Eleições a vista

Vamos hoje, pensar um pouco sobre as eleições que se aproximam. E as eleições podem ser observadas de ângulos diversos. Não existe como fugir do clima eleitoral. Ele envolve a todos, a não ser que nos escondamos no porão da alienação.

Se um crente pode honrar a Deus exercendo qualquer atividade lícita, é claro que um bom crente pode também honrar ao Senhor participando ativamente da atividade política, inclusive disputando cargos eletivos.

Em qualquer atividade, de qualquer área da vida, existem desde os que agem pessimamente, até aqueles que procedem com dignidade, com sabedoria. São pessoas que se posicionam corretamente perante as adversidades, e sabem caminhar entre os espinhos do meio em que vivem.

Na semana que passou, em um estado vizinho ao nosso, dois homens discutiram sobre política. Um deles se retirou fazendo ameaças. Ninguém esperava que uma discussão produzisse aquele desfecho. O cidadão retorna algum tempo depois, e desfere um golpe mortal no pescoço do desafeto, praticando um crime que consternou a população.

Estou certo de que citei um caso real, mas caso extremo. Porém, quem ignora o que ocorre de negativo nas discussões consideradas políticas, entre pessoas de todas as classes, de todas as camadas?

Como evangélicos, qual deve ser a nossa postura?

Antes de tratar de questões relacionadas aos temas e ligadas à política, é bom que consideremos os desafios dos nossos relacionamentos. Esse enfoque é válido porque, como evangélicos, nós já nos defrontamos com pessoas que nos rejeitam pelo fato de sermos evangélicos. Na política, encontramos a cada passo que damos, pessoas que divergem de nós. As divergências podem nos acompanhar no lar, no ambiente de trabalho, no clube. O que significa a guerra de torcidas? Nada mais do que uma oportunidade para que a selvageria e a estupidez humana se manifestem, porque ela já está presente nos corações de bandidos com fardas de torcedores.

Paulo, escrevendo aos cristãos de Roma, diz: “quanto depender de vós, tende paz com todos os homens”. Este objetivo para ser atingido deve começar com o respeito ao próximo. Devemos considerar os outros como seres criados à imagem e semelhança do nosso Pai. Aprecio muito um pensamento de um autor que eu desconheço que diz: “As pessoas mais insignificantes, são as mais aptas a demonstrar desdém por outras”. Respeitemos cada pessoa.

Qual deve ser o teor de nossas discussões? Existe um velho, um antigo pensamento que diz: “Boas mentes debatem eventos ou projetos; grandes mentes debatem ideias; mentes pequenas debatem a vida dos outros”. Tratemos bem aqueles que Deus põe em nosso caminho. Lembremos que uma boa forma de agradar a Deus é tratar bem os Seus filhos. Se nós estivermos pelejando para mudar a nós mesmos, seremos mais pacientes, mais indulgentes com os outros.

Agora, relacionemos alguns postulados sobre a nossa postura diante das eleições:

I – Somos cidadãos de duas pátrias. Cidadãos brasileiros e cidadãos da pátria celestial. Temos deveres para com o nosso País, e temos um compromisso superior com o Reino que não é deste mundo. O mundo nos respeitará, se perceber que há em nós ambições e sonhos superiores aos sonhos materialistas que povoam a mente e o coração do ímpio. Os sonhos do homem sem Deus não vão além do desejo de dinheiro, fama ou poder.

II – Como Evangélicos Batistas, estarmos atrelados ao princípio da separação entre a Igreja e o Estado. Igreja batista não pode optar por esse ou aquele candidato. Igreja Batista não pode ter partido político. Um batista consciente não vota visando interesses pessoais, mas sim os interesses da coletividade.

III – Qualquer membro da Igreja Batista Teosópolis é livre para votar segundo a sua consciência. Todos serão sempre respeitados em suas convicções. Tentar impor o nome desse ou daquele candidato é violentar o direito de todo cidadão.

IV – A Igreja batista Teosópolis, igreja ligada à Convenção Batista Brasileira, jamais receberá dinheiro público para o desenvolvimento do seu programa de atividades. Parcerias que vierem a ser firmadas visarão sempre ajudar naquilo que é obrigação do Estado. É o caso da Educação, saúde, etc.

Irmãos, nunca idolatremos esse ou aquele político. Respeitemos a todos. Oremos por eles. Sejamos amigos, nunca subservientes. Somos servos de Deus, e não de homens. “Somente vaidade são os homens plebeus; falsidade os de fina estirpe; pesados em balança, eles juntos são mais leves que a vaidade”.

Que Deus nos dê sabedoria e assim, honremos o Seu nome. Amém! Salmos 62.9


Por  Pr. Hélio Lourenço da Silva

Comentários

Edlane Brandão M.Bacelar disse…
Sábias palavras do Pastor Hélio. Sou membro da Igreja Batista Teosópolis a 13 anos e nunca vi Pastor Hélio usar a igreja para apoiar esse ou aquele candidato. Sempre com sua postura ética até mesmo com os candidatos da própria igreja, como Jr.Brandão, Dr.Eliezer, Beto Dourado e outros. Fico triste quando vejo irmãos ligados à partidos políticos insinuarem que Pr. Hélio está com esse ou com aquele! No programa eleitoral de Vane, Pastor Hélio apenas aconselha os eleitores, principalmente os cristãos, sobre quais critérios avaliarem na escolha do seu candidato. Já tem gente do PT dizendo que Pr. Hélio foi usado e fiquei pasma, que Pr. Hélio é deles! É de espantar! Ora, além de não dizer nada a favor de Vane, que eu saiba um programa só usa a mensagem ou o depoimento de alguém, se este autorizar! E pelo convívio e conhecimento que tenho, minha absoluta convicção é a de que Pastor Hélio Loureço é de Jesus Cristo, consumador e autor da sua fé! Que Deus continue o abençoando e lhe dando mais e mais sabedoria!

Postagens mais visitadas deste blog

A UNIÃO ENTRE OS IRMÃOS

O Conflito entre Israel e os Palestino à Luz da Bíblia

Mateus 6:16-18