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, circula na internet com o fim de desestabilizar a candidatura da petista nesta reta final da campanha, a cinco dias da eleição. De acordo com e-mails e mensagens repassadas pela web, Dilma, que lidera a disputa de acordo com todos os institutos de pesquisas, teria dito: “nem mesmo Cristo me tira essa vitória. As pesquisas comprovam o que eu estou dizendo, vou ganhar no primeiro turno”.

A declaração, no entanto, nunca existiu, de acordo com a equipe de campanha de Dilma e se deve ao “jogo baixo” utilizado pelos seus adversários durante a campanha.

Segundo o coordenador de comunicação da campanha da petista e candidato a deputado estadual por São Paulo, Rui Falcão, ela nunca deu esta declaração.

- É uma calúnia. Dilma respeita todas as religiões e jamais usaria o nome de Cristo em vão. Ainda mais com esse tom de arrogância, que não é do temperamento dela, muito menos de soberba com os eleitores.

Diferentemente da declaração atribuída a ela, a candidata do PT tem dito, sempre que questionada, que pesquisa não ganha eleição e a definição só ocorre no dia 3 de outubro, quando os eleitores forem às urnas.
Em campanha em Curitiba (PR), em julho, a candidata negou qualquer “salto alto”.

- Ninguém pode subir no salto alto e sair por aí achando que já ganhou. Até o dia 3 de outubro, muita água vai rolar debaixo da ponte.

A declaração foi repetida em evento em Mauá, na grande São Paulo, em evento de campanha no dia 21 de agosto.

- Eleição a gente não ganha com pesquisa. Eleição a gente ganha respeitando o voto do povo brasileiro. Peço para vocês muita atenção, muito empenho e muita garra, porque, de hoje até o dia 3, nós vamos disputar cada voto.

Fonte:

R7

27.9.10

Como os pais vêem os filhos




Você sabe com que idade seu filho começa a ter medo? Ou quando ele vai falar frases mais completas?

Levantamento da Hart Research Associates, empresa líder em pesquisas nos EUA, feito com 1.615 pais e mães, percebeu que muitos têm uma ideia errada sobre o desenvolvimento das crianças nos primeiros anos de vida. Pesquisas mostram que bebês de 6 meses já sentem medo e tristeza, mas 69% dos entrevistados acreditam que isso acontece bem mais tarde. Mais da metade (53%) também pensa que autoestima é coisa de criança maior, embora estudos sugiram que a habilidade de se autoavaliar aparece entre 1 e 2 anos. "Os pais precisam conhecer as etapas do desenvolvimento infantil e ter sensibilidade para perceber quando a criança precisa de cuidado. Até os 2 anos, ela não sabe identificar o que precisa, só sente um desconforto. Cabe aos pais interpretar os sinais dos bebês", diz Daniela Carla Prestes, chefe do serviço de psicologia do Hospital Pequeno Príncipe (PR).

Uma boa forma de fazer isso é estar sempre atento aos movimentos das crianças e olhar nos olhos delas. Ler previamente sobre o assunto e conversar com familiares e amigos também pode ajudar.

Fonte: Revista Crescer
Postado por Laelie Machado


Via: www.guiame.com.br

25.9.10

Voto de cajado



Artigo escrito pelo reverendo Ricardo Lengruber Lobosco, pastor metodista, comenta fatos recentes relacionados às eleições 2010. Diz ele: "Política e religião são dimensões muito próximas e muito distintas ao mesmo tempo. Se a primeira cuida, em tese, do público, a segunda, também em princípio se preocupa com o privado. A questão é que na política sempre haverá uma dose de individualidade (porque há a ideologia, as opções fundamentais, a visão de mundo etc), na mesma proporção que a religião sempre será eivada do público e do coletivo (porque a fé tem, em si, a dimensão histórica). Daí o diálogo travado e, por lamentável que seja, a promiscuidade entre ambas. A relação entre trono e altar já configurou páginas sofríveis da história humana e já contribuiu desastrosamente para a má compreensão a política e para a nefasta instrumentalização da religião.

"A democracia brasileira é muito jovem e, como tal, sujeita a muitas ameaças. Os antigos esquemas de tomada e manutenção do poder descobrem a cada eleição novos formatos para se tentar a subida pela rampa da autoridade constituída. Nessa busca quase que insana, vale de tudo: promessas, arranjos, alianças, trocas etc.

"Um setor que conseguiu relativo êxito nessa nova configuração dos anos de abertura que se seguiram à ditadura militar das décadas de 60 a 80 foi o “mundo evangélico”.

Quem não se lembra dos “pastores”, “irmãos”, “bispos” candidatos a tudo – vereadores, deputados, senadores etc? Não é nenhum esforço, também, recordar a imagem imperdoável que vem à mente quando se pronuncia a expressão “bancada evangélica”. Nada mais velhista e atrasado, senão corrupto e difamável, do que a representação político-partidária encabeçada pelos ditos “políticos evangélicos”.

"Isso, curiosa e aparentemente, diminuiu bastante nesse pleito. Não se vê tanto, como antes se experimentava, o nome dos candidatos seguidos por suas credenciais religiosas. Não creio, todavia, que tenham buscado outros caminhos de servir à sociedade. Acredito, isto sim, que tenham reinventado estratégias para se manterem às margens dos caudalosos rios da política brasileira, que ainda sofrem penosamente a poluição da corrupção e da falta de seriedade e competência.

"Até bem pouco tempo (se é que isso já teve fim), o que imperava na realidade política e eleitoral brasileira era o voto de cabresto. Um tradicional sistema de controle de poder político através do abuso de autoridade, compra de votos e utilização da máquina pública. Mecanismo recorrente nos setores mais pobres da sociedade, especialmente durante os primeiros anos da República. A figura central dessa prática – o coronel – era um grande fazendeiro que utilizava seu poder econômico para garantir a eleição dos candidatos que apoiava. .

"Nestas eleições, não tenho visto com a mesma freqüência os “irmãos” e “pastores” candidatos. Tenho notado, entretanto, os “pastores” e “bispos” que “apóiam” ou “indicam” seus candidatos.

"Isto me parece, a exemplo do voto de cabresto dos coronéis da República, o “voto de cajado” dos comandantes do povo evangélico brasileiro.

"O que parece que está acontecendo, salvo melhor juízo, é que os candidatos evangélicos agora têm duas caras. Uma para aparecer ao público de forma geral e outra para os “irmãos” da igreja. Para aqueles, se apresentam como qualquer um outro candidato, com projetos e promessas; para esses, se apresentam como os “escolhidos” das autoridades constituídas nas igrejas.

"O problema, me parece, está na influência que exercem tais autoridades sobre o coletivo e na capacidade de decisão das pessoas. É bem sabido pelos estudiosos da sociologia e da psicologia da religião sobre a capacidade de manipulação (proposital ou não) que tais lideranças exercem sobre seus “rebanhos”. Aliás, é uma relação que precisa ser melhor compreendida entre a influência dos superiores e a permissividade dos conduzidos, que preferem uma voz de comando a uma verdadeira tomada de decisão na vida.

"Esperaria de tais lideranças que soubessem se posicionar frente ao Estado e, profeticamente, conseguissem denunciar as mazelas de uma nação desigual e com tantos excluídos. Mas, ao invés disto, o que tenho visto é um esforço pela tomada de espaços nas esferas de governo para angariar benefícios particulares deste ou daquele grupo.

"Sou cristão e, como tal, livre e responsável. Há sobre mim um pastor que me guia, mas não tem título eclesiástico ao lado do seu nome. Não quero que meu voto seja induzido por nenhum cajado que não a minha capacidade de escolha e de tomada de decisão."

* Por Ricardo Lengruber, Pastor metodista. Doutor em Teologia. ricardo@lengruber.com

Fonte: Agência Soma

Pastor de Mega-igreja Prega 24 Horas Direto com Fé Audaciosa

Um dos pastores mais jovens de mega-igreja no país pregou o que pode ter atingido sermões de metade de um ano em 24 horas.

  • Church\steven-furtick
    (Foto: Elevation Church via The Christian Post)
    Steven Furtick, pastor principal da Igreja Elevation em Charlotte, N.C., prega para uma audiência ao vivo pela Web, em 21 a 22 de setembro temos chapel..;;

Exectutando o que ele chamou de a idéia mais louca, mais estúpida que já teve, o Pastor Steven Furtick parou-se em frente a uma audiência da Web ao vivo na terça e quarta-feira, ensinando a Bíblia durante 24 horas direto.

Apesar de horas de sermão poder soar facilmente como tedioso para alguns, o evento online foi uma grande atração para milhares que eram familiares com a pregação apaixonada do jovem pastor.

“Fé audaciosa” foi a passagem principal que ele proclamou.

É a mesma passagem encontrada em seu mais novo livro lançado, “Sun Stand Still: What Happens When You Dare to Ask God for the Impossible (O Sol Ainda Está Parado: O que Acontece Quando Você Ousa Pedir a Deus do Impossível).”

“Há muitas pessoas vivendo com a dor ordinária, nada supernatural parece acontecer em suas vidas,” disse ele.

O pastor de 30 anos relembrou os telespectadores, “Nós servimos a Deus que pode fazer o impossível.”

“Por que você parou de acreditar em Deus do impossível?” perguntou ele.

Furtick, que lidera a Igreja Elevation em Charlotte, NC, estava comemorando o dia que ele lançou seu primeiro livro. Ao invés de assistir aos rankings da Amazon todo o dia, ele decidiu celebrar o lançamento do livro em “estilo épico.” Desta maneira, as 24 horas de “pregação do bom espírito santo a moda antiga.”

Não foi um truque, enfatizou ele, e ele reconheceu que ele não era um pregador de TV ou “O LeBron James dos pastores.” Mas o evento online foi uma celebração que Deus tem posto em seu coração para compartilhar com o mundo.

Respondendo às críticas que ele fez “Proxenetismo” de seu livro todo o dia, Furtick admitiu que ele estava. Mas ele disse que estava fazendo isso porque ele realmente acredita que a mensagem – a mensagem de Deus – no livro irá mudar a vida das pessoas.

Inicialmente, ele hesitou em escrever o livro.

“Assim como livrarias cristãs precisam outro livro em suas prateleiras,” disse ele.

Mas o que aconteceu foi que ele acreditou que muitas pessoas estavam em uma posição onde eles precisavam “ser empurrados dentro da psicina." Ele quis dizer-lhes para parar de caminhar na piscina infantil e ir para o fundo do poço, para pararem de se contentar com a mediocridade espiritual e começar espiritual e começar a viver com ousadia incomum.

"Seu sistema de crenças, sua maneira de ver o mundo, sua estrutura, a partir de que você opera, vai ser uma perspectiva de fé ou de uma perspectiva de medo," disse ele durante o evento online. "E o campo de batalha, onde todos que joga para fora em sua mente."

Há mentiras que impedem as pessoas de ter fé audaciosa, observou ele.

"Quem disse que você não tem o que fazer para cumprir o chamado que Deus colocou em sua vida?" representou ele. "Você tem que descobrir a mentira e substituí-la pela verdade."

Furtick alertou os telespectadores que podem ter arrogância de Jagger em suas vidas - "pessoas que querem interromper você e impedir você de perseguir aquilo que Deus te chamou para fazer."

Eles não são sempre mal-intencionados, apontou ele. Às vezes, eles são pessoas bem-intencionadas.

Mas "você não pode deixar ninguém etapa entre você e o plano que Deus tem para você," ressaltou.

Foi quase cinco anos atrás, quando Furtick - com pouca experiência e estratégia - tomou a decisão de avançar para uma nova cidade onde eles não tinham ligações e começar uma Igreja. Ele tinha apenas 25 anos e recém-casado com uma criança.

Alguns tentaram dissuadi-lo de fazer o movimento. Disseram-lhe para encontrar algo mais seguro, com segurança e benefícios.

"As pessoas tentaram me desvalorizar, colocar-me no meu lugar," lembrou.

Mas com fé, ele se mudou para Charlotte e agora lidera uma das Igrejas de mais rápido crescimento no país. Em menos de cinco anos, a elevação da Igreja tem visto mais de 8.000 pessoas professando a fé em Cristo.

"Estou contente por ter permanecido fiel a Deus," disse ele. "Estou contente por ter ficado beligerante pela bênção de Deus."

Furtick desafiou os Cristãos a não necessariamente ignorarem a sabedoria, mas para abraçar audácia.

"Isto não é algum tipo de louco lá fora, se você tem fé suficiente, Deus lhe dará 17 casas de férias em Dubai e as Ilhas Fiji," ele deixou claro. "Eu estou falando de quando nossos desejos se encaixam com desejos de Deus - a salvação dos perdidos, a cura de alguém que está doente para a Sua glória ... - você realmente pode se tornar tão convencido da vontade de Deus para agir em seu nome que você pode se aproximar dele com um tipo de beligerância santo."

É o tipo de fé que Josué demonstrou quando ele se atreveu a pedir a Deus fazer o sol ficar parado quando ele conduziu os israelitas na conquista de Canaã, como registrado no Velho Testamento.

Foi uma oração sem precedentes, observou Furtick, para não mencionar impensável para o sol e a lua ficarem parados.

Mas Furtick salientou, "Se é fora do reino das possibilidades humanas, então dá-se a Deus a oportunidade de demonstrar a Sua glória."

Deus, disse ele, gosta de cenários onde as probabilidades estão contra Ele.

O evento de 24 horas, que começou ao meio-dia de terça-feira, incluiu momentos de adoração e curtas-metragens. Furtick tentou pregar para uma porção de cada hora, cafeinado com Diet Coke e Starbucks. Ele não tem 24 horas de sermões preparados porque "isso seria suicídio," disse ele. Mas ele tinha pilhas de cadernos com ilustrações sermão e as idéias que ele nunca foi capaz de usar por causa do tempo limitado de serviços de adoração de cada fim de semana.

Em seu sermão final, Furtick incentivou os Cristãos a acreditarem que eles nasceram para o que Deus os chamou para fazer.

"Para nós, a insegurança pelo que Deus nos chamou a fazer é concordar com a avaliação que Deus fez," observou. "Deus tem vindo a moldar-lhe toda a sua vida por esse momento."

Na Bíblia, a fé audaciosa é a norma, ele disse, os valores constantes de Abraão e Elias a Jesus e Paulo.

"Nosso Salvador é um Salvador audacioso. A morte não pôde segurá-lo. O inferno não poderia derrotá-lo," pregou.

Encerrando as 24 horas com um desafio, ele disse, "eu estou pronto para ver o que acontece quando tomamos o nosso lugar como a vida, a respiração, o avanço da Igreja de Jesus Cristo ... caminhar na fé audaciosa, clamando pela promessa e vendo Deus fazer o impossível."

“Sun Stand Still” chegou em 28º na Amazônia, nesta quarta-feira.