4.9.13

DOM ODILO SCHERER PRESIDE CONSELHO DE ONG ACUSADA DE DESVIAR R$ 47,5 MI

A organização não governamental Centro de Atendimento ao Trabalhador (CEAT) é alvo de investigação da Polícia Federal, por desviar recursos de contratos com o Ministério do Trabalho e Emprego; entidade tem unidades em São Paulo, no Rio de Janeiro e em Brasília, desviava recursos destinados à criação e manutenção de centros públicos de empregos e de qualificação de trabalhadores nos municípios de São Paulo e do Rio de Janeiro; oito pessoas foram presas nesta terça-feira (3) por envolvimento no caso; entre elas, o padre Lício de Araújo Vale, muito ligado a Dom Scherer
Do Brasil 247 – A organização não governamental Centro de Atendimento ao Trabalhador (CEAT), que está sendo alvo de investigação pela Polícia Federal, por desvio de R$ 47,5 milhões, em contratos com o Ministério do Trabalho e Emprego, tem como presidente do seu conselho consultivo Dom Odilo Pedro Scherer, arcebispo de São Paulo.
A organização, que tem unidades em São Paulo, no Rio de Janeiro e em Brasília, desviava recursos destinados à criação e manutenção de centros públicos de empregos e de qualificação de trabalhadores nos municípios de São Paulo e do Rio de Janeiro.
A operação da PF, denominada Pronto-Emprego, teve início em janeiro deste ano e constatou o desvio dos recursos e lavagem de dinheiro desde a concessão de verbas no ministério. Além disso, foi comprovado o direcionamento das contratações, a inexecução de contratos, doações fictícias e simulações de prestações de serviço. Sete integrantes da ONG e um assessor do Ministério do Trabalho foram presos e responderão por quatro crimes: corrupção, formação de quadrilha, lavagem de dinheiro e peculato, cuja soma das penas pode chegar a 37 anos.
Segundo a investigação da PF, o assessor da Secretaria de Políticas Públicas da pasta Gleide Santos Costa atuou para que, mesmo contra a lei e pareceres técnicos internos, fossem assinados aditivos a convênios com o Ceat. Segundo a Folha, após se reunir com dirigentes do Ceat na segunda-feira, o assessor foi preso no dia seguinte em flagrante em um hotel em São Paulo, com R$ 30 mil que a PF suspeita ser propina. Costa contou com o auxílio da assessora da pasta Ivana Lúcia Zillig de Paiva, que buscava "manobras técnicas" para emplacar os aditivos, segundo a decisão judicial que autorizou a operação.
De acordo com o despacho de 27 de agosto, "os assessores contam com o aval do secretário de Políticas Públicas do ministério, Antônio Sérgio Alves Vidigal, que demonstrou ter uma relação próxima com Lício de Araújo Vale", que é padre e diretor do Ceat. Muito ligado a Dom Scherer é apontado como intermediador dos interesses da entidade no ministério.
A verba obtida com os convênios e aditivos foi repassada ao Ceat e deveria ser investida em centros públicos de emprego e a qualificação de trabalhadores. Porém, foi desviada com a ajuda de empresas de fachada administradas pelos próprios dirigentes da ONG. Parte do dinheiro foi usado para a importação de produtos da China e venda em nas rua 25 de Março e Santa Ifigênia, centros de compras da capital, disse o delegado da PF Alberto Ferreira Neto.
A presidente da ONG, Jorgette Maria de Oliveira, que já foi filiada ao PDT, o padre Vale e outros cinco dirigentes do Ceat foram presos. Carros e valores em contas dos suspeitos foram sequestrados pela Justiça. Eles são acusados de corrupção, desvio de verbas, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha.
Segundo informações do site do CEAT, a instituição tem como objetivo proporcionar a inclusão socioprodutiva, fornecer qualificação profissional e a intermediação de mão de obra, além de habilitação ao seguro-desemprego e emissão de carteira de trabalho. “O CEAT ajuda a qualificar para o emprego, o que hoje parece ser prioridade. Existe a possibilidade de trabalho, mas as pessoas não estão preparadas. No momento, o Brasil é como um trem, com muitas vagas disponíveis. Precisamos ajudar essas pessoas a embarcarem no trem da história, das oportunidades, estando preparadas”, afirmou Dom Odilo Scherer, em 2010, quando houve inauguração de mais unidade do centro. 

Nenhum comentário: