14.2.13

Papa Bento XVI: Os verdadeiros motivos da renúncia


Segundo informações do Vaticano, Bento 16, 85 anos, renunciará oficialmente às 20h do dia 28 de fevereiro. Ele se mudará para a residência de verão dos papas em Castelgandolfo, cidade a cerca de 30 km de Roma. Após a escolha do novo papa deverá se mudar para o mosteiro “Mater Ecclesiae”, no interior do Vaticano, onde poderá estudar, escrever, escutar música, rezar e passear pelos jardins.

Joseph Ratzinger voltará ser cardeal e terá o título de bispo emérito de Roma, abandonando o nome Bento XVI. A agência EFE entrevistou um cardeal que preferiu não se identificar. Ele admite que “Um dos problemas que a Santa Sé enfrentará em um breve futuro, será a convivência dentro dos muros vaticanos do sucessor de Bento XVI e também do papa demissionário”.

Embora tenha alegado estar cansado e sem energia, há fortes indícios que Ratzinger estaria isolado politicamente. Fontes próximas ao Vaticano afirmam que a exaustão alegada não é apenas por causa da sua saúde, mas seria por causa da disputa de poder que marcou seus últimos meses no trono. A principal causa seria o “governo paralelo” criado pelo cardeal Tarcisio Bertone, um dos favoritos à sucessão. Bertone era amigo pessoal de Bento 16 e quem mais recebeu poder na Igreja em 2005, quando o papa assumiu o trono.

Desde então, fez alianças com membros da Cúria que teriam colocado o atual papa contra cardeais da Santa Sé.

Indiretamente, a Santa Sé confirmou que a fragilidade não era apenas de sua saúde. “O papa é uma pessoa de grande realismo e conhece os problemas e as dificuldades”, afirmou o porta-voz da Igreja, Federico Lombardi. “A renúncia foi uma mensagem à Cúria, mas também a todos nós”.

Fontes das embaixadas estrangeiras junto à Santa Sé contaram ao jornal O Estado de São Paulo que o papa renunciou de livre vontade, mas consciente da resistência de seus ex-aliados.

Oito anos atrás, Bento 16 chegou ao trono com a promessa de que faria uma “limpeza na Igreja”. Havia uma série de denúncias contra cardeais que simplesmente eram ignoradas ou levavam anos para serem apuradas. Por exemplo, os casos de Roger Mahony, Thomas Curry e Marcial Maciel, fundador dos Legionários de Cristo.

Embora tenha se esforçado, Bento 16 não conseguiu cumprir sua meta de “tolerância zero” em relação à pedofilia. Ele chegou a declarar “Quanta sujeira há na Igreja”.

Após as denúncias públicas de seu ex-mordomo, Paolo Gabriele, pesaram a revelação da corrupção existente no Banco do Vaticano. Ele perdoou o empregado, ciente que embora condenado, não agora sozinho e que atividades e manobras escusas nos bastidores da Santa Sé não paravam.

Para a revista italiana Panorama, o papa teria decidido renunciar em 17 de dezembro do ano passado, após ler um novo relatório durante o escândalo do vazamento de documentos oficiais do Vaticano, conhecido como “Vatileaks”.

Na ocasião, Bento 16 recebeu os três cardeais que nomeou para investigar o vazamento de seus documentos pessoais e do Vaticano, os cardeais Julián Herranz, Salvatore De Giorgi e Jozef Tomko.

O relatório apresentado por eles continha documentação, entrevistas e interrogatórios, que revelaram uma grande “resistência na Cúria à mudança e muitos obstáculos às ações pedidas pelo papa para promover a transparência”.

De acordo com a publicação, o papa ficou “muito decepcionado” com o que ouviu e admitiu “ter descoberto uma face da Cúria vaticana que jamais tinha imaginado. Antes do Natal começou a pensar seriamente em sua renúncia”.

Durante sua última grande missa, na Quarta-Feira de Cinzas, Bento 16 deu dicas que se preocupa que os seguidores de Cristo deveriam mostrar o verdadeiro rosto da Igreja, reconhecendo que muitas vezes essa face “aparece desfigurada por pecados”.

“Penso em particular nos atentados contra a unidade da Igreja e nas divisões no corpo eclesial”, asseverou durante a homilia na Basílica de São Pedro, quando denunciou “a hipocrisia religiosa, as atitudes que buscam aplauso e aprovação”, citando as “divisões no corpo eclesial”.

Durante a missa de abertura da quaresma, disse querer chamar a atenção da igreja e denunciar “golpes” contra a mesma. Também pediu aos fieis a superar “individualismos e rivalidades”.

Esta é apenas a segunda vez que um papa da Igreja Católica renuncia ao pontificado. Antes, no ano de 1294, Celestino 5º abdicou antes de ser consagrado. Ele, que havia vivido como um ermitão antes de ser designado papa, não se sentia preparado para assumir o comando da Igreja. Com informações de Terra, UOL e O Estado de São Paulo.

Nenhum comentário: