Campanha mobiliza cristãos a não aceitarem o “voto de cajado”

A indicação de pastores tem muita influência no voto dos fiéis e esse tem sido um dos motivos que fazem com que muitos líderes religiosos aceitem negociar com candidatos políticos oferecendo esses votos como moeda de troca. Enquanto a grande maioria não enxerga problemas nessas alianças, um grupo de cristãos resolveu protestar e alertar a todos sobre o voto de cabresto nas igrejas evangélicas.
O movimento surgiu nas redes sociais no dia 22 de agosto e por se tratar da relação entre pastores e ovelhas e a palavra “cabresto” foi substituída por “cajado” surgindo assim a campanha “Fale contra o voto de cajado”.

O secretário da Rede Fale, Caio Marçal, explica o principal motivo dessa campanha: “O papel dessa campanha é qualificar a participação da igreja evangélica na vida pública brasileira que hoje tem a imagem chagada por tantos escândalos que envergonham o testemunho cristão em nosso país ocasionado pelo mau uso da influência que alguns líderes religiosos”.

Quem desejar participar ou conhecer mais sobre essa mobilização pode acessar o sitewww.fale.org.br e enviar imagens, vídeos ou textos referentes a essa discussão. Além disso, os internautas serão encorajados a se posicionarem em oração clamando a Deus para que os fiéis tenham uma participação mais consciente nas eleições 2012.

“Queremos convocar o povo evangélico para também orar para esse tipo de abuso espiritual cesse e assim possamos resgatar o real sentido de uma fé bíblica e transformadora”, diz Caio.

Felipe Degani, integrante da Rede Fale do Estado do Rio de Janeiro, comenta uma matéria publicada no jornal O Globo de 19 de março deste ano que falava sobre a importância do voto evangélico dizendo que os principais candidatos à prefeitura do Rio de Janeiro buscariam apoio dos líderes religiosos.

“Naquele momento, ficou claro que o voto dos evangélicos é encarado como um componente decisivo nas eleições em nosso país e – pior – um componente negociado e manipulado por diversos interesses políticos, como um segmento qualquer”, disse.

Degani tem consciência política e sabe que essa influência exercida pelo pastor e seus interesses pode prejudicar na escolha de um novo representante do povo. “Propus a meus companheiros da Rede que levantássemos uma campanha que alcançasse as igrejas evangélicas, com o objetivo de conscientizar sobre a importância da política e sobre o jogo de interesses que interferem em nossos arraiais para legitimar o domínio de determinadas personagens que agem como ‘coronéis’”, afirma. 
por Leiliane Roberta Lopes
Fonte: Gospel Prime

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A UNIÃO ENTRE OS IRMÃOS

O Conflito entre Israel e os Palestino à Luz da Bíblia

Mateus 6:16-18